BLOGUE OS BÁRBAROS

 
Silly season 2022 08-2022
Se nos lançarmos ao trabalho, vencendo a moleza inerente ao tempo que se faz sentir, de passar uma vista de olhos pelos principais órgãos de imprensa escrita do establishment, vários são os temas que irão, e já estarão, a inquietar-nos: a guerra da Ucrânia, a subida do preço da energia, os lucros extraordinários e obscenos dos grandes grupos económicos e dos bancos para além das empresas directamente ligadas ao sector das energias, a inflação galopante que não se sabe até onde irá chegar, os incêndios que serão definitivamente extintos somente quando deixarem de ser negócio, o SNS debaixo de fogo cada vez mais intenso, com a suspeita de privatização a curto prazo da área da obstetrícia/ginecologia, numa estratégia que vem de há muito e sob pressão de Bruxelas, a justiça que, embora não pareça, é branda com os inspectores do SEF que acusados de tortura, omissão de auxílio e homicídio apenas levaram 9 anos de prisão ou de Ricardo Salgado, o banqueiro do regime, que para além de ainda não estar preso viu a caução diminuir de 3 milhões de euros para metade e a reforma melhorada para 90 mil euros por mês, o partido de extrema-direita com representação parlamentar questionar a prepotência do presidente da dita “casa da democracia”, ambos em plena campanha de auto-promoção, o segundo como candidato a candidato a Belém, o cantor que não tem voz mas que apanha sempre a onda para também se promover e quando ameaçado corre para as saias governo a pedir protecção, a Igreja Católica que não consegue explicar o seu silêncio sobre os casos de pedofilia, a continuação do estado de alerta para se manter o uso da máscara até ao fim do mês de Agosto quando o próprio governo convida a realização em Portugal de grandes eventos desportivos internacionais e, entretanto, continua a comprar vacinas, agora para a virose dos macacos. Etc., etc.... [ler mais]
Cuidado com os falsos anti-imperialistas (Emanuel Pastreich) 08-2022
«Os bilionários ociosos não sabem o que fazer com todo o seu dinheiro. Mas eles certamente não perdem a chance de despejar dinheiro em falsos anti-imperialistas destinados a levar aqueles que buscam mudanças reais por caminhos tortuosos para o vale da condenação.
Esse truque barato já foi território do Partido Democrata. Infelizmente, esse burro, ou, digamos, cavalo de Tróia, está tão sobrecarregado e sobrecarregado com os excrementos da classe parasita que agora novos revolucionários fraudulentos precisam ser lançados... [ler mais]
Insanidade e subserviência da UE a Washington estão afundando a Europa 08-2022
«Este suicídio auto-infligido de nações europeias foi imposto por governos que se prostraram à agenda imperial de Washington de confrontação com a Rússia. A guerra na Ucrânia é o resultado trágico de muitos anos de beligerância dos EUA-OTAN contra a Rússia. Qualquer um que ouse declarar a verdade objetiva é caluniado como um propagandista do Kremlin. A discussão pública e o pensamento críticos foram totalmente cancelados no ocidente. A censura maciça da Internet agravou esse cancelamento. Este jornal online, por exemplo, foi posto na lista negra e bloqueado para os leitores nos EUA e na Europa por governos que declaram defender o livre discurso e o pensamento independente... [ler mais]
Hitler transformou ucranianos em arianos (Peter Haisenko) 08-2022
«Os alemães são um povo estranho. Por um lado, eles se banham no culto da culpa porque Hitler e o nacional-socialismo existiram e, por outro, cultivam as preferências e heranças do Führer. Com isso quero dizer não apenas o imposto da igreja ou o Primeiro de Maio, mas também o amor pelos povos irmãos ingleses e arianos.
Quem leu “Mein Kampf” sabe disso. Hitler admirava os ingleses e buscava sua amizade. Ele nunca entendeu que desde 1875 o objetivo declarado do governo de Londres era destruir o Império Alemão; que foram os ingleses que colocaram os dois países mais populosos da Europa um contra o outro em 1914. Rússia em 1900: - 132 milhões, DR - 56 milhões, Grã-Bretanha - 37 milhões, França - 39 milhões. Para comparação, EUA - 86 milhões. Em 1917, uma entidade estatal chamada Ucrânia apareceu pela primeira vez. Era uma construção do Reich alemão que deveria ser criada contra o Império Czarista, mas depois foi incorporada à União Soviética. Pode-se dizer que o conflito ucraniano-russo é uma invenção alemã que continua até hoje... [ler mais]
A nossa inefável burguesia, o PRR e o FMI 07-2022
«Parece que provocou algum alvoroço a notícia de que um dos empresários nacionais, dos novos ricos surgidos depois do 25 de Abril e no Portugal inundado por muitos milhões de euros dos fundos europeus, irá receber, ao que dizem será para as suas empresas, cerca de 40 milhões de euros, ou seja, 52% do total da dita recapitalização estratégica já aprovada, 76,7 milhões de euros. O motivo de alarme será também o facto de o indivíduo estar a ser investigado por alegadamente ter usado offshores para fraude fiscal de seis milhões de euros, embora o caso seja já antigo. Mas mal se começara a falar no favorecimento, a Autoridade Tributária e Aduaneira, parecendo adormecida, logo desperta e confirma que o indivíduo é “suspeito de fraude qualificada e branqueamento de capitais”. Conhecendo-se a história de outros oligarcas, emergentes à custa dos dinheiros públicos e fundos europeus, que mais tarde são sempre pagos pelo povo e acrescidos dos devidos juros, onde está então a admiração?... [ler mais]
Os Franceses precisam de dialogar (Thierry Meyssan) 07-2022
«O resultado das eleições presidencial e legislativa francesas enfraquece tanto o Executivo como o Legislativo e bloqueia a situação política. Os eleitores recusaram apoiar o regime e endossar as suas decisões. Desde 2005, enquanto os seus dirigentes os ignoravam eles não cessaram de dizer ao que se opunham. Aquilo que poderia restabelecer o país está pois perfeitamente identificado, mas a maioria dos eleitos julga-se acima da razão e não em servir o seu povo. (...)
Muito embora 38 % dos inscritos tenham eleito Emmanuel Macron, apenas 14 % elegeram deputados que lhe são favoráveis, forçando-o assim a uma coabitação com as suas oposições. De facto, a Assembleia Nacional, que já não era um lugar de debate, mas uma câmara de registo da vontade presidencial, tornou-se um circo onde os deputados se interrompem e se atacam. Consequentemente, não foi só o Executivo, mas também o Legislativo que se tornaram inoperantes... [ler mais]
Quando os globalistas cruzaram o Rubicão: o assassinato de Shinzo Abe (Emanuel Pastreich) 07-2022
«8 de julho foi um dia abafado na antiga capital do Japão. Shinzo Abe, a figura mais poderosa da política japonesa, estava fazendo um discurso de apoio para um candidato local do Partido Liberal Democrata em frente à estação ferroviária de Nara Kintetsu quando de repente soou um estrondo alto, seguido por uma estranha nuvem de fumaça.
A resposta foi incrível. Entre aqueles, na multidão incomumente grande, nem uma única pessoa correu para se proteger ou caiu no chão aterrorizada.
Os guarda-costas de Abe, que ficaram estranhamente distantes dele durante o discurso, olharam impassíveis, sem fazer nenhum esforço para protegê-lo ou puxá-lo para um local seguro... [ler mais]
Agricultores holandeses revoltam-se contra a 'reinicialização' do sistema alimentar (Dr. José Mercola) 07-2022
«Subjugar a Rússia e a China é um problema existencial porque quando a “destruição criativa” é aplicada à economia ocidental, todo o resto também deve cair.
Algumas pessoas informadas estão começando a suspeitar que pode haver mais no mundo do que a guerra na Ucrânia. Dizem que a 3ª Guerra Mundial já começou e as coisas vão piorar a partir de agora. Isso pode ser difícil de determinar à medida que participamos dos eventos que se desenrolam e não temos o benefício da perspectiva histórica. É duvidoso que as pessoas em 1939 tenham percebido que estavam vendo o início de um grande conflito mundial, embora alguns possam ter suspeitado disso.
A situação global atual é, em muitos aspectos, como um quebra-cabeça gigante, onde o público em geral vê apenas uma pequena parte de todo o quadro. A maioria nem percebe que pode haver mais peças e nem faz essas perguntas simples: Por que tudo isso está acontecendo e por que está acontecendo agora?... [ler mais]
“Os trabalhadores estão mais ricos”, diz o Costa 07-2022
«Cada vez mais o governo de Costa/PS 2.0 se assemelha ao governo de má memória Passos&Portas quanto à duplicidade da política que é aplicada. O discurso é sempre a “bem do povo” (antigamente era “nação”) mas a prática nunca deixa de favorecer as elites, com marcado prejuízo para os que trabalham e fazem funcionar o “país” – conceito diverso conforme os diferentes interesses dos que ali residem. Quando Costa diz que o “salário médio subiu 23% nos últimos seis anos”, não percebendo a polémica desencadeada pela declaração de que os salários poderão crescer mais de 20% nos próximos quatros anos da legislatura, esta reacção faz-nos pensar em outras duas declarações do passado, uma de Luís Montenegro, actual líder eleito do PSD, "a vida das pessoas não está melhor mas o país está muito melhor", a outra de Bagão Félix, ex-ministro da Segurança Social e do Trabalho no governo de Durão Barroso/PSD e das Finanças no governo efémero de Santana Lopes/PSD, “Portugal está melhor, mas os portugueses estão pior”. E para azar de Costa, os números estão constantemente a desmenti-lo, o que poderá ser trágico para o povo português em termos de premonição... [ler mais]
A ideologia dos banderistas (Thierry Meyssan) 07-2022
«Se Stepan Bandera era um agente da Gestapo e não deixou mais do que memórias (positiva para alguns) de massacres e das torturas que organizou, Dmytro Dontsov era — e continua a ser — o seu pensador de referência. Foi ele que inventou o racialismo ucraniano e idealizou como arma o fanatismo dos seus combatentes.
Se nos artigos precedentes apresentei a história do movimento banderista do período entre-guerras até ao dias de hoje, aqui quero falar da sua ideologia.
O seu intelectual de referência, ontem e hoje, é Dmytro Dontsov (1883-1973). Embora tenha morrido no Canadá e tenha sido sepultado nos Estados Unidos, as suas obras não foram traduzidas, mas os seus discípulos deram-nos a conhecê-las. Esta ausência nas livrarias de outros países explica por que é ignorado no estrangeiro. Ele foi, no entanto, após um longo período de ausência, um dos autores mais vendidos nos últimos anos na Ucrânia.. [ler mais]
Guerra na Ucrânia: por que Biden está em apuros (Marc Vandepitte) 07-2022
«A grande mídia ocidental não se destaca em reportagens equilibradas quando se trata da guerra na Ucrânia. O nível de conteúdo propagandístico é alto e a linha da OTAN é seguida servilmente com algumas exceções. Felizmente, as coisas são diferentes no resto do mundo. Lá você ouve vozes diferentes.
Tomemos, por exemplo, uma análise recente do Asia Times. Este site de notícias está sediado em Hong Kong e é um dos meios de comunicação mais importantes da Ásia. De acordo com o Asia Times, a Casa Branca julgou completamente mal esta guerra. A linguagem dura de Biden destina-se a mascarar a situação em que ele se encontra.
Biden está enfrentando dois problemas sérios como resultado da guerra, segundo o Asia Times. Economicamente, seu país e grande parte do resto do mundo estão caminhando para uma crise. Além disso, após o desastre no Afeganistão no verão passado, ele sofrerá uma segunda humilhação com esta guerra... [ler mais]
A terceira guerra mundial foi organizada em Davos (Caio Baltar) 07-2022
«Subjugar a Rússia e a China é um problema existencial porque quando a “destruição criativa” é aplicada à economia ocidental, todo o resto também deve cair.
Algumas pessoas informadas estão começando a suspeitar que pode haver mais no mundo do que a guerra na Ucrânia. Dizem que a 3ª Guerra Mundial já começou e as coisas vão piorar a partir de agora. Isso pode ser difícil de determinar à medida que participamos dos eventos que se desenrolam e não temos o benefício da perspectiva histórica. É duvidoso que as pessoas em 1939 tenham percebido que estavam vendo o início de um grande conflito mundial, embora alguns possam ter suspeitado disso.
A situação global atual é, em muitos aspectos, como um quebra-cabeça gigante, onde o público em geral vê apenas uma pequena parte de todo o quadro. A maioria nem percebe que pode haver mais peças e nem faz essas perguntas simples: Por que tudo isso está acontecendo e por que está acontecendo agora?... [ler mais]
Assange: A importância de manter a calma (Alvaro Verzi Rangel) 06-2022
«Sucessivas administrações dos EUA nunca refutaram nenhum dos vazamentos e relatórios do Wikileaks.
O governo britânico deu luz verde para a extradição de Julian Assange para os Estados Unidos sob a acusação de suposta espionagem. O criador do Wikileaks terá 14 dias para apresentar seu recurso e impedir que Washington se apaixone por ele por ter vazado documentação sensível há 12 anos. 
Assim começa a última rodada de recursos perante os tribunais britânicos, com os quais os advogados de Assange tentarão impedir sua rendição.
A Amnistia Internacional alertou que a decisão "coloca o jornalista em risco". “Ele não fez nada de errado. Ele não cometeu nenhum crime e não é um criminoso . Ele é jornalista e editor e está sendo punido por fazer seu trabalho. Estava no poder de Priti Patel fazer a coisa certa. Em vez disso, sempre será lembrado como cúmplice dos EUA em seu plano de transformar o jornalismo investigativo num empreendimento criminoso"... [ler mais]
A cruzada para o desmantelamento do SNS e do sector estado em geral 06-2022
«A morte do recém-nascido no Hospital das Caldas da Rainha, atribuída por toda a comunicação corporativa ao encerramento das urgências de obstetrícia por alegada falta de médicos, foi o tiro de partida para a autêntica cruzada desencadeada por todos os órgãos de comunicação mainstream contra o SNS, dando a ilusão de que o querem defender ao apontar as deploráveis falhas, agora mais que evidentes no encerramento de algumas urgências de obstetrícia neste fim de semana, mas que são antigas. Em última instância, o ataque é contra o governo do partido socialista liderado por António Costa. O jornal “Público” – órgão que desde a sua fundação sempre deu prejuízo à proprietária, a família Azevedo, que nunca o encerrou pela importância em formar e formatar opinião pública – é aquele que mais se destaca na cruzada.
Contando os artigos sobre o SNS e o estado do Estado, chegamos ao número 14 artigos a malhar no mesmo: a ineficiência do sector público, em geral, e da saúde, em particular. A família Azevedo parece querer investir a fundo na área da saúde e muito possivelmente em outras – no ensino já está instalada com um colégio de topo para aos filhos da classe média alta – que possam ser rentabilizadas na lógica do mercado, para isso há que desacreditar o sector do estado e depois abocanhar os pedaços mais apetitosos em termos de mais-valias.. [ler mais]
Se não acabarmos com a guerra, a guerra acabará connosco (Alastair Crooke) 06-2022
«A Europa Ocidental concordou como "uma coisa natural deixar Biden decidir em nosso nome: o destino da Europa dependerá do destino de Biden"
Emmanuel Macron irritou muita gente (assim como Kissinger fez no WEF em Davos), quando disse: 'não devemos humilhar Vladimir Putin', porque é preciso haver um acordo negociado. Esta tem sido a política francesa desde o início desta saga. Mais importante, é a política franco-alemã e, portanto, pode acabar como política da UE. A palavra "pode" é importante porque a política da UE está mais dividida do que durante a Guerra do Iraque. 
E num sistema (o sistema da UE) que insiste estruturalmente no consenso, quando as feridas são profundas, a consequência é que um problema pode paralisar todo o sistema (como aconteceu no período que antecedeu a guerra do Iraque). Se alguma coisa mudou, as fraturas na Europa hoje são mais amplas e mais amargas (ou seja, exacerbadas pela aplicação do “Estado de direito europeu”)... [ler mais]
Amazónia: por que o indigenista Bruno Pereira e o jornalista Dom Phillips foram marcados para morrer (Laura Capriglione) 06-2022
«É preciso acabar com a máquina de guerra instalada no Vale do Javari contra o meio ambiente e os povos indígenas. Bruno e Dom: Presentes!
Os desaparecimentos do ativista indígena Bruno Pereira e do jornalista Dom Phillips ressoam como um trágico grito de socorro da floresta amazônica e de seus habitantes originais. Hoje, todos sabem que ali, naquele monte de folhas que pode ser visto no Google Satellite Maps, onde fica a Terra Indígena Vale do Javari (a segunda maior do Brasil), dois heróis dedicaram suas vidas individuais para defender vidas coletivas, destruídas diariamente pela mineração, pela ganância, pelo ouro, pelo agronegócio, pelo narcotráfico, pela pesca predatória e até pelos missionários religiosos, defensores inescrupulosos de um deus da morte.
Bruno Pereira não deveria estar lá. O genocídio já o havia vestido com uma camisa com dois alvos desenhados: um na frente e outro nas costas. Um terceiro estava estampado em sua testa. Ele foi marcado para morrer... [ler mais]
10 de Junho, dia para todos os gostos 06-2022
Devemos considerar no mínimo estranho que no dia de 10 de Junho de cada ano se comemore o “Dia” de “Portugal” – anteriormente era da “Raça”, este ano terá sido das “Forças Armadas” e da “arraia-miúda” –, aproveitando o dia em que morreu, segundo consta porque não se sabe ao certo, o poeta Luís de Camões, homem incompreendido e abandonado pelas elites de então em situação de doença e na mais absoluta miséria. Comemorar o dia de um país, independentemente do conceito que se tem de “país”, num dia em que houve um óbito não augura nada de bom para o futuro de quem quer que seja, muito menos de um país ou de um povo. Parece que o agoiro continua presente e bem para além das profecias do sapateiro ou do padre missionário, fazendo fé no que se passa no país.
Este ano de 2022 e em governo de maioria absoluta do partido socialista – fundado em 1973 com o dinheiro da social-democracia alemã – as comemorações não tiveram a honra da presença do primeiro-ministro, há seis anos no poder sem oposição, por se encontrar retido em casa, presumimos, devido a “doença”; pela informação do presidente Marcelo, não terá sido nada de grave, já foi anunciada para amanhã a sua ida a Londres... [ler mais]
Ucrânia a desinformação do Sistema de Informação (Manlio Dinucci) 06-2022
«A fiabilidade do ’sistema de informação sobre o conflito russo-ucraniano’ é confirmada por este último episódio: o Senador Bruno Tabacci, Subsecretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros, confirma como verdadeira e legítima, a ‘fake news’ do Corriere: ’O livro de Dinucci citado por Putin no seu discurso de celebração em Moscovo’.
O documento desclassificado sobre "A desinformação no conflito russo-ucraniano", elaborado pelo Sistema de Informações para a Segurança da República, atribui às "narrativas da propaganda russa” a presença de forças neo-nazis na Ucrânia e a russofobia", e apresenta como fruto da propaganda russa "os ataques à imagem de Zelensky". Esta é a situação real que emerge das notícias transmitidas pela própria agência noticiosa ucraniana. Estas incluem a proibição do Partido Socialista da Ucrânia e o confisco dos seus bens, medidas tomadas contra dez outros partidos políticos; a ordem de Zelensky de destruir 100 milhões de livros russos, incluindo todos os clássicos da literatura russa, porque eles "espalham o Mal"... [ler mais]
A Armadilha da semana dos 4 dias 06-2022
A semana dos 4 dias é um engodo que os sindicatos parecem estar a engolir, os da UGT, com entusiasmo, os da CGTP, com algum receio, mas sem ainda protestarem. O governo garante que o novo horário semanal será ainda experimental e ensaiado, pelo menos por agora, apenas no sector privado, e não haverá redução salarial. Este é o aliciante enganador para convencer trabalhadores e direcções sindicais submissas.
Se não há diminuição do salário é porque o mesmo número de horas irá ser distribuído pelo menor número de dias e, então, forçosamente a jornada de trabalho irá subir das 8 horas para as 9 horas ou 10 horas, considerando o horário semanal das 40 horas predominante no sector privado e agora distribuído pelos cinco dias. Ficando mais dias de folga e atendendo ao facto de que os salários, pela simples força do aumento brusco e rápido da inflação, irão encolher, os trabalhadores terão a tendência de trabalhar mais para recuperar a perda do poder de compra. Se chegarmos ao final do ano de 2022 com uma taxa média de inflação anual de 8% (por este andar poderá chegar aos dois dígitos), descontando o aumento dos 0,9% deste ano e fazendo contas a 14 meses de salário por ano, ficaremos com um salário reduzido em cerca de um mês; ou seja, um dos subsídios irá ao ar... [ler mais]
Bélgica: Greve nacional de um dia do setor público contra a inflação paralisa o país (Gregor Link, Alex Lantier) 06-2022
«Na terça-feira, uma greve nacional de um dia no setor público paralisou a Bélgica. Os sindicatos do setor público na Bélgica anunciaram uma greve contra a crise do custo de vida e a escassez de pessoal, e por melhores condições de trabalho. A greve reuniu trabalhadores de língua flamenga e francesa em todo este país de 11,5 milhões de habitantes, atingindo trens e transporte coletivo, logística, correios e outros serviços públicos.
Apenas um quarto de todos os trens operados em todo o país, informou a agência de notícias Belga, com “poucos ou nenhum ônibus e trens” em Bruxelas e na região francófona da Valônia. O transporte público local e nacional foi particularmente afetado. Nas províncias belgas de Liège, Namur e Luxemburgo, os trens pararam completamente. Na capital, Bruxelas, apenas uma das quatro linhas de metro da cidade estava operando... [ler mais]
Os programas militares ucranianos secretos (Thierry Meyssan) 06-2022
«Em 2016, os Estados Unidos comprometeram-se a armar a Ucrânia para que ela travasse e ganhasse uma guerra contra a Rússia. A seguir, o Ministério da Defesa dos EUA organizou um programa de pesquisa biológica na Ucrânia, depois enormes quantidades de combustíveis nucleares foram secretamente transferidos para o país. Estes dados modificam a interpretação desta guerra: ela não foi desejada e preparada por Moscovo, mas sim por Washington... [ler mais]
NATO vs Rússia: O que acontece a seguir (Pepe Escobar) 06-2022
«Três meses após a Operação Z da Rússia na Ucrânia, a batalha do Ocidente (12% da população mundial) contra o resto (88%) continua a metastizar. No entanto, o discurso – curiosamente – permanece o mesmo.
De Davos, o Presidente Executivo do Fórum Económico Mundial, Klaus Schwab, apresentou o presidente ucraniano da banda desenhada Volodymyr Zelensky, durante a última etapa da sua digressão de venda de armas, prestando-lhe uma sentida homenagem. Herr Schwab sublinhou que este actor que desempenha o papel de um presidente que defende os neo-nazis é apoiado por "toda a Europa e a ordem internacional"... [ler mais]
A gerente de dinheiro de Soros avisa que a recessão é "inevitável" (Tyler Durden) 06-2022
«Dawn Fitzpatrick, diretora de investimentos da Soros Fund Management, descreveu uma  recessão  como “inevitável” numa entrevista recente, mas observou que não estava muito preocupada com a saúde geral da economia.
"O resultado final é que uma recessão é inevitável - é uma questão de quando", disse Fitzpatrick em entrevista à Bloomberg Business na terça-feira.
“Não há dúvida de que as taxas de juros vão subir, e o Fed vai se mover muito, muito rapidamente”, continuou Fitzpatrick... [ler mais]
As sanções unilaterais dos EUA contra a Rússia levarão a uma catástrofe alimentar global (uncut-news.ch) 06-2022
«Dada a escassez de alimentos no mundo, muitos especialistas veem a ameaça iminente de uma "catástrofe humana", como disse o presidente do Banco Mundial, David Malpass. O presidente do Banco da Inglaterra, Andrew Bailey, descreveu sua visão sobre os problemas de abastecimento de alimentos do mundo como "apocalíptica" ao discutir o aumento dos preços dos alimentos. Esse aumento resultou no desdobramento simultâneo de dois problemas: a ameaça de fome e a fome em partes do Sul Global e o impacto nos padrões de vida em todos os países do mundo.
Mesmo antes dos rápidos aumentos de preços associados à guerra na Ucrânia, mais de 800 milhões de pessoas sofriam de insegurança alimentar crônica – cerca de 10% da população mundial... [ler mais]
No Reino da Dinamarca 05-2022
O governo PS do mister Costa, gelatinoso perante todos os ditames de Bruxelas e mais recentemente da Nato (Otan) a propósito da guerra da Ucrânia, tem discretamente tentado em colocar em forma lei a situação de facto criada em nome da pandemia Covid-19 e a bem daquilo que antes do 25 de Abril se convencionava por “nação”. São diversos os exemplos. É a Lei dos Metadados cuja revisão é considerada insustentável porque violará direitos da União Europeia, segundo opinião do bastonário da Ordem dos Advogados, como a própria lei é tida como ilegal desde 2009, ano em que foi criada, pelo Tribunal Constitucional. Ora como o sapato não cabe no pé, vamos então cortar o pé e não modificar o sapato, tendo de imediato surgido alguém a sugerir a necessidade de se rever a Constituição. O primeiro-ministro teve a ideia, a segunda figura do estado, para não deixar os pergaminhos de caceteiro por mão alheias, também já alvitrara que o combate à desinformação requer revisão constitucional. O PR Marcelo, parecendo gostar mais da Constituição de 1933 e sem abrir por completo a alma, responde a Costa, afiançando que as revisões cirúrgicas da Lei Fundamental são impossíveis, elas terão de ser mais gerais e profundas.
Costa, em suprema hipocrisia, não deixou de declarar ainda há pouco que sobre a gestão da pandemia: “as medidas não foram sempre coerentes”, e talvez para estabelecer a coerência perdida vem desta vez com a Lei de Emergência Sanitária, teoricamente para lidar com futuras pandemias sem ferir a Constituição, e cujo projecto já foi considerando “aberrante e inconstitucional” por diversos juristas, e Marcelo, sempre em cima dos acontecimentos, já prometeu enviar a futura lei para o Tribunal Constitucional, adivinhando-se facilmente mais um chumbo e não tardando que aquele órgão institucional venha a ser considerado mais uma “força de bloqueio”, à semelhança do que acontecera com o governo de má memória PSD/PP/Coelho/Portas. Parece-nos que será mais um motivo para a revisão da Constitucional tão reclamada pelos partidos colocados formalmente mais à direita no sentido da fascização... [ler mais]
Monkeypox: “Me engane duas vezes, vergonha de mim” (Mike Whitney) 05-2022
«A previsão de Bill Gates de que o mundo enfrentaria um surto inesperado de varíola está se desdobrando milagrosamente. Devemos nos surpreender?
Eu sei que não estou. Aqui está a cotação em dinheiro que foi entregue por Gates 6 meses antes do primeiro caso ser registrado.
“Levará provavelmente cerca de um bilhão por ano para uma força-tarefa pandêmica no nível da OMS, que está fazendo a vigilância e realmente fazendo o que chamo de 'jogos de germes' onde você pratica... Você diz, OK, e se um bioterrorista trouxesse varíola para 10 aeroportos? Você sabe, como o mundo responderia a isso?” Bill Gates, Sky News, 6 de novembro de 2021
Só podemos nos maravilhar com os extraordinários poderes de percepção de Gates. Ele é como uma espécie de adivinho de software capaz de adivinhar o futuro das entranhas dos animais. É isso, ou ele tem uma bola de cristal escondida em algum lugar nas entranhas de sua mansão no Lago Washington? Seja o que for, é realmente surpreendente... [ler mais]
O Canada e os banderistas (Thierry Meyssan) 05-2022
«Nos artigos precedentes, Thierry Meyssan mostrou como os banderistas, colaboradores nos piores crimes nazis na Ucrânia e na Polónia, chegaram ao Poder em Kiev, na recente Ucrânia independente. Ele mostra aqui que, durante oitenta anos, imigrantes banderistas incrustaram-se no Partido liberal canadiano ao ponto de ocupar o posto de numero 2 do actual governo de Justin Trudeau.
O Primeiro-Ministro canadiano, Justin Trudeau, foi ao Parlamento para apresentar o discurso do seu homólogo ucraniano, Volodymyr Zelensky. Dos 39 milhões de cidadãos canadianos, 1,4 seriam de origem ucraniana, ou seja 3 a 4 % do eleitorado. Essa comunidade está muito enquadrada pelas organizações banderistas que lhe infundem a sua ideologia racial.
Os primeiros combatentes estrangeiros chegados à Ucrânia no início da guerra, em Fevereiro de 2022, eram Canadianos. O primeiro oficial estrangeiro detido pelas forças russas, em 3 de Maio, era um General canadiano. Como é evidente, o Canada, muito embora à distância de mais de 6. 000 quilómetros da Ucrânia, tem uma implicação escondida neste conflito... [ler mais]
Os depoimentos contraditórios da irmã Lúcia sobre as “aparições de Fátima” (Luís Filipe Torgal) 05-2022
Artigo publicado em “Público”, 21/02/05, e actualíssimo:
No passado dia 13 de Fevereiro, morreu aos 97 anos (faria 98 anos em 30 de Março) Lúcia de Jesus dos Santos. E, com seu abandono do mundo dos vivos, estão criadas condições para a hierarquia da Igreja Católica consumar aquilo que há muito parece ser o seu desejo: beatificar a mais importante das videntes de Fátima. Os fatimistas indefectíveis - e os políticos mais oportunistas - irão entretanto produzir sobre ela os já previsíveis discursos hagiográficos, os quais não deixarão de apregoar as suas incomensuráveis virtudes católicas e invocar o seu piedoso protagonismo na história das aparições de Fátima. A lamentável morte da irmã Lúcia poderá até servir de álibi para relançar no país e no mundo a imagem de um santuário que no último ano parece ter perdido demasiados peregrinos e, ainda, fornecer fundamentos para que o Vaticano apresse também o processo de beatificação de uma outra preciosa figura do panteão fatimista: o cónego Nunes Formigão... [ler mais]
Declaração dos media populares em todo o mundo condenando o assassinato da jornalista Shireen Abu Akleh 05-2022
«Israel deve acabar com os ataques assassinos a jornalistas e palestinos
Nós, um grupo de media progressistas de todo o mundo, condenamos o assassinato brutal de nosso colega Shireen Abu Akleh nas mãos das Forças de Ocupação israelitas.
Shireen, uma conhecida e sensível jornalista da Al Jazeera, estava cobrindo um violento ataque das forças israelitas ao campo de refugiados de Jenin quando ela e outros jornalistas foram baleados por franco-atiradores israelitas, apesar de serem claramente identificados como jornalistas. Shireen, que usava capacete e colete à prova de balas, foi morta a tiros no rosto. Seu colega Ali al-Samoudi também foi baleado e ferido, mas está se recuperando... [ler mais]
Governos do Reino Unido e dos EUA são os principais obstáculos às negociações de paz (Abdul Rahman) 05-2022
«Uma reportagem recente na agência de notícias ucraniana Ukrayinska Pravda, citando funcionários do gabinete do presidente ucraniano, afirmou que as negociações entre a Ucrânia e a Rússia foram interrompidas devido à pressão exercida pelo primeiro-ministro britânico Boris Johnson durante sua visita não anunciada a Kiev em 9 de abril. 
De acordo com o relatório, Johnson veio a Kiev em uma visita surpresa aparentemente para “expressar solidariedade” e anunciar ajuda financeira e militar à Ucrânia em sua luta contra a agressão russa. No entanto, durante seu encontro com Zelensky, Johnson pediu que ele não continuasse com as negociações que estavam acontecendo na Turquia, afirmando que Putin precisa ser derrotado.
A posição pública... [ler mais]
Iémen: A coalizão saudita vem sendo agressiva contra o país há mais de dois mil dias (AlMayadeen) 05-2022
«Nesse período, mais de 17.700 pessoas morreram, milhares de vítimas foram registradas e instalações iemenitas foram destruídas.
Os crimes da coalizão liderada pela Arábia Saudita no Iémene por 2.600 dias já deixaram 17.775 pessoas mortas e 28.599 feridas, segundo relatórios do Centro de Direitos e Desenvolvimento Olhos da Humanidade.
O número de crianças mortas e feridas durante o ataque é de 4.028 e 4.595, respectivamente.
Da mesma forma, onze mil 307 homens morreram e 21 mil 91 ficaram feridos, bem como duas mil 440 mulheres vítimas e dois mil 913 feridos... [ler mais]
1º de Maio em tempos de guerra 05-2022
Nesta Europa, em profunda crise económica, social e moral, caminha-se, como sonâmbulos, para a III Guerra Mundial. A culpa, no final, será sempre da Rússia. E é neste mundo à beira da catástrofe que os proletários de todo o mundo comemoram o seu Dia de Luta do 1º de Maio. É de luta que se trata, de guerra, e não de festa.
Nesta orla marítima, debruçada sobre o Atlântico e fascinada pelas maravilhas (e dólares) dimanadas do outro lado do oceano, faz-se aberta e descaradamente a apologia da guerra: são os órgãos de propaganda mainstream que durante 24 horas por dia e sete dias por semana, tal como acontecera com a pandemia covídica e para continuar a disseminação do medo sobre os cidadãos  mais crédulos, que demonizam o “inimigo” russo, com o alastramento da xenofobia contra tudo o que cheira ao infiel; são as fracas consciência que engolem como verdades absolutas e sem direito a contraditória toda a propaganda recebida principalmente pelas televisões (60% dos portugueses não leram um livro no último ano, contra 90% que absorvem diariamente televisão); são os partidos políticos com assento parlamentar que louvam os neo-nazistas, instalados no poder ucraniano, como defensores da democracia e da liberdade. A normalização do fascismo e do nazismo ocorre tanto na imprensa como no Parlamento... [ler mais]
Ucrânia - a Segunda Guerra mundial continua (Thierry Meyssan) 05-2022
«A propaganda da OTAN tenta minimizar a presença de neo-nazis na Ucrânia comparando-a com a dos grupúsculos equivalentes no resto do Ocidente. A verdade é muito diferente. Os banderistas foram-se paulatinamente apoderando do Poder nesse país durante os últimos trinta anos, reescrevendo a história, formando a juventude e modificando, um a um, todos os símbolos do Estado. Eles endoutrinaram uma terça parte da população e representam um bom terço das Forças Armadas. O seu objectivo é o de destruir a Rússia, o que tentam fazer com a ajuda dos Straussianos.
Quando trabalhava para a CIA, em 1950, o criminoso contra a humanidade Stepan Bandera escreveu: « A linha geral da nossa política de libertação é baseada no facto de que uma luta por um Estado ucraniano independente é uma luta contra a Rússia, não apenas contra o bolchevismo mas contra todo o imperialismo russo expansionista que é típico do povo russo. Se for substituído por uma outra forma de imperialismo russo, ele lançará primeiro todo o seu poderio contra a Ucrânia independente para a sujeitar. O povo russo é caracterizado por apoiar esse imperialismo. Ele tudo fará para manter a Ucrânia na escravatura. Isso é claramente expresso pelo pensamento e pelos sentimentos políticos da massa russa, de todos os meios russos, tanto comunistas como anti bolcheviques»... [ler mais]
Arriscando uma guerra nuclear por uma Ucrânia corrupta e cada vez mais repressiva (Ted Galen Carpenter) 05-2022
«Felizmente, o presidente Biden até agora rejeitou as políticas mais arriscadas que os falcões estão promovendo em resposta à invasão da Ucrânia pela Rússia. Apesar de estar sob intensa pressão, ele continua a descartar a proclamação de uma zona de exclusão aérea e rejeita categoricamente as sugestões (incluindo de um aliado político próximo) de que considere enviar tropas americanas para a Ucrânia. No entanto, mesmo as políticas adotadas pelo governo implicam um risco inaceitável de enredar os Estados Unidos num confronto militar com uma potência com armas nucleares. Os Estados Unidos e alguns aliados da Otan estão despejando armas cada vez mais sofisticadas na Ucrânia para reforçar a resistência daquele país à invasão. A Rússia reiterou recentemente seu alerta que tais carregamentos são alvos militares legítimos. Além de esbanjar armas na Ucrânia, Washington está compartilhando informações militares importantes com Kiev. Os Estados Unidos estão muito perto de se tornarem um beligerante absoluto numa guerra extremamente perigosa.
Seria imprudente para os líderes dos EUA colocar a América em tal risco, mesmo que a Ucrânia fosse a democracia mais explêndida e intocável da história. É totalmente irresponsável fazê-lo para um país corrupto e cada vez mais autoritário. No entanto, essa é uma caracterização precisa da Ucrânia de hoje... [ler mais]
A Ucrânia é um peão no “Grande Tabuleiro de Xadrez” (Rick Sterling) 05-2022
«O livro de Zbigniew Brzezinski “O Grande Tabuleiro de Xadrez” foi publicado há 25 anos. Suas suposições e estratégias para manter o domínio global dos EUA têm sido extremamente influentes na política externa dos EUA. À medida que o conflito na Ucrânia evolui, com potencial de escalada para uma guerra mundial, podemos ver onde essa política leva e como é crucial reavaliar.
A necessidade de dominar a Eurásia
A premissa básica de “O Grande Tabuleiro de Xadrez” é descrita na introdução:
com o colapso da União Soviética, os Estados Unidos são a única potência global.
A Europa e a Ásia (Eurásia) juntas têm a maior área de terra, população e economia.
Os EUA devem controlar a Eurásia e impedir que outro país desafie o domínio dos EUA
Brzezinski resume a situação:
“A América é agora a única superpotência global e a Eurásia é a arena central do globo.” Ele acrescenta: “É imperativo que nenhum desafiante eurasiano surja, capaz de dominar a Eurásia e, assim, desafiar a América”... [ler mais]
O 25 de Abril de 2022 e o branqueamento do nazi/fascismo 04-2022
O convite feito pelas autoridades portuguesas ao chefe de estado da Ucrânia para discursar, tendo obtido o apoio da maioria dos partidos, na dita “Casa da Democracia”, e comunicado pela pessoa do PR, produto híbrido da antiga oligarquia fascista portuguesa, vem reforçar e esclarecer a natureza deste órgão de soberania nacional. Existe um velho ditado popular que diz: “diz-me com quem andas e dir-te-ei quem és!”; ora, este adágio tanto se aplica ao ucraniano como ao português. Só faltará, como aconteceu no parlamento grego, que o dito “democrata”, peão de brega do imperialismo americano e europeu ocidental, se faça acompanhar por dois capangas neo-nazis. Não teremos dúvidas que serão fervorosamente aplaudidos quer pelos partidos seniores do regime quer pelos neófitos e onde se inclui o da extrema-direita oficial. Nada poderá espantar já que um dos novos deputados, que não foi eleito para a Presidência da Assembleia da República apenas por uma questão de decoro, é um ex-bombista do tempo do PREC. Não será por acaso que o convite ao neo-nazi ucraniano tenha sido feito pelo partido PAN, pelos vistos, partido muito amigo dos animais e não só.
Ficamos igualmente elucidados sobre a composição e o que faz mover uma Assembleia da República que possui um Presidente que, logo na primeira entrevista que deu aos media corporativos, não hesitou em afirmar que "a maior ameaça à democracia é a dos regimes autoritários", que é exactamente o caminho que desde há algum tempo, mais precisamente desde o primeiro estado de emergência, e pela mão do PS e de políticos deste jaez que o país está a ser lançado. Devemos relembrar que a figura, quando ex-ministro dos Negócios Estrangeiros, foi correr à pressa, mais papista que o Papa, reconhecer o agente da CIA Guaidó como presidente legítimo da Venezuela, quando os EUA preparavam um golpe de estado para depor o presidente democrática e legalmente eleito. Parece que é este o papel político desempenhado pelos ex-trotsquistas, moldados pela tese teórica da hipotética “revolução permanente”. Alguma diferença entre a personagem e a de um Guaidó será mera coincidência... [ler mais]
Cimeira Internacional Contra o Fascismo condena a russofobia EUA-OTAN (Hernán Cano) 04-2022
«Reunidos em Caracas, capital da Venezuela, intelectuais, comunicadores e líderes políticos de várias partes do mundo, como o mexicano Fernando Buen Abad, se posicionaram sobre o conflito na Ucrânia e concordaram em denunciar um perigoso ressurgimento do fascismo patrocinado pelo Estados Unidos e a União Europeia.
A Venezuela sediou a Cimeira Mundial Contra o Fascismo  com a participação de quase 200 convidados dos cinco continentes, 20 anos após o golpe fracassado contra o líder venezuelano Hugo Chávez. Aquele 11 de abril de 2002 é lembrado na Venezuela pelo  sequestro do presidente Chávez  (1999-2013) e pela perseguição desencadeada pelos golpistas contra o povo venezuelano que defendia nas ruas seu governo legítimo e que 48 horas depois conseguiu, junto com o militares patrióticos, para restaurar a ordem constitucional e o retorno do líder bolivariano ao poder. "Se a história hoje está marcando um  ressurgimento do nazifascismo, a Venezuela não pode deixar de ser um epicentro para denunciá-lo. Aqui houve um 13 de abril, aqui foi derrotado um golpe fascista. E denunciar o nazi-fascismo é denunciar o capitalismo que, como disse Bertolt Brecht, lhe dá uma razão de ser. E isso fica claro no povo venezuelano”, diz o filósofo mexicano Fernando Buen Abad... [ler mais]
Acabar com a OTAN sem apoiar a Rússia? Causa Operária) 04-2022
«Partido Revolucionário Operário (POR) propõe acabar com a OTAN, ao mesmo tempo que propõe a derrota das tropas russas na Ucrânia. Faltou explicar como faz isso na prática
A operação militar russa na Ucrânia completou pouco mais de um mês e meio – iniciada em 24 de fevereiro – e descortinou para o mundo a maior crise da dominação imperialista das últimas décadas, talvez a maior desde o surgimento do imperialismo. A Rússia desafiou a ditadura da burguesia imperialista internacional e ocupou vastos territórios na Ucrânia com vistas a garantir sua segurança como país, de seus habitantes e de russos na Ucrânia principalmente.
A crise é acompanhada pelas ações desesperadas das instituições imperialistas para amenizar o estrago, como a velha propaganda de guerra tocada pelos monopólios das comunicações internacionais, os quais servem como autarquias do Departamento de Estado norte-americano, reproduzindo bovinamente a cartilha do Pentágono. A cartilha diz “Putin, ditador”, “A Rússia é dominada por Putin e seus aliados autocratas”, “A Rússia está atacando civis, está cometendo crimes inimagináveis contra os ucranianos” etc. Todo esse roteiro reproduzido há décadas contra seus adversários como contra os chineses, norte-coreanos, vietnamitas, iraquianos, iranianos, venezuelanos, cubanos, sérvios, líbios, sírios e, agora, os russos... [ler mais]
Transcendendo o COVID-19 e os enganos da crise climática (Mark Keenan) 04-2022
«Sabemos que a farsa do Covid-19 foi pré-planeada; que o teste de PCR, métodos para registar números de casos, o genoma Covid-19 do CDC são todos fraudulentos; está comprovado que o chamado vírus nunca foi isolado em nenhum lugar; médicos como o Dr. Stefan Lanka expuseram o equívoco do vírus; as chamadas 'variantes' do Covid-19 se devem ao fato de os vacinados adoecerem e espalharem variantes,; não os não vacinados, como explicou o Dr. Mikovits, é um encobrimento de XMRVs, transmitidos a humanos por meio de vacinas contaminadas;
os perigos das vacinas baseadas em MRNA e das tecnologias EMF, como 5G; que a mudança climática provocada pelo homem é uma decepção.
O Covid-19 e as mudanças climáticas provocadas pelo homem são um 'psyops' destinado a impulsionar o mundo para o 'reset' tecnocrático do WEF do Grupo Davos e o plano alinhado da Agenda 2030 da ONU;
pandemias, crises e guerras orquestradas adicionais provavelmente estão “no pipeline” para promover esses planos. Muitos médicos e cientistas que explicaram isso são censurados nas plataformas da internet... [ler mais]
A aliança do MI6, da CIA e dos banderistas (Thierry Meyssan) 04-2022
«Após ter mostrado que a guerra na Ucrânia foi preparada pelos Straussianos e desencadeada, em 17 de Fevereiro, pelo ataque de Kiev contra o Donbass, Thierry Meyssan volta à história secreta que liga os Anglo-Saxónicos aos banderistas desde a queda do IIIº Reich. Ele dá o alarme : desde há trinta anos que não somos capazes de ver o ressurgimento do racialismo nazi na Ucrânia e nos países Bálticos, também não vemos que um bom número de civis ucranianos que acolhemos estão impregnados de ideologia banderista. Teremos que esperar que atentados nazis comecem na Europa ocidental para nos acordar»... [ler mais]
Desde a gripe espanhola de 1918, a Big Pharma enganou o público sobre a segurança das vacinas. O papel dos Rockefellers (Timothy Alexander Guzmán) 04-2022
«O entusiasta de vacinas Bill Gates falou recentemente na plataforma TED 2022 chamando o movimento anti-Vacina de um bando de loucos, eis o que ele disse:
“Então é um pouco irónico alguém se virar e dizer que estamos usando vacinas para matar pessoas ou ganhar dinheiro ou começamos a pandemia”
Ele continuou
“Isso se transforma em algo onde há constantemente pessoas loucas aparecendo? Quem sabe?" 
Desde os velhos tempos, quando o establishment médico expandiu o uso de vacinas para supostamente curar tudo sob o sol, eles afirmam que salvaram inúmeras vidas, mas parece que muitas pessoas, sejam elas da área médica ou não, aceitam a noção de que as vacinas são a única resposta que pode curar uma doença ou ajudar as pessoas a permanecerem saudáveis. Quero mencionar que houve vacinas que foram bem-sucedidas, mas não todas, hoje em dia é uma espécie de roleta russa com a vida, então vamos dar um passo para trás e ver algumas dessas vacinas que causaram ferimentos e mortes em seu contexto histórico... [ler mais]
Indústria de mentiras e guerra imperialista (Domenico Losurdo) 04-2022
«Joseph Goebbels costumava dizer que é mais fácil as pessoas engolirem uma grande mentira do que uma pequena. É um princípio que a CIA vem aplicando nos últimos anos com a invenção de falsos massacres que justificam guerras. O filósofo Domenico Losurdo analisa a surpreendente facilidade com que nos deixamos enganar.
Na história da indústria da mentira como parte integrante do aparato militar-industrial do imperialismo, o ano de 1989 marcou uma verdadeira virada. Nicolae Ceausescu continua no poder na Roménia. Como derrubá-lo? Os media ocidentais começaram a divulgar massivamente informações e imagens do " genocídio " perpetrado em Timisoara pela própria polícia de Ceausescu.
O que realmente aconteceu? Com base na análise de Guy Debord sobre a “sociedade do espetáculo”, um ilustre filósofo italiano, Giorgio Agamben, resumiu com mestria esse caso:
"Pela primeira vez na história da humanidade, cadáveres recentemente enterrados ou que ainda estavam nas mesas do necrotério foram desenterrados à pressa e mutilados para simular diante das câmaras de televisão o genocídio que pretendia legitimar um novo regime. O que o mundo inteiro tinha diante de seus olhos como a realidade real nas telas de televisão era a anti-verdade absoluta e, embora a falsificação fosse às vezes evidente, ainda assim foi autenticada como real pelo sistema mundial dos media, para que ficasse claro que a o real foi a partir de então nada mais que um momento do movimento necessário do falso. A verdade e a falsidade tornaram-se assim impossíveis de distinguir uma da outra e o espetáculo só se legitimava pelo espetáculo... [ler mais]
A propaganda de guerra muda de forma (Thierry Meyssan) 04-2022
«Se o Exército russo ganhou a guerra contra os banderistas na Ucrânia, a OTAN ganhou a guerra cognitiva contra os seus próprios cidadãos no Ocidente. A Aliança Atlântica pôs em prática uma nova forma de propaganda baseada naquilo que ela condenava até há pouco: as “Fake News”, ou seja, não as falsas informações, mas as informações falaciosas. Como devemos proteger-nos?
Nas sociedades democráticas contemporâneas, a propaganda de guerra é concebida como um número de ilusionista: desviar a atenção do público a fim de lhe esconder aquilo que ele deve ignorar.
«Submeter o inimigo pela força não é o supra-sumo da arte da guerra, a excelência desta arte é submeter o inimigo sem verter uma única gota de sangue».
Sun Tzu, A arte da guerra... [ler mais]
5 de abril: Dia das Crianças Palestinas (Ramón Pedregal Casanova) 04-2022
«Para a dor há filhos que crescerão. / Para a longa dor há crianças que vão crescer. / Para aqueles que você matou em junho, / os pequeninos vão crescer. / Para a terra. / Para os becos. / Para as portas, / há crianças que vão crescer. / Há trinta anos, todos estão reunidos / nas urnas, / nas delegacias, / nas prisões. / Como chorar, / estão todos reunidos nos olhos. / E todos, todos esses, / não importa a hora, / entrarão por todas as portas da Palestina.
Versos do poema intitulado  Cartels Commandos nas paredes de Israel. Autor, o grande poeta palestino, Nizar Kabbani.
Desde 1967, mais de 50.000 meninos e meninas palestinos foram sequestrados pelas tropas de ocupação colonial sionazi. Só nos primeiros três meses de 2022, mais de 200 já foram presos, tendo sido previamente interrogados em que sofrem tortura física e psicológica. Seus torturadores sabem que ficam impunes... [ler mais]
A relação da OTAN com organizações fascistas, além da Ucrânia (Ángeles Maestro) 04-2022
«É possível que muitas pessoas que se atrevem a ouvir a repetição da propaganda oficial fiquem assustadas e indignadas ao ver a colaboração direta da UE e dos EUA no golpe fascista na Ucrânia em 2014, que envolveu a inclusão de neo-nazistas no exército e na polícia e eles iniciaram os massacres diários em Donbass que mataram 14.000 pessoas, segundo dados oficiais.
Assim como aconteceu com a pandemia de Covid, construir uma história - exatamente a mesma na maioria dos dois países - e repeti-la incansavelmente por todos os meios de comunicação, alinhando-se oportunamente com a censura de posições discordantes e com a repressão - é essencial para nós que não concordamos e para as pessoas que podem estar cansados de pagar com suas condições de vida as consequências de suas aventuras militares e, sobretudo, de ser "bucha de canhão".
No caso da Ucrânia, revela que os aliados das "potências democráticas" exibem suásticas junto com a bandeira da OTAN, que perseguem a limpeza étnica da população de cultura russa, cigana, judaica ou "não ucraniana", que estão repetidamente usando a população como escudo e exibindo aqueles que resistem nas ruas, seminus, com uma bola na boca, envoltos em plástico e amarrados em placas de trânsito, isso destruiria a propaganda oficial... [ler mais]
O governo de “combate”, mas contra quem? 03-2022
O governo, diz Costa, é um governo de “combate” e com “forte núcleo político”, e é um governo “novo” e com “mais mulheres do que homens”. E antes de entrar em vigor, o actual governo ainda em funções, governando por decreto, prolongou a “situação de alerta” até 18 de Abril. Pelo histórico dos últimos dois anos, o governo foi sempre um governo de combate, menos de combate ao vírus e mais de combate às liberdades, direitos e garantias do povo português: no passado dia 18 faz dois anos em que foi instaurado o primeiro estado de excepção, foram 218 dias, que o PR Marcelo diz ter sido a “decisão mais difícil” que teve de tomar; se foi, não se notou muito. No início desta nova etapa, Costa ganha por 1-0 sobre Marcelo, tal como o corneado, este foi o último a saber os nomes propostos para o dito “novo” governo. Terá “registado” o facto, o quer dizer que a vingança não tardará – a coisa promete.
Pelos nomes dos ministros, fica-se com a ideia nítida de que este governo é mais do mesmo: as figuras de confiança absoluta do chefe ficaram, as que surgem são funcionários públicos que jamais deixarão de respeitar a hierarquia. Formam um núcleo político de fazer cumprir as ordens que venham de cima, seja do chefe directo ou seja de Bruxelas ou de outra entidade que impõe as regras no länder à beira mar plantado. A promoção do derrotado nas eleições para a Câmara de Lisboa a ministro das Finanças, não se lhe conhecendo qualquer competência específica na área, mostra bem que a figura irá simplesmente exercer as funções de escriturário ou de guarda-livros das contas nacionais segundo as regras ditadas pelo Banco Central Europeu e cuja sucursal no país é o Banco de Portugal, gerido pelo antigo “Ronaldo” das Finanças, que já disse que os salários não irão acompanhar a subida da inflação... [ler mais]
Sobre a guerra por procuração do imperialismo dos EUA com a Rússia na Ucrânia (Dr. Jack Rasmus) 03-2022
«Aqui está minha análise do que está acontecendo na Ucrânia depois de um mês. Pode não ser aceitável para muitos. Certamente não os liberais, a elite dominante em Washington, ou mesmo alguma esquerda liberal e socialista de esquerda. Mas sempre falei o que penso neste blog e continuarei a fazê-lo, sem fidelidade a quaisquer forças ou organizações políticas. Então aqui vai:
Primeiro, esta é uma guerra por procuração engendrada pelos neocons e elites políticas dos EUA, que tem suas origens remontando a 1999, quando os neocons começaram a ganhar maior controle sobre a política externa dos EUA. O ensaio geral para o conflito atual tem origem no governo Clinton. Uma vez que Clinton não conseguiu manter o zíper fechado e a direita radical aproveitou a oportunidade para exigir dele quaisquer concessões que quisessem em seus dois últimos anos no cargo, a mudança na política externa dos EUA começou e ganhou impulso desde então.
Nos últimos dois anos de Bill, na política doméstica começou uma mudança para um neoliberalismo mais hiper na política fiscal, gastos, guerra, monetária, industrial e comercial. Na política externa, os principais elementos foram a rejeição da posição anterior dos EUA de não mover a OTAN para o leste que foi dada aos remanescentes da elite russa em 1991-2 após o colapso da URSS. A 'velha guarda' da política externa dos EUA, liderada por conselheiros como George F. Kennan e outros embaixadores dos EUA, foi abandonada no final dos anos 1990. A OTAN liderada pelos EUA tornou-se uma organização ofensiva. Sua primeira vítima foi a Iugoslávia-Sérvia e o bombardeio de Servbia-Kosovo. Nesse mesmo ano também começou a marcha da OTAN para o leste... [ler mais]
A História do Nazismo na Ucrânia. Quem é Stepan Bandera? (Timothy Alexander Guzmán) 03-2022
«O Pai da Ideologia Nazista na Ucrânia: Stepan Bandera
Seu nome era Stepan Bandera, considerado um herói ucraniano que colaborou com os nazistas durante a Segunda Guerra Mundial e que foi o líder da Organização dos Nacionalistas Ucranianos (OUN/B), uma organização de extrema-direita. Bandera nasceu em uma família greco-católica na Galícia, que fazia parte do império austro-húngaro, mas mais tarde na vida ele se tornou um nacionalista ucraniano radical depois que seu país de nascimento entrou em colapso, tornando-se a República Popular da Ucrânia Ocidental, mas depois se tornou parte da Polônia após a guerra polaco-ucraniana de 1918-1919.
Em 1934, Bandera, muito zangado com o novo desenvolvimento geopolítico, organizou o assassinato do Ministro do Interior da Polônia, Bronislaw Pieracki.
Bandera foi preso pelo crime, considerado culpado e condenado à morte, mas sua condenação foi posteriormente comutada para prisão perpétua.
Em 1939, após a invasão germano-soviética da Polónia, também conhecida como Campanha de Setembro, dividiu o país sob o  Tratado de Fronteira Germano-Soviético. Logo depois, Bandera foi libertado da prisão e se mudou para Cracóvia, na Polónia, que já estava ocupada pelos nazistas.
Bandera estava convencido de que trabalhar com os nazistas lhe permitiria estabelecer seu próprio governo na Ucrânia, levando a uma nação independente que seria aliada dos nazistas e livre da ocupação soviética... [ler mais]
Torne o nazismo grande novamente (Pepe Escobar) 03-2022
«Uma rápida recapitulação neonazista
Até agora, apenas os mortos cerebrais em todo o OTAN - e há hordas - não estão cientes de Maidan em 2014. No entanto, poucos sabem que foi o então Ministro do Interior ucraniano Arsen Avakov, um ex-governador de Kharkov, que deu luz verde para 12.000 equipamento paramilitar para se materializar fora dos hooligans de futebol da Seita 82 que apoiaram o Dínamo de Kiev. Esse foi o nascimento do batalhão Azov, em maio de 2014, liderado por Andriy Biletsky, também conhecido como Führer Branco, e ex-líder da gangue neonazista Patriots of Ukraine.
Juntamente com o agente da OTAN Dmitro Yarosh, Biletsky fundou o Pravy Sektor, financiado pelo padrinho da máfia ucraniana e bilionário judeu Ihor Kolomoysky (mais tarde o benfeitor da meta-conversão de Zelensky de comediante medíocre para presidente medíocre).
Pravy Sektor passou a ser raivosamente anti-UE – diga isso a Ursula von der Lugen – e politicamente obcecado em ligar a Europa Central e os Bálticos em um novo e espalhafatoso Intermarium. Crucialmente, Pravy Sektor e outras gangues nazistas foram devidamente treinadas por instrutores da OTAN.
Biletsky e Yarosh são naturalmente discípulos do notório colaborador nazista da Segunda Guerra Mundial Stepan Bandera, para quem os ucranianos puros são proto-germânicos ou escandinavos, e os eslavos são untermenschen.... [ler mais]
Guerra da Ucrânia - Balanço Militar – Dia 31 (Bhadrakumar) 03-2022
«O Ministério da Defesa russo escolheu a viagem de Biden como o cenário perfeito para apresentar as verdadeiras proporções do sucesso da sua operação especial na Ucrânia. A credibilidade dos Estados Unidos e da NATO está à beira de ser irreparavelmente comprometida, à medida que o rolo compressor russo viaja pela Ucrânia com o duplo objectivo de "desmilitarização" e "desnazificação" à vista.
O Estado-Maior-General da Rússia revelou na sexta-feira que as forças armadas ucranianas, treinadas pela NATO e pelos Estados Unidos, sofreram perdas consideráveis: a força aérea ucraniana e a defesa aérea estão quase totalmente destruídas, enquanto a marinha do país já não existe e cerca de 11,5% de todos os militares foram retirados de serviço. (A Ucrânia não tem reservas organizadas).
De acordo com o Subchefe do Estado-Maior da Rússia, o Coronel General Sergey Rudskoy, a Ucrânia perdeu grande parte dos seus veículos de combate (tanques, veículos blindados, etc.), um terço dos seus sistemas de foguetes multi-lançamento, e bem mais de três quartos dos seus sistemas de defesa anti-mísseis e sistemas de mísseis tácticos Tochka-U... [ler mais]
Para Washington, a guerra nunca acaba (Diana Johnstone) 03-2022
«A formação da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) e o rearmamento da Alemanha confirmaram que, para os Estados Unidos, a guerra na Europa não estava totalmente encerrada. Ainda não é.
Continua e continua. A “guerra para acabar com a guerra” de 1914-1918 levou à guerra de 1939-1945, conhecida como Segunda Guerra Mundial. E essa também nunca acabou, principalmente porque para Washington foi a Guerra Boa, a guerra que fez o século americano: por que não o milénio americano?
O conflito na Ucrânia pode ser a faísca que desencadeia o que já chamamos de Terceira Guerra Mundial.
Mas esta não é uma nova guerra. É a mesma velha guerra, uma extensão daquela que chamamos de Segunda Guerra Mundial, que não foi a mesma guerra para todos os que participaram.
A guerra russa e a guerra americana foram muito, muito diferentes... [ler mais]
A guerra inter-imperialista e a queda do Ocidente - Guerra do povo à guerra da burguesia 03-2022
Sabendo-se das inúmeras agressões do imperialismo americano contra os estados e as nações independentes para aí colocar governos vassalos, cujas vítimas atingirão os 20 milhões de pessoas e somente após a Segunda Guerra Mundial, e conhecendo-se o genocídio levado a cabo pelas antigas potências europeias coloniais, onde se inclui Portugal, depois do descobrimento do caminho marítimo para Índia e da viagem à volta de mundo de Magalhães, dando início à globalização, à custa de várias de dezenas de milhões de mortes e de horrores, não deixa de ser patético a campanha conduzida pelos grande órgãos de informação (propaganda) corporativos, propriedade de capitalistas, curiosamente a classe que é responsável pelas guerras e delas beneficia. Estamos perante uma enorme e rematada operação de manipulação e de hipocrisia quanto à guerra.
Na guerra que assola a Ucrânia é evidente a posição de vende pátrias da burguesia e da clique política que se encontra no poder, alinhando abertamente pelos EUA e pelo Ocidente, deixando-se usar numa guerra que não é do povo ucraniano, mas das potências capitalistas na disputa por recursos, mercados e zonas de influência. Parece que ainda não se aperceberam que estão a ser instrumentalizados para daqui a algum tempo, após acordo entre as duas potência em confronto, serem descartados por inúteis. O que seria coisa sem grande importância se não fosse o facto de terem arrastado o povo para a morte, a destruição e a miséria. Este é sempre o resultado das guerras entre burguesias, entre elites, entre classes dominantes, o que lhes quiserem chamar, mas não guerras entre os povos. A guerra na Ucrânia não é uma guerra entre povos, mas pode transformar-se numa guerra contra as suas burguesias... [ler mais]
A guerra e o papel sujo da social-democracia (In Defense Of Communism) 03-2022
«Com os governos dos social-democratas afins do SYRIZA e os governos progressistas muito divulgados nos papéis principais, os Estados membros da UE “batem os tambores da guerra”, anunciam um maior envolvimento na escalada da guerra com orçamentos de guerra em larga escala e aumentos imensos nos gastos militares, com o envio de equipamentos militares para a Ucrânia e o fortalecimento das Forças Armadas, com novas sanções e tudo que acrescente mais lenha na fogueira, com riscos incalculáveis para o povo.
A Alemanha, sob o comando do chanceler social-democrata Olaf Scholz, caminha para gastos militares sem precedentes em sua história do pós-guerra, que custaram 100 bilhões de euros (!), valor que corresponderá a 2% do PIB do país em 2024. Ao mesmo tempo, ele anunciou a decisão da Alemanha de entregar armas à Ucrânia pela primeira vez e de fornecer assistência reforçada dentro da OTAN. Ele envia para a Ucrânia 1.000 sistemas antitanque, 500 mísseis “Stinger”, 9 canhões autopropulsados “Howitzer”, 14 veículos equipados, 10.000 toneladas de combustível, mísseis antiaéreos. De fato, na quinta-feira, citando uma fonte do governo, a agência alemã DPA escreveu que a Alemanha considera a possibilidade de fornecer 2.700 mísseis antiaéreos de fabricação soviética (das reservas do exército da Alemanha Oriental) aos ucranianos ... [ler mais]
Ucrânia, O regresso da propaganda de guerra (Thierry Meyssan) 03-2022
«Stepan Bandera (ao centro) exibindo a Cruz de Mérito alemã de 2ª classe com espadas. Ele não se afirmava nazi, mas apenas «nacionalista» ucraniano. Desde 1935, Bandera pregava a violência política. Ele manda assassinar umas sessenta de personalidades entre as quais dois ministros polacos. Durante a Segunda Guerra mundial, organiza o extermínio dos intelectuais judeus e eslavos. O novo regime ucraniano erigiu monumentos em sua honra entre os quais um em Lviv, cidade onde ele dirigiu um massacre.
Aopinião pública ocidental está revoltada pela guerra na Ucrânia e mobiliza-se para levar socorro aos Ucranianos em fuga. Para todos, é evidente: o «ditador» Putin não suporta a nova democracia ucraniana.
Como em todos os conflitos, explicam-nos que os outros são os maus, enquanto nós somos os bonzinhos.
A nossa reacção é a das pessoas violentadas pela propaganda de guerra porque essas não se lembram dos conflitos precedentes e ignoram tudo sobre a Ucrânia. Recomecemos a partir do zero... [ler mais]
A Situação e as Tarefas da Internacional Socialista (V. I. Lénine) 03-2022
«A burguesia engana as massas, dissimulando a pilhagem imperialista com a velha ideologia da «guerra nacional». O proletariado desmascara esse embuste, proclamando a palavra de ordem de transformação da guerra imperialista em guerra civil. É precisamente essa palavra de ordem que é indicada pelas resoluções de Estugarda e de Basileia(N127), que precisamente previam não a guerra em geral mas exactamente a guerra actual, e que falavam não da «defesa da pátria» mas da «aceleração da queda do capitalismo», da utilização para esse fim da crise suscitada pela guerra, do exemplo da Comuna. A Comuna foi a transformação de uma guerra de povos numa guerra civil.
Essa transformação não é naturalmente fácil e não pode realizar-se «segundo a vontade» de determinados partidos. Mas precisamente essa transformação assenta nas condições objectivas do capitalismo em geral e da época do fim do capitalismo em particular. E é nessa direcção, só nessa direcção, que os socialistas devem desenvolver o seu trabalho. Não votar os créditos de guerra, não tolerar o chauvinismo do «seu» país (e dos países aliados), combater em primeiro lugar o chauvinismo da «sua» burguesia, não se limitar às formas legais de luta quando surgiu uma crise e a própria burguesia anulou a legalidade por ela criada — tal é a linha de trabalho que conduz à guerra civil e que a ela conduzirá num ou noutro momento da conflagração europeia.... [ler mais]
Ángeles Maestro: «A presença nazi na Ucrânia manteve-se muito forte, organizada e armada após a Segunda Guerra Mundial até ao presente» 03-2022
«O momento é complicado, o que você disse é exatamente assim: partidos comunistas, ONGs e outras organizações de esquerda estão, como sempre, se colocando do lado do imperialismo, porque o que se chama “ninis” por aqui, isso ou seja, o que aconteceu em qualquer ataque a qualquer país, é a demonização do líder correspondente. A certa altura, falou-se em "nem Bush nem Saddam", "nem OTAN, nem Milosevic", "nem OTAN nem Gaddafi", demonizando Bashar Al Assad no caso da Síria, etc. Na realidade, trata-se de uma tentativa de equiparar o agressor à vítima. Além disso, com as mentiras da mídia, que são muito importantes de lembrar: quando a invasão do Iraque foi justificada, era porque eles tinham armas de destruição em massa inexistentes e a imagem de um cormorão cheio de óleo morrendo em uma praia foi usada para mostrar que Saddam Hussein era um terrorista, ou as milhares de imagens que não existiam. Há o caso da história que mais tarde se mostrou ser a filha do embaixador do Kuwait nos Estados Unidos, uma adolescente chorando porque os recém-nascidos haviam sido arrancados das incubadoras, e era claramente uma história construída. Ou os bombardeios atribuídos a Gaddafi, que dizia estar bombardeando seu próprio povo. Em outras palavras, todas essas mentiras da mídia são construídas e encorajam a posição de algumas organizações de esquerda que saltam na onda do "Não à guerra", acusando a Rússia de invasão da Ucrânia, na tentativa de branquear os ataques do imperialismo que a Ucrânia supõe em relação à Rússia e outros países da região. Eu também queria salientar quando você perguntou qual será a reação da população, que  muitas vezes me lembro daquela máxima de que a ideologia dominante é a ideologia das classes dominantes, e que os meios de comunicação no poder das oligarquias multinacionais colaboram para moldar essas supostas opiniões públicas... [ler mais]
A ascensão do fascismo global e o fim do mundo como o conhecemos (John W. Whitehead e Nisha Whitehead) 03-2022
«"Esta é a maneira que o mundo acaba
Não com um estrondo, mas um gemido."
— “Os Homens Ocos”, TS Eliot
Apenas três anos na década de 2020, e parece que estamos vivendo as profecias do Livro do Apocalipse com suas terríveis advertências sobre praga, pobreza, ódio e guerra.
Assim como a histeria do governo sobre a pandemia de COVID-19 parece estar diminuindo, novas ameaças surgiram para ocupar nossa atenção e alimentar nossos medos: escassez de alimentos, inflação em alta, preços disparados do gás e um conflito Ucrânia-Rússia que ameaça trazer sobre nós uma guerra mundial.
Será este o fim do mundo como o conhecemos? Ou este é o começo do fim do mundo?
O mundo terminará com um estrondo ou terminará, como conclui TS Eliot, com um gemido?
Robert Frost, dividido entre uma visão do mundo terminando em fogo (a chama quente da violência, raiva e ganância) ou gelo (a queima fria do ódio), sugere que qualquer um deles seria suficiente para fazer o trabalho... [ler mais]
A guerra, a crise capitalista e os refugiados 03-2022
O alarmismo com que se anuncia o aumento dos preços e da sua inevitabilidade, porque há a guerra (dizem eles!), é igual ou talvez superior ao difundido em relação às hipotéticas vagas avassaladoras e também ditas inevitáveis do vírus sars-cov-2, da doença covid-19 e do número de mortes provocadas. As mentes, previamente formatadas, irão aceitar como natural a inflação que se agora é ainda baixa, devido ao apoio financeiro às empresas por parte do estado com o pretexto do combate à pandemia e aos seus efeitos económicos (é bom relembrar), depressa irá disparar logo que se esgote esses financiamentos, que mais não são do que a transferência para a esfera pública das dívidas das empresas privadas, ou seja, dos capitalistas, nacionais e estrangeiros, que utilizam o estado como instrumento para defesa dos seus negócios - “Dívida Pública sobe em Janeiro para 272,4 mil milhões” e “IGCP emite até 1.000 milhões em dívida a 5 e 12 anos”. Por outro lado, fica bem claro aos olhos de todos os cidadãos que os governos, seja qual for o partido ou partidos que os integrem, são sempre os comités de negócios dos capitalistas; e os seus membros, por muito que pintem a cara de “socialismo” ou de “esquerda”, não passam de empregados da burguesia... [ler mais]
Encruzilhada Perigosa: Um Cenário da Terceira Guerra Mundial no auge da crise do Coronavírus (Michel Chossudovsky) 03-2022
«Uma complexa agenda de guerra económica e social  sob os auspícios do  COVID-19 “Lockdown” foi lançada em 11 de março de 2020 contra 193 estados membros das Nações Unidas. O objetivo declarado era combater a propagação do vírus “com vista a salvar vidas”.
Esta iniciativa amplamente documentada emanada dos altos escalões do establishment financeiro. Sua intenção não era salvar vidas, muito pelo contrário. Envolveu um complexo processo de tomada de decisão que exigiu a cooptação de mais de 190 governos nacionais.
Seu objetivo tácito era desencadear o caos económico e social, resultando em falências, desemprego e pobreza. 
Confinamento da força de trabalho, máscara facial, distanciamento social, encerramento de escolas e universidades, mandato de vacina etc.
A questão fundamental: Qual é a sua relação com a geopolítica e as estratégias da guerra global. Como isso se relaciona com a política externa dos EUA e a agenda militar EUA-OTAN?... [ler mais]
O homem que vendeu a Ucrânia: Volodymyr Zelensky (Mike Whitney) 03-2022
«Toda a conversa sobre a adesão à NATO, toda a conversa sobre a construcção de armas nucleares, a acumulação constante de armas mortíferas, o movimento de tropas para leste, a recusa em implementar o Tratado de Minsk e a rejeição das exigências de segurança de Putin: tudo isto foi uma série de provocações deliberadas. Mas porquê? Porquê “espicaçar o urso”, tal é a questão.
Porque Washington quer atrair a Rússia para uma guerra para que possa continuar a demonizar Putin, isolar a Rússia, lançar uma operação de contra-insurgência contra os militares russos e impor sanções económicas severas que irão infligir o máximo de dano à economia russa. Essa é a estratégia de Washington em poucas palavras, e Zelenskyy está a ajudar Washington a atingir os seus objectivos. Permite-se ser a ferramenta de Washington. Ele está a sacrificar o seu próprio país para fazer avançar os interesses americanos... [ler mais]
O racismo prospera na Europa liberal ocidental e na Ucrânia (Steven Sahiounie) 03-2022
«Black Lives Matter, exceto na fronteira polaco-ucrânia. Numa demonstração flagrante de racismo, estudantes africanos que fugiam dos combates na Ucrânia foram impedidos de entrar na Polónia por causa da cor de sua pele. Parece que a Europa pode ser ocidental e uma democracia liberal, mas eles também têm um sério problema de racismo.
O presidente nigeriano Muhammadu Buhari pediu à Polónia que deixe entrar todas as pessoas que estão tentando fugir da Ucrânia, dizendo que “têm o mesmo direito de passagem segura sob a convenção da ONU, e a cor de seu passaporte ou de sua pele não deve fazer diferença”... [ler mais]
A história do Batalhão Azov (Gustavo Vega) 03-2022
«A reputação nazista que os membros do Azov conquistaram não é apenas uma obsessão atribuída a Putin para validar sua campanha contra o governo de Kiev ou justificar a invasão. O primeiro comandante do batalhão foi Andriy Biletsky, ex-parlamentar e um dos líderes do Corpo Nacional, grupo político de extrema direita que lhe permitiu conquistar um assento no Verkhovna Rada (parlamento ucraniano) entre 2014 e 2019. Ele não conseguiu revalidar o mandato nas eleições, já integrado ao partido Svoboda, ultranacionalista e cuja referência histórica é Stepan Bandera. Este último foi um líder considerado criminoso de guerra e que colaborou com a ocupação nazista na Segunda Guerra Mundial. Depois de se voltar contra os alemães, foi deportado para um campo de concentração e sobreviveu. A KGB o assassinou em 1959 em Munique. Hoje, a extrema-direita o considera um herói na Ucrânia... [ler mais]
Intervenção de Reiner Fuellmich, o resumo perfeito da falsa pandemia de saúde 03-2022
«Meu nome é Reiner Fuellmich e tenho o prazer de fazer parte de um grupo de eminentes advogados e juristas internacionais que colaboram há muitos meses nesta questão tão importante. Este caso, que envolve mais odioso contra a humanidade, cometido sob o pretexto de uma pandemia global de Coronavírus, só parece complicado à primeira vista. Milho quando você juntar todas essas peças, todas essas pequenas peças do quebra-cabeça, como faremos por você, com a ajuda de muitos especialistas renomados e outras testemunhas durante esse processo, você encontrará quatro conjuntos de fatos.
Primeiro, não há pandemia de Coronavirus, apenas um teste de PCR plandémico, alimentado por uma elaborada operação psicológica destinada a criar um estado de pânico constante entre a população mundial. Este programa foi planejado por um longo tempo. Seu precursor, que acabou falhando, foi a gripe suína há uma dúzia de anos. E foi inventado por um grupo de psicopatas e sociopatas super ricos que odeiam e temem as pessoas ao mesmo tempo, não têm empatia e são movidos pelo desejo de assumir o controle total de todos nós, as pessoas do mundo. Eles usam nossos governos e a grande mídia, que eles literalmente possuem para ambos, para levar sua propaganda de pânico 24 horas por dia, 7 dias por semana... [ler mais]
Red Roja: Diante da intervenção militar russa contra o regime de Kiev 03-2022
«Estamos em uma situação especial. Os imperialistas amaldiçoam a guerra e parecem ansiar pela paz. Os mesmos que, por conta própria e contornando a ONU, invadiram a Líbia, o Iraque ou a Iugoslávia. Os mesmos que ocuparam criminalmente o Afeganistão. Aqueles que mataram em nome da liberdade, aqueles que realizaram bombardeios maciços em nome da democracia. Aqueles que permitem que Israel martirize o povo palestino e faça e desfaça no Oriente Médio sem se importar com nenhuma lei internacional. Aqueles que permitiram que Riad sangrasse barbaramente o Iémen. Todos eles hoje querem que nos oponhamos à guerra e condenemos esta intervenção militar... simplesmente porque o seu constante intervencionismo criminoso os perturba. Mais uma vez, como aconteceu com eles na Síria, sua arrogância não pode admitir que não podem mais andar impunemente pelo mundo e estender os seus tentáculos sem limite. Eles não podem admitir que são eles que decidem quem pode quebrar um país (Kosovo) e quem não pode (Donbass).
O simples pacifismo e o conforto podem-nos levar a entrar nessa onda de declarações altissonantes, a passar mentiras como realidade e nos colocar em um plano de superioridade moral. Poderíamos falar de "tsarismo" e "imperialismo russo", como fazem hoje praticamente todos os "analistas" a serviço do grande capital. Certamente, como alguns dos membros do "governo progressista" e outras organizações que reivindicam o comunismo, encontraríamos até uma frase de Lenine fora de contexto que nos permitiria preservar a equidistância, mas isso significaria abrir mão de nossos princípios internacionalistas, desconsiderando nosso compromisso com aqueles que – independentemente da distância que nos separa ideologicamente e até a classe que defendemos – combatem os planos imperialistas para os transformar em regimes servis e colónias de fato... [ler mais]
A 'destruição construtiva' do modelo de relações da Rússia com o Ocidente (Alastair Crooke) 02-2022
«Putin quer dizer o que diz: a Rússia está de costas para a parede, e não há nenhum lugar para onde a Rússia possa agora recuar – para eles é existencial.
O Ocidente coletivo já estava furioso. E é apoplético depois que o presidente Putin chocou os líderes ocidentais ao ordenar uma operação militar especial na Ucrânia, que está sendo amplamente descrita (e percebida no Ocidente) como uma declaração de guerra: 'um ataque de choque e pavor que afeta cidades amplamente em toda a Ucrânia'. Na verdade, o Ocidente está tão furioso que o espaço da informação literalmente se bifurcou em dois: é tudo preto e branco,sem cinzas. Para o Ocidente, Putin desafiou Biden de forma abrangente; ele unilateral e ilegalmente 'mudou as fronteiras' da Europa e agiu como um 'poder revisionista', tentando mudar não apenas as fronteiras da Ucrânia, mas a atual ordem mundial. “Trinta anos após o fim da Guerra Fria, estamos enfrentando um esforço determinado para redefinir a ordem multilateral”, alertou o alto representante da UE, Josep Borell. “É um ato de desafio. É um manifesto revisionista, o manifesto para rever a ordem mundial”... [ler mais]
“Democracia Totalitária”: A Guerra Contínua na Ucrânia e a Lei de Medidas de Guerra no Canadá (Stewart Brenan) 02-2022
«Como cidadão canadense, não importa para qual país ocidental eu olhe atualmente, seja Canadá, Austrália, Estados Unidos, Nova Zelândia, Grã-Bretanha, França, Alemanha, Áustria ou Ucrânia, vejo uma mentalidade totalitária consolidada que inclui a grande mídia que promove a ideologia totalitária fascista de nossos governos sobre seu próprio povo, ao mesmo tempo em que atiça as chamas da guerra contra os cidadãos do Donbass.
Se alguma coisa, a invocação do “War Measures Act” e a repressão violenta e distópica da polícia contra pessoas pacíficas em Ottawa certamente abriu os olhos de milhões de canadenses, mas também de bilhões de pessoas ao redor do mundo que estão assistindo o fascismo se desenrolar no Canadá e em seus próprios países e nações.
A propaganda e o acúmulo de hostilidades contra a Rússia e a região de Donbass, pelas mesmas nações ocidentais, também estão à vista agora e, portanto, chegamos a uma encruzilhada que certamente deve ajudar a mudar a direção de onde todos estamos indo. Esses eventos são um alerta sério para as pessoas ao redor do mundo e esperamos que comecem as mudanças necessárias para reverter o curso... [ler mais]
A próxima guerra mundial pela supremacia do dólar americano (Timothy Alexander Guzmán) 02-2022
«Na última década, Rússia, China, Irão e outros vêm desafiando o status de moeda de reserva mundial e isso preocupa o establishment dos EUA.
Os EUA usam seu status de moeda de reserva para controlar a economia mundial e sua política a seu favor, por exemplo, usam sanções económicas como uma ferramenta contra países que não fazem o que o Tio Sam quer que eles façam.
Em abril de 2021, a Newsweek publicou um artigo 'Sanctions Are Destroying US Dollar's Status as World's Top Currency' que basicamente admite que o uso de sanções por Washington acabará paralisando o dólar americano a longo prazo, “o uso contínuo de sanções para pressionar países e empresas percebidos como agindo contra os interesses dos EUA também pode estar enfraquecendo a posição global do dólar”. O artigo cita um membro do Conselho de Relações Exteriores (CFR), Benn Steil, que disse: “Certamente não é uma ameaça iminente ao domínio do dólar, mas é de longe a maior”... [ler mais]
Pipeline Ploy: Como os interesses do gás natural dos EUA estão alimentando a crise na Ucrânia (CJ Atkins) 02-2022
«Embora a grande imprensa esteja saturada de conversas sobre um ataque russo para sempre iminente à Ucrânia e especule sobre o suposto desejo de Moscovo de congelar a Europa cortando o fornecimento de gás, poucos repórteres na mídia corporativa estão perguntando quem ganha economicamente com o impasse no leste.
Junte algumas peças do quebra-cabeça, porém, e alguns vencedores claros começam a surgir na crise da Ucrânia, haja ou não uma guerra real: empresas multinacionais de gás e petróleo. E parece que sua indústria encontrou o porta-voz mais poderoso do mundo para representar seus interesses – o governo dos Estados Unidos.
Empresas como Chevron, ExxonMobil e Shell, juntamente com as centenas de empreiteiros de perfuração e transporte que trabalham com elas, querem aumentar massivamente as exportações para uma Europa faminta por gás, mas no caminho está a Rússia e sua estatal Gazprom. Atualmente, o gás natural russo representa mais de 30% de todas as importações para a União Europeia. As principais potências da UE, Alemanha e França, obtêm 40% de seu gás da Rússia, enquanto alguns outros países, como a República Tcheca e a Romênia, usam apenas gás russo.
Para desalojar a concorrência e conquistar participação de mercado, as multinacionais ocidentais precisam diminuir o fluxo de gás do leste. E quando se trata de incentivos, os gigantes da energia têm muitos... [ler mais]
A guerra é o estado natural 02-2022
A história da humanidade sempre foi a história da luta entre as classes, e a guerra é o estado natural do capitalismo. A guerra, passe o horror e a incredulidade da pequena-burguesia, está sempre presente em capitalismo e inevitável em imperialismo, o capitalismo globalizado. O povo português não deve deixar-se arrastar no enfileirar por um dos lados, deve recusar ser carne para canhão na guerra inter-imperialista e exigir que o país saia da Nato, que esta organização, criada pelos EUA para dominar a Europa e atacar a antiga URSS, deve retirar todas as instalações e armamento que possua em Portugal. A solidariedade é com todos os povos europeus e do mundo – não com o governo fascista de Kiev, como defende o governo lacaio PS/Costa. A Europa dos povos deve também exigir a retirada de todas as tropas e armamentos, nomeadamente nucleares, americanos estacionados no continente – os EUA ficam do outro lado do Atlântico. A guerra do povo contra esta guerra e os seus agentes é o único meio de a esconjurar. A guerra imperialista, a acontecer, irá inevitavelmente despoletar a revolução proletária e dos povos. Estamos em guerra, é a realidade... [ler mais]
Uma boa mobilização dos Coletes Amarelos. Polícia agrediu manifestantes (Brigitte Bouzonnie) 02-2022
«Os Coletes Amarelos fizeram o que todos pensavam impossível: fazer demonstrações monstruosas a partir da Place d'Italie. Do Ministério da Saúde. Do Metro Alésia e Palais-Royal. E acima de tudo uma reunião nos Campos Elísios, como não era possível fazer há muito tempo. A foto mostra uma delas a juntar-se ao metro da Nação: impressionante, majestoso, determinado desfile.
Os Coletes Amarelos/anti-passe sanitário-vacinais estão na sua 52ª manifestação contra Macron desde 17 de Novembro de 2018.. . (...)
Apesar da ordem de ausência de violência, a Polícia agrediu os manifestantes, atingindo vários coletes amarelos na cabeça:
Ainda ontem, na BFM-TV, tivemos de ouvir os jornalistas a soldo, como diz Anne Saurat-Dubois no essencial: "temos de os neutralizar sem os vencer. Cuidado com as imagens de violência a dois meses da primeira volta" (sic)... [ler mais]
Nord Stream: a geopolítica de manter a Alemanha 'para baixo', a Rússia 'fora' e a instabilidade na Ucrânia (Alastair Crooke) 02-2022
«Macron, em uma entrevista notavelmente franca a um jornal francês, apontou os principais problemas estruturais enfrentados pela UE: ele criticou o fato de o Conselho da UE (e outros estados da UE) terem vetado a proposta anterior franco-alemã de uma cúpula Rússia-UE. As consequências dessa omissão, disse ele com veemência, foram que: 'Outros' estavam falando com os russos em nome da UE. Não é difícil supor que ele esteja insinuando que os 'interesses' dos EUA (seja diretamente ou via ventriloquismo da OTAN) eram os que falavam. E essa 'Europa' havia perdido a voz.
Este não é simplesmente um caso de amour propre ferido pelo líder jupiteriano francês. Na verdade, alguns líderes da Europa Ocidental (ou seja, o Eixo Carolíngio), tardiamente, despertaram para a percepção de que todo o artifício falso da 'invasão russa iminente' da Ucrânia é sobre encurralar os estados europeus de volta à disciplina do bloco (OTAN)... [ler mais]
A crise na Ucrânia não é sobre a Ucrânia. É sobre a Alemanha (Mike Whitney) 02-2022
«“O interesse primordial dos Estados Unidos, sobre os quais durante séculos travamos guerras – a Primeira, a Segunda e a Guerra Fria – tem sido a relação entre a Alemanha e a Rússia, porque unidas ali, elas são a única força que pode nos ameaçar. E para garantir que isso não aconteça.” - George Friedman, CEO da STRATFOR no Conselho de Relações Exteriores de Chicago
A crise ucraniana não tem nada a ver com a Ucrânia. É sobre a Alemanha e, em particular, um oleoduto que liga a Alemanha à Rússia chamado Nord Stream 2. Washington vê o oleoduto como uma ameaça à sua primazia na Europa e tentou sabotar o projeto a cada passo. Mesmo assim, o Nord Stream avançou e agora está totalmente operacional e pronto para uso. Assim que os reguladores alemães fornecerem a certificação final, as entregas de gás começarão... [ler mais]
Prevenindo uma Terceira Guerra Mundial: as forças por trás da crise na Ucrânia são as mesmas que levaram à Primeira e Segunda Guerras Mundiais (Paul Anthony Taylor) 02-2022
«Com a atenção global cada vez mais focada no aprofundamento da crise na Ucrânia, o ritmo constante em direção à guerra está se tornando cada vez mais audível a cada dia que passa. Para que o mundo evite cair no abismo de outro conflito global catastrófico, é crucial que aprendamos e compreendamos as lições da história. Embora existam, sem dúvida, muitos fatores que levaram o mundo a este ponto crítico no tempo, um dos mais importantes continua a ser ignorado pelos grandes media. Apesar do que nos dizem, as forças motrizes corporativas por trás da crise atual são precisamente as mesmas que levaram às duas guerras globais anteriores.
Não é coincidência que a escalada da crise na Ucrânia ocorra em um momento em que, no momento em que o mundo começa a se afastar dos combustíveis fósseis poluentes, os preços crescentes da energia estão forçando milhões de pessoas a escolher entre colocar comida na mesa ou aquecer as suas casas.
Tampouco é coincidência que a escalada em direção à guerra coincida com vacinas experimentais COVID-19 baseadas em mRNA e DNA, direcionando lucros vertiginosos para os bolsos inchados da indústria farmacêutica... [ler mais]
A geopolítica do crescimento do preço do gás e eletricidade na Europa  (Prabir Purkayasth) 02-2022
«A atual crise do crescimento no preço do gás na Europa, junto a uma onda de frio na região, destaca o facto de que a transição para a energia limpa em qualquer parte do mundo não será fácil. A alta no preço do gás na Europa também deixa evidente a complexidade envolvida na transição para fontes de energia limpa: que a questão da energia não se resume em escolher a tecnologia certa, e que a transição para a energia limpa tem dimensões económicas e geopolíticas que devem ser tomadas em conta.
As guerras do gás na Europa são em grande parte um dos pontos em uma batalha geoestratégica maior levada adiante pelos EUA, usando o Tratado do Atlântico Norte (OTAN) e a Ucrânia. O problema que os EUA e a União Europeia (UE) têm em mãos é que mudar a situação de dependência energética da UE em relação à Rússia terá imensos custos para os europeus, facto que está sendo ignorado no tensionamento recente entre a Rússia e a OTAN. Uma ruptura com a Rússia neste momento em relação à Ucrânia terá enormes consequências para a tentativa da União Europeia de fazer a transição às fontes de energia mais limpas... [ler mais]
A esquerda do silêncio suicida diante da gestão da pandemia de Covid (parte 2) (Ángeles Maestro) 02-2022
«O círculo é datado como o controle de grandes Fundos de Investimento de multinacionais farmacêuticas envolvidas no negócio de vacinas contra a Covid. A americana Pfizer, a clara vencedora da tourada, possui dois dos mesmos grandes Fundos de Investimento[1]. A Vanguard é a principal acionista da Pfizer e a segunda é a Blackrock[2] . Vanguard, Blackrock e State Street estão entre os maiores acionistas da Moderna.
Apenas Blackrock e Vanguard administram 16 bilhões de dólares[3]. Se um estado fosse criado, seria a terceira potência mundial atrás de dois EUA e China. Seus lucros com as vacinas são gigantescos. Por exemplo, o aparecimento da variante Omicron é uma extensão infundada de sua série FAZER com o fato de que, em uma semana, os CEOs e principais acionistas da Pfizer e da Moderna faturaram mais de 10.000 milhões de dólares[4]. 
Como não basta à oligarquia controlar todos os grandes meios de comunicação, com os mecanismos de censura acima descritos, o Governo torna-se o Grande Censor de tudo que considera domínio da informação e atentado à Segurança Nacional... [ler mais]
Washington e Londres tentam preservar a sua dominação sobre a Europa (Thierry Meyssan) 02-2022
«Hoje em dia, os segredos mais bem guardados são rapidamente revelados. Mas não quer dizer que se propaguem. Ora, esta semana, as cartas confidenciais dos Estados Unidos e da OTAN para a Rússia foram divulgadas e foram muito lidas. Enquanto o cenário da frente é dominado pelo ruído das botas da OTAN, os bastidores ocidentais são palco febril da organização de redes de vigilância dos Aliados pelos seus suzeranos norte-americanos e britânicos. Já que Washington e Londres estão persuadidos que a Rússia não os atacará, mas tentará desviar seus Aliados. (...)
Este documento lança luz sobre as recentes acções públicas da OTAN: campanha de propaganda denunciando uma iminente invasão russa, colocação de soldados em volta da Ucrânia e transferência de armas para a própria Ucrânia. Mas o mais importante está longe: estas tropas e estas armas não são capazes, de forma alguma, de resistir a uma invasão russa se ela tiver lugar. Por outro lado, esta atmosfera provoca pânico nos dirigentes europeus (em sentido amplo, não apenas aos da União Europeia). Washington e Londres sabem que podem não responder ao fundo da exigência russa, de respeito pelos Tratados, e que Moscovo (Moscou-br) não os atacará por isso. O seu temor está noutro lado, tal como Vladimir Putin tentou em 2007 em Munique, Moscovo pode tentar derrubar os Aliados um a um. Ora, desta vez, o declínio do poderio dos EUA pode fazê-los reflectir. Eles poderão constatar que não tem grande coisa a tirar da sua vassalagem. É por isso que a CIA norte-americana e o MI6 britânico reorganizam as redes de stay-behind (retaguarda-ndT) com o assentimento de alguns dirigentes europeus que se imaginam a viver em breve em países ocupados pela Rússia... [ler mais]
A esquerda do silêncio suicida diante da gestão da pandemia de Covid (Ángeles Maestro) 02-2022
«A aceitação acrítica da esquerda do discurso das classes dominantes, algemada pelo medo da acusação de serem "negacionistas", "anti-vacinas" ou "jogar o jogo da extrema direita" é inaceitável e tem que acabar. (...)
A retumbante ausência de posições críticas por parte da grande maioria das organizações de esquerda, tanto institucionais como extraparlamentares, face às inúmeras e graves irregularidades que caracterizam a gestão da pandemia, deixou não só os mais conscientes da classe trabalhadora e do povo, mas também – se não reagirem a tempo – os impossibilita de representar efetivamente a resistência das classes populares diante das consequências da grande reestruturação do capitalismo em curso.
É surpreendente que as organizações que deveriam aplicar a teoria marxista para analisar os processos e mudanças na realidade social não tenham conseguido criticar e desvendar a base material das medidas adotadas. Ou seja, não conseguiram revelar a ligação entre as decisões dos governos, sem uma base científica sólida, e a obtenção de enormes lucros pelo grande capital, através da imposição à população de medidas que ameaçam sua saúde e além disso, para isso estão implantando normas autoritárias, visando assegurar o controle social e neutralizar a resistência das classes populares... [ler mais]
Coimbra em Defesa da Vida: Não às Minas! 02-2022
«O Estado quer minar 1/4 do território português?
Cerca de um quarto do território nacional está sob a ameaça de exploração mineira.
Sabias que, no dia a seguir ao chumbo do orçamento de Estado para 2022, foram assinados 14 contratos de concessão mineira? Com que legitimidade foi tomada esta decisão, sabendo nós que foi nessa altura que o governo caiu e foram convocadas novas eleições?
Será que o lítio é mesmo a solução? (...)
Coimbra contra a mineração:
O Rio Mondego também está em risco e, consequentemente, a água que chega às nossas torneiras. Entre outras explorações previstas, denunciamos que, numa extensão de mais de 30km, entre Celorico da Beira e Nelas, o Rio Mondego está sob aviso de prospeção e pesquisa, tanto pelo concurso internacional do Programa de Prospeção e Pesquisa de Lítio (PPP-L), como por pedidos da australiana Fortescue para prospeções de ouro, prata, chumbo, zinco, cobre, lítio e voltrâmio... [ler mais]
A turbulência continuará até que surja uma ordem global modificada (Alastair Crooke) 02-2022
«A Ucrânia se transformou – inesperadamente – da perspectiva de Washington de uma 'distração útil' para se tornar o dilema de Biden.
“O que faremos se o Ocidente não ouvir a razão?”, observou Sergei Lavrov. “Bem, o presidente da Rússia já disse 'o que' [vai fazer]”. “Se nossas tentativas de chegar a um acordo sobre princípios mutuamente aceitáveis para garantir a segurança na Europa não produzirem o resultado desejado, tomaremos medidas de resposta. Questionado diretamente sobre quais seriam essas medidas, ele [Putin] disse: elas podem vir em todas as formas e tamanhos”. A Rússia havia anunciado anteriormente que, na ausência de uma resposta ocidental satisfatória, a Rússia deixaria de lado a linguagem da diplomacia - e recorreria a medidas "técnico-militares" não especificadas - aumentando gradualmente a dor na OTAN e nos EUA
É improvável que Moscovo tenha nutrido grandes ilusões sobre seu ultimato 'não-ultimato'. Os documentos nunca tiveram a intenção de 'atrair' o Ocidente para negociações ad aeternam. A questão é que Moscovo já havia decidido romper de maneira fundamental com o Ocidente. O que está acontecendo hoje é a manifestação dessa decisão anterior... [ler mais]
Camionistas americanos, europeus e australianos preparam-se para seguir a estratégia dos seus colegas canadianos (Roy Green) 02-2022
«Os camionistas canadianos começaram a rodar e seus colegas nos EUA, Europa, África do Sul e Austrália estão se preparando para longas campanhas de protesto semelhantes contra os mandatos da vacina contra o coronavírus Wuhan (COVID-19).
Composto por mais de 50.000 camiões e se estendendo por 45 milhas, o Canadian Freedom Convoy transformou a capital de Ottawa num enorme estacionamento, atraindo atenção nacional e internacional, de acordo com o apresentador do “World View Report” Brannon Howse no episódio de 2 de fevereiro. do programa em Brighteon.TV. (Relacionado: 50.000 camionistas prometem ficar em Ottawa até que o governo suspenda os mandatos de vacinas.)
Mesmo os políticos canadianos, que inicialmente adotaram a postura esnobe do primeiro-ministro Justin Trudeau sobre o movimento, estão prestando atenção com alguns até indo para os campos de protesto cheios de apoiantes antivacinas.
Questionada sobre sua presença no Parliament Hill, a membro do Parlamento do Partido Conservador do Canadá, Leslyn Lewis, disse: “Por que eu não estaria? Isso é Democracia. É disso que se trata a democracia. As pessoas acreditam que o governo ultrapassou os mandatos e estão aqui para exercer seu direito democrático. O povo dá ao governo o poder de agir de acordo com seus valores. O governo não tem nenhum poder independente. Somos nós que conferimos o poder ao governo.”
E nos casos em que os abusos podem ter sido cometidos pelo governo, Lewis, uma advogada, disse que não tolerará o delito... [ler mais]
“Nem a Venezuela nem seu governo são socialistas” (Arnaldo Fernández) 02-2022
«Onde estava o socialismo neste governo?
“Em nenhum lugar, porque este governo não é socialista e em nosso país o socialismo nunca foi alcançado, sua construção nem começou. É verdade que na propaganda oficial se utilizam os clichês de “socialismo”, “revolução”, “governo operário”, mas na realidade as políticas econômicas e trabalhistas, sobretudo a partir de 2018, têm uma orientação claramente neoliberal, ou seja, impõem a tirania do “livre mercado” e criam condições para o lucro capitalista máximo, tendendo a reduzir o papel regulador do Estado na economia. Ao mesmo tempo, sacrifica os trabalhadores com a destruição dos salários, o desmantelamento dos acordos coletivos e a extrema precarização do emprego, impondo uma desregulamentação selvagem e flexibilidade laboral”.
“Desta forma, o governo presidido por Nicolás Maduro administra a crise e as “sanções” criminosas imperialistas, apresentando como “vantagens comparativas” o capital estrangeiro e a burguesia parasitária local (erroneamente chamada de “burguesia revolucionária”), a isenção de impostos e a mão de obra mais barata do continente e talvez do mundo. Para isso, conceberam a mal chamada “lei antibloqueio” e a lei das zonas econômicas especiais, entre outros instrumentos legais, que conferem facilidades e privilégios ao capital estrangeiro... [ler mais]
Uma verdade inconveniente: a teia alimentar camponesa alimenta o mundo (Colin Todhunter) 02-2022
«Uma investigação conjunta de 2020 da Unearthed (Greenpeace) e da Public Eye (uma ONG de direitos humanos) revelou que BASF, Corteva, Bayer, FMC e Syngenta arrecadam bilhões de dólares vendendo produtos químicos tóxicos encontrados pelas autoridades reguladoras para representar sérios riscos à saúde.
Também descobriu que mais de um bilhão de dólares de suas vendas vieram de produtos químicos – alguns agora proibidos nos mercados europeus – que são altamente tóxicos para as abelhas. Mais de dois terços dessas vendas foram feitas em países de baixa e média renda, como Brasil e Índia.
A Declaração Política da Resposta Autônoma dos Povos à Cúpula de Sistemas Alimentares da ONU em 2021 afirmou que as corporações globais estão se infiltrando cada vez mais nos espaços multilaterais para cooptar a narrativa da sustentabilidade para garantir maior industrialização, extração de riqueza e trabalho das comunidades rurais e a concentração do poder corporativo.
Com isso em mente, uma grande preocupação é que a CropLife International agora procure inviabilizar o compromisso da FAO com a agroecologia e pressionar por uma maior colonização corporativa dos sistemas alimentares... [ler mais]
Governo PS de maioria absoluta, mas já não era?! 02-2022
«Costa comprou à direita e à esquerda, parece que foram os idosos e pensionistas (temerosos da pandemia!?) que, à última da hora, resolveram votar e a favor do PS, isto é, naquele que está e dá segurança, porque se não dá muito, também não tira: 10 euros para as reformas mínimas e em Maio, no quadro do futuro Orçamento, haverá um aumento extraordinário. Só que agora haverá uma ressalva: não será preciso tirar, basta não aumentar as pensões ou os salários em taxa igual à da inflação. A inflação irá funcionar como o governo troikiano de Passos/Portas, e tudo indica que a inflação em Portugal irá ultrapassar facilmente os 5% já atingidos em média na União Europeia, visto que em Janeiro chegou aos 3,3%. Em 2026, no final do mandato do governo absoluto do PS/Costa (e se chegar ao fim!), as pensões e os salários serão ainda mais miseráveis do que agora.
Os tempos que aí vêm são mais que sombrios: Lagarde admite “preocupação unânime” no BCE sobre inflação e pistas sobre juros só em Março. E estas pistas para a adivinhação facilmente se encontram nas palavras do vice-presidente da Comissão Europeia Valdis Dombrovskis e do comissário para a Economia Paolo Gentiloni: o cenário de suspensão da disciplina orçamental europeia além deste ano só ocorrerá em caso de um novo “choque brutal”. Inflação elevada e por tempo indeterminado, subida das taxas de juro em dimensão ainda desconhecida, que farão disparar enormemente os custos das dívidas pública e privada, obrigatoriedade de se respeitar as regras de disciplina orçamental, nada de bom será para os nossos reformados, trabalhadores e povo em geral, porque somos nós que, em última estância, pagamos a dívida contraída pelos capitalistas e recapitalizamos as suas empresas. No entanto, em 2026, teremos mais desemprego e mais pequenos empresários arruinados... [ler mais]
Milhares de jovens manifestam-se em Bilbau e Pamplona "contra a ditadura da burguesia" - Proclamam a necessidade de um Estado Socialista 02-2022
«Este sábado foi um dia marcado a vermelho no calendário, como se viu em Bilbau (Bizkaia) e Pamplona (Navarra). Atendendo ao apelo da Coordenadora de Jovens Socialistas (GKS), cerca de 7.000 pessoas foram às ruas nas duas capitais. O apelo foi claro: os jovens ganharam as ruas contra a ofensiva económica e política, e o estado socialista foi proclamado como a única saída para tudo isso.
"Saímos hoje às ruas para denunciar a deterioração da qualidade de vida e a perda de direitos nos últimos anos", disseram membros do GKS ao final da manifestação. Através das mobilizações, por um lado, eles queriam enviar uma mensagem clara aos "banqueiros, grandes empresas e políticos profissionais": "Vocês são o maior obstáculo para viver livremente, e nos mobilizaremos e nos organizaremos fora de sua influência".
Por outro lado, também se dirigiram aos “setores juvenis e operários do País Basco e do resto do mundo”: “Devemos levantar e organizar nossos sonhos, porque uma sociedade sem opressão é possível e devemos lutar por ela... [ler mais]
#FreedomConvoy2020 - Justin Trudeau evita a grande revolta dos caminhoneiros 02-2022
«A resistência se revela sempre de formas inesperadas. Enquanto digito, milhares de caminhoneiros (os números estão em fluxo e estão em disputa) fazem parte de um comboio de 80 quilómetros no Canadá, dirigido para a capital Ottawa em protesto contra um mandato flagrante de vacina imposto pelo primeiro-ministro Justin Trudeau.
Eles serão acompanhados na chegada por um grande número de manifestantes que estão desafiando as restrições, fechamentos e mandatos dos últimos quase dois anos. 
O Trudeau [supostamente] triplamente vacinado, enquanto isso, decidiu que precisa se esconder porque foi exposto ao Covid. Não se pode esperar que um esquerdista limpo, da classe dominante, em forma e elegante como ele enfrente esse patógeno diretamente. Como membro da vanguarda da elite do confinamento, ele nunca deve correr riscos (por menores que sejam) e deve se manter seguro. É apenas uma questão de coincidência que ele seja trancado num esconderijo enquanto os caminhoneiros chegam junto com centenas de milhares de cidadãos que estão fartos de serem tratados como ratos de laboratório... [ler mais]
“O Massacre português de Wiriamu, Moçambique 1972” (Mustafah Dhada) 02-2022
«Em Wiriamu, as execuções correram de forma igualmente expedita, embora com ligeiras subtilezas. Enquanto alguns militares incendiavam palhotas cheias de pessoas, Antonino Melo encaminhava, pessoalmente, outros habitantes para a palhota dos Tenente Valeta, uma das maiores da povoação. Foi uma tarefa fácil, pois muita gente já se encontrava ali devido às festividades. Em determinado momento, Antonino Meio sentiu um puxão na perna. Baixou a cabeça e os seus olhos cruzaram-se com os dela. Uma menina com menos de dez anos agarrava-se a ele com força e recusava-se a avançar. Não conseguiu libertar-se. Melo ordenou, então, aos seus homens que retirassem a mãe da criança do interior da palhota e disse a ambas para fugirem dali. Vinte e três anos mais tarde, ao ser informada de que Antonino Melo seria entrevistado no âmbito do projecto, a menina, então uma mulher adulta, pediu que lhe fosse transmitido o seu agradecimento por lhe ter salvado a vida. Ao ouvi-lo, Melo calou-se, mas continuou sentado, muito direito e controlado. Por delicadeza, não lhe foi pedido que explicasse o que o levara àquele gesto.
Após o lançamento de algumas granadas desencavilhadas para dentro da palhota, a porta foi fechada com estrondo e trancada. No seu interior, estavam Vasco e a sua irmã. «Wkenewkene gente... éramos muitos, não conseguíamos respirar», disse Vasco, em calão niungue. A irmã, que estava mais perto da porta das traseiras da palhota, empurrou-a e abriu-a. As tropas não se aperceberam de que a palhota tinha outra porta na retaguarda, explicou Antonino Melo. Vasco e a irmã escapuliram-se no exacto momento em que as granadas rebentavam, fazendo saltar a cobertura de capim. Aí se concluiu a maior mortandade de Wiriamu. Tendo terminado a rápida operação de limpeza antes do pôr-do-sol, Antonino Melo e os seus homens deixaram a povoação para montarem o acampamento a alguma distância do local, perseguindo e eliminando eventuais fugitivos que encontraram pelo caminho... [ler mais]
"Os bárbaros avançam" (Iñaki Gil de San Vicente) 02-2022
«1.- O título –'Os bárbaros avançam'– pertence a León Rozitchner [1]quando desenvolve a crítica de Freud a G. Le Bon (1841-1931), sua teoria da obediência das massas à dominação da autoridade. Rozitchner chega a dizer que as três características da cultura burguesa que fazem os bárbaros avançarem são o anonimato, a irresponsabilidade e a falta de contenção. Se vemos as turbas fascistas em movimento, o anonimato é obtido com os uniformes, nos gestos agressivos executados ritmicamente, o que impede ou impossibilita sua fácil identificação pessoal. A tudo isso devemos acrescentar a irresponsabilidade que é protegida pela desculpa de que obedecem a uma Autoridade intocável, o Caudilho que os guia para um bem supremo, a Raça, o Império... ou seja, a propriedade capitalista. Por fim, a falta de contenção é mostrada em tudo, desde bater em qualquer um, principalmente em mulheres….,
2.- 'Os bárbaros avançam' porque o autoritarismo e sua forma extrema, o fascismo, surge e se reproduz nas contradições capitalistas, não é algo exógeno, secundário, mas faz parte da exploração do trabalho pelo capital. 'Os bárbaros avançam' porque, entre outras coisas, essas três características também adormecem em muitas pessoas aparentemente "não autoritárias", tanto por serem consubstanciais à estrutura psíquica das massas, quanto por serem promovidas e reforçadas pelo Estado burguês... [ler mais]
O massacre do domingo sangrento há 50 anos: as mentiras malditas dos militares britânicos (Richard Rudkin) 02-2022
«Finalmente, em maio de 2021, a legista Sra. Keegan, que presidiu o inquérito sobre as mortes, concluiu: “O que está muito claro é que todos os falecidos na série de inquéritos eram inteiramente inocentes de todos os delitos no dia em questão.”
Ao contrário de Ballymurphy, os eventos do Domingo Sangrento foram capturados pela câmara e transmitidos ao redor do mundo. O mesmo aconteceu com o oficial do exército britânico que disse à imprensa que os paraquedistas foram atacados e responderam.
Quando perguntado sobre quantas armas foram recuperadas, ele respondeu que nenhuma no momento. Assim como Ballymurphy, nenhuma arma foi recuperada, porque nenhuma arma jamais existiu.
Com a oportunidade de corrigir os terríveis acontecimentos em Ballymurphy ignorados pelos comandantes militares, o mesmo regimento de pára-quedas foi enviado para Derry, onde, como sabemos, eles mataram e feriram mais vítimas inocentes.
Hoje, porque estamos plenamente cientes dos factos que cercam as mortes de civis inocentes desarmados, deveríamos nos surpreender que muitas pessoas decidiram apoiar o IRA? ... [ler mais]
WEF de Klaus Schwab “Escola para Ditadores Covid”, um Plano para o “Grande Reset” (Michael Lord) 02-2022
«O economista Ernst Wolff acredita que uma aliança oculta de líderes políticos e corporativos está explorando a pandemia com o objetivo de destruir as economias nacionais e introduzir uma moeda digital global.
Como é que mais de 190 governos de todo o mundo acabaram lidando com a pandemia de COVID-19 quase exatamente da mesma maneira, com bloqueios, mandatos de máscaras e cartões de vacinação agora sendo comuns em todos os lugares?
A resposta pode estar na escola de Jovens Líderes Globais, que foi criada e administrada por Klaus Schwab, do Fórum Econômico Mundial, e que muitos dos líderes políticos e empresariais proeminentes de hoje passaram a caminho do topo. (...)
Em 2012, Schwab e o WEF fundaram mais uma instituição, a “Global Shapers Community”, que reúne aqueles identificados por eles como tendo potencial de liderança de todo o mundo com menos de 30 anos.
Cerca de 10.000 participantes já passaram por esse programa até o momento , e realizam reuniões regularmente em 400 cidades. Wolff acredita que é mais um campo de provas onde os futuros líderes políticos estão sendo selecionados, examinados e preparados antes de serem posicionados no aparato político mundial.... [ler mais]
Suécia. Eles esterilizaram "inferiores" até 25 anos atrás para "purificar a raça" (Ferran Barber) 02-2022
«O primeiro dos diretores do Instituto Sueco de Biologia Racial em Uppsala (Suécia)  Herman Bernhard Lundborg  (1868-1943) deixou muito claro: os nórdicos constituem a raça superior e qualquer tipo de miscigenação com indígenas Sami da Lapónia, Roma, judeus Tormedalianos, finlandeses ou outras minorias raciais enfraqueceriam o povo escandinavo, a quem ele atribuiu o mais alto grau de perfeição humana, mesmo muito antes de nazistas como o Dr. Mengele tentarem usar a ciência para sustentar seus delírios racistas assassinos. Assinado pela escritora Maja Hagerman, autora de livro e  documentário sobre os experimentos de Lundborg com os Sami, "colegas pesquisadores da Alemanha, que mais tarde se tornariam influentes especialistas raciais e profeririam sentenças de morte no Terceiro Reich, olhavam com inveja através do Mar Báltico em direção à Suécia, onde o "primeiro instituto racial do mundo". Isso significa que está fundado o colonialismo, ou o direito de superioridade branca sobre outros grupos étnicos do Estado europeu. Algo que já havia acontecido na conquista de Nossa América e que continuaria a ser implementado na Europa com os povos nativos com quem conviviam... [ler mais]
Gente com pouca vergonha e os medos da burguesia indígena 01-2022
A dívida, pública e privada, constitui neste momento o principal problema do país, mas sobre esta questão, os partidos nada dizem. Pressupõe-se que será para pagar, pela simples razão de que é o povo que a paga e é a burguesia que dela beneficia. Isto é, viver com o dinheiro do povo é fácil; no entanto, só irá prolongar a agonia da economia nacional. É nesta perspectiva, e daí o rebuliço dos partidos e dos representantes dos patrões, que se irá gastar os milhares de milhões de euros da ansiada “bazuca”. A nossa burguesia rentista está impaciente e os seus partidos enervam-se com a eventualidade de não virem a receber a percentagem ou a propina devida pela intermediação.
O presidente da CIP – sempre o mesmo e incansável “empresário de sucesso” que herdou uma empresa e a enfiou na falência e os trabalhadores no desemprego e que é bem o símbolo da nossa burguesia compradora e rentista – vem de novo reclamar a Marcelo entendimento entre os dois partidos da governação; e a estes a “coragem” para fazer as “três reformas essenciais”, sendo uma delas reduzir os funcionários públicos para compensar a redução dos impostos aos patrões. E uma das outras, que está implícita naquela, é a privatização de todos os serviços de carácter social que o estado ainda vai prestando. Pela redução dos funcionários públicos, forçosamente que a Saúde, a Educação, a Segurança Social, as Águas, etc. serão entregues aos privados. (...)
Votar, se querem votar, votem nos partidos que não estão na Assembleia da República. Se não têm a certeza, então não votem. Por vezes, vale mais estar quieto do que fazer asneira. 47 anos é tempo mais que suficiente para aprendermos alguma coisa!... [ler mais]
“O Massacre português de Wiriamu, Moçambique 1972” (Mustafah Dhada) 01-2022
«Começou, então, a destruição de Chaworha. Pediram aos habitantes que batessem palmas e disseram-lhes: era agora. Iam morrer. Deviam preparar-se para se encontrar com o seu Criador. Um verdadeiro pandemónio instalou-se quando começou o tiroteio. Entre o grupo reunido junto do quintal do chefe Chaworha, 53 caíram no chão. Enquanto os restantes tentavam fugir, Chico Cachavi gritava: «Aphani Wense! Aphani Wense! Matem todos. Não deixem ninguém vivo. Nada de testemunhas.» O grupo de militares armados dividiu-se em dois. Um juntou os corpos num monte e ateou-lhes fogo com capim; o outro formou um semicírculo em volta da pira e preparou-se para atirar sobre eventuais fugitivos e sobre todos os que tentassem escapar do monte de cadáveres. António estava num extremo do amontoado de corpos, juntamente com o irmão mais novo, Domingo, que tinha quatro anos. Outros quatro conseguiram escapar. Os militares portugueses, «pretos e brancos», dispararam na sua direcção, contou António. «Corri depressa. Não olhei para trás.» Uma bala atingiu-o no ombro. Ignorando o ferimento, continuou a correr até estar a salvo.
Conseguira chegar à aldeia do régulo Matambo. «Éramos parentes.» Contou-lhe o que tinha sucedido. O seu outro irmão mais novo, Zeca, já lá estava. «Depois fui até ao rio», para se lavar. Voltou e pernoitou na povoação. No dia seguinte, um parente próximo que fazia parte da milícia portuguesa chegou à aldeia, de uniforme, para impedir que fosse capturado pelos militares portugueses que andavam em perseguição dos sobreviventes. Levou António ao hospital de Tete, onde trabalhava a irmã Lúcia, para que lhe tratassem a ferida. António saltou para a bicicleta. A partir daqui, o paradeiro do seu irmão mais novo é incerto.
Entretanto, o régulo Matambo ordenara ao seu povo que evacuasse a aldeia, caso fossem eles as próximas vítimas. Dias mais tarde, o régulo Trabuco, vizinho de Chaworha, visitou o local da carnificina. Contou 300 mortos e depois parou... [ler mais]
A reforma trabalhista que a União Europeia queria (Astor García - PCTE) 01-2022
«Nenhuma reforma trabalhista pode ser explicada sem referência ao contexto em que é aprovada. Nas reformas trabalhistas de 2010 e 2012, para citar as mais recentes, parecia que os sindicatos e partidos políticos à esquerda do PSOE eram claros sobre seu caráter anti-operário, a ponto de várias greves gerais serem convocadas contra eles. Para argumentar contra essas reformas trabalhistas (uma do PSOE, outra do PP), foram lançados vários slogans que focalizavam essencialmente a luta dos trabalhadores e sindicais no fato de que condições extremamente prejudiciais estavam sendo impostas aos trabalhadores (e favoráveis às empresas), como consequência da brutal crise capitalista de 2008 e da gestão que os Governos dos países da União Europeia vinham realizando em resposta ao ditado da Troika (Comissão Europeia, Fundo Monetário Internacional e Banco Mundial) e as suas políticas de austeridade. Naquela época, e não há muitos anos, parecia claro que as reformas trabalhistas na Espanha estavam vinculadas a uma realidade externa, a da União Europeia e suas instituições, que tinham a capacidade de impor ataques contra a maioria trabalhadora por meio dos governos nacionais que atuaram não apenas como executores, mas também como promotores das reformas.
O que não está sendo dito neste momento é que o contexto em que a última reforma trabalhista foi aprovada é substancialmente semelhante ao de então, que a reforma segue essencialmente a mesma tendência das anteriores e que não implica qualquer mudança de rumo em comparação com as políticas que estão a ser desenvolvidas entre os governos nacionais e a Comissão Europeia no que diz respeito ao chamado mercado de trabalho... [ler mais]
Crise na Ucrânia: como o Deep State criou a fenda de Biden-Putin? (Nauman Sadiq) 01-2022
«O objetivo básico da UE tem sido nada mais do que atrair os antigos estados comunistas da Europa Oriental e Central para as dobras do bloco capitalista ocidental, oferecendo incentivos e incentivos financeiros, particularmente na forma de acordos para abolir os controles nas fronteiras internas entre os estados membros da UE, permitindo assim a livre circulação de trabalhadores da empobrecida Europa Oriental para os países prósperos da Europa Ocidental.
Em relação à presença global das forças americanas, de acordo com um  infográfico de janeiro de 2017  [2] do New York Times, 210.000 militares dos EUA foram implantados em todo o mundo, incluindo 79.000 na Europa, 45.000 no Japão, 28.500 na Coréia do Sul e 36.000 em o Oriente Médio.
Na Europa, 400.000 forças dos EUA foram mobilizadas durante o auge da Guerra Fria nos anos sessenta, embora o número tenha sido significativamente reduzido depois que as potências européias desenvolveram sua própria capacidade militar após a devastação da Segunda Guerra Mundial. O número de tropas americanas implantadas na Europa agora é de 47.000 na Alemanha, 15.000 na Itália e 8.000 no Reino Unido. Assim, a Europa nada mais é do que um cliente da América corporativa... [ler mais]
Iémen: Um 'genocídio' assistido, como armas aliadas encorajam crimes sauditas (Farah Hajj Hassan) 01-2022
«França e Emirados Árabes Unidos: uma partida feita no inferno.
Em dezembro de 2021, a França assinou um acordo com os Emirados Árabes Unidos no valor de US$ 19,2 bilhões para fornecer 80 caças Rafale da Dassault Aviation, a maior compra única do Rafale fabricado pela Dassault fora das forças armadas francesas. A Human Rights Watch criticou a venda, dizendo que os Emirados Árabes Unidos desempenharam "um papel de liderança" na guerra repleta de atrocidades contra o Iêmen. O comunicado também dizia que Riad foi em 2020 o maior comprador de armas francesas.
Em um relatório intitulado  "Venda de armas: França e Emirados Árabes Unidos, parceiros em crimes cometidos no Iêmen",  várias organizações listam como a França não respeitou seus compromissos de direitos humanos sob o Tratado de Comércio de Armas da ONU que "regula o comércio internacional de armas convencionais .” O relatório detalha que os Emirados Árabes Unidos são um aliado estratégico da França e descreve o primeiro como uma "ditadura repressiva", onde todas as vozes dissidentes correm o risco de serem presas ou torturadas, lembrando as sentenças injustas proferidas contra 69 ativistas de direitos humanos em 2013 após um julgamento injusto.... [ler mais]
Da crise financeira e monetária ao terror de estado da pandemia do COVID (uncutnews.ch) 01-2022
«O sistema financeiro, com os seus juros compostos, continua a cair numa armadilha que estabeleceu para si próprio. Ao longo dos anos, o capital está concentrado (acumulando) nas mãos de um grupo de capitalistas extremamente rico e pequeno (mais de 2000 multimilionários). Outras pessoas têm de pagar esta fortuna dos super-ricos através do seu poder de trabalho salarial (valor excedentário), mas isso torna-se cada vez mais difícil, porque o capital a ser remunerado continua a aumentar, enquanto a percentagem de salários tende a diminuir na riqueza colectiva. É por isso que este sistema precisa de um reset de vez em quando.
No passado, as guerras eram muito apreciadas para este fim (actualização da contabilidade social fazendo com que os trabalhadores pagassem). Sob o modo capitalista de produção, as mortes e o sofrimento foram aceites para preservar e desenvolver a riqueza social colectiva que os ricos acumularam para seu benefício pessoal. Por que seria diferente hoje?
Até agora, não houve uma terceira guerra mundial (dado os enormes arsenais nucleares, isso seria perigoso para as "elites" e para os próprios bilionários), mas o problema do sistema financeiro falido continua... como resolvê-lo... [ler mais]
The Online Safety Bill: A promessa do governo de nos proteger do nosso direito à liberdade de expressão e pensamento (Rusere Shoniwa) 01-2022
«Em relação à questão de “pesquisar os dois lados e decidir por conta própria”, o veredicto do artigo foi claro: “quando se trata de questões como vacinações, mudanças climáticas e o novo coronavírus SARS-CoV-2, pode ser perigoso, destrutivo e até mesmo mortal.”
A mensagem e o tom do artigo são arrogantes, condescendentes, paternalistas e, por todas essas razões, um grave insulto à nossa inteligência. Mas, acima de tudo, é potencialmente antidemocrático. A política governamental baseada na ciência prevalecente tem um enorme impacto na nossa vida, bem-estar e, como a Covid demonstrou, na nossa liberdade. Mas, se a Forbes conseguir o que quer, sob nenhuma circunstância os cidadãos estúpidos poderão pesar "ambos os lados" de um debate por si mesmos. E você não terá permissão para desafiar democraticamente a máquina do governo que tritura a lei e os estatutos que governam todas as suas horas de vigília.
Você está sendo instruído a deixar o negócio 'perigoso, destrutivo e até mortal' de decidir o que é bom para você para os cientistas e para o governo que, depois de filtrá-lo com benevolência imaculada, entregará apenas o que julgar bom para você e que, por acaso, alinhar-se-á perfeitamente com a política e os objetivos do Governo. Há apenas um pequeno problema com esse processo: é chamado de censura, e é o caminho de acesso que nos leva à estrada da tirania... [ler mais]
Precedentes perigosos e ameaças hipotéticas: “Isenção de vacinas” e A deportação do tenista Novak Djokovic (Dr. Binoy Kampmark) 01-2022
«Na conclusão para a Commonwealth, o Chefe de Justiça James Allsop afirmou a tradicional reserva demonstrada pelos juízes australianos para desafiar os exercícios do poder executivo. A fundamentação feita por Djokovic “foca em saber se a decisão foi, por diferentes razões, irracional ou juridicamente irracional. Não é parte ou função do tribunal decidir sobre o mérito ou sabedoria da decisão.”
O precedente de Djokovic apresenta às autoridades um grande pincel de piche, um para ser usado contra outras figuras notáveis de certas opiniões vistas como um risco para o interesse público da Austrália. Hipóteses serão suficientes, uma vez que o Ministro precisa apenas estar convencido de que a pessoa pode ser um risco para a saúde, segurança e boa ordem.
Essa abrangência também concede às autoridades uma mão pesada para direcionar futuras dissidências e protestos. O governo australiano poderá “justificar”, adverte o advogado e presidente do Liberty Victoria Mike Stanton, “a supressão da expressão política legítima porque outros podem se envolver em distúrbios”... [ler mais]
Da Alemanha nazista à OTAN, as potências ocidentais estão ameaçando novamente e a Rússia está certa em estar em guarda (Finian Cunningham) 01-2022
«As potências ocidentais estão brincando com fogo ao ignorar os apelos urgentes da Rússia por garantias de segurança na Europa. Numa série de reuniões de alto nível na semana passada com autoridades russas, os Estados Unidos e o bloco militar da Otan rejeitaram as demandas de Moscou por uma desescalada de longo alcance.
A Rússia quer um acordo de tratado pelo qual as potências da OTAN revertam décadas de invasão. Apreciar a importância da atual conjuntura requer, em primeiro lugar, uma compreensão mais profunda da geopolítica que as potências ocidentais têm perseguido contra Moscovo por mais de um século. Esse período abrange a Primeira Guerra Mundial, a Revolução Russa, o crescimento do fascismo na Europa que levou à Segunda Guerra Mundial, a subsequente Guerra Fria de cinco décadas e, em seguida, a última fase do expansionismo da OTAN nos últimos 30 anos... [ler mais]
O dólar entrou em uma espiral da morte, e muito mais inflação está a caminho (Michael Snyder) 01-2022
«Alguém lá fora realmente esperava que as coisas fossem diferentes? Quando o governo federal continuou emprestando e gastando trilhões e trilhões de dólares que não tínhamos, fomos avisados de que esse dia estava chegando. E quando a Federal Reserve continuou injetando trilhões e trilhões de novos dólares em nosso sistema financeiro, fomos avisados de que esse dia estava chegando. Então, por que alguém está surpreendido com o que está acontecendo neste momento? Na quarta-feira, foi relatado que em dezembro o índice de preços ao consumidor dos EUA subiu no ritmo mais rápido em quase 40 anos…
A inflação subiu no ritmo mais rápido em quase quatro décadas em dezembro, à medida que os rápidos ganhos de preços alimentaram os temores dos consumidores sobre a economia e derrubaram o índice de aprovação do presidente Biden.
O índice de preços ao consumidor subiu 7% em dezembro em relação ao ano anterior, de acordo com um novo relatório do Departamento do Trabalho divulgado na quarta-feira, marcando o aumento mais rápido desde junho de 1982, quando a inflação atingiu 7,1%. O IPC – que mede uma série de bens que vão de gasolina e saúde a mantimentos e aluguéis – saltou 0,5% no período de um mês a partir de novembro... [ler mais]
O pos-pandemia segundo a burguesia mundial e seus especialistas (2022-2025) (les7duquebec.net) 01-2022
«A maioria dos entrevistados espera que os próximos três anos sejam caracterizados por  uma volatilidade contínua em todo o quadro, com muitos momentos tensos, "surpresas" e "resultados catastróficos" definindo pontos de ruptura entre "vencedores e perdedores relativos", tanto na competição entre países quanto na estrutura de classes. Menos de 16% dos especialistas consultados se sentem confiantes ou otimistas com as perspectivas globais e apenas 10,7% acham que a recuperação global ganhará impulso. (...)
Conselheiros e gurus da burguesia global veem imediatamente uma crescente e potencialmente explosiva “erosão da coesão social” chegando. E não apenas nos países mais fracos e nos países do G20 mais estressados, como a África do Sul. Argentina e México, França e Alemanha já estão no que temem ser o quebra-mar de protestos crescentes nos próximos três anos.
A “erosão da coesão social” (insurreição popular) é o risco que mais se agravou no mundo desde o início da crise da COVID-19, segundo o GRPS. É visto como uma ameaça crítica ao mundo em todos os níveis – curto, médio e longo prazo – e é considerado um dos mais danosos para os próximos 10 anos... [ler mais]
Os EUA mataram mais de 20 milhões de pessoas em 37 “nações vítimas” desde a Segunda Guerra Mundial (James A. Lucas) 01-2022
«Mas devemos continuar nossos esforços para desenvolver compreensão e compaixão no mundo. Espero que este artigo ajude a fazer isso, abordando a questão “Quantos 11 de setembro os Estados Unidos causaram em outras nações desde a Segunda Guerra Mundial?” Este tema é desenvolvido neste relatório que contém um número estimado de tais mortes em 37 países, bem como breves explicações de por que os EUA são considerados culpados.
As causas das guerras são complexas. Em alguns casos, outras nações além dos EUA podem ter sido responsáveis por mais mortes, mas se o envolvimento de nossa nação parecia ter sido uma causa necessária de uma guerra ou conflito, era considerado responsável pelas mortes. Em outras palavras, eles provavelmente não teriam ocorrido se os EUA não tivessem usado a mão pesada de seu poder. O poder militar e económico dos Estados Unidos foi crucial.
Este estudo revela que as forças militares dos EUA foram diretamente responsáveis por cerca de 10 a 15 milhões de mortes durante as guerras da Coréia e do Vietnã e as duas guerras do Iraque. A Guerra da Coréia também inclui mortes chinesas, enquanto a Guerra do Vietname também inclui mortes no Camboja e no Laos. (...)
A conclusão geral a que se chega é que os Estados Unidos provavelmente foram responsáveis desde a Segunda Guerra Mundial pela morte de 20 a 30 milhões de pessoas em guerras e conflitos espalhados pelo mundo.... [ler mais]
Martin Luther King: “Esta loucura deve cessar”. Os EUA são “o maior fornecedor de violência no mundo hoje” 01-2022
«Venho a esta magnífica casa de culto esta noite porque minha consciência não me deixa outra escolha. Associo-me a vocês nesta reunião porque estou em profundo acordo com os objetivos e o trabalho da organização que nos uniu: Clero e Leigos Preocupados com o Vietname. A recente declaração de seu comitê executivo são os sentimentos do meu próprio coração e me encontrei em pleno acordo quando li suas linhas de abertura: “Chega o momento em que o silêncio é traição”. Esse tempo chegou para nós em relação ao Vietname.
A verdade destas palavras é inquestionável, mas a missão para a qual nos chamam é das mais difíceis. Mesmo quando pressionados pelas exigências da verdade interior, os homens não assumem facilmente a tarefa de se opor à política de seu governo, especialmente em tempo de guerra. Tampouco o espírito humano se move sem grande dificuldade contra toda a apatia do pensamento conformista no próprio seio e no mundo circundante. Além disso, quando as questões em questão parecem tão perplexas como muitas vezes no caso desse terrível conflito, estamos sempre à beira de ser hipnotizados pela incerteza; mas devemos seguir em frente... [ler mais]
A dívida do Governo para com o futuro: Agro-ladroagem (Ana Moreno) 01-2022
«“Portugal está em “stress hídrico”, mas o governo projecta até 2030 mais 134 mil hectares de novos regadios … intenções de investimento que superam os 2.000 milhões de euros em novos regadios e a modernização dos sistemas já instalados para “acelerar” a intensificação de culturas, quando se verifica uma redução nas disponibilidades de água, segundo Relatório do Estado do Ambiente 2020/21 da Agência Portuguesa do Ambiente (APA), que revela um diagnóstico “preocupante” sobre o futuro dos recursos hídricos em Portugal. Ao longo dos últimos 20 anos houve uma redução na disponibilidade de água deixando o país em “stress hídrico”…
“Apesar deste cenário crítico, o governo anuncia que prevê investir 588 milhões de euros na modernização dos regadios existentes e 199 milhões na construção de novas infra-estruturas de rega. Destes montantes, a região alentejana irá beneficiar de 304 milhões. Para o centro do país serão canalizados 212 milhões.”
A região alentejana irá “beneficiar”? Que falácia inaudita, quando se está a falar de sugar a região alentejana, de a sobre-explorar e dela abusar à bruta com cada vez mais culturas intensivas e superintensivas! ... [ler mais]
Pfizer, J&J entre as empresas farmacêuticas acusadas de financiar o terrorismo no Iraque (Michael Nevradakis) 01-2022
«Um processo de 2017 alegando que cinco empresas farmacêuticas ajudaram a financiar ataques terroristas contra militares dos EUA e outros americanos no Iraque durante a “Guerra ao Terror” foi restabelecido por unanimidade e detido por um painel de três juízes do Tribunal de Apelações de DC.
O processo contra as cinco empresas em questão – Pfizer, AstraZeneca, Johnson & Johnson, Roche e GE Healthcare – foi indeferido em julho de 2020 por um tribunal distrital federal em Washington, DC, antes de ser restabelecido na semana passada.
O processo alega que as cinco empresas pagaram regularmente subornos, incluindo medicamentos e dispositivos médicos gratuitos, a funcionários do Ministério da Saúde do Iraque entre 2005 e 2011, em seus esforços para garantir contratos de medicamentos.
Por sua vez, o processo alega que os contratos dessas empresas com o Ministério da Saúde iraquiano ajudaram a “financiar o terrorismo” perpetrado por uma milícia xiita que matou americanos naquele período... [ler mais]
Por que os Estados da OTAN cometem “Energia Hara Kiri”? Loucura de Carbono Zero Verde. Colapso Industrial? (F. William Engdahl) 01-2022
«Há um grande paradoxo na postura militar cada vez mais agressiva dos EUA e da OTAN em relação à Rússia e à China, quando comparada com as políticas económicas nacionais da Agenda Verde claramente suicidas dos EUA, bem como dos estados da OTAN da UE. Uma surpreendente transformação das economias das economias industriais mais avançadas do mundo está em andamento e ganhando força.
O coração da transformação é a energia, e a absurda demanda por energia “zero carbono” até 2050 ou antes. Eliminar o carbono da indústria de energia não é possível neste momento, ou talvez nunca. Mas a pressão para isso significará destruir as economias mais produtivas do mundo. Sem uma base de energia industrial viável, os países da OTAN se tornam uma piada militar. Não podemos falar de energia “renovável” para armazenamento solar, eólico e de baterias. Devemos falar de Energia Não Confiável. É um dos delírios científicos mais colossais da história ... [ler mais]
Washington prossegue o plano da RAND no Cazaquistão, a seguir na Transnístria (Thierry Meyssan) 01-2022
«O Presidente norte-americano, Joe Biden, respondeu à proposta da Rússia de um Tratado garantindo a paz na base do respeito escrupuloso da Carta das Nações Unidas e da palavra dada [1], durante uma conversação telefónica com o seu homólogo russo, Vladimir Putin, em 30 de Dezembro de 2021. Sem surpresa, ele não respondeu ao fundo da demanda russa, contentando-se em evocar uma possível paragem das operações dos EUA na Ucrânia.
Simultaneamente, o Conselho Nacional de Segurança dos EUA desencadeou várias acções contra a Rússia. Não se trata de derrubar governos ou de lançar novas guerras, mas de obrigar Moscovo (Moscou-br) a intervir fora das suas fronteiras de maneira a esgotá-la. A Federação da Rússia dispõe, com efeito, já de um gigantesco território que não consegue explorar com uma população de apenas 150 milhões de habitantes.
Em Maio de 2019, a Rand Corporation, o “think-tank” do complexo militar-industrial dos EUA, havia enumerado seis opções na matéria... [ler mais]
“A voz dos trabalhadores do Cazaquistão deve ser ouvida, apesar dos provocadores!” 01-2022
«Cada movimento de massas contém diferentes componentes. Os eventos no Cazaquistão absorveram o descontentamento social, as atividades da ‘quinta coluna’ [1] e as ações de grupos terroristas. Ao mesmo tempo, a ‘quinta coluna’ inclui aqui extremistas comprometidos com o islamismo radical, além de inúmeras organizações alimentadas pelo Ocidente, mercenários que buscavam benefícios nas tormentas que atingem o país e grupos oligárquicos, dispostos a protestar em massa na luta pela redistribuição do poder.
Os povos irmãos da Rússia e do Cazaquistão estão intimamente ligados entre si por séculos de história. Juntos, criamos a União Soviética, construímos e vencemos, orgulhamo-nos de realizações econômicas e sociais notáveis. Juntos, revivemos os processos de integração, criando a CEE [2], OCX [3] e CSTO [4].
Hoje nossos camaradas e amigos estão passando por um período de difíceis provações. Protestos massivos varreram o Cazaquistão. Na capital do sul, Almaty, sangrentos tumultos ocorreram, causando um grande número de vítimas e de destruição... [ler mais]
Líderes financeiros internacionais realizam exercício de 'jogo de guerra' simulando colapso financeiro global (Michael Nevradakis) 01-2022
«Autoridades e organizações bancárias internacionais de alto nível se reuniram no mês passado para um exercício global de “jogo de guerra” simulando o colapso do sistema financeiro global. O exercício de mesa lembrava o “Evento 201”, o exercício de simulação de pandemia que ocorreu pouco antes do COVID-19 entrar no cenário global.
Autoridades e organizações bancárias internacionais de alto nível se reuniram no mês passado em Israel para um exercício global de “jogo de guerra” simulando o colapso do sistema financeiro global.
O exercício de mesa lembrava o “Evento 201” – o exercício de simulação de pandemia que ocorreu em outubro de 2019, pouco antes do COVID-19 entrar no cenário global.
A iniciativa “Força Coletiva” foi realizada por 10 dias, começando em 9 de dezembro de 2021, no Ministério das Finanças de Israel em Jerusalém. Ele foi transferido para Jerusalém da Dubai World Expo devido a preocupações com a variante Omicron .
Israel liderou um contingente de 10 países que também incluiu funcionários do Tesouro dos EUA, Áustria, Alemanha, Itália, Holanda, Suíça, Tailândia e Emirados Árabes Unidos... [ler mais]
Eleições em tempo de cólera 01-2022
«Ainda muito antes do início do período legal para a campanha eleitoral, os principais partidos do establishment já tinham em marcha as suas máquinas de propaganda. O PS, com a discussão do OE em curso e sendo governo, preparava-se claramente para o chumbo do dito, porque já se encontrava em estado avançado de campanha, apresentando-se como o único capaz de conduzir a recuperação económica do país. Costa, beneficiando da cumplicidade do PR Marcelo, lançou o barro à parede para eleições antecipadas e assim ganhar a maioria absoluta. Ambos intrigavam contra aquilo que propunham defender, a estabilidade política. Falta saber qual dos dois é o lacrau da fábula.
Estas eleições para a Assembleia da República serão as menos democráticas de todas as que se realizaram desde o 25 de Abril. A campanha está a ser feita quase exclusivamente nas televisões, previamente compradas pela publicidade covid institucional (15 milhões de euros), através de debates entre os partidos com assento no Parlamento; todos os restantes ficaram de fora. O pretexto é a situação pandémica do país. Como se pode ver, a “pandemia” dá para tudo e mais um par de botas.
Nos putativos debates televisivos, assistimos a muita conversa, mas a pouco ou nada quanto ao que os partidos pensam para a resolução dos problemas dos cidadãos, ficando-se todos eles pelo ataque ou pelo namoro consoante a cor. Passam o tempo a mandar, como se diz, umas “bocas”. O principal da propaganda fica para depois, a cargo dos jornalistas que comentam e dizem da intenção do candidato que lhes é simpático ou melhor lhes paga. Os partidos são apagados pela figura do chefe que, por sua vez, é apresentado como o “candidato” a primeiro-ministro. As eleições já não são para deputados à Assembleia da Republica. Assistimos à presidencialização do regime... [ler mais]
2022: o ano de revolta da população mundial? (Khider Mesloub) 01-2022
«Felizmente, o ano macabro de 2021, acordou da sua longa noite de sono social de inverno e terror nocturno. A Resistência contra a ditadura da segurança sanitária está a espalhar-se em muitos países. A Primavera dos proletários que lutam por uma vida melhor está finalmente a crescer em todo o mundo. O seu brilho irradia para muitos países, espalhando uma luz de esperança de libertação social a todos os proletários oprimidos. Chega de "pessoas oprimidas" tolerar viver sob o domínio do despotismo do Estado e da ditadura das Finanças. Sob a tirania das proibições erguidas como o único modo de governação dos poderosos para proteger a sua dominação das vacilações reais, para perpetuar o seu sistema económico carcomido, sintomático do fim do reinado. Em termos de governação, o uso exclusivo da força é um sinal de fraqueza institucional, de deslegitimação histórica.
Nenhum "povo oprimido" está disposto a aceitar os sacrifícios, durante décadas feitos em nome do interesse geral da nação (e durante dois anos, em nome do falso pretexto da Saúde Pública brandido pelos poderosos para curar em termos reais a sua governação, seriamente abusada nos últimos anos pelo ataque às revoltas populares insurrecionais). O interesse geral (como a chamada Saúde Pública) sempre assumiu as armadilhas do interesse particular das classes governantárias mundialistas (empresas farmacêuticas), apátridas, ilegitimamente identificadas com a nação... [ler mais]
A Rússia quer obrigar os EUA a respeitar a Carta das Nações Unidas (Thierry Meyssan) 01-2022
«O mundo actual é dirigido pelos Estados Unidos da América e pela OTAN que se apresentam como as únicas potências globais quando a Federação da Rússia e a República Popular da China são já mais poderosas que eles, tanto no plano económico como no plano militar.
Em 17 de Dezembro de 2021, Moscovo (Moscou-br) tornou público um rascunho de de Tratado bilateral com Washington estabelecendo garantias de paz [1], assim como uma proposta de acordo para o pôr em prática [2]. Estes documentos não são dirigidos contra os Estados Unidos, visam unicamente levá-los a aplicar a Carta das Nações Unidas e a respeitar os seus próprios compromissos.
Em 23 de Dezembro, durante a conferência de imprensa anual do Presidente Putin, uma pergunta da jornalista Diana Magnay, da Sky News, deu origem a uma discussão. Vladimir Putin respondeu-lhe secamente que os comentários da Rússia sobre o comportamento dos EUA datavam de 1990 e que Washington não somente não os havia levado em conta, como persistia em ir para diante. Agora, as armas da OTAN estavam a ponto de ser instaladas na Ucrânia, o que constituiria um facto inaceitável para Moscovo [3]. Jamais um dirigente russo se havia expressado assim. É preciso não ter dúvidas que instalar misseis a quatro minutos de voo de Moscovo coloca uma ameaça extrema e constitui uma causa de guerra... [ler mais]
2022 - O ano em que os Estados Unidos chegam ao ponto sem retorno em fase de colapso (Dmitry Orlov) 01-2022
«Há 25 anos estudo o colapso iminente dos Estados Unidos e há 15 anos venho publicando livros e artigos sobre esse assunto, com bons resultados: o CCCP 2.0 está se desenvolvendo muito bem. A prorrogação de 30 anos que os Estados Unidos obtiveram com o colapso da URSS agora expirou, e todos os esforços de expansão imperial desde então (Afeganistão, Iraque, Síria, Líbia e o  "cinturão explosivo"  que é a Europa Oriental) foram um fracasso total. Enquanto isso, uma Rússia ressurgente, apoiada por grande parte do resto da Eurásia, inverte a situação e dá ordens aos Estados Unidos em termos perfeitamente não diplomáticos. E agora esta: Barbara Water, da Universidade da Califórnia de San Diego,  apareceu recentemente na CNN para explicar que os Estados Unidos agora estão em uma área de alto risco de violência política e guerra civil. Isso significa que os Estados Unidos estão finalmente prontos para o colapso. Vamos dar uma olhada nos detalhes dessa situação... [ler mais]
A contrarrevolução na URSS: entrevista com Aleka Papariga (Rizospastis) 01-2022
«Os partidos burgueses comemoraram quando a bandeira vermelha foi baixada do Kremlin. Quais foram suas principais declarações naquela época?
Eles confirmaram seu ódio e medo de classe para com a classe trabalhadora, para com a maioria da classe trabalhadora. Aparentemente, uma variedade de visões foi projetada, desde uma ampla celebração anticomunista até o desenvolvimento de uma reflexão supostamente séria sobre a dissolução da URSS. Argumentou-se que o capitalismo é o último e eterno sistema (explorador) e, portanto, as pessoas não têm razão para buscar uma nova sociedade sem a exploração do homem pelo homem.
Um grupo argumentou que o povo derrubou um sistema burocrático ditatorial cruel. Outra categoria argumentou que o socialismo “entrou em colapso” porque era uma utopia contraditória com a “natureza humana”. Ao mesmo tempo, todos eles asseguravam que a humanidade estava, agora, embarcando em um novo caminho, onde a guerra foi abolida, porque a militarização e a guerra foram supostamente provocadas pelo socialismo, que a paz supostamente venceria e as novas tecnologias inundariam todos os setores do bem-estar da humanidade e de direitos.
Imediatamente após a vitória da contrarrevolução e o consequente revés capitalista, um novo ciclo de guerras e intervenções imperialistas começou, enquanto o ciclo de crise económica capitalista irrompeu em maior sincronização, abrangendo um número significativo de estados capitalistas e até mesmo os mais poderosos. Uma nova rodada de contradições e competições inter-imperialistas foi desenvolvida, ainda mais crua e dura, sobre quem penetraria nos novos mercados capitalistas. Houve mudanças de fronteiras, divisões de estados, anexações, conflitos étnicos armados, tudo o que vivemos hoje... [ler mais]
TERRAFORMAÇÃO: A Descarbonização do planeta Terra já está em andamento (Mike Adams) 01-2022
«Terras agrícolas já estão sendo tomadas em Iowa por meio de domínio eminente para construir a infraestrutura mecânica que tornará a atmosfera da Terra inóspita para a vida vegetal, animal e humana, se for autorizada a continuar operando.
É quase como uma cena arrancada do filme Oblivion, onde gigantescas máquinas de colheita oceânica sugam a água do planeta, abandonando os sobreviventes humanos num mundo estéril e morto que foi saqueado por alienígenas. Mas, neste caso, o ar do planeta está sendo despojado de carbono, o “elemento Deus” que é a própria base da vida na Terra.
O projeto de terraformação que está sendo desencadeado contra o planeta Terra agora é chamado de “Heartland Greenway” e camufla a verdadeira intenção sob a capa de iniciativas “verdes”. O site para este projeto é HeartlandGreenway.com, e lá, você encontrará admissões de que se trata de sugar as moléculas de dióxido de carbono da atmosfera e enterrá-las no subsolo, onde as plantas não podem usar as moléculas para a fotossíntese.
Um duto de CO2 real está sendo construído em cinco estados dos EUA para transportar CO2 liquefeito e enterrá-lo no subsolo. O gasoduto cruza Iowa e tem filiais em Dakota do Sul, Minnesota, Nebraska e Illinois... [ler mais]
O caso Assange é o ataque mais sério em muito tempo à liberdade de imprensa no mundo ocidental (Mario Hernández) 01-2022
«O caso Assange é o ataque mais sério em muito tempo à liberdade de imprensa no mundo ocidental. O tribunal da Inglaterra anulou a decisão de janeiro do tribunal de Westminter, atendendo ao pedido dos EUA de extraditar Assange para os EUA. O tribunal britânico aceitou a reclamação dos EUA de que o réu não será internado numa prisão de alta segurança durante o processo de investigação ou após a condenação. Isso aconteceu precisamente no mesmo dia em que outros dois jornalistas receberam o Prémio Nobel da Paz em Oslo. Último dia da Cimeira Americana pela Democracia (sic), que se baseia na liberdade de expressão. E o Dia Internacional dos Direitos Humanos das Nações Unidas. 
As chamadas "garantias" são absolutamente inúteis e não têm mais valor do que o papel com que as escrevo. O parecer da Amnistia Internacional, e de outras organizações de defesa dos direitos humanos que estudaram o assunto, verificou, com base em exemplos anteriores, que as supostas garantias dos Estados Unidos nunca são respeitadas.
E se estudarmos essas garantias, veremos que incluem um aviso. Na verdade, dizem que os Estados Unidos se reservam o direito de mudar de opinião a qualquer momento. Se nos apegarmos aos factos, veremos que por várias semanas ficou firmemente estabelecido que a CIA organizou uma conspiração durante anos para sequestrar ou mesmo assassinar Julian Assange... [ler mais]
Covid e vacinação: 30 pontos a saber para discutir com os aterrorizados pela Covid (Strategika.fr) 01-2022
«Recebemos muitos e-mails e mensagens privadas perguntando:  "você tem esta fonte?" ou  "você pode me indicar algum estudo sobre máscaras?" ou  “Eu sei que vi um gráfico de mortalidade, mas não consigo encontrar”. Já se passaram 18 meses e há tantas estatísticas e números para se tentar manter em mente.
Então, para fazer frente a todas essas demandas, decidimos listar todos os pontos-chave por ponto e por fonte.
Aqui estão os principais fatos e fontes sobre a chamada 'pandemia', que irão ajudá-lo a entender o que aconteceu no mundo desde janeiro de 2020, e esclarecer todos os seus amigos que ainda estão presos na névoa do novo normal.
Diante de notícias falsas e “teorias da conspiração” globalistas autorizadas: autodefesa cognitiva!
1. A taxa de sobrevivência “Covid” é superior a 99%.  Peritos médicos oficiais sublinharam, desde o início da pandemia, que  a vasta maioria da população não corre qualquer perigo com o Covid. Quase todos os estudos sobre a taxa de infecção-letalidade de Covid  retornaram resultados entre 0,04% e 0,5%. Isso significa que a taxa de sobrevivência da Covid é de pelo menos 99,5%. 2. NÃO houve mortalidade excessiva incomum.  A imprensa chamou 2020 de 'o ano mais mortal do Reino Unido desde a Segunda Guerra Mundial', mas isso é enganoso, pois ignora o aumento maciço da população desde aquela época. Uma medida estatística mais razoável de mortalidade é a Taxa de mortalidade padronizada por idade (ASMR)... [ler mais]
2021 em revisão: o desprezo do poder pelo povo, a ascensão da resistência e o ressurgimento da esquerda (Chris R.) 01-2022
«2021 foi o primeiro ano completo da Guerra de Covid, a posição ocupada no calendário da Primeira Guerra Mundial em 1915. Isso significa que ainda faltam três anos? Provavelmente. Quem sabe? Este é o segundo ano que não acaba no Natal. O próprio tempo está no ar. Embora fosse possível nos dias anteriores à Covid projetar-se com modesta confiança no novo ano que se aproxima, nenhum de nós pode traçar nosso curso até 2022 com qualquer garantia. Até o passado é incerto. Março de 2020 já parece remoto. Tudo mudou desde então, embora os ouvidos do público ainda estejam zumbindo com o choque e o espanto da enxurrada dos media que anunciaram o início das hostilidades.
Estamos vencendo a guerra? Ainda não. Podemos vencer a guerra? sim. 2021 nos ensinou alguma coisa? Claro! Agora sabemos com certeza que esta guerra é tanto sobre saúde pública quanto a Primeira Guerra Mundial foi para proteger a neutralidade da Bélgica. Estamos ainda mais informados sobre a toxicidade da vacina, a futilidade dos testes e a falsidade do governo do que estávamos em 2020. Somos actores históricos conscientes e estivemos bem acordados durante todo o conflito. Mais e mais pessoas estão acordando. Alguns deles estão até de esquerda!
A resistência é fértil... [ler mais]
A fraude da Omicron usada para justificar o “Natal Covid Lockdown” (Prof Michel Chossudovsky) 12-2021
«Embora a atualização da OMS sobre o ómicron tenha passado praticamente despercebida, ela contradizia tanto o  conselho da  TAG-VE de 26 de novembro quanto os inúmeros “Avisos” expressos pelo (corrupto) Diretor Geral da OMS, Dr. Tedros Adhanom.  O dano já estava feito.
Na "Black Friday", 26 de novembro de 2021, a declaração consultiva TAG-VE, bem como relatórios dos media contribuíram para liderar o colapso dos mercados de ações juntamente com um aumento dramático no valor dos estoques de vacinas da Big Pharma, com a Pfizer na liderança:
A Pfizer Inc. saltou para um recorde na sexta-feira [26 de novembro de 2021] com a promessa de sua vacina Covid-19 e pílula antiviral, mesmo com o medo de uma nova variante esmagando grande parte do restante do mercado de ações dos EUA. A farmacêutica acrescentou US $ 17,5 bilhões ao seu valor de mercado, com as ações fechando 6,1% em alta na bolsa de Nova York. A vacina da Pfizer com BioNTech SE está a caminho de ser o medicamento mais vendido anualmente e recebeu o apoio de um painel regulatório europeu na quinta - feira para expandir seu uso para crianças de apenas cinco anos. As ações da BioNTech subiram 14%, para o maior nível em dois meses. ( Bloomberg )
Big Bucks para a Pfizer com base em uma combinação de "informações privilegiadas", "presciência" e "ciência falsa", juntamente com a desinformação dos media sobre a variante ómicron "mortal".
O que está em jogo é um ganho financeiro de US $17,5 bilhões na "Black Friday" (após o Dia de Ação de Graças), que podemos descrever como uma " Sexta-feira Santa". “Sem conflito de interesses”!
Natal Lockdown. Ou devemos chamá-lo de “Covid Christmas Chaos”... [ler mais]
Áustria declara guerra aos não vacinados poucos dias após a visita de Sorosl (aubedigitale.com) 12-2021
«O chanceler austríaco Schallenberg foi o último líder austríaco a receber calorosamente um membro da família Soros. A família Soros sempre gostou de viajar para a Áustria e apertar a mão de políticos importantes do SPÖ e ÖVP - e especialmente, hoje em dia, dos responsáveis pela política de vacinas.
Alexander, filho de George Soros, agora dirige a Open Society Foundation. Recentemente, ele se encontrou com o chanceler austríaco Alexander Schallenberg (ÖVP) e o novo ministro das Relações Exteriores, Michael Linhart (ÖVP).
Nos últimos anos, a família Soros contou com seus amigos especiais o ex-chanceler federal Christian Kern (SPÖ), o ex-chanceler federal Sebastian Kurz (ÖVP), o ex-prefeito da cidade de Viena Michael Häupl (SPÖ) e, finalmente, o atual prefeito de Viena Michael Ludwig (SPÖ). Este último até concedeu a George Soros a medalha de ouro da Ordem do Mérito pelos serviços prestados ao Estado de Viena em 2019.
No dia 8 de novembro, Alexander Soros se reuniu com o Chanceler Federal e, segundo Soros Junior, em seu perfil no Twitter, os dois discutiram a deterioração da situação nos Balcãs Ocidentais e o futuro da UEC - Universidade da 'Europa Central'... [ler mais]
Os Franceses: cidadãos ou simples eleitores? (Thierry Meyssan) 12-2021
«Longe de se interessar pela concorrência entre os partidos políticos, Thierry Meyssan analisa a confusão que reina no debate de ideias e que impede a resolução dos problemas do país. Segundo ele, se as dificuldades da França são as mesmas que existem um pouco por todo o lado no Ocidente, para além disso ela tem de fazer face aos imbróglios nunca esclarecidos da era Mitterrand. Para prosseguir a sua marcha, o país não deve apenas precisar o seu discurso e redefinir a sua identidade, mas sobretudo restaurar a soberania popular, a cidadania, que abandonou.
Acampanha para a eleição do próximo presidente da República francesa, em 24 de Abril de 2022, desencadeia paixões numa atmosfera muito confusa. As tensões sociais já não se exprimem mais, salvo pela violência, porque o discurso político perdeu o seu sentido. As mesmas palavras são empregues por todos com significados diferentes, aliás diametralmente opostos. Por trás deste bruá... uá, ninguém parece dar-se conta que o país já não é nem uma democracia, nem sequer uma república... [ler mais]
“The Real Anthony Fauci” (Robert F. Kennedy Jr) 12-2021
«Escrevi este livro para ajudar os americanos - e cidadãos de todo o mundo - a compreender os fundamentos históricos do cataclismo desconcertante que começou em 2020. Nesse único annus horribilis, a democracia liberal efetivamente entrou em colapso em todo o mundo. Os próprios reguladores governamentais de saúde, eminências dos media sociais e empresas dos media em que as populações idealistas confiavam como defensores da liberdade, saúde, democracia, direitos civis e políticas públicas baseadas em evidências pareciam girar coletivamente num ataque certeiro contra a liberdade de expressão e as liberdades pessoais.
De repente, essas instituições de confiança pareciam estar agindo em conjunto para gerar medo, promover a obediência, desencorajar o pensamento crítico e conduzir sete mil milhões de pessoas para marchar ao som de uma única melodia, culminando em experiências de saúde pública em massa com uma tecnologia nova, mal testada e mal licenciada tão arriscada que os fabricantes se recusaram a produzi-la, a menos que todos os governos da Terra os protegessem de qualquer responsabilidade.
Em todas as nações ocidentais, cidadãos em estado de choque experimentaram todas as táticas usadas do crescente totalitarismo - propaganda em massa e censura, a promoção orquestrada do terror, a manipulação da ciência, a supressão do debate, a difamação da dissidência e o uso da força para prevenir o protesto. Os objetores de consciência que resistiram a essas intervenções médicas indesejáveis, experimentais e de responsabilidade zero enfrentaram repressões orquestradas a gás, marginalização e bodes expiatórios... [ler mais]
O "mal menor" social-democrata de Atilio Borón e as eleições chilenas (Cristóbal García Vera) 12-2021
Por ocasião do segundo turno das eleições presidenciais no Chile, o sociólogo argentino Atilio Borón escreveu um artigo no qual, descontextualizando um famoso texto de Gramsci para seu próprio benefício (1) , desqualificou duramente aqueles que, pela esquerda, recusaram apoiar o candidato Gabriel Boric, hoje eleito o novo presidente daquela nação.
 Como Paco Azanza Telletxiki criticou oportunamente , em outro artigo publicado em Cubainformación:
“Borón teve a ousadia de usar Antonio Gramsci e seu “ Eu Odeio o Indiferente” para atacar os abstencionistas que não acreditam no circo eleitoral da burguesia ... Contra não poucas pessoas que estiveram na linha de frente arriscando os olhos e a vida no passado "revolta popular (2).
E, segundo Atilio Borón, a presença do candidato nazi-fascista José A. Kast deixou apenas duas opções de ação em aberto no Chile. Optar por este “mal menor” ou tornar-se, inevitavelmente, o “moderno Pôncio Pilatos” que, “exercendo diferentes formas de abandono e abandono do campo de luta, jogava a favor de Kast ”.
Não é objetivo deste artigo analisar ou fazer previsões sobre o que se pode esperar de um político socioliberal como Boric que, entre outras coisas, já deixou bem claras suas posições ao "condenar" as "ditaduras" de Cuba, Venezuela e Nicarágua e que não apresenta nenhuma proposta que justifique esperança. Alguns textos, como o do professor Marcos Roitman publicado neste mesmo jornal digital (3) , já se encarregaram de deixar no seu devido lugar as ilusões infundadas que, mais uma vez, se reproduzem após o resultado eleitoral...[ler mais]
Discurso na conferência de estudantes venezianos contra o passe verde em Ca 'Sagredo (Giorgio Agamben) 12-2021
«Para começar, gostaria de retomar alguns pontos que tentei corrigir há alguns dias para tentar definir a transformação sub-reptícia, mas não menos radical, que está ocorrendo diante de nossos olhos. Acho que devemos primeiro perceber que a ordem jurídica e política em que acreditávamos que vivíamos mudou completamente. O operador desta transformação foi, como é evidente, aquela zona de indiferença entre o direito e a política que é o estado de emergência.
Quase vinte anos atrás, em um livro que tentava fornecer uma teoria do estado de exceção, descobri que o estado de exceção estava se tornando o sistema normal de governo. Como sabem, o estado de exceção é um espaço de suspensão da lei, portanto um espaço anômico, mas que se afirma estar inserido no ordenamento jurídico.
Mas vamos examinar mais de perto o que acontece no estado de exceção. Do ponto de vista técnico, há uma separação da força de lei da lei no sentido formal. O estado de exceção define, ou seja, um "estado de direito" em que por um lado a lei está teoricamente em vigor, mas não tem força, não se aplica, está suspensa e, por outro, disposições e medidas que o fazem não tem força de lei adquirir força. Pode-se dizer que, no limite, o que está em jogo no estado de exceção é uma força de direito que flutua sem a lei. No entanto, esta situação é definida - quer o estado de exceção seja considerado interno ou qualificado, em vez disso, como externo à ordem jurídica - em qualquer caso se traduz numa espécie de eclipse da lei, em que, como em um eclipse astronómico, ele persiste, mas não emana mais sua luz... [ler mais]
O sangue que revitaliza o capitalismo e a justiça de classe 12-2021
«Não deixa de ser cómico que, em plena campanha eleitoral, os partidos da oposição façam juras de ir combater a corrupção e agora que é que será feita a tão falada reforma da justiça. O PS, ainda no governo e em vésperas do encerramento do Parlamento, anunciou e parece ter aprovado legislação que nada ou pouco acrescentará ao que já existia no que concerne ao putativo combate à corrupção. E quanto à justiça, o governo continua a usar o Ministério Público, com a PGR Lucília Gago à cabeça, no interesse da sua agenda política, nomeadamente eleitoral, e no sentido de encobrir os apaniguados e perseguir os inimigos, ou que estão mais a jeito para servir de bodes expiatórios, querendo provar que até quer combater a corrupção e que a justiça também funciona. E se não é tão célere como deveria ser, é porque luta com falta de meios, não será devido a responsabilidade própria; contudo, ninguém se assume como responsável por essa dita “falta” de meios.
Será neste sentido que se pode entender que o Ministério Público tenha constituído ex-governantes do PS, Mário Lino, Teixeira dos Santos e António Mendonça, como arguidos passado mais de 10 anos; isto é, demasiado tarde para agora poder responsabilizá-los por corrupção ou abuso de poder ou, melhor dizendo, por gatunagem contra o povo português, deixando prescrever os crimes pelos quais são acusados. Calcula-se que o desfalque terá atingido, e estimando por baixo, os 40 mil milhões de euros pelas PPP rodoviárias, que é o valor que os bancos, incluindo o BEI (Banco Europeu de Investimento) – exactamente para onde o cavaleiro da cruzada anti-corrupção Cravinho foi colocado depois de realizado o negócio –, irão receber durante algumas décadas, garantindo um juro exorbitante, muito acima do negócio do petróleo, para não dizer da droga... [ler mais]
O Novo Normal e a Luta para Determinar o Futuro das Nossas Sociedades face ao Totalitarismo Global (CJ Hopkins) 12-2021
«O capitalismo mundial atravessou assim o Rubicão. A fase final do seu plano de transformar a sociedade numa distopia totalitária que se tornou patológica — na qual as injecções obrigatórias de terapia genética e documentos digitais que atestam o bom cumprimento do seu Novo Normal são agora oficialmente lançadas.
Em 19 de Novembro de 2021, o governo da Áustria Nova Normalidade decretou que a partir de Fevereiro, as injecções experimentais de mRNA serão obrigatórias para toda a população. O decreto surge quando a Áustria persegue oficialmente os "não vacinados", ou seja, dissidentes políticos e outras pessoas de consciência que se recusam a converter-se à nova ideologia oficial e a submeterem-se a uma série de injecções de mRNA, que supostamente combatem um vírus que provoca entre os cerca de 95% de pessoas infectadas sintomas gripais ligeiros a moderados  — ou sem sintomas de qualquer tipo — e cuja taxa de mortalidade mundial por casos é de aproximadamente 0,1% a 0,5%.
A Áustria está apenas na vanguarda deste Novo Normal. Proeminentes fascistas neo-normais alemães, como o Bávaro Führer Markus Söder e o Ministro da Propaganda Karl Lauterbach, já pedem um Allgemeine Impfflicht (isto é, uma "obrigação de vacinação"), o que não deverá surpreender.
Os alemães não vão ficar de braços cruzados e deixar os austríacos ultrapassá-los publicamente no que diz respeito ao fascismo, pois não? Afinal de contas, têm uma reputação a defender! A Itália será provavelmente a próxima a juntar-se a eles, a menos que a Lituânia ou a Austrália se adiantem... [ler mais]
O euro faz 20 anos (Jacques Sapir) 12-2021
«Muitas promessas cercaram a nova moeda. A unificação dos mercados foi anunciada. Isso não aconteceu. Mesmo para os ativos financeiros, os diferenciais das taxas de juros entre os países membros permaneceram substanciais.
Os líderes europeus, Jacques Delors e Romano Prodi, disseram na época que o euro promoveria o crescimento europeu. Alguns chegaram mesmo a afirmar que a moeda única deveria gerar, pela própria existência, uma taxa de crescimento superior de 1% a 1,5%. Na verdade, o crescimento tem sido consistentemente mais fraco na área do euro do que em outros países desenvolvidos. As diferenças foram significativas em comparação com países europeus que permaneceram fora da zona do euro, como Noruega, Suécia e Suíça ou Reino Unido.
Este também foi o caso da França. As estatísticas do INSEE mostram claramente a desaceleração significativa do crescimento, mesmo antes da crise de 2008-2009. Essa frenagem foi muito bem descrita no trabalho coletivo publicado por Biböw e Terzi em 2007 [1]. Os dados disponíveis mostram que a crise de 2008-2009 prejudicou ainda mais o crescimento e que as políticas implementadas após esta crise tiveram um efeito muito deletério na economia. As perdas de riqueza foram significativas. Se calcularmos o PIB sem o efeito do euro, em 2017 este foi 12,5% superior ao PIB “real” obtido com o euro... [ler mais]
O caso da UE para bloqueios e apagões - na esperança de conter a inflação (para salvar o euro) - Marco Rocco 12-2021
«A realidade é mais sutil: em termos técnicos, o euro nasceu para ser deflacionário.
O objetivo era desvalorizar o euro para favorecer, em particular, as exportações alemãs. Por esse motivo, deve-se presumir que o euro deve ser profundamente deflacionário, com uma inflação ao consumidor relativamente baixa.
Olhando para trás, tudo isso aconteceu desde 2010, não apenas na UE, mas em todo o mundo ocidental. Para salvar o sistema financeiro após a crise do subprime, muito dinheiro foi engenhosamente criado, mas não foi colocado nas mãos do povo. Em outras palavras, salvou os bancos e enriqueceu um punhado de financistas, mas condenou a maioria das famílias ao empobrecimento, especialmente aquelas que viviam nos países fracos do euro, que sofreram uma inflação de ativos paralela.
Nesse contexto, deve-se lembrar que a Itália foi o único país ocidental da era pós-subprime que não teve que salvar seus bancos nacionais, que estavam mais atrasados financeiramente e, portanto, não envolvidos no chamado financiamento “criativo” de hipotecas... [ler mais]
A vergonha do caso Assange (John Pilger) 12-2021
«Abrindo sua Cimeira sobre a democracia nesta semana, Joe Biden exortou seus convidados a "defenderem os valores que nos unem", incluindo a imprensa livre. O presidente dos Estados Unidos se vangloriou de sua nova iniciativa de renovação democrática, que inclui medidas de apoio a uma mídia livre e independente: “É a base da democracia. É a forma como o público é informado e os governos são responsabilizados. mundo, a liberdade de imprensa está ameaçada."
No entanto, o próprio governo dos Estados Unidos está colocando em risco a capacidade da mídia de expor verdades incómodas e descobrir encobrimentos oficiais e crimes. Nesta sexta-feira [10 de dezembro], o Supremo Tribunal decidiu que Julian Assange pode ser extraditado para os Estados Unidos, onde pode apanhar até 175 anos de prisão. A decisão não é apenas um golpe para sua família e amigos, que temem que ele não sobreviva à prisão nos Estados Unidos. É também um revés para todos aqueles que desejam proteger a liberdade de imprensa.
A decisão anula uma decisão de janeiro de um tribunal distrital de que o fundador do WikiLeaks não poderia ser extraditado devido ao risco substancial de suicídio, dada sua saúde mental e as condições que enfrentaria. Posteriormente, os Estados Unidos apresentaram um pacote de garantias em sua tentativa de reverter essa decisão, que os juízes do tribunal superior aceitaram. Mas os EUA se reservaram o direito de colocá-lo numa instalação de segurança máxima ou sujeitá-lo a medidas administrativas especiais - algo pode incluir isolamento prolongado - dependendo de seu comportamento. Sua equipe entrará com recurso e o processo legal provavelmente levará anos...[ler mais]
Capitalistas preenchem na emergência climática (Sílvia Ribeiro) 12-2021
«Pouco antes de os super-ricos do planeta se reunirem no Fórum Económico Mundial em Davos, a multinacional Microsoft anunciou seus planos de se tornar uma empresa de carbono negativo até 2030. Pouco antes, BlackRock, o bilionário e maior gestor de investimentos especulativos do mundo, garantiu que mudaria parte de seus investimentos para enfrentar as mudanças climáticas. A emergência climática foi um dos temas centrais das sessões do Fórum de Davos este ano. Outras grandes empresas, muitas delas culpadas pelo caos climático, como o agronegócio, energia, automotivo, plataformas digitais, fizeram recentemente declarações semelhantes. 
Isso significa que as transnacionais, principais causadoras das mudanças climáticas, vão finalmente assumir a gravidade da situação e mudar suas causas? Claro que não. O que elas estão fazendo é criar uma nova onda de oportunidades de negócios. Por exemplo, novas formas de apropriação de terras e ecossistemas - com graves impactos nas comunidades e no meio ambiente - e o desenvolvimento de tecnologias de geoengenharia.
Eles englobam essas propostas com expressões enganosas, como soluções baseadas na natureza, reduções de emissões líquidas, carbono neutro, emissões líquidas zero ou as emissões negativas ainda mais absurdas. Absurdo porque não há gás que uma vez emitido seja menor que zero. Todos são armadilhas da linguagem, já que não reduzem as emissões de gases de efeito estufa, mas afirmam compensar essas emissões para justificar a continuação da poluição. Não são reduções, mas sim malabarismos contábeis para que a soma termine em zero ou mesmo negativa, caso em que a humanidade ficará devendo o favor às empresas que causaram o desastre... [ler mais]
Argentina: Impunidade política e o trauma da pior crise da história, o balanço 20 anos (Cecilia Gonzalez) 12-2021
«O governo congelou as economias dos cidadãos. Ele os roubou. Os protestos massivos foram repelidos com violentas repressões policiais que mataram 38 pessoas. O presidente Fernando de la Rúa teve que renunciar no meio de seu mandato. Diante do vácuo institucional, houve um recorde sem precedentes de cinco presidentes em uma semana. E o país estava económica e socialmente falido.
Tudo isso aconteceu na Argentina há duas décadas. Foi o infeliz dezembro de 2001 que desde então se tornou um fantasma, pois a cada ano, apenas este mês chega, temores e rumores de saques, crises, caos, desvalorização, fuga de capitais e 'default' (default) da dívida externa.
Este novo aniversário não é exceção. Hoje o país é assolado por inflação, dívida e empobrecimento em função da crise deixada pelo ex-presidente Mauricio Macri, do impacto da pandemia e da crítica política económica do presidente Alberto Fernández, cujo futuro depende de um acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI).
A entidade foi uma das protagonistas de 2001 que hoje volta a pressionar a Argentina, já que Fernández deve renegociar a dívida multimilionária que Macri contraiu em 2017. A questão ainda é quanto custará para uma sociedade na qual mais de 40% da população está na pobreza... [ler mais]
A Variante Omicron: Aumentando Deliberadamente o Estado Global de Pânico (Paul Anthony Taylor) 12-2021
«As últimas estatísticas da África do Sul revelam que as admissões de terapia intensiva para a variante Omicron Covid estão em apenas um terço do que estavam no mesmo ponto da onda Delta do país. Os números vêm na sequência do presidente da Associação Médica Sul-Africana (SAMA), relatando que os sintomas da Omicron são em sua maioria “muito, muito leves” e podem ser tratados em casa. Mesmo com o diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos Estados Unidos, Anthony Fauci, admitindo que a nova variante "quase certamente" não é mais grave do que Delta, a pergunta que precisa ser feita com urgência é muito simples: por que a tensão global está aumentando para um estado de pânico? (...)
A chefe da Comissão da UE de Bruxelas, Ursula von der Leyen, respondeu à descoberta da variante dizendo que era hora de considerar a vacinação contra COVID-19 obrigatória na Europa. Mais tarde, o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, fez uma declaração semelhante, dizendo que haveria uma "conversa nacional" em seu país no caminho a seguir. Com a Europa sendo o lar de 8 dos 10 principais países exportadores de produtos farmacêuticos, ambos os líderes estarão, sem dúvida, de olho nos lucros disparados dos acionistas que poderiam resultar se a vacinação obrigatória fosse aplicada em todo o mundo... [ler mais]
COVID, a falha da esquerda (ou como a esquerda social-democrata, e não só, alinha claramente pelo grande capital) - Toby Green e Thomas Fazi 12-2021
Ao longo das várias fases da pandemia global, as preferências das pessoas em termos de estratégias epidemiológicas tenderam a sobrepor-se estreitamente às suas orientações políticas. Desde que Donald Trump e Jair Bolsonaro expressaram dúvidas quanto à sabedoria de uma estratégia de bloqueio em Março de 2020, os liberais e os da esquerda do espectro político ocidental, incluindo a maioria dos socialistas, se entregaram para aderir em público à estratégia de bloqueio de mitigação da pandemia - e ultimamente à lógica dos passaportes de vacina. Agora, enquanto os países da Europa experimentam restrições mais rígidas aos não vacinados, os comentaristas de esquerda - geralmente tão vocais na defesa de minorias que sofrem discriminação - são notáveis por seu silêncio. (...). Mas por que é que a esquerda dominante acabou apoiando praticamente todas as medidas da Covid? Como surgiu uma visão tão simplista da relação entre saúde e economia, que zomba de décadas de pesquisas em ciências sociais (de esquerda), mostrando como a riqueza e os resultados de saúde estão intimamente ligados? Por que a esquerda ignorou o aumento maciço das desigualdades, o ataque aos pobres, aos países pobres, às mulheres e crianças, ao tratamento cruel dos idosos, e o enorme aumento da riqueza para os indivíduos e empresas mais ricos resultante dessas políticas? Como, em relação ao desenvolvimento e implantação de vacinas, a esquerda acabou ridicularizando a própria noção de que, dado o dinheiro em jogo, e quando a BioNTech, Moderna e Pfizer ganham atualmente entre elas mais de US $ 1.000 por segundo com as vacinas para Covid, pode haver outras motivações dos fabricantes de vacinas além do “bem público” em jogo? E como é possível que a esquerda, frequentemente alvo da repressão estatal, hoje pareça alheia às preocupantes implicações éticas e políticas dos passaportes sanitários?... [ler mais]
Casal Ursula e Heiko von der Leyen chantageados para um acordo de US$36 mil milhões com a Pfizer (Adrian Onciu) 12-2021
«Como o marido de Ursula von der Leyen se tornou o peão principal no caso da Pfizer de 36 mil milhões de dólares.
Mesmo que o Ministério Público Europeu não aceite, por várias razões fáceis de adivinhar, continuamos a apresentar algumas informações verdadeiramente chocantes sobre a promiscuidade no caso Pfizer-Ursula. Esta é uma informação oficial e verificada. Sem histórias para dormir.
Os resultados desta investigação são verdadeiramente explosivos. Eles mostram inequivocamente a combinação pútrida entre os principais políticos da UE e a máfia da Big Pharma. E tudo isso em meio a uma pandemia. Eles zombaram da vida, da saúde e das liberdades de centenas de milhões de pessoas aterrorizadas por um sistema de propaganda enganosa. Eles colocaram bilhões de vacinas em nosso pescoço (muito além do que precisaríamos), apenas numa busca desesperada por lucro.
O jackpot é de cerca de US $ 36 mil milhões. Ou 1,8 mil milhões de doses da vacina Pfizer, negociadas pelo chefe da Comissão Europeia com o chefe da farmacêutica, Albert Bourla. Negociado de forma totalmente opaca, como já indiquei em artigos anteriores. Você também pode encontrá-los no site da agência Mediafax, caso não haja "falhas técnicas"... [ler mais]
Porquê anular os créditos detidos pelo BCE sobre os países da Zona Euro? (Eric Toussaint et al) 12-2021
«Desde que a pandemia de coronavírus começou a ter impacto na Europa, as dívidas públicas na Zona Euro aumentaram em média 20%.
A razão é simples: em vez de taxarem 1 % aos mais ricos e às grandes empresas, como pediram o CADTM e outros (ver petição), os governos preferiram recorrer ao endividamento. Isto criou uma nova dívida ilegítima que acresce às anteriores.
Ao longo de 40 anos de neoliberalismo, a cada crise económica o fosso entre ricos e trabalhadores aprofundou-se e as dívidas públicas aumentaram, num processo de acumulação de capital sem fim. É incorrecto afirmar que a pandemia do coronavírus ameaça por igual as diversas classes sociais. As grandes empresas, como as do GAFAM (Google, Amazon, Facebook, Apple, Microsoft), obtiveram enormes lucros graças ao confinamento; as empresas do Big Pharma como a Pfizer, Moderna, AstraZeneca, Johnson & Johnson, Curevax, Merck, tiveram ganhos fabulosos graças à pandemia, ao venderem vacinas e tratamentos a preços exorbitantes); os grandes bancos e os fundos de investimento também embolsaram avultados lucros graças às ajudas dos estados, tal como as grandes empresas especializadas em combustíveis fósseis como o petróleo e o gás... [ler mais]
Big Food afirma que a 'transição' para o sistema alimentar da Nova Ordem Mundial já está bem encaminhada (Celine Ryan Ciccio) 12-2021
«Uma coaligação das maiores corporações multinacionais do mundo está trabalhando para manipulá-lo a comer alimentos mais “equitativos” por meio de uma estratégia de negócios projetada para ajudar os principais “atores do setor alimentar” e outras grandes empresas a facilitar “a futura transição dos sistemas alimentares”.
Eles planeiam fazer isso com a ajuda de uma nova estratégia que avalia a suposta moralidade de itens alimentares individuais e usa essa métrica para tomar decisões de negócios e cobrar avaliações de desempenho.
O Conselho Empresarial Mundial para o Desenvolvimento Sustentável se autodenomina “a principal comunidade global liderada por CEOs de mais de 200 das principais empresas sustentáveis do mundo a trabalhar coletivamente para acelerar as transformações do sistema necessárias para um futuro líquido zero, positivo para a natureza e mais equitativo”.
Além de gigantes da indústria de alimentos como Kellogg's e Nestlé, a lista de membros do WBCSD inclui empresas da Big Tech - Apple, Google, Microsoft, etc. Muitos dos membros mais proeminentes dos grupos também são membros do Fórum Económico Mundial, que destacou a iniciativa em postagem recente em seu próprio site... [ler mais]
Como Dr. Fauci, Bill Gates e Big Pharma destruíram a saúde pública da América (RLA) 12-2021
«As respostas a essas perguntas e outras calamidades vividas pelos americanos podem ser encontradas no livro de Robert F Kennedy Jr: The Real Anthony Fauci: Bill Gates, Big Pharma, and the Global War on Democracy and Public Health, que explica, entre outras coisas, o papel do Dr. Anthony Fauci, que esteve na vanguarda do gerenciamento da crise de saúde causada pelo coronavírus e tem sido uma figura chave na compreensão de como o poder das corporações farmacêuticas opera em todo o processo.
O autor do livro, Kennedy Jr., é um escritor e ativista ambiental americano, sobrinho do ex-presidente assassinado John F. Kennedy. O texto pode ser consultado em inglês no link a seguir.
Segundo a resenha do livro do jornalista e analista geopolítico Pepe Escobar, a pesquisa desse autor, que "pretende desconstruir um Novo Normal que nos invade a todos desde o início de 2020", já é sucesso pop certificado na Amazon, inclusive. embora tenha sido publicado há poucos dias. No entanto, a mídia dos EUA o silenciou. Qual é a razão do seu sucesso de vendas e por que o que está descrito lá não foi notícia?
Escobar refere que o livro coloca o Dr. Anthony Fauci como o eixo da maior história do século 21 na medida em que constitui uma dobradiça entre um complexo quadro de militarização planejada e, sobretudo, de monetização da medicina nos Estados Unidos, um processo realizado pela Big Pharma, os gigantes da tecnologia e o complexo militar/intelectual em aliança com a grande mídia.
Tudo parece indicar que nesta rede dark o grande perdedor é a população americana, pois quem capitalizou os grandes lucros durante a crise foram as empresas farmacêuticas, as grandes tecnologias e os big data, “com um nicho especial para os gigantes do Vale do Silício”... [ler mais]
Imperialismo dos EUA e o contexto mais amplo do caso Kyle Rittenhouse (Vince Montes) 12-2021
«Muitos anteciparam a absolvição de Kyle Rittenhouse. A arbitrariedade no julgamento da legítima defesa e a questão da objetividade do júri e do tribunal no contexto da reação do protesto contra a brutalidade policial e dos esforços para enfrentar o racismo. No entanto, em vez de focar no papel que a raça e o racismo desempenham no policiamento e no sistema legal, este artigo tenta situar o caso Rittenhouse dentro do contexto mais amplo do estado capitalista imperialista dos EUA.
Uma estrutura social de violência
Kyle Rittenhouse foi criado com uma dieta consistente de guerra, violência e o fascínio do dever patriótico, 'apoiar as tropas', 'vidas azuis são importantes', o que na maioria dos casos se traduz em uma aspiração ao status honorífico. As aspirações por status honorífico podem ser generalizadas para a sociedade dos EUA que passou a adorar todas as coisas militares [i] ou autoridade armada (ou seja, as organizações militares e policiais). Exemplos de uma dieta americana são uma abundância de militares, videogames de matar em primeira pessoa, por exemplo, Call of Duty, Medal of Honor e Battlefield, e as homenagens infinitas de Hollywood à guerra, matança e suas representações de heroísmo e retribuição com um AR-15 ou M4. Essas imagens são apenas parte de uma sociedade cuja estrutura social está estruturada na violência... [ler mais]
A Bancarrota e o fascismo ao virar da esquina 12-2021
O governo PS/Costa depois de ter sido demitido e ficando em modo de gestão ainda teve fôlego para decretar o estado de calamidade, aproveitando a Lei de Bases da Protcção Civil, mas que vai muito mais longe do que esta lei permite. Instituiu-se um novo estado de emergência, embora um pouco mais mitigado, que irá vigorar até à Primavera do ano que vem. A entrada em vigor a partir de 1 de Dezembro poderá ter algum significado, porque foi nesta data que os traidores do país, os Migueis de Vasconcelos, foram defenestrados.
Mas o mais grave foi o facto da Assembleia da República se ter demitido da sua principal função, legislar, para passar um cheque em branco ao governo para este legislar como bem entender, com a alegação do combate à “quinta vaga” da pandemia e “a bem da saúde” dos portugueses. O aval foi aprovado, como seria evidente, pelos votos do próprio PS e de uma excrescência “não inscrita”, os pro-fascistas, numa de democracia que lhes proporciona as devidas circunstâncias, foram os únicos que se opuseram, as restantes “forças” políticas, como sói dizer-se, manifestaram somente a fraqueza, aprovando pela abstenção. O governo, pelo menos até à tomada de posse do próximo, irá legislar em ditadura pela razão da dita “casa de democracia” ter encerrado e, com a agravante, depois de se demitir do seu poder. Será mais do que um governo de "gestão", um governo com poderes reforçados e de inteira confiança, a ocasião obriga, do PR Marcelo... [ler mais]
A União Europeia inicia a sua dissolução (Thierry Meyssan) 12-2021
«O Tratado do Quirinal, concluído entre França e a Itália, assim como o projecto de governo do próximo Chanceler alemão, Olaf Schotz, são incompatíveis com a história da União Europeia. Paris e Berlim acabam de tomar atitudes concretas que não podem senão vir a inciar a inevitável dissolução da União Europeia.
No fim da Segunda Guerra mundial, Winston Churchill idealizou um sistema que permitisse aos Anglo-Saxónicos assegurar-se que a Europa Ocidental não cairia nas mãos da União Soviética e que iriam conservar o controle da mesma. Tratava-se de criar um mercado comum europeu com os países arruinados que aceitassem o Plano Marshall.
Os Estados Unidos e o Reino Unido avançaram então concertadamente. Em poucos anos, lançaram as bases do nosso mundo: a OTAN é uma aliança militar por eles dominada, enquanto a União Europeia se tornou na organização civil dos seus aliados. É certo, os membros de uma instituição não são necessariamente membros da outra, mas não é menos verdade que, sediadas em Bruxelas, uma e outra são as duas faces da mesma moeda. Os serviços comuns das duas estruturas estão discretamente instalados no Luxemburgo... [ler mais]
Renascimento da política de classe nos EUA... Será socialismo ou fascismo? (Finian Cunningham) 12-2021
«O império dos Estados Unidos, como a URSS, está implodindo devido à sua própria corrupção, disse Harriet Fraad em uma entrevista com Finian Cunningham.
Durante o ano passado, a revolta massiva nos Estados Unidos de trabalhadores entrando em greve industrial e deixando o emprego significa uma consciência crescente da política de classe. Na entrevista a seguir, Harriet Fraad afirma que os trabalhadores americanos estão superando décadas de repressão à propaganda anticomunista e também de traição pelos dois principais partidos políticos.
Os trabalhadores estão se consciencializando de seus direitos e condições de exploração no sistema capitalista corporativo. Eles estão zangados e inquietos por um sistema económico alternativo. Pela primeira vez em muito tempo, as palavras “capitalismo” e “socialismo” estão agora entrando em discussões públicas conscientes. Os trabalhadores, diz Fraad, estão bem cientes de sua traição pelo Partido Democrata, que vendeu sua causa de classe em benefício da liderança do partido com patrocínio corporativo.
Mais do que nunca, ela afirma, a maioria dos trabalhadores dos Estados Unidos precisa da representação e liderança de um novo partido político que galvanize suas necessidades e direitos sob um programa socialista... [ler mais]
A OMS é uma instituição da corrupção... ou o capitalismo da doença (Dr. Joseph Mercola e Dr. Wolfgang Wodarg) 11-2021
«A corrupção fundamental na Organização Mundial da Saúde (OMS) contribuiu para a fabricação de uma "pandemia de teste".
O Dr. Wolfgang Wodarg, ex-chefe de saúde do Conselho da Europa, explica que uma pandemia costumava ser associada a doenças graves generalizadas e morte, mas ao mudar a definição, remover os critérios de gravidade e alta mortalidade, a OMS agora pode criar uma pandemia sempre que quiser.
COVID-19 foi uma pandemia de “teste”, não uma pandemia de vírus, porque os testes de PCR, que podem dar um resultado positivo quando detectam fragmentos de coronavírus, já existem há 20 anos, um fragmento de vírus muito pequeno para fazer adoecer ou um fragmento de COVID-19 que estava lá semanas atrás.
A campanha massiva da vacina COVID-19 está repleta de conflitos de interesse a um nível elevado, e esses conflitos estão colocando a vida das pessoas em risco ao impor a produção de vacinas acima da prevenção de doenças.
Como Wodarg observou, se você quer ganhar dinheiro produzindo vacinas, precisa de novos mercados para usá-las e de novas doenças para poder vender sua vacina... [ler mais]
As políticas de imigração da UE serão a espada sobre a qual cairá (Martin Jay) 11-2021
«Os fluxos de refugiados não são novidade. E os jogos que os países mais pobres e mais fracos jogam ao usá-los também existem há algum tempo.
A fronteira com a Bielorrússia é apenas a mais recente de uma longa lista de exemplos de como Bruxelas não pode lutar contra os países que usam os refugiados como arma contra a hegemonia fracassada da UE.
Para muitos comentadores eruditos que conhecem bem a UE, as cenas na fronteira entre a Polónia e a Bielorrússia foram um pouco "déjà vu". Mais uma vez, as políticas fracassadas da UE para lidar com os fluxos de imigração - que em muitos casos são resultado direto de sustentar ditadores ou de se envolver em geopolítica - voltam e dão um tapa na cara de Bruxelas. Talvez a Bielorrússia esteja usando os refugiados sírios como uma ferramenta para contra-atacar Bruxelas e sua política externa baseada em sanções agressivas. Para jornalistas e analistas que defendem esse argumento, podemos presumir que muitos apoiarão o próprio projeto da UE e não conseguirão ter uma visão mais ampla.
Tal panorama pode ser resumido no velho ditado inglês “você colhe o que você semeia”. Por décadas, ou certamente desde que a UE se metamorfoseou em ator geopolítico desde a adoção do Tratado de Lisboa... [ler mais]
EUA: Desemprego, inflação e caos económico... e a ruína abrupta das classes médias (Dr. Jack Rasmus) 11-2021
«Hoje, a grande mídia fez um grande alarido sobre as novas reivindicações semanais de desemprego atingindo um recorde de baixa de apenas 199.000 na semana passada. Mas a verdade, como sempre, está nos detalhes e não nas manchetes.
Existem três razões pelas quais as novas reivindicações estão em níveis recordes:
1. Em setembro, a administração Biden permitiu que os benefícios de desemprego para trabalhadores autônomos (trabalho, freelancers etc.) expirassem completamente. Existem pelo menos 10 milhões desses trabalhadores nos Estados Unidos. Se não houver mais um programa de seguro-desemprego com o qual solicitar benefícios, esse fato eliminará, naturalmente, um grande número de novos pedidos de indenização. Os contratos independentes podem ser desempregados, mas eles não vão registar uma nova reclamação porque não há mais programa.
2. Pelo menos 4 milhões de trabalhadores abandonaram totalmente a força de trabalho desde o início da Covid em fevereiro de 2020. Pelo menos três milhões e meio abandonaram parcialmente... [ler mais]
Luta do operariado metalúrgico de Cádis: O acordo entre patrões e sindicatos amarelos ("Canarias Semanal" entrevista Paco Ferrer) 11-2021
«Na noite da última quarta-feira, 24 de novembro, os sindicatos CC.OO. (Comisiones Obreras, a correspondente espanhola da CGTP portuguesa) e a UGT chegaram a um acordo com os patrões para suspender a greve do setor Metal em Cádiz , após assinar um reajuste salarial de 2%.
Enquanto a Federação das Metalúrgicas da província de Cádiz (Femca) se manifestou satisfeita com o referido acordo, bem como os representantes das Comissões e da UGT, os restantes sindicatos com presença no sector o rejeitaram e denunciaram que “Vai dar apenas algumas migalhas aos trabalhadores, sem resolver nenhum dos problemas que motivaram a sua mobilização”.
Paco Ferrer, mandatado pelas organizações unidas na  Confluência Sindical da Baía de Cádiz para lidar com os meios de comunicação, explicou a Canarias Semanal as razões pelas quais se opõem ao pacto firmado pelos dois sindicatos maioritários no Estado... [ler mais]
Big Brother Israel, um 'Estado Stalker' (Michael Jansen) 11-2021
«Em entrevista ao The Washington Post, a organização de direitos dos ex-soldados de Israel, Breaking the Silence, destacou a vigilância abrangente de Israel sobre os palestinos que vivem sob ocupação. Breaking the Silence, que coleta testemunhos de abusos relatados por soldados, aponta que o emprego de técnicas avançadas por Israel equivale a "uma escalada massiva na busca de Israel pelo controle total sobre a população civil palestina na Cisjordânia, e levanta algumas questões sérias sobre o papel da tecnologia no contexto da ocupação”.
De acordo com o diretor de coleta de testemunhos de Breaking the Silence, Shai Daniely,
“Os soldados estão deixando claro para os palestinos que o Big Brother os está observando, reunindo todas as informações sobre suas vidas e registando seus movimentos.”
É irónico que “Big Brother”, o Estado, no romance profético de George Orwell “1984” tenha sido publicado em 1948, o ano da guerra da fundação do estado de Israel. Orwell procurou alertar contra a ameaça de controle total da vida dos cidadãos praticada por regimes totalitários como os que surgiram na esteira da Segunda Guerra Mundial... [ler mais]
A pandemia causará um novo Maio de 68 na Europa? (Germán Gorriaz López) 11-2021
«O atual sistema dominante ou establishment das sociedades ocidentais usaria a ditadura invisível do consumismo compulsivo de bens materiais para anular os ideais do indivíduo original e transformá-lo num ser acrítico, medroso e conformista que inevitavelmente aumentará as fileiras de um homogéneo e uniforme sociedade e facilmente manipulados por técnicas de manipulação em massa. Assim, o sociólogo e filósofo alemão Herbert Marcuse, no seu livro “The One-Dimensional Man" (1964), explica que “a função básica dos media é desenvolver pseudo-necessidades de bens e serviços fabricados por corporações gigantes, amarrando os indivíduos ao carro do consumo e à passividade política”.
Um paradigma disso será a cruzada para implementar o passaporte COVID nos países europeus que permite ao indivíduo vacinado ter um código QR que facilitará o acesso ao trabalho, à vida cultural e social, mas que implicará na obrigação de ser vacinado e violará a sacrossanta liberdade individual reconhecida pela Constituição. Assim, a propaganda do establishment dirige-se não ao sujeito individual mas ao Grupo em que a personalidade do indivíduo unidimensional se dilui e se envolve em fragmentos de falsas expectativas criadas e anseios comuns que a sustentam  (a vacina será a salvação contra a pandemia)... [ler mais]
Nova onda de protestos rebentou na Europa após a reintrodução das restrições COVID-19 11-2021
«Vários protestos eclodiram em cidades europeias e territórios franceses ultramarinos, enquanto os manifestantes reagiam à reintrodução das restrições do coronavírus (COVID-19).
Polícias e manifestantes entraram em confronto em Bruxelas quando a violência eclodiu durante um protesto com a presença de 35.000 pessoas na capital belga. A marcha, localizada na União Europeia e distrito governamental da cidade, teve como foco a proibição de pessoas não vacinadas em locais públicos como restaurantes e bares.
Protestos também eclodiram em várias cidades holandesas no domingo, 21 de novembro, que é a terceira noite de agitação por causa das restrições do governo ao coronavírus. Os manifestantes também dispararam fogos de artifício e vandalizaram propriedades em Groningen, Leeuwarden, Enschede e Tilburg.
Uma porta-voz da polícia de Groningen disse que a tropa de choque está presente no centro para restaurar a ordem. As autoridades também emitiram uma ordem de emergência em Enschede, perto da fronteira com a Alemanha, e ordenou que as pessoas permanecessem fora das ruas... [ler mais]
O curso catastrófico do capital anuncia o seu fim inevitável (Gérard Bad) 11-2021
«Temos chamado repetidamente a atenção dos nossos camaradas leitores para a importância do encontro dos principais tenores do capitalismo triunfante no luxuoso Hotel Fairmont de São Francisco, em 1995. Entre estes tenores estavam Mikhail Gorbachev, George Bush Sénior, Margaret Thatcher, Václav Havel, Bill Gates, Ted Turner e o famoso Zbigniew Brzezinsky e a sua Tittytainment. Os 500 homens reunidos chegaram à conclusão de que "no próximo século, dois décimos da população activa seriam suficientes para manter a actividade da economia mundial". O problema surgiria então sobre como governar 80% da população restante, supérflua, ou seja, sobrenumerária e que tinha de ser contida como no tempo da Roma antiga por "pão e jogos". Actualmente é o desporto e principalmente o futebol que se tornou este novo ópio do povo. Quanto ao pão, 800 milhões de pessoas sofrem permanentemente de fome no mundo.
Estas relações entre o desenvolvimento da população mundial, a maquinaria robótica, as novas tecnologias da informação e da comunicação (NTCI) e os supranumerários serão confirmadas pelo Fórum Económico Mundial (WEF) e retomadas pelo famoso Dr. Laurent Alexandre. Ele pensa que a quarta revolução industrial continuará a destruir milhões de empregos – o "inútil" e o "substitutivel" e a angústia sobre a divisão intelectual (mãe da conspiração) que esta revolução vai gerar... [ler mais]
Três anos depois, o governo francês luta para conter os protestos dos Coletes Amarelos (Colin Randall) 11-2021
«Para Emmanuel Macron, o terceiro aniversário dos protestos dos Coletes Amarelos é uma lembrança da divisão nacional sobre a economia e prova de que a sua presidência pode superar um confronto capaz de paralisar o país. (sic)
O início do movimento dos coletes amarelos em 2018 foi desencadeado pela raiva popular devido à subida dos preços da energia.
Estas condições reapareceram nas últimas semanas (2021) e a Presidência está ansiosa por evitar uma nova revolta em massa antes do início da campanha potencialmente difícil do presidente francês para a sua reeleição na próxima Primavera.
Macron agiu rapidamente para abafar novos protestos, prometendo um adoçante de 100 euros (113 dólares) a seis milhões de pessoas em grupos de baixos rendimentos para compensar o aumento dos preços da gasolina. Durante os mais recentes protestos de coletes amarelos – cujo nome é oriundo dos coletes amarelos néon que os motoristas franceses são legalmente obrigados a manter nos seus carros – a quantia foi rejeitada como insignificante... [ler mais]
'Fanatismo ideológico': a loucura de ver os sistemas humanos como hardware (Alastair Crooke) 11-2021
«A 'política meme de bloqueio e mandatos de vacina' pode estar desaparecendo, mas o meme da inflação e o meme das consequências económicas apenas começaram.
Quinze anos atrás, um homem que era chefe do grupo de estudos de bioterrorismo da Casa Branca de GW Bush, e conselheiro especial do presidente, inesperadamente se viu impelido a se tornar o 'pai' do planejamento pandêmico, depois que Bush chegou ao seu bioterrorismo pessoas para exigir algum plano enorme para lidar com alguma calamidade imaginada. “Precisamos de um plano para toda a sociedade. O que você vai fazer sobre as fronteiras estrangeiras? E viajar? E comércio?”. De sua posição de influência - servindo a um presidente apocalíptico - o Dr. Venkayya se tornou a força motriz para uma mudança dramática na política dos EUA durante as pandemias.
As então diretrizes da Casa Branca (nascidas de um contexto de bioterrorismo) permitiram que o governo colocasse os americanos em quarentena enquanto fechavam suas escolas, empresas e igrejas, tudo em nome da contenção de doenças. Parecia tão simples; “Por que esses epidemiologistas não descobriram?”: Um modelo de controle de doenças, baseado em pedidos de permanência em casa, restrições de viagens, encerramento de empresas e separação humana forçada... [ler mais]
Protecionismo ou Mundialização? (Robert Gil) 11-2021
«Existe uma desvalorização geral da mercadoria que só é o valor económico pelo trabalho humano vivo incorporado nesta mercadoria, independentemente do tipo de mercadoria. No entanto, o trabalho humano vivo é destruído por ganhos de produtividade relacionados com o progresso da produção através da micro-electrónica, robotização e automação. É preciso mais mão-de-obra humana viva para compensar a perda de mão-de-obra humana relacionada com a destruição desse mesmo trabalho pelo capital fixo cada vez mais importante.
É um engodo fazer de conta que resolveríamos ao regressar ao Keynesianismo de outrora. Isso já não é possível. Tens de compreender isso. O capitalismo chegou a um ponto de não retorno devido à enorme produtividade e à consequente destruição do trabalho humano vivo. É por isso que estamos a testemunhar aquilo a que alguns designam por capitalismo selvagem, e que é senão a consequência do seu funcionamento interno. Com efeito, o capitalismo necessita de novos pontos de venda, da destruição dos serviços públicos e da transformação em mercadorias da maioria dos aspetos das nossas vidas... [ler mais]
Flexibilização não cria mais empregos (Mariana Dondo e Nicolás Oliva) 11-2021
«A flexibilização do trabalho não faz crescer o emprego, mas sim o lucro empresarial
Apesar do discurso neoliberal, a evidência empírica mostra que a flexibilização reduz os direitos dos trabalhadores, sem criar mais empregos.
Os defensores da flexibilização do trabalho argumentam que a baixa geração de emprego ocorre devido aos altos custos e à rigidez nas formas de contratação e demissão (despedimento). Portanto, propõem que, se as regulamentações diminuírem, como a indemnização por demissão, por exemplo, aumentará a predisposição a contratar e assim o desemprego é resolvido.
Neste texto demonstramos que mais de 30 anos de evidência empírica em países da América Latina demonstram que as medidas de flexibilização reduzem os direitos dos trabalhadores sem estimular a criação de empregos decentes. Isto, pelo contrário, é definido pelo ciclo econômico (se as empresas vendem ou não) e não pelas demissões barateadas: em períodos de crise econômica o desemprego aumenta rapidamente e, durante a fase de recuperação, decresce lentamente ... [ler mais]
A “destruição” organizada da oferta global de fertilizantes? Crise global na agricultura e produção de alimentos (F. William Engdahl) 11-2021
«A escassez global de energia, que levou os preços do carvão, petróleo e gás natural a picos explosivos nos últimos meses, são uma consequência previsível da busca louca por políticas económicas de “Carbono Zero”, que viram governos tolos subsidiando uma parcela crescente da eletricidade não confiável geração solar e eólica.
Uma consequência foi o aumento de cinco vezes no preço do gás natural ou do metano em todo o mundo. Isso se estende da China à UE, EUA e além. Uma consequência dessa escassez de gás natural e explosão de preços é uma crise crescente na produção mundial de fertilizantes agrícolas. Isso pode não ter sido um acidente. Ele se encaixa na Grande Agenda de Reinicialização do WEF da ONU 2030.
Os fertilizantes à base de amónia feitos de nitrogênio (a maior parte do nosso ar, portanto nunca em falta) e gás natural ou metano (CH4) constituem quase 70% de todos os fertilizantes usados para apoiar as principais culturas agrícolas, como trigo, milho, arroz e até café... [ler mais]
Estamos em guerra: Vacinação covid/obrigatória ou a continuação da luta de classes? (Brigitte Bouzonnie) 11-2021
«A partir de Março de 2020, o facto de colocar um povo inteiro na obesidade, alcoolismo, depressão, suicídio, pobreza, envenenamento por óxido de grafeno presente nas "vacinas" contra o covid, é, por parte de Macron, um acto deliberado de guerra contra o seu próprio povo. Equivalente em multa pela sua magnitude a uma avalanche de bolas de canhão num campo de batalha no século XIX. E que não tem outro motivo que não o seu ódio de classe dominante ao povo francês.
Como chegamos aqui?
1°)-Pauwels mostra que as Primeira e Segunda Guerras Mundiais visavam essencialmente esmagar os movimentos revolucionários das massas.
O historiador Jacques Pauwels escreveu dois livros emblemáticos: "1914-1918, a grande guerra de classes", edição de Delga, 2016. "O mito da boa guerra". É essencial. Que, ao contrário das mentiras que os meios de comunicação social nos alimentam às ordens da NATO, repensem completamente as causas da primeira e segunda guerras mundiais. A sua hipótese estimulante é que as Primeira e Segunda Guerras Mundiais foram conscientemente, deliberadamente desejadas, planeadas pela elite, a fim de esmagar os povos revolucionários da França e da Alemanha... [ler mais]
Os bilionários de Davos querem salvar o planeta... mas os países em desenvolvimento não confiam neles? (Matthew Ehret-Kump) 11-2021
«Um milagre parece estar acontecendo, já que os multibilionários do Fórum Econômico Mundial (WEF) parecem ter aumentado a consciência.
Como num passe de mágica, parece que essas elites do colarinho de ouro não anseiam mais por lucro e poder como antes. Enquanto a COP26 fecha suas cerimônias anuais de 12 dias, figuras importantes conectadas ao WEF como Príncipe Charles, Jeff Bezos, Mario Draghi, Mark Carney e Klaus Schwab anunciaram um novo sistema econômico baseado na virtude sobre o lucro!
De acordo com o site da COP26,
“95 empresas de alto perfil de uma variedade de setores se comprometem a ser 'Natureza Positiva', concordando em trabalhar para deter e reverter o declínio da natureza até 2030.”
O Príncipe Charles se gabou de ter coordenado 300 empresas que representam mais de US $ 60 trilhões para embarcar em uma transição verde global e, após se encontrar com o Príncipe em 2 de novembro,  Jeff Bezos anunciou seu novo Fundo da Terra de US $ 2 bilhões para proteger os ecossistemas da natureza com foco na África... [ler mais]
A crise política e os “truques do Costa” 11-2021
O Costa e o PS, como não quer a coisa, vão fazendo a sua propaganda eleitoral, utilizando o governo, e tentar acenar para os dois lados: para Bruxelas e para o povo eleitor, nomeadamente o do centro, a pequena-burguesia instável e que geralmente decide entre os dois partidos do establishment. Nesta última entrevista que deu, Costa foi claro, as medidas apresentadas pelos partidos auxiliares de marcha eram inaceitáveis, porque iam contra os interesses da burguesia nacional, no que concerne ao aumento do salário mínimo, e contra as imposições de Bruxelas, quanto à alteração do regime de aposentação – a política de salários miseráveis será para manter e a segurança social é para um dia destes ser privatizada. Para consumo interno, o governo irá proceder aos magros aumentos salariais de 0,9% na função pública e dos menos de 10 euros para as pensões maia baixas.
O próximo governo ficará sob controlo estrito do BCE - Quanto ao partido vencedor será aquele que tiver a confiança não exactamente da maioria do eleitorado, mas mais a que a burguesia nacional, sôfrega pelos dinheiros do PRR, e do directório de Bruxelas tiverem a seu respeito. O Orçamento terá de ser entregue até Março de 2022, diz Dombrovskis, o letão vice-presidente executivo da Comissão Europeia, e segundo as directivas impostas, de pouco importando que o ministro das finanças de nome Leão vir dizer que defende a revisão das regras orçamentais “amiga do crescimento”... [ler mais]
Tirania por emergência de saúde ou a implosão distópica do capitalismo contemporâneo (Fabio Vighi) 11-2021
«A economia atual, impulsionada pelas finanças, é alimentada por emergências globais, cujo papel principal é proteger o sistema de suas práticas cada vez mais destrutivas. Bloqueios e restrições relacionadas são o modelo mais recente de engenharia social. Seu objetivo imediato é permitir que os bancos centrais realizem seus programas astronómicos de impressão de dinheiro, que inflacionam o setor financeiro ao mesmo tempo - como estamos testemunhando - causando inflação assim que algum dinheiro vaza para a economia real pelos bancos comerciais. COVID-19 é, essencialmente, um encobrimento para a expansão monetária alavancada pela dívida sistemática. Em termos capitalistas, não há alternativa a este exercício cínico - pelo menos até que a mudança de paradigma autoritário em curso seja normalizada. Antes que seja tarde demais, então, devemos parar de acreditar que os mandatos da vacina, bloqueios,e outras formas de arregimentação em massa estão relacionadas com a saúde. Em vez disso, a 'pandemia' continua a funcionar como a frente ideológica para um modo de reprodução social que não tem como se perpetuar a não ser impondo sua remodelação despótica como necessária e até desejável... [ler mais]
COP26 Glasgow: nova divisão internacional do trabalho e da riqueza (Robert Bibeau) 11-2021
«COP significa Conferência das Partes. A COP26 é a 26ª edição do encontro da ONU entre as partes envolvidas - e em conflito - pelas emissões causadoras das mudanças climáticas. É por isso que foi inaugurado com Estados insulares que temem que a elevação do nível do mar os faça perder território e os recursos mais sagrados para um Estado.
Mas, sem surpresa, os problemas dos pequenos Estados insulares da Polinésia e da África levam pouco mais do que alguns minutos rituais. Na verdade, desde a COP1 em Berlin em 1995, essas reuniões são consideradas um ímpulso entre os estados mais capitalizados - UE, EUA, Grã-Bretanha, Canadá -, que exigem um Acordo Verde (Green Deal), e os países "semi-coloniais" que reticentes em adoptá-lose apoiam tanto na Rússia e na China, tanto nos países produtores de petróleo.
Quando Greta Thunberg  e outros "activistas" atacam "líderes mundiais" pela lentidão em alcançar acordos de redução de emissões nessas cimeiras, eles não estão a atacar - excepto durante a época de Trump - os líderes dos grandes estados industriais, mas os dos chamados Países semi-coloniais “emergentes” como países capitalistas.
Porque é que os países semi-coloniais resistem aos acordos de redução das emissões?... [ler mais]
COP26: Tornar a Finança verde? (Thierry Meyssan) 11-2021
«As «Conferências das Nações Unidas sobre as alterações climáticas» acompanham-se sempre de discursos apocalípticos, mas, no entanto, não desembocam nunca em compromissos mensuráveis e verificáveis. Apenas dão origem a promessas assinadas com grande pompa, mas sempre formuladas no condicional.
A conferência que se desenrola actualmente em Glasgow (Reino Unido), de 31 de Outubro a 12 de Novembro de 2021, não deverá escapar à regra. Ela começou com um vídeo espectacular de um dinossauro anunciando na tribuna da Assembleia Geral das Nações Unidas a possível extinção da espécie humana e prosseguiu com um discurso de abertura do Primeiro-Ministro britânico, Boris Johnson, sobre o que faria James Bond face ao desafio climático. Esta encenação continuou na rua com uma manifestação dirigida por Greta Thunberg para declarar ilegítimos todos os governos do mundo e denunciar o «falhanço» da Conferência que, portanto, apenas havia começado.
Os líderes políticos que apelaram para a salvação da humanidade de um fim iminente são os mesmos que investem milhares de milhão de dólares em armas nucleares capazes de erradicar a vida humana do planeta... [ler mais]
França de Macron: sistema militar-policial construído sob a renda neo-colonial (Khider Mesloub) 11-2021
«Sem dúvida, numa França atormentada por revoltas sociais permanentes, o Estado continua a fortalecer o seu braço armado, a afirmar o seu poder, a consolidar a sua autoridade, a manifestar a sua força esmagadora, a erguer muralhas de plexividro para defender a ordem estabelecida, a da governação dos ricos determinados a defender os seus privilégios, o seu domínio, as suas aspirações de valorizar o seu capital para garantir a sobrevivência do sistema. Às múltiplas exigências socio-económicas ou políticas dos manifestantes, o governo de Macron responde, com cada vez mais ferocidade, com repressão. Quando a repressão policial não é suficiente para moderar o ardor dos protestos em luta, o Estado destaca o exército para pacificar o país, por vezes através do uso de LBD (lançadores de bolas defensivas).
De facto, em França, especialmente desde a entronização do empregado bancário de Rothschild no Eliseu, a repressão policial tomou formas brutais, cegas à força do atordoar dos manifestantes. Além disso, a aplicação da lei utiliza meios coercivos e repressivos altamente sofisticados... [ler mais]
O sector das pequenas empresas é deliberadamente alvo de destruição pandémica (Brandon Smith) 11-2021
«Os últimos 18 meses não foram simpáticos para as pequenas empresas. Se teve o azar de viver num estado azul no início dos confinamentos e tem um negócio não desmaterializado, provavelmente passou grande parte desses 18 meses a fechar, ou a lutar para se manter aberto com uma pequena equipa de empregados. Se conseguiu obter um empréstimo de PPP do governo durante a paralisação, agora percebe que o período de carência de 24 semanas está a chegar ao fim e provavelmente terá de pagar a maior parte, se não todo, desse dinheiro em breve. Muitos dos que tentaram obter um empréstimo de PPP falharam porque o dinheiro foi rapidamente engolido pelas grandes empresas em vez de ser reservado às pequenas empresas.
E este nem sequer é o início da lista de problemas enfrentados pelas pequenas empresas. Tenho que dizer que a menos que grande parte do seu negócio seja executado on-line, as suas chances de permanecer solvente são escassas. Mas não é culpa da maioria dos proprietários de negócios, é o resultado de condições e restricções criadas artificialmente... [ler mais]
A atualidade da Revolução Russa (Rodrigo Lima) 11-2021
«A Revolução Russa modificou profundamente o século XX e a história da humanidade. A tomada do Palácio de Inverno pelos revolucionários russos, na madrugada do dia 25 de outubro de 1917 (07 de novembro no calendário ocidental), simbolizou a derrocada do governo provisório (dirigido pelos setores da burguesia russa, após a queda do regime Czarista) e a passagem do poder para os sovietes, sob a liderança do Partido Bolchevique, que teve como consequência a construção do primeiro Estado socialista do mundo.
Os ensinamentos dos revolucionários de 1917 seguem atuais para que possamos pensar saídas e alternativas que permitam romper o atual estado de coisas e superar a ofensiva capitalista que ataca a classe trabalhadora de forma brutal no mundo e, em particular, no Brasil... [ler mais]
A demolição controlada da UE: para evitá-la, Berlim olhou para o sul quando apostou em Draghi (mas também teve que olhar para o nordeste) - Marco Rocco 11-2021
«Draghi representa a continuidade forçada desejada pelo eixo Paris-Berlim para a UE: os italianos queriam partir em 2020, a solução era o ex-chefe do BCE como primeiro-ministro. Quanto tempo vai durar, com a inflação galopante e a Polónia como anti-UE?
A UE está sob ataque, 360 graus, de várias frentes. Do oeste, com o Brexit. Do sul, com os países fracos do euro em que se sonha em sair do euro, claramente paralisados - talvez deva dizer “saqueados” - pela chamada “austeridade expansiva” (um oxímoro) da matriz franco-alemã. E agora também do Nordeste, com a Polónia em xeque e multada pela UE pela única falta de querer continuar a “ser Polónia”. Sobretudo a inflação galopante, de origem exógena, que daqui a alguns meses não poderá mais ser contida nem mesmo nos países latinos, que hoje ainda vivem silenciosamente a manipulação governamental dos índices de preços ao consumidor (imagino que a paz social não vai durar muito tempo; veja o relatório sobre os preços para setembro de 2021 publicado pelo MISE/Ministério de Desenvolvimento Económico Italiano,com preços em ascensão vertical geral - muitas vezes até em dois dígitos - mas com inflação “apenas” em 2,9%, totalmente absurdo).
O que foi dito acima aponta claramente para uma mudança de paradigma em andamento... [ler mais]
Defendem o clima enquanto preparam o fim do mundo (Manlio Dinucci) 11-2021
«No início de Outubro, a Itália acolheu a reunião preparatória para a Conferência das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas, actualmente a decorrer em Glasgow. Duas semanas depois, a Itália acolheu outro acontecimento internacional que, ao contrário do primeiro evento amplamente divulgado, foi transmitido em silêncio pelo governo: o exercício de guerra nuclear Steadfast Noon da NATO, nos céus do norte e centro da Itália. Durante sete dias, sob comando USA, participaram as forças aéreas de 14 países da NATO, com caça-bombardeiros nucleares de dupla capacidade e caça-bombardeiros convencionais estacionados nas bases de Aviano e Ghedi. O 31º esquadrão dos EUA com caça-bombardeiros F-16C/D e bombas nucleares B61 está destacado, permanen-temente, em Aviano. Em Ghedi, a 6ª Ala da Força Aérea Italiana com caça-bombardeiros Tornado PA-200 e bombas nucleares B61. A Federação dos Cientistas Americanos confirma, em 2021, que "à Força Aérea Italiana são atribuídas missões de ataque nuclear com bombas americanas, mantidas em Itália sob controlo da US Air Force, cuja utilização na guerra deve ser autorizada pelo Presidente dos Estados Unidos". As bases de Aviano e Ghedi foram reestruturadas para acomodar os caças F-35A armados com as novas bombas nucleares B61-12. Em Outubro passado, o teste final foi realizado em Nevada, com a libertação de B61-12 inertes, por dois caças F-35A. Em breve, as novas bombas nucleares chegarão a Itália: 30 caças F-35A italianos podem ser destacados apenas para a base Ghedi, prontos para atacar sob comando USA com 60 bombas nucleares B61-12... [ler mais]
A CIA avisa que está a preparar-se para a guerra climática até 2040... ou antes! (Alexandre Lemoine) 11-2021
«O mundo corre o risco de enfrentar um conflito armado mundial devido às alterações climáticas nas próximas décadas, afirma um relatório da CIA.
"As consequências físicas cada vez mais fortes da mudança climática podem exacerbar os pontos quentes geopolíticos transfronteiriços à medida que os Estados agem para defender os seus interesses", refere o documento.
Segundo os autores, até 2040, os "choques climáticos" começarão em todo o mundo, onde os campos usarão tecnologias que agravam os desastres naturais como secas e inundações, uns contra os outros. Trata-se principalmente de tecnologias de geo-engenharia. Afirma-se que o aparecimento de uma tal arma climática em vários países é bastante possível.
Os especialistas alertaram ainda para o aumento das tensões entre os países devido às disputas sobre a conquista do acordo climático de Paris, que previa reduções nas emissões de gases com efeito de estufa para evitar o aquecimento global.
"A maioria dos países enfrentará uma escolha económica difícil e provavelmente contará com um avanço tecnológico para reduzir rapidamente as suas emissões mais tarde. A China e a Índia desempenharão um papel decisivo na determinação da trajectória do aumento da temperatura", afirma o documento... [ler mais]
Banco Global de Genoma: Controle Total de DNA da População Mundial - Uma iniciativa da Fundação Rockefeller (Peter Koenig) 11-2021
«“As informações de sequenciamento genómico rápidas e precisas são a chave para acabar com a pandemia Covid-19 e o sofrimento que ela causou. Ainda hoje, apenas 14 países, todos com economias desenvolvidas, estão sequenciando 5% ou mais de seus casos e compartilhando-os por meio de bancos de dados globais”.
Este comentário maravilhoso e generoso vem do Sr. Rajiv J. Shah, presidente da Fundação Rockefeller.  Ele adicionou: “Por esse motivo, a Fundação Rockefeller está fortalecendo a capacidade de sequenciamento global - para acabar com esta pandemia para todos o mais rápido possível.”
O “Programa de Coleta de Genoma” pode durar até o final da Agenda 2030 da ONU, quando o Banco Global de Dados do Genoma  deverá ser concluído. A Fundação Rockefeller quer gastar US $ 20 milhões neste projeto. Isso, é claro, é o mínimo em comparação com a riqueza de informações pessoais e o mecanismo de controle que a Fundação Rockefeller terá adquirido.
Este é o relatório completo da última saga interminável de Rockefeller em direção a um mundo globalista, um controle globalista do DNA humano e uma abordagem globalista da agenda eugenista Rockefeller-Gates et al... [ler mais]
A Intelectualidade Burguesa Decadente (Fernando Buen Abad) 11-2021
«A intelectualidade burguesa vive um dos seus momentos mais decadentes. Suas máquinas de guerra ideológicas tornaram-se escleróticas e refugiam-se em argumentos filantrópicos implausíveis à sombra da pandemia e da distribuição comercial de vacinas. Tudo envernizado com tecnologia.
As cordas silogísticas mais recorrentes não são mais suficientes para esconder a luta de classes. Eles não poderão esconder o crime económico monumental durante a pandemia que varreu a classe trabalhadora e enriqueceu, como nunca antes, as burguesias imperiais. Eles não poderão esconder o tapa dilacerante contra o direito básico à alimentação, moradia, educação... dignidade. A imoralidade do capitalismo é inegável em um mundo desprovido de infraestrutura mínima para os pobres e com uma indústria militar crescendo com números recordes.
Nos centenários da intelectualidade burguesa eles resolvem a invenção de um “capitalismo humano”, “capitalismo social”, “socialismo capitalista”... que não se enquadra em nenhuma prática a aberração de seus sofismas. Hoje, para sobreviver, eles só têm suas máquinas de notícias falsas e alguns reformadores desavergonhados. A intelectualidade burguesa não tem saliva erudita suficiente para apagar o "fogo" da emancipação... [ler mais]
Os banqueiros misantropos por trás da COP26 e do New Deal Verde - A questão sempre foi o controle da população (Matthew Ehret-Kump) 11-2021
«Claro, as notícias aparecem diariamente exibindo o bravo movimento jovem de "eco-guerreiros" liderado por "eternamente com 15 anos de idade" [agora com 18]  Greta Thunberg ou Jamie Margolin de 17 anos da América, que se tornaram uma força em toda a Europa e na América liderando movimentos como a Rebelião da Extinção, Esta é a Hora Zero, o Movimento do nascer do sol e a eco-cruzada infantil. O rosto jovem de Alexandria Ocasio-Cortez vende diariamente a ideia de que a única maneira de as forças capitalistas desatualizadas que atormentaram o mundo por décadas serem substituídas é impondo um amplo New Deal Verde que prioriza a descarbonização como um objetivo para a humanidade, em vez de continuando a permitir que as forças irracionais dos mercados determinem nosso destino.
A questão sempre foi o controle da população... [ler mais]
A crise política do senhor presidente 11-2021
«Continuamos a assistir, como já tínhamos afirmado, a uma encenação onde cada actor principal representa o seu papel; haverá outros protagonistas que não passarão de figurantes. Agora, será mais o enredo de impor um governo de maioria absoluta, seja de cor rosa ou laranja, pouco interessará ao grande capital desde que imponha o programa necessário para a saída da crise em que o capitalismo se encontra atascado. Mas o mais provável, e por muito incrível que possa parecer, a maioria no final será do senhor presidente. (...)
Fica também claro que, com a queda do governo anunciada (atenção, o governo e assembleia da república ainda se encontram em funções!), é Marcelo que fica como maestro da ópera bufa e que será visto como o garante da estabilidade, embora seja tão responsável pela instabilidade da crise política como Costa e os outros protagonistas. Todos são responsáveis pelo chumbo do Orçamento, porque era necessário para a prossecução das respectivas agendas. Marcelo, como bom lacaio que é, e nada ficando a dever ao sócio do governo, irá juntar os conselheiros de Estado com a presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, para “discutirem a crise económica mundial (e europeia) e a crise política nacional”, onde a dissolução do Parlamento é o ponto fulcral. Será uma maneira de sossegar Bruxelas, principalmente, os credores do país representados pelo BCE, garantindo que a dívida continua a ser paga segundo os ditames usurários e que a subjugação do país ao grande capital financeiro será para manter, seja qual for o governo saído das próximas eleições... [ler mais]
Trabalhadores dos Estados Unidos fazem greve em resposta à crise económica (Abayomi Azikiwe) 10-2021
«Os trabalhadores americanos - aqueles que se retiraram involuntariamente durante a pandemia e os que trabalharam por ela correndo grande risco para que outros pudessem se alimentar, se divertir ou viver - estão agora fazendo o possível para serem impossíveis de ignorar. Membros de sindicatos do setor privado estão desencadeando greves em uma taxa raramente vista na América moderna, com mais de 100.000 trabalhadores ameaçando recentemente ou aumentando paralisações de trabalho em saúde, educação superior, telecomunicações, transporte, televisão, mineração, manufatura, música, metais, petróleo, carpintaria, uísque e cereais. A internet apelidou de outubro #Striketober.”
Mais de 10.000 trabalhadores da John Deere entraram em greve em 21 de outubro, representando a maior ação industrial no setor de máquinas agrícolas em mais de três décadas. A empresa Kellogg foi atingida por milhares de trabalhadores que permaneceram fora do trabalho por várias semanas. Os trabalhadores da Nabisco encerraram recentemente uma greve de três semanas.
Houve uma tentativa de acordo de última hora em 23 de outubro, que evitou uma greve entre 60.000 trabalhadores do cinema e da televisão. Essas ameaças e atividades reais de greve refletem um elevado nível de consciência de classe entre a classe trabalhadora. Uma pesquisa Gallup conduzida em setembro indicou que o apoio dos EUA à sindicalização atingiu seu nível mais alto desde 1965, já que 68% dos trabalhadores declararam aprovar os sindicatos... [ler mais]
Assange em perigo: Começa a audiência de apelação de extradição em Londres (Thomas Scripps) 10-2021
«No mês passado, o Yahoo News informou que o governo Trump encarregou a CIA de esboçar “opções” para o assassinato de Assange. “Esboços” foram feitos e conversas foram feitas sobre “se matar Assange era possível e se era legal”. No caso de tentativa de fuga de Assange da embaixada, possivelmente com a ajuda de agentes russos, o governo do Reino Unido concordou “em atirar se o fogo fosse necessário”.
Em 2019, descobriu-se que a UC Global, empresa de segurança da embaixada do Equador em Londres, onde Assange pediu asilo por quase sete anos, vinha trabalhando com a inteligência americana para espionar o fundador do WikiLeaks e seus associados. No ano passado, durante a audiência de extradição de Assange, um ex-funcionário da UC Global apresentou evidências de que foram discutidos planos para sequestrá-lo ou envenená-lo na embaixada.
Essa perseguição implacável do Estado é uma vingança pelo papel corajoso de Assange em expor os crimes de guerra dos governos dos EUA, Reino Unido e Austrália no Iraque e no Afeganistão. O vídeo de assassinato colateral do WikiLeaks, Diários da Guerra Afegã, Registros da Guerra do Iraque e Cablegate lançam a oposição popular em massa à guerra, tortura e repressão estatal em todo o mundo... [ler mais]
COP26 e a grande reinicialização: a perspectiva não tão gloriosa de não possuir nada e passar um inverno frio e sombrio (Cynthia Chung) 10-2021
«Há um pouco de pânico batendo sobre o número de chefes de Estado que vai não estar presente, em pessoa, a Conferência COP26, que será realizada começando na véspera de 'All Hallows' e durando até 12 de novembro.
O motivo do pânico é porque, caso você esteja morando em algum abrigo subterrâneo, estamos no meio de uma crise energética muito séria junto com a hiperinflação, e há murmúrios crescentes de que as próprias políticas, que a COP26 quer maximizar ao acelerador máximo nesta conferência, estão na origem do que está causando esta crise de energia.
Não é segredo que haverá uma tentativa muito vigorosa de armar os chefes de Estado que acabam participando nesta conferência a assinarem essas políticas totalmente maximizadas da COP26, que provavelmente só agravarão o problema, com a projeção de que cidadãos de toda a Europa irão, espera-se, passar um inverno muito frio e escuro este ano... durante o que nos dizem que é uma pandemia contínua... e isso aparentemente é uma coisa aceitável... [ler mais]
A Agenda Verde ou como esta crise de energia é diferente de todas as outras (F. William Engdahl) 10-2021
«O preço da energia de todas as fontes convencionais está explodindo globalmente. Longe de ser acidental, é um plano bem orquestrado para o colapso da economia industrial mundial que já foi dramaticamente enfraquecida por quase dois anos de ridícula quarentena covid e medidas relacionadas. O que estamos vendo é uma explosão de preços no petróleo, carvão e, agora, especialmente, na energia do gás natural. O que torna isso diferente dos choques de energia da década de 1970 é que, desta vez, está se desenvolvendo à medida que o mundo dos investimentos corporativos, usando o modelo de investimento verde ESG fraudulento, está desinvestindo em petróleo, gás e carvão no futuro, enquanto os governos da OCDE adotam uma atitude extremamente ineficiente, energia solar e eólica não confiáveis que garantirão o colapso da sociedade industrial talvez já nos próximos meses. Exceto um repensar dramático, a UE e outras economias industriais estão cometendo suicídio económico deliberadamente... [ler mais]
Caos e loucura: monstros autoritários causam destruição em nossas liberdades (John W. Whitehead e Nisha Whitehead) 10-2021
«Estamos vivendo em uma época de caos, loucura e monstros.
Monstros com rostos humanos caminham entre nós. Muitos deles trabalham para o governo dos Estados Unidos.
Estamos lidando hoje com uma fera autoritária que cresceu demais e não será contida.
Através de seus atos de tomada de poder, brutalidade, mesquinhez, desumanidade, imoralidade, ganância, corrupção, libertinagem e tirania, o governo tornou-se quase indistinguível do mal que afirma estar lutando, seja esse mal na forma de terrorismo, tortura, doença, tráfico de drogas, tráfico sexual, assassinato, violência, roubo, pornografia, experimentações científicas ou algum outro meio diabólico de infligir dor, sofrimento e servidão à humanidade.
Deixamos que as maldades e abusos do governo continuassem por muito tempo.
Compramos a ilusão e nos recusamos a entender a verdade.
Estamos sendo alimentados com uma série de ficções cuidadosamente elaboradas que não têm nenhuma semelhança com a realidade.
Estamos vivendo em dois mundos: o mundo que vemos (ou somos feitos para ver) e aquele que sentimos (e ocasionalmente vislumbramos), o último dos quais está muito longe da realidade impulsionada pela propaganda fabricada pela governo e seus patrocinadores corporativos, incluindo os media... [ler mais]
A humanidade anda sonâmbula em direção ao apartheid médico (Robert Bridge) 10-2021
«O trágico estado de coisas, justificado por uma doença com uma taxa de sobrevivência superior a 99%, não pode continuar indefinidamente.
Mesmo enquanto estudos científicos mostram que as vacinas por si só não podem livrar a humanidade da crise Covid-19, os governos estão se precipitando para a criação de uma 'economia vacinada' sem qualquer consideração pelas consequências. É hora de uma injeção de sanidade e um debate democrático informado.
Uma coisa surpreendente aconteceu esta semana que deveria ter - se não fosse por um complexo industrial de mídia que mima e mima os poderes constituídos - incitado jornalistas a gritarem assassinatos sangrentos ao redor de nosso planeta cada vez mais aprisionado. Em vez disso, o que o mundo conseguiu foi a ensurdecedora cacofonia de grilos.
Quando um repórter perguntou à primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, sobre a possibilidade de a nação insular do Pacífico ser fragmentada em duas classes distintas de cidadãos - os vacinados e os não vacinados - Arden não perdeu o ritmo ao responder com seu sorriso característico de Cheshire: "Isso é o que é. Então, sim. Sim."... [ler mais]
O sistema económico ocidental chega ao seu fim (Thierry Meyssan) 10-2021
«Já no século XVIII, os economistas britânicos do nascente capitalismo, reunidos à volta de David Ricardo, se interrogavam sobre a possível perenidade deste sistema. Aquilo que rendia muitíssimo a princípio, acabará por vir a tornar-se comum e por não acrescentar mais riqueza a ninguém. O consumo não irá poder justificar eternamente a produção em massa. Mais tarde os socialistas, à vota de Karl Marx [1], prediziam o inelutável fim do sistema capitalista.
Era suposto este sistema ter morrido em 1929, mas, para surpresa geral, ele sobreviveu. Aproximamo-nos de um momento análogo: a produção já não rende, agora apenas os financeiros ganham dinheiro. Por todo o Ocidente, vemos o nível geral da população a baixar, enquanto o património de alguns poucos indivíduos atinge os píncaros. O sistema ameaça afundar de novo para não mais se levantar. Podem os hiper-capitalistas salvar ainda os seus bens ou assistiremos a uma redistribuição aleatória das riquezas a seguir a um confronto generalizado?... [ler mais]
Trabalhar até morrer ou trabalhar para ser pobre (Edgar Isch L.) 10-2021
«A exploração capitalista tem expressões que deixam bem clara a verdade da afirmação de que as condições de trabalho que a caracterizam são “escravidão assalariada”, como o marxismo as chamaria. Isto sem que consideremos que, de acordo com a Organização Internacional do Trabalho (OIT) das Nações Unidas, estima-se que, em 2016, 40,3 milhões de pessoas tenham sido sujeitas à escravidão moderna.
Este número inclui 24,9 milhões em trabalho forçado e 15,4 milhões em casamento forçado, sendo que uma em cada quatro vítimas da escravidão moderna são crianças (OIT, 2017).[i]
Os dados mencionados acima levantam a questão: se eles sabem o número de escravos e sabem onde estão, por quê a chamada comunidade internacional não faz nada para impedir esta violação generalizada dos direitos humanos? Existe, no mínimo, uma cumplicidade com o que está acontecendo, na medida em que nos dão a notícia sobre a existência de escravos como se fosse natural... [ler mais]
Palestina: Uma rota alternativa para uma Palestina livre (Khaled Barakat) 10-2021
«Se o fracasso Madrid-Oslo é claro para os palestinos, então há uma pergunta que deve ser feita e respondida: se esse é um caminho fracassado, qual é a alternativa? Uma nova geração palestina nasceu da era Madrid-Oslo; nasce no cerco, na repressão e no confisco de seu futuro, sem ao mesmo tempo ter espaço de participação política e social no movimento palestino em nível oficial, apesar de organizar bolsões de resistência, protesto estratégico e investigação incisiva.
Refugiados palestinos, mais da metade da população palestina, têm se recusado sistematicamente a aceitar o confisco ou a marginalização de seu direito de retorno, mesmo com o aumento de seu sofrimento dentro dos campos de refugiados. A marginalização dos refugiados palestinos nos campos e sua exclusão das instituições políticas palestinas tem sido uma prioridade política para Israel e seus apoiantes ocidentais, especialmente os Estados Unidos... [ler mais]
Brasil -  O "milagre do Bolsonaro": metade da população passa fome e as favelas duplicam (Juraima Almeida) 10-2021
«No Brasil, cerca de 20 milhões de pessoas passam 24 horas sem comer em intervalos de poucos dias, 24,5 milhões começam o dia sem saber como vão se alimentar e a quantidade e a qualidade do que comem diminuíram. O relatório surgiu após fotos de um grupo de pessoas procurando por comida entre uma pilha de carcaças e ossos descartados em uma fábrica de sabão e ração para animais de estimação há duas semanas.
Além disso, outros 74 milhões de pessoas podem vivenciar essas situações a qualquer momento. É que mais da metade da população do Brasil, 55%, cerca de 117 milhões de pessoas, sofreu algum tipo de insegurança alimentar (grave, moderada ou leve) em dezembro de 2020, fato que se agravou.
Estudo coordenado pelo Grupo Poder, Política e Desigualdades Alimentares na Bioeconomia da Universidade Livre de Berlim, concluiu que 59,3% dos brasileiros, o que equivale a 125,6 milhões de pessoas, não comem a quantidade necessária ou a qualidade alimentar adequada desde o início da pandemia covid-19... [ler mais]
Colin Powell, o "mocinho" que ajudou a destruir um país (Marc Vandepitte) 10-2021
«Em 1968, quando Powell tinha 31 anos, ele foi encarregado de investigar o massacre de My Lai no Vietname, no qual entre 350 e 500 civis desarmados, incluindo mulheres e crianças, foram mortos por soldados americanos. Powell encobriu o massacre e escreveu em seu relatório que "as relações entre os soldados da Divisão dos Estados Unidos e o povo vietnamita são excelentes".
Na década de 1980, Colin Powell foi um dos principais generais que armou e treinou o exército e os esquadrões da morte de El Salvador. Ambos foram responsáveis pelo massacre de 75.000 a 80.000 salvadorenhos. Em 1989, ele foi encarregado da invasão do Panamá.
Ele é mais conhecido por seu famoso discurso de 2003 no Conselho de Segurança da ONU, no qual afirmou ter evidências de que Saddam Hussein, o líder do Iraque na época, tinha armas de destruição em massa. O objetivo dessa mentira flagrante era fazer com que a opinião pública fosse a favor da invasão do Iraque.
A invasão e a guerra que se seguiu e a guerra civil devastaram totalmente o país e mataram cerca de 300.000 iraquianos, a maioria civis... [ler mais]
Chile: As complexas condições sanitárias em que vivem os prisioneiros da Revolta (María José Eguren) 10-2021
«Dois anos se passaram desde que as prisões começaram no contexto de agitação social e extensas prisões preventivas foram protagonistas do desenvolvimento da história pós-18O. Relatórios da Equipe Colaboradora de Saúde da Faculdade de Medicina têm alarmado as condições sanitárias em que se encontram os presos da revolta, bem como a população carcerária em geral. Problemas com a empresa concessionária, excesso de burocracia e a recente retirada do apoio do Departamento de Direitos Humanos da Colmed à equipe colaboradora após as reportagens publicadas, são alguns dos problemas que os familiares dos presos da revolta tiveram ao buscar melhores condições para seus entes queridos privados de liberdade.
Passaram-se dois anos desde o histórico 18 de outubro de 2019 e um dos grandes slogans  que continua a ser reivindicado nas ruas e nas principais instituições competentes  é a libertação de reclusos em contexto de eclosão social. Mas a busca pela amnistia via lei é apenas uma de suas arestas... [ler mais]
Indonésia - 'Eliminar o cancro comunista': como Londres incitou e ajudou a encobrir o massacre de cerca de 3 milhões de pessoas (Resumo da América Latina) 10-2021
«Em plena Guerra Fria, uma emissora e um boletim controlados por um serviço de propaganda do Reino Unido se dedicaram a atacar os movimentos de esquerda e exigiam seu extermínio.
O  Departamento de Pesquisa de Informação  (IRD) do Reino Unido, o serviço secreto de propaganda do país durante a Guerra Fria, promoveu e depois ocultou o extermínio de até três milhões de partidários do Partido Comunista da Indonésia (PKI) e de movimentos de esquerda na década de 1960, de acordo com  documentos  desclassificados  e citados pelo The Guardian.
De acordo com jornais publicados recentemente pelo Ministério das Relações Exteriores, a operação - que começou no início de 1965 - previa que um grupo de oficiais britânicos, liderado por Ed Wynne, criaria uma estação e um boletim informativo dirigido por supostos dissidentes indonésios... [ler mais]
O Marx de Klaus Schwab: um feiticeiro com os poderes do submundo (Joaquin Flores) 10-2021
«De Marx encontramos classe dominante que da modernidade, decorrente formalmente em poder como os financiadores da 1ª Revolução Industrial, tinha convocado a partir do submundo através de sua complexidade, que a lógica do seu processo constitui uma consciência artificial fora do controle da própria sociedade industrial.
Assim, o início da 4ª Revolução Industrial está no precipício da modernidade tardia e da pós-modernidade, trazendo as marcas da velha sociedade, na grande divisão diante de um novo paradigma que se situa além do controle, compreensão e interesses da classe dominante da modernidade.
O objetivo de Klaus Schwab é ser o feiticeiro que pode controlar, compreender e administrar os espíritos do submundo no próximo paradigma, enquanto delimita a destruição e as contradições que tais empreendimentos tiveram em épocas históricas anteriores... [ler mais]
Os acordos e as desavenças pela disputa do pote 10-2021
Assiste-se a um coro de lamúrias. Para a Ordem dos Contabilistas, a Proposta do Orçamento do Estado é "pouco virada" para as empresas; as consultoras financeiras acham que "para o setor empresarial, a proposta de orçamento pode ser curta"; o sector da restauração diz que OE2022 “pode ditar fim de muitas empresas”; um jornal dos negócios do capital diz que: “Mercado pede um OE com mais PRR e menos impostos”.
Parece o muro das lamentações, apesar do OE reservar 700 milhões para apoios covid às empresas, mais 200 milhões de subsídios a fundo perdido para “premiar postos de trabalho mantidos através do Incentivo à Normalização”, para além do já prometido e realizado. Não será por acaso que o ministro da Finanças veio culpar o vírus por 40 mil milhões de euros de défice, ou seja, 20% do PIB para o próximo orçamento, e que foi quase todo enfiado no bolso das grandes empresas e não apenas das do sector farmacêutico e da saúde.
Mas, claro, como também popularmente se diz, “quem não chora não mama”, e os diversos abutres que sobrevoam o produto da exploração exercida sobre o povo não se cansam de grasnar. Não há saciedade possível para o apetite: dos 16.644 milhões de euros do PRR, cerca de 5 mil milhões são para apoios directos às empresas, onde se inclui a recapitalização de empresas falidas, valor que, segundo Costa, pode chegar aos 7 mil e 200 milhões de euros. Ainda haverá a possibilidade de o governo pedir emprestado mais 2. 300 milhões. É o fartar vilanagem!... [ler mais]
A transição "verde" do capitalismo: um conto ecológico para continuar predando o planeta (Cristóbal García Vera) 10-2021
«Como um viciado em heroína que não consegue abrir mão da substância que vai acabar com sua vida e até mesmo admitir que é o uso que o levará a esse fim catastrófico. A nossa civilização trabalha com esse grau de nebulosidade irracional, presa na espiral destrutiva de um sistema económico e social - o capitalismo - que tem a necessidade de crescer indefinidamente num planeta cujos recursos naturais e capacidade de assimilar os efeitos de tal crescimento são inevitavelmente finitos...
 É por isso que os responsáveis por produzir e reproduzir a ideologia dominante, necessária para sustentar esta formação socioeconómica, se empenham em fazer-nos acreditar que poderíamos alcançar um crescimento ou desenvolvimento "sustentável" simplesmente graças aos "avanços da ciência", e sem afastar o cancro que gera uma crise ambiental que se agrava cada vez mais. As sucessivas "Cimeiras da Terra" e reuniões internacionais para supostamente lutar contra as "mudanças climáticas". Eles ajudam a criar a ilusão de que, de facto, os líderes e aqueles que os governam "agora se conscientizaram” da situação e estão começando a agir a respeito... [ler mais]
O poder político do Facebook (Thierry Meyssan) 10-2021
«No imaginário global, o Facebook seria uma rede social responsável que permite a todos conectarem-se confidencialmente enquanto em simultâneo censura mensagens contrárias às leis locais. Na prática, é completamente diferente. O Facebook colecta informações sobre vocês para a NSA, censura as vossas opiniões e fabrica o seu próprio dinheiro. Em poucos meses, esta empresa tornou-se um dos mais influentes actores da política mundial. (...)
O Facebook emite agora a sua própria moeda, a Libra, tal como um Estado. Esta está ligada a um cesto de divisas composto em 50 % por dólares, 14 % de ienes, 11 % de libras esterlinas e 7 % de dólares de Singapura.
Tornando-se um banco cuja moeda é progressivamente aceite pelos sítios de venda Internet, o Facebook construiu uma economia paralela, simultaneamente virtual e global, mais importante que a economia de muitos Estados... [ler mais]
A Rainha de Copas II - A semelhança entre o sexo e a vacinação (Matt Ridley) 10-2021
«A semelhança entre o sexo e a vacinação. Neste ponto os sabichões atentos entre os meus leitores estarão a ferver de impaciência face à minha negligência em relação ao sistema imunitário. A maneira normal de combater uma doença, salientam, não é através da reprodução sexuada, mas sim através da produção de anticorpos, por vacinação ou por outro processo. O sistema imunitário é uma invenção muito recente em termos evolutivos: começou nos répteis há talvez 300 milhões de anos. As rãs, os peixes, os insectos, as lagostas, os caracóis e as pulgas-de-água não possuem sistemas imunitários. Mesmo assim, existe agora uma teoria engenhosa que casa o sistema imunitário com o sexo numa Rainha de Copas abrangente. Hans Bremermann, da Universidade da Califórnia em Berkeley, é o seu autor e defende de um modo fascinante a interdependência entre os dois. O sistema imunitário, salienta, não funcionaria sem o sexo.
O sistema imunitário consiste em glóbulos brancos, dos quais existem cerca de 10 milhões de tipos diferentes. Cada tipo tem uma fechadura proteica, chamada anticorpo, que corresponde a uma chave, chamada antígeno, transportada por uma bactéria. Se uma chave entra nessa fechadura, o glóbulo branco começa a multiplicar-se furiosamente, de modo a produzir um exército de glóbulos brancos, para devorar o invasor transportador da chave, seja ele um vírus da gripe, uma bactéria da tuberculose ou até mesmo as células de um coração transplantado. Mas o corpo tem um problema... [ler mais]
Pandora Papers. Governo dos EUA fornece lote de documentos denunciando pessoas que odeia (Moon of Alabama) 10-2021
«As transacções secretas e activos ocultos de algumas das pessoas mais ricas e poderosas do mundo foram expostas pela maior violação de dados offshore da história.
Baptizado de "Pandora Papers", o dossier inclui 11,9 milhões de arquivos de empresas contratadas por clientes de alto património líquido para criar estruturas offshore e trustes em paraísos fiscais como o Panamá, Dubai, Mónaco, Suíça e Ilhas Cayman...
Os arquivos foram divulgados ao Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (ICIJ) em Washington. Este último compartilhou o acesso aos dados divulgados com parceiros de media seleccionados, incluindo o Guardian, BBC Panorama, Le Monde e o Washington Post. Mais de 600 jornalistas vasculharam os arquivos numa investigação mundial em grande envergadura. Esses Pandora Papers representam a última - e a mais importante em termos de volume de dados - numa série de grandes fugas de dados financeiros que atingiram o mundo offshore desde 2013. (...)
Mas há pelo menos dois indícios importantes de que estes "Pandora Papers" fazem parte, como os "Panamá Papers" há cinco anos e os "Paradise Papers" há quatro anos, de uma "operação de manipulação de informação" levada a cabo pelos suspeitos habituais dos 5 olhos, dos serviços secretos dos Estados Unidos, do Reino Unido, do Canadá, Austrália e Nova Zelândia.
Em 3 de Junho de 2021, a Casa Branca realizou uma conferência de imprensa, liderada por altos funcionários da administração, sobre a luta contra a corrupção... [ler mais]
Guterres e a grande restauração: como o capitalismo se tornou uma bomba-relógio (Matthew Ehret) 10-2021
«Durante a sessão 76 da Assembleia Geral das Nações Unidas em 20 de setembro de 2021, o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, lançou um terrível alerta, dizendo:
“Estou aqui para fazer soar o alarme. O mundo deve acordar. Estamos à beira de um abismo - e nos movendo na direção errada. Nosso mundo nunca foi mais ameaçado ou dividido. Enfrentamos a maior cascata de crises de nossas vidas... Um superávit em alguns países. Prateleiras vazias em outros. Esta é uma acusação moral do estado de nosso mundo.”
Embora essas palavras apareçam como muito verdadeiras na superfície, sentado como estamos em cima de um colapso sistémico da economia mundial e do potencial colapso dos níveis populacionais jamais visto desde os dias da 14ª idade escura do século, vale a pena perguntar: Quais são as principais causas para o colapso em um abismo que tanto preocupa Guterres? É o neocolonialismo administrado por uma oligarquia financeira que manteve a maioria do sul global pobre, endividado, faminto, dividido e em guerra? Ele está preocupado com a tendência de hegemonia nuclear de primeiro ataque de espectro total pelos unipolaristas anglo-americanos? Ou é o colapso imanente da bolha financeira de US $1,2 quatrilhão disfarçada de economia ocidental?
Na verdade, não é nenhuma dessas coisas. Na mente de Guterres, as crises existenciais que exigem uma revisão total de todo o comportamento, pensamento e tradições coletivas humanas são moldadas pela ebulição da terra causada pelo aquecimento global antropogénico (que tem menos a ver com CO2 antropogénico do que você pode imaginar) e uma pandemia com uma taxa de sobrevivência de 99,8%. Que tipo de solução Guterres imagina?... [ler mais]
Vasco da Gama: o massacre dos peregrinos e outras atrocidades 10-2021
«A vinte e nove de setembro de 1502, naus portuguesas avistaram na costa indiana um barco com centenas de pessoas que regressavam de Meca para Calecute. Vasco da Gama procurava há dias atacar peregrinos muçulmanos que ali passavam e tinha um plano sanguinário para os que se encontravam a bordo desta embarcação: «andando algumas das nossas naus em procura das que vinham de Meca, a S. Gabriel se encontrou com uma de Calecute que dali voltava com duzentos e quarenta homens, sem falar nas mulheres e crianças, que eram bastantes, e que todos voltavam daquela peregrinação: deu-lhes logo caça, e tendo disparado alguns tiros de bombarda, para logo se renderem».
Os passageiros estavam indefesos e logo pediram misericórdia, oferecendo todas as riquezas que tinham a bordo e ainda mais, para sobreviverem: «O Almirante  via o que se passava por uma escotilha, e algumas mulheres tomavam nos braços seus filhinhos e os levantavam ao ar persuadindo-o assim a que tivesse piedade daqueles inocentes; os homens faziam igualmente sinal com a cabeça que se queriam resgatar a todo o custo; e é certo que com a riqueza que havia naquela nau, se podiam tirar do cativeiro quantos cristãos estão presos no Reino de Fez, e ainda sobraria muito para El Rei N.S.» ... [ler mais]
O mais recente golpe da grande indústria farmacêutica (Thom Hartmann) 10-2021
«Molnupiravir é a nova pílula que está em todos os noticiários recentemente porque pode reduzir as hospitalizações e mortes... Foi originalmente desenvolvido pela Emory University para tratar cavalos infectados com encefalite eqüina venezuelana com uma bolsa de US $10 milhões do Departamento de Defesa e US $19 milhões do National Institutes of Health. Por outras palavras, sua invenção foi paga com seus impostos.
A Emory University repassou a patente do molnupiravir a uma pequena empresa, a Ridgeback Biotherapeutics, que por sua vez a repassou à gigante farmacêutica Merck. O custo de fabricação do molnupiravir, de acordo com um relatório de pesquisadores da Harvard School of Public Health, é de cerca de US $ 17,74 para um tratamento de 5 dias. A Merck acaba de assinar um contrato com o governo federal para vender 1,7 milhões de doses de tratamento para o governo distribuir às pessoas infectadas por ... espere ... $712,00 cada.
Essa correria de preços foi possível - e, ironicamente, talvez ilegal - por uma lei aprovada em 1980 que deu às universidades a capacidade de vender patentes de invenções financiadas com dinheiro federal para organizações sem fins lucrativos e pequenas empresas... mas não para grandes corporações. Desde então, pequenas empresas como a Ridgeback têm servido como intermediários, transferindo produtos farmacêuticos lucrativos desenvolvidos com nossos dólares de impostos para corporações gigantes como a Merck... [ler mais]
Uma resposta aos laboratórios biológicos americanos e aos programas militares secretos (Vladimir Platov) 10-2021
«A expansão descontrolada da rede de laboratórios biológicos militares secretos dos EUA ao longo das fronteiras da Rússia é uma questão que preocupa não só Moscovo, mas também muitas repúblicas pós-soviéticas e a comunidade internacional. Até agora, os Estados Unidos criaram uma verdadeira teia de laboratórios biológicos secretos em todo o mundo. Desde 1997, o Pentágono atraiu mais de 30 países para este programa como parceiros nesta "iniciativa" americana. Sem mencionar as 400 instalações localizadas no território continental dos Estados Unidos que também estão envolvidas em trabalhos de agentes patogénicos. Vários vírus e bactérias são capazes não só de matar civis, mas também de causar pânico e consequências económicas desastrosas. O uso constante destas "tropas invisíveis" pode minar qualquer país, mesmo um país poderoso. O uso de agentes patogénicos torna-se assim uma ferramenta soberba para a sabotagem. E os Estados Unidos parecem ter entendido isto perfeitamente. Na verdade, ninguém está a seguir os passos da unidade japonesa 731 na tentativa de largar bombas cerâmicas cheias de pulgas, porque no mundo moderno, trabalhar com vectores patogénicos locais está em primeiro plano. Mosquitos, moscas e outros insectos não reconhecem as fronteiras do Estado e são capazes de trazer para a Rússia ou para a China, países oficialmente designados por Washington como "os principais adversários dos Estados Unidos", particularmente as estirpes perigosas de vírus e bactérias... [ler mais]
A agenda verde “Farm to Fork”: Como a UE e o plano de cabala do WEF de Davos quer controlar a agricultura (F. William Engdahl) 10-2021
«Sempre que ouvimos a palavra “sustentável”, seria bom dar uma olhada crítica por trás das palavras bonitas que soam. No caso da Agenda 2030 globalista com seus 17 objetivos sustentáveis até 2030, aquele para criar uma "agricultura sustentável", quando analisado de perto, destruirá uma grande parte da produção agrícola da UE e fará com que os preços globais dos alimentos já em alta subam ainda mais. A Comissão da UE chama seu Acordo Verde para alimentos de um título fofo, “Da fazenda para o garfo”. Ele está sendo apoiado pelo onipresente Fórum Económico Mundial de Klaus Schwab e sua Grande Restauração.
Lembre-se de que sustentável, conforme definido pela ONU e pelo Fórum Económico Mundial de Davos, significa alcançar emissões de carbono zero até 2050.
No entanto, não há nenhum estudo científico que prove de forma independente que o CO2 está colocando nosso planeta em perigo ao criar o aquecimento global. Apenas miríades de modelos de computador duvidosos e bem financiados.
O gás inofensivo é essencial para toda a vida humana, animal e vegetal. Agora, a Comissão da União Europeia está promovendo uma agenda radical de cima para baixo no coração da agricultura do segundo mais importante produtor de alimentos do mundo como parte de seu mal concebido Acordo Verde da UE... [ler mais]
O blackout do Facebook revela o verdadeiro poder das grandes empresas de tecnologia (Lucas Leiroz) 10-2021
«Nesta segunda-feira, 4 de outubro, o mundo sofreu um episódio bastante inusitado: um grande apagão das redes sociais. Facebook, Whatsapp, Instagram e várias outras redes ficaram offline em todo o mundo por mais de sete horas. Longe de afetar apenas pessoas viciadas em redes sociais, o apagão teve forte impacto na economia, prejudicando várias empresas que dependem do uso dessas redes para operar seu marketing. Paralelamente, várias suspeitas permanecem, abrindo caminho para teorias da conspiração sobre os reais motivos do colapso temporário das redes. (...)
Mas o que é mais notável é outro fator. Nos últimos dias, o mundo ficou chocado depois que ex-funcionários do Facebook vazaram informações confidenciais que revelam que a empresa tem uma política de priorizar o lucro em vez da segurança.
Uma série de milhões de documentos popularmente conhecidos como “Arquivos do Facebook” veio à tona, revelando algumas das informações mais confidenciais da empresa. O caso ainda está intimamente relacionado ao escândalo dos “Pandora Papers”, que foram um recente vazamento de informações sobre negócios offshore detidos por empresários e políticos em paraísos fiscais, longe da legislação tributária... [ler mais]
As eleições, a justiça e o regime 09-2021
«O resultado das autárquicas, vendo bem, não surpreendeu ninguém que tenha olhos de ver da política do reino à beira-mar plaantado. Costa, ainda antes de se saber o resultado do concelho de Lisboa, veio arrotar vitória, com o PS a ganhar a maioria das câmaras. Claro que o homem já conhecia a derrota na capital, mas teve que fazer o número de circo. O principal partido da oposição, ainda o partido por excelência da burguesia, arrecadou o maior número das principais cidades, com excepção do Porto, e Coimbra foi emblemático, atendendo aos recursos propagandísticos alocados pelo PS/governo.
O PCP não tem maneira de aprender e continua a perder eleitorado e influência em autarquias emblemáticas, Loures foi um golpe irrecuperável, não querendo perceber que apoiar o comité de negócios do grande capital, que é o governo PS/Costa, e o capitalismo em geral lhe será fatal. Os partidos da extrema-direita continuam à espera de altura mais propícia, mantendo entretanto a sua função de distração; bem como o BE, cuja influência não ultrapassa a pequena-burguesia dos dois grandes centros urbanos do país, mas que ainda sonha ser governo. Todos os partidos do regime perderam, ganhou a abstenção
E nesta semana de rescaldo eleitoral, um dos maiores burlões do reino pôde sair livremente do país para não cumprir os 19 anos de prisão efectiva (tempo das três penas a que já foi condenado), tendo faltado apenas, como já disse alguém, a justiça ter-lhe marcado e pagado a viagem. Estes dois acontecimentos, resultados da eleições autárquicas e fuga do burlão, espelham bem a natureza da nossa democracia... [ler mais]
A crise energética europeia está prestes a tornar-se global (Irina Slav) 09-2021
«Na verdade, era apenas uma questão de tempo. Num mundo globalizado, as restrições de energia dificilmente podem permanecer regionalmente contidas por muito tempo, especialmente num contexto de cadeias de suprimentos danificadas e uma corrida para cortar investimentos em combustíveis fósseis. A crise de energia que começou na Europa no início deste mês pode agora estar a caminho da América. Por enquanto, está tudo bem com um dos maiores produtores de gás do mundo. Os exportadores de gás dos EUA desfrutaram de um sólido aumento na demanda da Ásia e da Europa, uma vez que a recuperação da atividade econômica aumentou a demanda por eletricidade. De acordo com um relatório recente do Financial Times, há uma verdadeira guerra de licitações para cargas americanas de gás natural liquefeito entre compradores asiáticos e europeus - e os asiáticos estão vencendo.
As exportações de carvão também estão crescendo, e já há algum tempo, especialmente depois de uma briga política em que a China evitou o carvão australiano. Mas a oferta está ficando mais restrita, relatou a Argus no início deste mês. Em julho, de acordo com o relatório, as exportações de carvão metalúrgico dos EUA caíram até 20,3% em relação a junho. O relatório observou que a oferta foi limitada pelo acesso limitado dos produtores ao financiamento e pela escassez de mão de obra que afetou muitas indústrias em meio à pandemia... [ler mais]
Nicki Minaj: a celebridade que pulou a festa de gala da Met por causa do mandato da vacina e desmascarou a hipocrisia elitista (Robert Bridge) 09-2021
«Nicki Minaj, a rapper nascida em Trinidad que lançou uma série de sucessos trash na última década, é provavelmente a última pessoa sobre a qual pensei que escreveria. Ao mesmo tempo, é provável que muitos leitores desta publicação já tenham ouvido falar dessa estrela do hip-hop também. Até a semana passada, claro.
A história começa no início de setembro, quando Minaj anunciou que não compareceria ao evento de arrecadação de fundos Met Gala no Metropolitan Museum of Art na cidade de Nova York devido à exigência da vacina Covid-19. Inofensivo o suficiente, certo? Afinal, 'meu corpo, minha escolha'; se um cidadão de uma democracia chega à conclusão de que não deseja receber um medicamento por cortesia da indústria farmacêutica, todos devem respeitar essa decisão e seguir em frente. Infelizmente, aqueles dias de livre escolha estão chegando rapidamente ao fim.
Eles querem que você seja vacinada para o Met, se eu for vacinada não vai para o Met. Será assim que eu senti e que pesquisei o suficiente. Estou trabalhando nisso agora. Enquanto isso, meus amores, fiquem seguros. Use a máscara com 2 cordas que prendem sua cabeça e rosto. Não aquele solto. - Nicki Minaj (@NICKIMINAJ) 13 de setembro de 2021... [ler mais]
Gangsterismo imperialista e a trama da CIA para matar Julian Assange (Thomas Scripps) 09-2021
«As revelações de que a CIA discutiu o assassinato do fundador do WikiLeaks, Julian Assange, confirmam a impressionante criminalidade da classe dominante dos EUA e da Grã-Bretanha. Por direito, eles deveriam ver o caso de extradição dos EUA contra Assange ainda em processo pelo Tribunal Superior do Reino Unido rejeitado, e a investigação e julgamento dos conspiradores até o mais alto nível dos governos dos EUA e do Reino Unido e suas agências de inteligência.
De acordo com uma investigação do Yahoo News publicada no domingo, o diretor da CIA do presidente Donald Trump, Mike Pompeo, batizou o WikiLeaks de “serviço de inteligência hostil não estatal” em 2017 para tornar seus funcionários e associados um alvo legítimo para as atividades de “contra-espionagem ofensiva” da CIA.
Pompeo então pediu que planos fossem traçados para o sequestro ou assassinato de Assange. O relatório é baseado em informações de mais de 30 fontes americanas. Tanto Pompeo quanto a CIA se recusaram a comentar... [ler mais]
A crise do capitalismo na China: Evergrande (Pela imprensa) 09-2021
«Em frente à sede do grupo Evergrande em Shenzhen, no sul da China, quarta-feira, 15 de setembro, os manifestantes gritam "dê-nos o nosso dinheiro!" Eles temem a falência da  principal incorporadora imobiliária do país. O grupo é  esmagado por uma dívida  de quase 260 bilhões de euros. Uma falência brutal que lembra um pouco o episódio do  Lehman Brothers nos Estados Unidos em 2008.  Alguns estão pedindo para conseguir recuperar o dinheiro pago pelo apartamento, que provavelmente nunca será concluído. Todos os sites estão parados, o que representa mais de um milhão e meio de moradias não entregues.  Mulher testemunha em lágrimas nas redes sociais, ela reivindica o reembolso das somas colocadas  num fundo de investimento da Evergrande. “Viemos aqui para pedir uma solução ao grupo Evergrande”, explica ela. Quase não temos energia para continuar agora, todos os meses temos que pagar nossas dívidas. “Perdemos tudo! Você não pode sobreviver. Centenas de milhares de subcontratados também estão esperando para serem pagos." Somos empresários e  estamos aqui para receber o nosso pagamento. Devemos cerca de 37 milhões de yuans no total." Diz um deles durante uma demonstração. 37 milhões de yuans, são quase 5 milhões de euros. Esses empresários estão convencidos de que nunca serão reembolsados se o grupo for à falência... [ler mais]
Ministério Público se opõe à concessão de indulto a Pablo Hasél por "reincidência" (Nura Portella) 09-2021
«A acusação opõe-se à concessão de um  perdão a Pablo Hasél  por ser um "reincidente". A Acadèmia Catalana de la Música e seu presidente, Gerard Quintana, solicitaram esta medida graciosa em fevereiro. Isso foi confirmado pela defesa do rapper, que lembrou que Hasél já foi condenado pelo Tribunal Nacional em 2014 pelo  crime de desculpas por terrorismo, o mesmo pelo qual está agora preso. É precisamente esta reincidência que faz com que a acusação considere que o cantor não pode beneficiar do perdão.
Além disso, segundo o jornal Ara, o Ministério Público justifica a sua decisão com uma denúncia de conduta da penitenciária de Ponent, onde Hásel está preso. De acordo com a carta, desde que o rapper entrou na prisão, nenhum processo disciplinar foi aberto  e “ele sempre mostrou uma atitude correta e adaptação aos regulamentos”. Diante do bom comportamento, o presídio propôs iniciar um programa de tratamento individual (PIT), mas ao qual Hasél se opôs.
Em qualquer caso, a oposição da acusação ao perdão não implica necessariamente que o governo, em última análise, não conceda a Hásel a medida da graça. Esta é uma decisão executiva que foge à posição dos outros órgãos... [ler mais]
A burguesia nervosa açula os cães 09-2021
«Para que o negócio (das vacinas) não seja estorvado, bem como as intenções do governo de controlo social e de recapitalização das empresas falidas, ao mesmo tempo que se facilita a acumulação e concentração capitalista, é obrigatório pôr os recalcitrantes na ordem. Se as invectivas de “negacionistas”, de “anti-vacinas” e de “chalupas” não funcionam, haverá então que utilizar a força e, a pretexto dos “insultos” à segunda figura do estado e da “arrogância” sobre as forças policiais, já se começou com a vigilância policial/pidesca sobre os perigosos revoltosos. A sanha censória sobre as opiniões mais inconvenientes reforça-se, como aconteceu há pouco com o jornal do regime e propriedade da família de novos ricos Azevedo (recebeu 314.855,38 euros à pala da "compra de publicidade institucional"!), que não hesita em usar o que acusa aos outros, a difamação. A historiadora Raquel Varela ousou criticar a censura do jornal feita a artigo de médico (aliás, cronista habitual) que se insurgiu sobre a vacinação dos jovens, é agora vilipendiada em praça pública, com falsidades que irão ser desmontadas em tribunal. E é a Ordem dos Médicos, que só este ano recebeu mais de 400 mil euros dos laboratórios farmacêuticos, que abriu processo disciplinar a Fernando Nobre pelas declarações proferidas sobre as vacinas. É toda uma matilha de cães raivosos, babando ódio e sangue, alçados nos órgãos de comunicação social corporativos e mercenários a atacar quem não segue a cartilha do “não há alternativa” quanto à estratégia do combate à pandemia e à política do governo. Será o treino para reprimir o verdadeiro inimigo de classe, os operários e os trabalhadores em geral, quando estes se erguerem numa revolta a sério. É disso que a nossa burguesia tem medo... [ler mais]
Os invernos vulcânicos e as erupções deste ano (Manuel Fernandes) 09-2021
«A outra agenda do capitalismo, para além da pandemia covid-19, são "as alterações climáticas provocadas pela acção humana", apresentadas como se todos os humanos fossem responsáveis, e não pela economia capitalista que é a realidade sempre ocultada, ou as alterações climáticas não fossem uma constante no planeta desde a sua origem.
Este ano de 2021 parece ir contrariar um pouco os defensores da agenda do aquecimento global, apesar de ter havido uma intensificação da actividade solar, é que já entraram em erupção nada menos do que oito vulcões: nas Caraíbas (La Soufrière na ilha de S. Vicente), na Costa Rica (Rincón de la Vieja), na República Democrática do Congo (Monte Nyiragongo), na Indonésia (Monte Merapi e Monte Semeru e onde há 130 vulcões activos), na Islândia (Monte Fagradalsfjall, estando em actividade há mais de seis meses!) e agora nas Canárias (Cumbre Vieja) e na Sicília (Etna, que está em actividade intermitente desde o princípio do ano). E no mês de Dezembro de 2020 tinham entrado em erupção três: Fuego e Pacaya, no sul da Guatemala, e White Island na Nova Zelândia.
Esta actividade está a produzir uma enorme quantidade de cinzas e de gases que ficarão na estratosfera, levando à formação de um “chapéu” que impedirá a passagem dos raios solares e, assim, conduzindo ao arrefecimento do planeta... E será devido à erupção pouco vulgar de vários vulcões, em curto período de tempo e em quase simultâneo, que este Inverno possa vir a ser um Inverno particularmente frio e rigoroso. E não tendo nada a ver com a concentração do CO2.... [ler mais]
Do 11 de Setembro à Covid: a recusa do debate (Thierry Meyssan) 09-2021
«O enigma do 11-de-Setembro não é uma questão do passado. A nossa compreensão dos vinte últimos anos depende da resposta que se lhe dê. Enquanto não tivermos debates com contraditório entre os defensores das duas versões, reproduziremos esta fractura sobre todos os assuntos mundiais.
Vivemos actualmente uma outra catástrofe, a pandemia de Covid-19. Todos vimos um grande laboratório, o Gilead Science, corromper os editores da revista médica The Lancet para que eles denegrissem um medicamento, a hidroxicloroquina. A Gilead Science é a empresa que antigamente era dirigida pelo Secretário da Defesa do 11-de-Setembro, Donald Rumsfeld. Fora também ela que produziu um medicamento contra a Covid-19, o Remdesivir. Seja como for, ninguém mais ousou procurar medicamentos para tratar o Covid. Todos se viraram com esperança para as vacinas.
Donald Rumsfeld havia encarregado os seus colaboradores de elaborar protocolos em caso de um atentado bioterrorista contra as bases militares dos EUA no estrangeiro. Depois ele pediu a um deles, o Dr. Richard Hachett, que era membro do Conselho de Segurança Nacional dos EUA, para generalizar este protocolo em caso de ataque contra a população civil dos EUA. Foi este homem quem propôs a confinar obrigatoriamente as populações sãs, provocando um levantar de alarme dos médicos norte-americanos, com o Professor Donald Henderson, da Universidade Johns Hopkins, à cabeça [3]. Para eles Rumsfeld, Hatchett e seu conselheiro, o alto funcionário Anthony Fauci, eram inimigos do juramento de Hipócrates e da Humanidade... [ler mais]
Euskal Herria: Alfonso Sastre, dramaturgo, ensaísta, poeta e activista basco, morre aos 95 anos (Gotzon Aranburu) 09-2021
«Alfonso Sastre faleceu aos 95 anos. Nasceu em Madrid e aí desenvolveu uma intensa atividade literária desde a juventude, com destaque para o teatro. Em ambos os campos, como na poesia e na narrativa, há uma profunda preocupação social e política que se desenvolveu em Euskal Herria.
O olhar lúcido e comprometido de Alfonso Sastre desbotou nesta sexta-feira, aos 95 anos. Ele morreu em Hondarribia, onde residiu todos estes anos.
Sastre nasceu em Madrid, a 20 de Fevereiro de 1926, e aí desenvolveu uma intensa atividade literária desde a juventude, com destaque para o teatro, mas sem descurar a sua faceta ensaística. Em ambos os campos, como na poesia e na narrativa, que ele também cultivou, uma profunda inquietação social bate desde o início, que no contexto da época torna-se inevitavelmente um protesto anti-Franco... [ler mais]
O vestido de Alexandria Ocasio-Cortez “Tax the Rich” é um “protesto de designer” destinado à enfadonha luta de classes (Jonathan Cook) 09-2021
«Aqueles que a convidaram para o evento de gala e aqueles que passaram a noite esfregando os ombros com ela não parecem ter ficado muito preocupados com sua mensagem de "Taxe os ricos". E não é porque eles realmente querem pagar mais impostos. É porque eles entendem que nada que ela esteja fazendo - incluindo o protesto do vestido - os levará a pagar mais impostos. Na verdade, ela pode até mesmo ajudá-los a evitar esforços para tributá-los de forma justa.
Por ter AOC em seu evento, a elite liberal de Nova York parece ter a mente aberta e socialmente progressista. Eles querem apresentar uma imagem de preocupação social, de ser reformistas, mesmo enquanto acumulam sua riqueza e a desperdiçam em um assento em um jantar de gala exclusivo cujo preço poderia sustentar uma família pobre por um ano inteiro.
Se o protesto de AOC fosse uma ameaça, os participantes não estariam rindo com ela. Ela desempenhou seu papel perfeitamente, fazendo uma pergunta - mas certamente não respondendo - sobre “o que significa ser uma mulher negra da classe trabalhadora no Met”... [ler mais]
A grande restauração: como uma 'revolução gerencial' foi tramada há 80 anos por um trotskista que se tornou neocon da CIA (Cynthia Chung) 09-2021
«As raízes da agenda da Grande Redefinição podem ser claramente rastreadas até 80 anos atrás, quando James Burnham escreveu um livro sobre sua visão para “A Revolução Gerencial”, escreve Cynthia Chung:
Klaus Schwab, o arquiteto do Fórum Econômico Mundial (f. 1971), um líder, senão o líder, influenciador e financiador do que definirá o curso da política econômica mundial fora do governo, tem sido causa de muita preocupação e suspeita desde seu anúncio da agenda “The Great Reset” na 50ª reunião anual do WEF em junho de 2020.
A iniciativa Great Reset é um apelo um tanto vago para a necessidade de as partes interessadas globais coordenarem uma "gestão" simultânea dos efeitos do COVID-19 na economia global, que eles estranhamente denominaram de "pandenomia". Isso, somos informados, será o novo normal, a nova realidade à qual teremos que nos ajustar no futuro previsível.
É preciso saber que, quase no início, o Fórum Econômico Mundial alinhou-se ao Clube de Roma, um think tank de elite, fundado em 1968, para tratar dos problemas da humanidade. Foi concluído pelo Clube de Roma em seu extremamente influente “Limits to Growth”, publicado em 1972, que tais problemas não poderiam ser resolvidos em seus próprios termos e que todos estavam inter-relacionados... [ler mais]
A “Vacina” Covid-19 e o Código de Nuremberga: Crimes contra a humanidade? (Michel Chossudovsky) 09-2021
«A vacina está sendo aplicada em todo o mundo. A população-alvo é de 7,9 bilhões. Várias doses são contempladas. É o maior programa de vacinação da história mundial. As “Diretrizes” da OMS para estabelecer um Sistema Mundial de Informações Digitais para a emissão dos chamados “Certificados Digitais para Covid-19” são generosamente financiadas pelas fundações Rockefeller e Bill e Melinda Gates
Big Pharma: Pfizer busca domínio mundial: O projeto de vacina global intitulado COVAX é coordenado mundialmente pela OMS, GAVI, CEPI, a Fundação Gates em ligação com o Fórum Econômico Mundial (WEF), o Wellcome Trust, DARPA e Big Pharma que é cada vez mais dominado pela parceria Pfizer-GSK estabelecida apenas quatro meses antes do início da crise da Covid-19 no início de janeiro de 2020.
A Pfizer – que tem ficha criminal no Departamento de Justiça dos Estados Unidos – está desempenhando um “papel quase monopolista” na comercialização da “vacina” de mRNA. Já na UE, a Pfizer está programada para entregar 1,8 bilhões de doses, o que equivale a quatro vezes a população da União Europeia. Em uma decisão histórica do  Departamento de Justiça dos Estados Unidos em setembro de 2009, a Pfizer Inc. se declarou culpada de acusações criminais. Foi  “o maior acordo de fraude em saúde” da história do Departamento de Justiça dos Estados Unidos... [ler mais]
Uma Pandemia de Autoritarismo, como a Cascata de Grãos Vermelhos (Alastair Crooke) 09-2021
«O Afeganistão pretendia ser uma vitrine para o gerencialismo técnico ocidental - uma placa de petri empírica para provar a inevitabilidade histórica da tecnocracia. Sua doutrina afirmava que os mercados livres de alguma forma evitavam a necessidade de política; que big data e gerencialismo "especializado" nos mercados (isto é, nos mercados estendidos a "tudo") eram o ponto crucial para reconfigurar o mundo de uma maneira melhor (ou seja, o meme Build Back Better). Foi, em uma palavra, postulado sobre a previsibilidade dos dados.
Questões políticas e sociais existenciais nesta doutrina, entretanto, deveriam ser matizadas por meio do 'Terceiro Wayismo' (isto é, deixadas sem solução - ou confundidas com respostas fáceis e dinheiro fácil). Ou… 'regulamentado' em conformidade. A resposta para a problemática social foi a computação em nuvem de dados em massa. Com informações suficientes sobre as escolhas humanas passadas, acredita-se que os especialistas podem prever com precisão o comportamento humano, que então pode ser "empurrado" na direção que nossas elites desejam que ele vá. A psicologia comportamental do Nudge, é claro, trata de controle - não de pensamento ativo.
Ainda assim, de forma imprevisível, essa equipe gerencial de "classe mundial" em Cabul, tão consumida pela noção de tecnocracia e gerenciamento de dados em massa, produziu um projeto tão podre e corrupto (enganando o sistema) que entrou em colapso em onze dias. Muitos americanos e europeus mal se recuperaram do choque e continuam negando... [ler mais]
Mikis Theodorakis: uma vida de música e resistência (Muhammed Shabeer) 09-2021
«“Agora, no fim da minha vida, na hora do acerto de contas, os detalhes desaparecem da minha mente e continuam a ser a grande imagem. Portanto, vejo que meus anos mais críticos, fortes e maduros foram passados sob a bandeira do KKE. É por isso que quero deixar este mundo como comunista”. - Da carta pessoal de Mikis Theodorakis enviada a Dimitris Koutsoumbas, Secretário-Geral do Partido Comunista da Grécia (KKE), datada de 5 de outubro de 2020.
Na quinta-feira, 2 de setembro, o renomado compositor grego e ativista político Michail “Mikis” Theodorakis morreu em Atenas aos 96 anos de paragem cardiorrespiratória. Mikis foi um compositor lendário e atuou na resistência grega (1941–1944) durante a Segunda Guerra Mundial e na resistência contra a junta militar grega (1967-74).
As obras de Theodorakis foram censuradas por suas opiniões e atividades políticas. Ele foi preso, torturado e forçado ao exílio... [ler mais]
Chile, 11 de Setembro de 1973: Como falhou a transição pacífica para o socialismo 09-2021
Mas vamos voltar à experiência chilena. O que fazer então o revolucionário diante de uma eleição para presidente, livre e democrática? É evidente que num processo desse, num país como o Chile, não cabe a recusa de participar, sendo descabida qualquer outra alternativa, na medida em que o quadro político-institucional é determinado pelo nível de mobilização, organização e consciência do movimento operário e popular. Se as massas têm ilusões democrático-burguesas, as esquerdas devem trabalhar para que elas percam essas ilusões aguçando a luta de classes para que as limitações da democracia burguesa fiquem nítidas e as massas as superem. Mas chegando lá, conquistando eleitoralmente o poder executivo, o que fazer? Entendemos que um governo da esquerda revolucionária deveria aprofundar a luta de classes; praticar a democracia direta; partir para o enfrentamento institucional; apoiar as mobilizações populares; criar e estimular os organismos de massas, transferindo-lhes poderes efetivos (de gestão e de defesa); inserir os trabalhadores nos órgãos de direção das empresas estatizadas, intensificar o trabalho político nas forças armadas; e criar milícias populares para a defesa do governo. Em suma, tudo o que a Unidade Popular não fez por estar presa à concepção da revolução por etapas, por defender a ordem institucional, por acreditar na revolução por dentro do Estado burguês, por priorizar a luta parlamentar-institucional, por enfatizar o aspecto econômico (estatização) em detrimento do político (gestão operária-popular) e por ter ilusões em relação ao aparelho militar do Estado... [ler mais]
Políticas para exacerbar o medo e a censura na gestão da Covid (Ángeles Maestro) 09-2021
«Com o passar do tempo, a necessária análise retrospectiva das políticas governamentais e dos meios de comunicação revela fatos que dificilmente correspondem aos objetivos de proteção da saúde das populações frente à nova pandemia.
As perguntas são muitas e, como veremos, com algumas exceções, as linhas gerais aplicadas por governos e corporações dos media "ocidentais" (leia-se UE e Estados Unidos) não diferem substancialmente.
1. Medo, confusão e desamparo
A militarização do medo, face à irrupção da crise sanitária, com a presença grotesca de fardados do Exército, Polícia e Guarda Civil em conferências de imprensa para reportar a Covid e a repressão, por vezes brutal, nas ruas, foi adornada com as imagens terríveis de idosos mortos em situação de abandono total, após negação de atendimento na rede pública de saúde. Enquanto isso, os hospitais privados exibiam uma situação de insultante normalidade e eram admitidos figuras públicas e pessoas ricas de todas as idades. As queixas apresentadas por familiares de pessoas mortas por "homicídio imprudente, omissão do dever de socorro e recusa de assistência médica" foram arquivadaspelo Ministério Público.
O resultado foi a criação de uma sensação de catástrofe e risco geral de morte por uma doença com uma taxa de mortalidade geral de 0,8%... [ler mais]
No 20º Aniversário dos Atentados do 11 de Setembro (Thierry Meyssan) 09-2021
«No fim de 2001, eu publiquei uma série de artigos sobre os atentados do 11 de Setembro de 2001, depois um livro, em Março de 2002 [1]. Este foi traduzido em 18 línguas e abriu um debate mundial pondo em causa a verdade da narrativa oficial dos EUA. No entanto, a imprensa internacional recusou debater os meus argumentos e lançou uma campanha acusando-me de «amadorismo» [2], de «conspiracionismo» [3], e de «negacionismo» [4].
Acima de tudo, as autoridades dos EUA e seus apoiantes reduziram o meu trabalho às primeiras páginas do meu livro: a contestação da versão oficial dos atentados. Ora, tratava-se de um livro de ciência política visando denunciar o que esses ataques de falsa-bandeira tornariam possível: a vigilância das populações ocidentais e a guerra sem fim no “Médio-Oriente Alargado”. No presente artigo, vou, pois, passar em revista o que ficamos a conhecer sobre estes atentados nos últimos 20 anos, mas, sobretudo, verificar se os meus prognósticos de 2002 estavam correctos ou não... [ler mais]
Capitaloceno (Ernesto Cano) 09-2021
«A economia baseada no Capitaloceno distribuiu riqueza, meios de subsistência, privilégios e poder de forma desigual. Na era atual, essa desigualdade atingiu níveis obscenos (Oxfam, 2017). Existe um contexto de extrema desigualdade, uma crise climática e ecológica e efeitos muito diferentes para cada pessoa. Nas últimas décadas, os “desastres naturais” atingiram comunidades marginalizadas da Baixa Renda, grupos raciais segregados e, em todos eles, mulheres e crianças de forma mais dura. Basta ver o que acontece nos Estados Unidos - ou no país mais rico - durante a onda de calor em Chicago (1995), ou o período do Katrina em Nova Orleans (2005) e a tempestade Sandy em Nova York (2012). O tempo em que as pessoas de baixa renda nem podiam fugir (Angus, 2016)... [ler mais]
O Afeganistão e o caso da Purdue Pharma são lembretes de que os EUA também são um narco-estado falhado (Richard Eskow) 09-2021
«Alguns comentaristas passaram a descrever o Afeganistão como um "narco-estado fracassado". Embora exata em muitos aspectos, a descrição soa amarga quando usada por oficiais americanos. É como roubar de alguém tudo o que possui e depois acusá-lo de má gestão do dinheiro.
Enquanto isso, em uma decisão de falência que torna uma farsa de "justiça igual para todos", um juiz acaba de conceder imunidade à família multibilionária Sackler de todos os processos futuros decorrentes do papel de sua empresa, Purdue Pharma, em uma epidemia de overdose de drogas que matou pelo menos 1 milhão de americanos. Os Sackler não ficaram apenas enriquecidos com a violação da lei por parte de sua empresa. Como conselheiros, eles eram legalmente responsáveis pelas ações da empresa. Eles permanecerão livres e continuarão sendo bilionários. As pessoas mortas por seus produtos permanecerão mortas... [ler mais]
A máscara da sua escravidão (Roberto Strongman) 09-2021
«A imagem da Escrava Anastácia tem feito várias aparições em vários protestos anti-lockdown recentes em todo o mundo. A forma como a semelhança desta escrava brasileira amordaçada tem sido usada para ilustrar as várias formas de restrições populacionais pandêmicas, particularmente o uso obrigatório de máscaras faciais, tem sido criticada por vários meios de comunicação por sua percepção de apropriação cultural e irreverência para o mundo histórico. Sofrimento dos negros. Este artigo representa uma oportunidade de abordar essa reivindicação de cooptação e de explicar os méritos de iluminar as atuais limitações motivadas pela saúde como, de fato, uma forma de escravidão. 
Anastásia fala no silêncio após as orações, como se telepaticamente. Acho que consigo decifrar pelo som de certas palavras… O silêncio da Anastácia diz: “Fala por mim!”... [ler mais]
A derrota do Império Britânico no Afeganistão (F. Engels) 09-2021
«Em 2 de novembro de 1841, eclodiu a insurreição. A casa de Alexander Burnes foi atacada e ele foi assassinado. O general inglês nada fez e a impunidade reforçou a insurreição. Elphinstone, completamente desamparado, abandonado a todo tipo de conselho contraditório, logo alcançou a confusão que Napoleão descreveu em três palavras: ordem, contra-ordem, desordem. A cidadela de Bala Hissar nem sempre estava movimentada. Algumas empresas foram enviadas contra os milhares de insurgentes e foram derrotadas, encorajando ainda mais os afegãos.
Em 3 de novembro, os fortes próximos ao acampamento foram ocupados. No dia 9, o forte intendente (defendido por apenas 80 homens) foi tomado pelos afegãos e os ingleses ficaram sem provisões para comer. No dia 5, Elphinstone já falava em comprar o direito de sair do país. Na verdade, em meados de novembro, sua indecisão e incapacidade haviam desmoralizado tanto as tropas que nem os europeus nem os sipaios (tropas indianas a serviço dos ingleses) estavam em posição de enfrentar os afegãos no campo de batalha... [ler mais]
Portugal: A rentrée 09-2021
«A rentrée foi marcada este ano por um acontecimento revestindo um simbolismo particular, embora outros se poderão entretanto apontar, que foi a homenagem do governo Costa/PS ao sócio nº1 do PSD, ex-ministro, ex-primeiro-ministro do VII e VIII governos constitucionais, administrador da Celbi e dono do grupo dos media Impresa e, antes do 25 de Abril de 1974 e a convite do outro Marcelo, liderou o que ficou conhecido como a ala liberal do fascismo para fazer ver no estrangeiro que em Portugal até havia democracia já que existia uma “oposição”. O pretexto, tal como já acontecera com a homenagem a Mário Soares, era relembrar os iniciadores da democracia portuguesa: se já havia um papa da democracia, agora teremos possivelmente um paizinho que, dando bem a imagem da nossa burguesia, nunca deixou de esbulhar o Estado.
A homenagem, para além de expor algumas fissuras do regime, acontece num momento em que a burguesia tenta ultrapassar divergências na distribuição dos milhões, que já estão a escorrer de Bruxelas e que serão pagos pelo povo com juros a redobrar... [ler mais]
Os parasitas e os hospedeiros estão estreitamente ligados num abraço evolutivo apertado (Matt Ridley in "Rainha de Copas) 09-2021
«A «grande guerra» de 1914-1918 matou 25 milhões de pessoas em quatro anos. A epidemia da gripe que se lhe seguiu matou 25 milhões em quatro meses (3). Foi apenas uma das últimas de uma série de pestes devastadoras que atingiram a espécie humana após o início da civilização. A Europa ficou de rastos devido ao sarampo depois de 165 d. C., por causa da varíola depois de 251 d. C., pela peste bubónica depois de 1348, pela sífilis depois de 1492, pela tuberculose após 1800 (4). E estas são apenas as epidemias. As doenças endémicas também mataram números ainda mais elevados de pessoas. Tal como todas as plantas estão sob o ataque constante de insectos, também todos os animais são uma massa fervilhante de bactérias esfomeadas à espera de uma oportunidade. No objecto que o leitor orgulhosamente chama o «seu» corpo podem existir mais células bacterianas do que humanas. Podem existir mais bactérias no leitor e em cima do leitor à medida que está a ler este texto do que seres humanos em todo o mundo.
Em anos recentes, os biólogos evolutivos deram consigo cada vez mais a regressarem ao tema dos parasitas. Como Richard Dawkins disse num artigo recente: "Se escutarmos às escondidas as conversas à hora do café em qualquer centro importante de teoria evolutiva actual, constataremos que «parasita» é uma das palavras mais comuns na linguagem... [ler mais]
Por mais de duas décadas, a guerra global contra o terror dos Estados Unidos ceifou quase 1 milhão de vidas e custou US $ 8 trilhões (Murtaza Hussain) 09-2021
«A guerra global contra o terrorismo liderada pelos Estados Unidos já matou quase 1 milhão de pessoas no  mundo e custou mais de US $ 8 trilhões desde que começou, há duas décadas. Esses números surpreendentes vêm de um relatório histórico publicado na quarta-feira pelo Projeto Custos da Guerra da Universidade Brown, um esforço de pesquisa em andamento para documentar o impacto econômico e humano das operações militares pós-11 de setembro.
O relatório - que analisa as taxas de guerras travadas no Iraque, Síria, Afeganistão, Paquistão, Somália e outras regiões onde os EUA estão engajados militarmente - é o mais recente de uma série publicada pelo Projeto de Custos da Guerra e fornece o mais extenso contabilidade pública até o momento das consequências dos conflitos abertos dos Estados Unidos no Oriente Médio, Ásia Central e África, conhecidas hoje como as "guerras eternas"... [ler mais]
Recordar a «Cheia Grande» no Guadiana de 7 Dezembro de 1876 (Aurélio Nuno Cabrita - Barlavento) 09-2021
«Ainda hoje, quem percorre as povoações ribeirinhas do “grande rio do Sul” encontra uma série de placas que atestam a altura, quase inacreditável, que as águas do Guadiana tomaram naqueles dias, seja em Mértola, Alcoutim ou na margem Espanhola. A imprensa da época, através de correspondentes locais, não deixou de noticiar tão nefasta tragédia.
A «Gazeta do Algarve», jornal publicado em Lagos, na edição de 13 de Dezembro de 1876, citando o correspondente de Alcoutim, em carta datada do dia 6 daquele mês, refere que «O Guadiana há 3 dias que traz uma corrente assustadora e devastadora – mede a velocidade de 11 milhas por hora e tem alagado completamente todos os campos marginais». Aquele periódico menciona igualmente que «o Pomarão desapareceu. Todas as casas foram arrasadas, e nem se conhece o lugar onde existiam. A estação telegráfica desapareceu também, indo a mesa dela dar às margens de Ayamonte. Em Alcoutim houve perdas consideráveis, os campos estão debaixo de água, que entra dentro da vila em muitas casas e quintais. As carreiras a vapor foram interrompidas»... [ler mais]
Um 'Apocalipse Estratégico' no Afeganistão: Uma Mudança Sísmica, Anos em Formação (Alastair Crooke) 09-2021
«Um evento de grande geo-política acaba de ocorrer no Afeganistão: A implosão de uma estratégia ocidental chave para gerir o que Mackinder, na 19 ª século, chamado o coração asiático. Que foi conseguido, sem luta, e em poucos dias, é quase sem precedentes.
Foi um choque. Não apenas um daqueles choques efêmeros que logo são esquecidos, mas profundamente traumático. Ao contrário do impacto psicológico do 11 de setembro, o mundo ocidental está tratando a experiência como luto pela perda de "um ente querido". Houve lágrimas ministeriais, batidas no peito e uma entrada nos primeiros três estágios de luto simultaneamente: Em primeiro lugar, choque e negação (um estado de descrença e sentimentos entorpecidos); depois, dor e culpa (para aqueles nossos aliados amontoados no aeroporto de Cabul) e, finalmente, raiva. A quarta fase já está à vista nos Estados Unidos: Depressão - como as pesquisas mostram que a América já caminha para um profundo pessimismo sobre a pandemia, as perspectivas econômicas e as perspectivas, assim como o rumo que a República americana está traçando... [ler mais]
A Oposição Portuguesa ignorou a deserção de 10 oficiais do Exército (ou como o PS e o PCP de então eram a favor da guerra colonial) - Fernando Mariano Cardeira 08-2021
«A nossa firme e clara condenação da Guerra Colonial não era, de facto, tão comum no seio da Oposição ao regime fascista como seria de esperar, e de desejar. Creio que havia gente na Oposição que ficava chocada com a frontalidade (irresponsabilidade, pensariam eles !) com que nós repudiávamos a Guerra Colonial. Essa nossa posição, clara e frontal, viria a ser expressa em declarações gravadas para o PAIGC em Setembro de 1970, em Uppsala, na Suécia. As nossas declarações, escritas e gravadas em casa de Onésimo Silveira (60), representante do PAIGC na Suécia, viriam a ser emitidas pela Rádio Conakry e pela Rádio Tanzânia, pelo menos, na Guiné e em Moçambique no fim do ano de 1970, ou início do ano de 1971. Nelas, nós afirmamos claramente o nosso repúdio por uma guerra criminosa, e por um regime fascista opressor. Nas palavras que dirigi aos oficiais que foram meus instruendos em Mafra no 3º Turno do COM de 1969, aos furriéis milicianos do 1º e 2º Turnos do CSM de 1970 das Caldas da Rainha, e aos soldados de quem fui instrutor em Leiria e em Évora", eu afirmava: "Falo-vos para vos dizer, mais uma vez, que é criminosa a guerra em que participam. É uma guerra contra um povo que luta pela sua independência e liberdade. É uma guerra que vai empobrecendo o nosso Portugal e que lhe sacrifica os filhos em proveito dos grandes senhores do capitalismo internacional. No Exército Português só há duas posições correctas: ou sabotar ou desertar! Todos sabemos que é impossível sabotar a guerra colonial quando se está no meio do mato. Aí há que lutar pela sobrevivência"... [ler mais]
KEN LOACH: Expulso do Partido Trabalhista devido à solidariedade manifestada para com o povo palestiniano (ou a subserviência da social-democracia ao sionismo, entrevista em canarias-semanal.org) 08-2021
«Na semana passada, o conhecido e excelente professor britânico de direção cinematográfica Ken Loach foi expulso do Partido Trabalhista, do qual fazia parte há alguns anos. A decisão foi conhecida não por um comunicado do partido, mas por uma série de tweets que o próprio Loach foi responsável por divulgar.
O pretexto usado pela nova direção do  Partido para proceder à sua expulsão não é apenas manifestamente fraco, mas também atinge a categoria de miserável. Pondo em marcha uma espécie de "caça às bruxas" macartista, a atual liderança trabalhista encabeçada por Keir Starmer tenta se livrar de milhares de militantes que relutam em aceitar o retorno do Partido aos tempos em que o socioliberal Tony Blair trabalhou para seguir um claro caminho neoliberal de Thacher. Para isso, o setor mais conservador do Partido Trabalhista britânico não hesitou em usar como acusações os gestos de solidariedade para com o povo palestino esmagado, expressos pelo ex-secretário-geral deposto do Partido Jeremy Corbyn e seus apoiantes. Esses gestos foram suficientes para o atual líder trabalhista Keir Starmer montar uma escandalosa campanha nos media, que começa acusando de "dissidentes" e de "anti-semitismo" e termina colocando-os na rua. Ken Loach e 125.000 outros militantes estão entre as vítimas deste brutal posicionamento pró-sionista... [ler mais]
Visa a derrota no Afeganistão incomodar a Rússia e a China? (Thierry Meyssan) 08-2021
«Apoderou-se então de todos os Estados-Maiores do Médio-Oriente Alargado um pânico: ninguém estava a salvo, nem mesmo os aliados dos Estados Unidos. Seguiram-se diversas mudanças de aliança. Mas foi preciso esperar até 2011 e o ataque à Líbia (então aliada dos Estados Unidos) para perceber o que estava em vias de se passar.
Desde então, podemos constatar que a guerra do Afeganistão, que devia durar até ao desaparecimento de Osama bin Laden, já dura há 20 anos; que a do Iraque, que devia durar até a queda do Presidente Saddam Hussein, dura há 17 anos; que a da Líbia, que devia durar até à queda do Guia Muamar Kaddafi, dura há já dez anos; que a da Síria, que devia durar até a queda do Presidente Bashar al-Assad, dura há já dez anos. Além disso, vimos a Alcaida (historicamente, uma criação da CIA) e o Daesh-E.I. (historicamente, uma criação do embaixador John Negroponte) cometerem crimes contra a Humanidade, indo todos no sentido anunciado pelo Coronel Ralph Peters. E sabemos que estas organizações terroristas são financiadas, armadas e enquadradas pelos Britânicos e pelos Norte-Americanos.
Sim, a «guerra sem fim» declarada pelo Presidente George W. Bush não visa «lutar contra o terrorismo», mas em instrumentalizar o terrorismo para «desestabilizar» uma região inteira. Era esse o título (manchete-br) do artigo do Coronel Peters em 2001: «A estabilidade: é o inimigo da América»... [ler mais]
A resposta à pandemia como imperialismo contemporâneo (Addison Reeves) 08-2021
«A frase 'hesitação vacinal' é característica do imperialismo progressista hoje. O termo é uma ferramenta propagandística para patologizar o não cumprimento de uma visão imperialista. Notavelmente, o termo implica que não pode haver escolha sobre o assunto, que é apenas uma questão de tempo até que todos recebam a vacina. Toda a discussão foi estruturada em termos fortemente imperialistas - perguntando como o estado pode superar as objeções do povo e forçar o cumprimento - em vez de nos termos liberais de soberania pessoal e pluralismo (reconhecendo que diferentes pontos de vista são igualmente válidos e que a decisão deve ser baseada em escolha pessoal).
Alguns protestarão que o sacrifício da autonomia individual e a coerção estatal da vacinação são moralmente defensáveis porque a intenção é ostensivamente salvar vidas. Essa mesma resposta é uma ilustração perfeita da mentalidade exclusivamente imperialista. Essa certeza de que a posição de alguém é objetiva e moralmente correta; que não pode haver espaço para diversidade sobre o assunto; e que a superioridade de crença de alguém é tão óbvia que justifica forçar outros indivíduos a submeterem seus próprios corpos (e, no caso daqueles que podem sofrer reações fatais, possivelmente suas vidas) é a epítome do imperialismo, a base da qual muita opressão foi suportado... [ler mais]
O Grande Jogo de Destruir Países (John Pilger) 08-2021
«Enquanto um tsunami de lágrimas de crocodilo engolfa os políticos ocidentais, a história é suprimida. Mais de uma geração atrás, o Afeganistão conquistou sua liberdade, que os Estados Unidos, a Grã-Bretanha e seus “aliados” destruíram.
Em 1978, um movimento de libertação liderado pelo Partido Democrático Popular do Afeganistão (PDPA) derrubou a ditadura de Mohammad Dawd, primo do rei Zahir Shar. Foi uma revolução imensamente popular que pegou britânicos e americanos de surpresa.
Jornalistas estrangeiros em Cabul, relatou o New York Times, ficaram surprendidos ao descobrir que “quase todos os afegãos que entrevistaram disseram [estar] maravilhados com o golpe”. O Wall Street Journal relatou que "150.000 pessoas ... marcharam para homenagear a nova bandeira ... os participantes pareciam genuinamente entusiasmados."... [ler mais]
Relatório do GIEI confirma violações dos direitos humanos no golpe de Estado de 2019 na Bolívia (Ramona Wadi) 08-2021
«As vítimas da Bolívia são vítimas de um golpe apoiado pelos EUA, e a violência política financiada pelos EUA deve igualmente dividir os holofotes, agora destacando o breve legado de violações dos direitos humanos de Anez na Bolívia.
Um relatório de 471 páginas do Grupo Interdisciplinar de Peritos Independentes para a Bolívia (GIEI-Bolívia) apresentado recentemente ao presidente boliviano Luis Arce em La Paz na terça-feira desta semana confirma a perseguição de oponentes apoiada pelos EUA, incluindo “tortura sistemática e execuções sumárias” em 2019. O relatório se baseia em entrevistas com 400 vítimas do regime de Anez e outras testemunhas, além de 120.000 autos relativos a abusos ocorridos entre 1º de setembro e 31 de dezembro de 2019
As descobertas levaram os promotores bolivianos a acusar a autodenominada “líder interina” Jeanine Anez de genocídio. Anez enfrenta acusações pelos massacres em Sacaba e Senkata, onde 20 manifestantes foram mortos pelas forças de segurança... [ler mais]
O colapso do Afeganistão e “A Grande Restauração” (F. William Engdahl) 08-2021
«A queda do Afeganistão não foi o resultado de uma “falha de inteligência” da CIA ou de um cálculo militar equivocado do secretário Austin e do Pentágono. Ambos sabiam, assim como Khalilzad, o que estavam fazendo. Quando Austin aprovou o abandono secreto da base aérea de Bagram, a maior base militar dos EUA no Afeganistão, em 4 de julho, sem notificar o governo de Cabul, deixou claro para o exército afegão treinado pelos EUA que os EUA não lhe daria mais cobertura aérea. Os EUA até pararam de lhes pagar meses atrás, derrubando ainda mais o moral. Não foi por acaso. Foi tudo deliberado e Zalmay Khalilzad foi o centro de tudo. Na década de 1980, seu papel ajudou a criar a aquisição do Taleban em 1996, em 2001 a destruição do Taleban e agora em 2021 a restauração do Taleban.
O verdadeiro ganhador dessa insanidade é a agenda globalista da chamada cabala da "Grande Reinicialização" de Davos, que a está usando para destruir a influência global dos Estados Unidos, assim como Biden destrói internamente a economia por dentro. Nenhuma nação, nem Taiwan, nem o Japão, nem as Filipinas, nem a Índia ou mesmo a Austrália, nem qualquer outra nação que espera a proteção dos EUA no futuro será capaz de confiar em Washington para cumprir suas promessas. A queda de Cabul é o fim do século americano. Não é de se admirar que a mídia chinesa esteja cheia de alegria e júbilo ao discutir os acordos do Silk Road com o Taleban... [ler mais]
Derrota da mundialização e vitória do proteccionismo flagelam os economistas (Robert Bibeau) 08-2021
«Esta derrota do antigo poder hegemónico (EUA) e esta vitória do delfim chinês – o único pretendente ao trono – não pode ser chamada de vitória da "des-mundialização". Esta vitória do eixo totalitário asiático sobre o eixo totalitário ocidental apenas marca que a mudança da guarda imperial começou. 
O mesmo acontece com a batalha em torno da "emergência climática", um tema fraudulento que a equipa de Trump não compreendeu o papel mistificador e unificador da plebe populista – carne para canhão culpabilizada – no actual confronto pela mudança da guarda imperial – entre os dois grandes blocos imperialistas antagónicos. Também aqui, a Aliança Atlântica apresenta-se em desordem – desunida – despedaçada pelos seus interesses financeiros contraditórios face à Aliança unida e complementar de Xangai: a Rússia está repleta de recursos naturais, mineiros, energéticos e militares, e a hiperpotência industrial chinesa tem tecnologia avançada e mão-de-obra qualificada em excesso de abundância para transformar esses recursos em capital valorizado, rentável e reinvestível... [ler mais]
O Alarme do Grande “Aquecimento Global” é parte da “Grande Reinicialização” do WEF (Julian Rose) 08-2021
«O coronavírus e o aquecimento global são primos de primeiro grau. Ambos devem sua criação exatamente ao mesmo truque de mágica 'coelho de um chapéu'. A de aplicar em massa a arte do engano-hipnose, para fazer as pessoas acreditarem que o irreal é real - o que é falso é real. E ambos usam os mesmos mecanismos de controle fascista para alcançar seus objetivos.
Agora reunimos as partes díspares desta operação de genocídio chamada: The Great Reset (tomada totalitária forçada), Green New Deal (falso fascismo verde), Zero Carbon (sem carbono = sem vida), Quarta Revolução Industrial (completamente robótico local de trabalho) podemos reconhecer que cada elemento é, na verdade, parte integrante do plano geral. Amarrados dessa maneira, podemos finalmente ver todo o quadro diabólico.
Portanto, é vital reconhecer que só podemos ser eficazes em nossa defesa da Vida na Terra vendo e agindo de acordo com esse 'quadro geral'. Não ser levado a tratar cada sintoma como uma crise separada e não relacionada por si só. O que é exatamente o que os instigadores querem que façamos, é claro... [ler mais]
Os espólios de guerra: o comércio multibilionário de heroína no Afeganistão (Prof Michel Chossudovsky) 08-2021
«No decorrer dos últimos 19 anos após a invasão EUA-OTAN de outubro de 2001, houve um aumento na produção de ópio afegão. Por sua vez, o número de viciados em heroína nos Estados Unidos aumentou dramaticamente. Existe um relacionamento?
Havia  189.000 consumidores de heroína  nos Estados Unidos em 2001, antes da invasão do Afeganistão pelos Estados Unidos-OTAN. Em 2016, esse número subiu para 4.500.000 (2,5 milhões de viciados em heroína e 2 milhões de consumidores casuais). Em 2020, no auge da crise covid, as mortes por opioides e dependência de drogas triplicaram.
É muito dinheiro para a Big Pharma. Em uma amarga ironia, Johnson & Johnson, que está comercializando sua vacina de vetor viral de adenovírus COVID-19 “experimental”, é um grande produtor de opioides prescritos. Em novembro de 2020, um “acordo provisório de US $ 26 bilhões foi alcançado com condados e cidades em toda a América, que processou J&J e seus distribuidores em nome das vítimas de opiáceos. Essa ação coletiva foi “o maior caso de tribunal federal da história americana”. Coincidiu com o lançamento da iniciativa da vacina Covid no início de novembro de 2020... [ler mais]
O império americano post-11-de Setembro vigia, pilha e mata (Thierry Meyssan) 08-2021
«Segundo a Doutrina Rumsfeld/Cebrowski, já não é necessário ganhar guerras. A estabilidade é a inimiga dos Estados Unidos. É por isso que as guerras do Afeganistão, do Iraque, da Líbia e da Síria, que deviam ser vencidas em poucas semanas continuam até aos dias de hoje.
Na realidade, a equipe que organizou os atentados do 11-de-Setembro — da qual Dick Cheney faz parte — sabe tudo isso e reflectiu muito, a propósito, com antecedência. Assim, ela aplica uma vasta reforma das Forças Armadas segundo o modelo do Almirante Arthur Cebrowski. Este homem havia já transformado as práticas militares dos EUA em função das novas ferramentas informáticas [3]. Ele também elaborou uma estratégia para destruir os Estados enquanto organizações políticas e permitir às grandes empresas informáticas dirigir o mundo globalizado em seu lugar [4]. No dia seguinte ao 11-de-Setembro, a revista da arma de Infantaria, Parameters [5], expõe o projecto de remodelagem do «Médio Oriente Alargado» precisando que ele será particularmente sangrento e cruel. Ela indica que será necessário cometer crimes contra a humanidade que poderão ser sub-contratados a terceiros. Depois, o Secretário da Defesa, Donald Rumsfeld, atribui um gabinete no Pentágono ao Almirante Cebrowski para supervisionar tudo isto... [ler mais]
Lição afegã para os cães de trela do tio Sam (Finian Cunningham) 08-2021
«O Afeganistão é a prova mais flagrante da traição americana. É um conto de advertência para outros que incrivelmente ainda parecem confiar em atrelar seu vagão a uma aliança dos EUA.
O presidente dos EUA, Joe Biden, disse esta semana que "não se arrepende" de retirar as forças americanas do Afeganistão, já que os militantes do Taleban parecem prestes a dominar todo o país da Ásia Central. A lição aqui é: qualquer um que atue como um cachorro correndo para Washington, o faz sob o risco de ser traído pelos Estados Unidos.
O regime fantoche apoiado pelos EUA em Cabul cumpriu as ordens de Washington por quase duas décadas. Após 20 anos de guerra fútil ao custo de centenas de milhares de vidas afegãs e trilhões de dólares, o Tio Sam decidiu fazer as malas, sair e deixar os afegãos entregues ao seu miserável destino. À medida que o Taleban assume o controle de uma capital provincial após a outra, as agências de inteligência dos EUA estão alertando que o regime de Cabul pode cair dentro de um mês (foi no dia seguinte! - nota OB). E insensivelmente, Biden disse esta semana aos afegãos que eles precisam lutar por conta própria... [ler mais]
Passaportes digitais de saúde: a armadilha que atrairá muitos para o sistema sem dinheiro em um único mundo (Leo Hohmann) 08-2021
«Várias novas tecnologias que parecem separadas e não relacionadas logo convergirão, criando uma armadilha digital gigante que facilmente atrairá as massas desinformadas.
A armadilha digital já foi armada e as elites globalistas estão usando COVID para acelerar o processo de convergência. A maioria das pessoas vai adormecer e cair na armadilha, o que acabará por reduzi-las a um código QR humano - rastreável, rastreável e 100% dependente da Big Tech e do grande governo para sua existência.
Vou descompactar cada um desses segmentos aparentemente separados que serão gradualmente mesclados em uma única grade de controle sócio-financeiro abrangente.
O item da agenda mais iminente necessário para iniciar este sistema é um lançamento bem-sucedido de passaportes de saúde digitais... [ler mais]
O mito dos carros elétricos na transição verde (Leire Regadas) 08-2021
«Os carros a combustão estão com os dias contados. O ano de 2035 é a data que a União Europeia (UE) assinala a vermelho para alcançar a “sustentabilidade” nos transportes. A partir de então, os carros novos devem ter emissões zero de dióxido de carbono. Em outras palavras, eles só podem ser elétricos ou células de combustível de hidrogênio.
A Comissão Europeia (CE) detalha que os seus planos respondem à necessidade de uma “transição para uma mobilidade mais verde”. Na verdade, a transição energética já ocupa um lugar decisivo na agenda política europeia. Estima-se que até 2030 a redução das emissões aumentará em 50%. Uma agenda que, longe de querer cumprir apenas objetivos de amenizar a emergência climática, responde a diversas causas e interesses... [ler mais]
Silly Season à portuguesa 08-2021
Estamos em pleno Verão, na estação da parvalheira à portuguesa e em plena campanha covid, agora incidindo na testagem por teste que não consegue distinguir o coronavírus da moda dos restantes, e nem reconhece se está vivo ou morto, e na vacinação universal que, por este andar, ainda será estendida aos animais domésticos, cães e gatos, já que parece que estes também podem ser portadores do vírus. No negócio do ano, dificilmente se diferenciam os políticos detentores de cargos públicos, alguns médicos e especialistas encartadas e avençados por muitos euros e dólares, os delegados de propaganda médica, funcionários dos grandes laboratórios farmacêuticos que financiam as actividades de muitas organizações médicas desta ou daquela especialidade, a exemplo da Associação Portuguesa de Pediatria, os jornalistas/propagandistas e todo o bicho-careta comentador/paineleiro televisivo, dirigentes de partidos do poder à esquerda e à direita; todos incentivam à vacinação universal. Entre os mais entusiastas defensores da vacinação de toda a gente e a todo o custo destaca-se o nosso PR, monárquico convicto, que ainda há pouco foi cumprimentar o seu irmão de peito, Jair Bolsonaro... [ler mais]
O hemisfério ocidental está rumando para uma 'guerra civil covid'? (Robert Bridge) 08-2021
«Enquanto o consumidor médio das notícias da mídia tradicional raramente ouve falar delas, os protestos antivacinas e de bloqueio massivo, com multidões não vistas desde os dias que antecederam a Guerra do Iraque em 2003, têm abalado todas as partes do mundo ocidental. Na semana passada, por exemplo, milhares ignoraram a proibição da Alemanha de medidas anti-Covid e foram às ruas em protesto em massa. Um manifestante teria morrido após romper uma barricada policial. Vários policiais ficaram feridos na confusão que levou à prisão de 600 manifestantes. E, à medida que os governos começam sua implementação de medidas de saúde em meio a um amplo ceticismo sobre a segurança das vacinas da Covid, a resistência promete aumentar... [ler mais]
O papel da UE no tráfico de migrantes da Líbia (Ramona Wadi) 08-2021
«Perceber os refugiados como uma parte dissociada da narrativa mais ampla é uma violação em si, mas quem responsabilizará o bloco politicamente por delegar tarefas desagradáveis à guarda costeira da Líbia?
Em meados de julho, a Câmara dos Deputados da Itália aprovou a renovação do financiamento para a guarda costeira da Líbia, apesar de organizações não governamentais pedirem às autoridades que parem de financiar a fracassada rede de tráfico de pessoas do estado. Apenas um dia antes, a Amnistia Internacional divulgou um relatório detalhando o tráfico e as violações que ocorriam nos centros de detenção da Líbia. Os países europeus minimizaram as atrocidades documentadas contra os migrantes na Líbia, preferindo se concentrar em manter as estatísticas baixas... [ler mais]
Um novo estado de segregação: os cartões de vacinas são apenas o começo (John W. Whitehead e Nisha Whitehead) 08-2021
«“As coisas que temíamos que acontecessem estão acontecendo.” - Angus Johnston, professor da City University of New York
Imagine: um sistema de classificação nacional que não apenas o categoriza de acordo com seu estado de saúde, mas também permite que o governo classifique você de uma centena de outras maneiras: por gênero, orientação, riqueza, condição médica, crenças religiosas, ponto de vista político, status legal, etc...
Essa é a ladeira escorregadia em que estamos embarcando, que começa com os passaportes de vacinas e termina com um sistema nacional de segregação... [ler mais]
2001: A metamorfose do Império americano (Thierry Meyssan) 08-2021
«Aquando da dissolução da União Soviética, as elites dos EUA acreditaram que uma era de comércio e de prosperidade sucederia à Guerra Fria. No entanto, uma facção do complexo militar-ndustrial impôs o rearmamento em 1995, depois uma política imperial muito agressiva, em 2001. Este grupo, que se identifica com o «governo de continuidade» previsto em caso de destruição das instituições eleitas, preparou com antecedência as guerras do Afeganistão e do Iraque, as quais só foram lançadas após o 11-de-Setembro. Face ao seu falhanço militar no Iraque e à impossibilidade de atacar o Irão, este grupo mudou o seu ponto de mira. Adoptou o projecto britânico de derrube dos regimes laicos do Médio-Oriente Alargado e de remodelagem da região em pequenos Estados administrados pelos Irmãos Muçulmanos. Progressivamente, ele tomou o controle da OTAN, da União Europeia e da ONU. Só após vários milhões de mortos e triliões de dólares mais tarde é que foi contestado nos Estados Unidos pela eleição de Donald Trump e em França por François Fillon... [ler mais]
6 de agosto de 1945: Quem ordenou o bombardeamento de Hiroshima e Nagasaki? (Jay Janson) 08-2021
«No final da Segunda Guerra Mundial, que cabala insidiosa de americanos poderosamente influentes pressionou o presidente Truman a ordenar esses dois crimes de guerra nuclear genocida sem nem mesmo consultar seus principais generais comandantes?
Além de terem sido crimes de guerra, assim como o bombardeamento incendiário de cerca de 60 outras cidades japonesas, o bombardeamento atómico de Hiroshima e Nagasaki foram atos de guerra cometidos enquanto a guerra dos Estados Unidos estava sendo conduzida sob os comandos do General Eisenhower e do General MacArthur. As duas bombas atómicas foram lançadas sem sua aprovação e sem que fossem previamente informados... [ler mais]
Criminalização da liberdade de expressão: a prisão de Craig Murray é o último passo para extinguir o jornalismo independente (Jonathan Cook) 08-2021
«A prisão de Murray por oito meses por Lady Dorrian, a segunda juíza mais experiente da Escócia, é obviamente baseada inteiramente em uma leitura perspicaz da lei escocesa, ao invés de evidências dos estabelecimentos políticos escoceses e de Londres em busca de vingança contra o ex-diplomata.
E a recusa da Suprema Corte do Reino Unido na quinta-feira em ouvir o apelo de Murray, apesar de muitas anomalias legais gritantes no caso, abrindo assim seu caminho para a prisão, está igualmente enraizada em uma aplicação estrita da lei, e não é influenciada de forma alguma por considerações políticas.
A prisão de Murray não tem nada a ver com o fato de que ele embaraçou o estado britânico no início dos anos 2000 ao se tornar a coisa mais rara das coisas: um diplomata delator. Ele expôs o conluio do governo britânico, junto com os EUA, no regime de tortura do Uzbequistão... [ler mais]
A respeito das pessoas que são menos iguais que as outras (Stephen Karganovic) 08-2021
«A Europa iluminada tem mostrado vigorosamente seus valores fabulosos recentemente.
O Tribunal Europeu dos Direitos do Homem (CEDH) respondeu recentemente à queixa apresentada pela Federação Russa contra a Ucrânia por maus tratos a cidadãos desta com base na sua auto-identificação étnica, religiosa, cultural e linguística. Para citar mais diretamente os tópicos cobertos na denúncia: “O caso diz respeito à alegação do Governo russo de uma prática administrativa na Ucrânia de, entre outras coisas, assassinatos, sequestros, deslocamento forçado, interferência com o direito de voto, restrições ao uso da língua russa e os ataques às embaixadas e consulados russos. Eles também se queixam do corte do abastecimento de água para a Crimeia no Canal da Crimeia do Norte e alegam que a Ucrânia foi responsável pelas mortes a bordo do voo MH17 da Malaysia Airlines porque não conseguiu fechar o seu espaço aéreo.” ... [ler mais]
Coronavírus, Vacinas e a Fundação Bill e Melinda Gates (F. William Engdahl) 08-2021
«Devemos admitir que, no mínimo, Bill Gates é profético. Ele tem afirmado por anos que uma pandemia global assassina virá e que não estamos preparados para ela. Em 18 de março de 2015, Gates deu uma palestra TED sobre epidemias em Vancouver. Naquele dia, ele escreveu em seu blog: “Acabei de dar uma breve palestra sobre um assunto sobre o qual tenho aprendido muito ultimamente - epidemias. O surto de Ebola na África Ocidental é uma tragédia - enquanto escrevo isto, mais de 10.000 pessoas morreram. ” Gates então acrescentou: “Por mais terrível que tenha sido esta epidemia, a próxima poderia ser muito pior. O mundo simplesmente não está preparado para lidar com uma doença - uma gripe especialmente virulenta, por exemplo - que infecta um grande número de pessoas muito rapidamente. De todas as coisas que podem matar 10 milhões de pessoas ou mais, de longe a mais provável é uma  epidemia.”... [ler mais]
Os Motins Covid (Israel Shamir) 08-2021
«Nem todos os líderes conseguem escapar intactos desses confrontos orquestrados com os Covidianos globais. O presidente do Haiti, Jovenel Moïse, estava relutante em pressionar pela pica em seu país pobre; ele não largou tudo e imediatamente reorganizou o governo de seu estado em torno do novo regime de vacinação. Ele então recusou categoricamente a AstraZeneca, dizendo que o produto era perigoso para sua saúde. Mal sabia ele que recusar a Big Pharma é perigoso para a saúde até mesmo do líder eleito de um estado soberano. Infelizmente, ele foi assassinado por um gang de mercenários colombianos que afirmam ser a DEA (a Agência Antidrogas dos Estados Unidos) e alguns deles na verdade servindo à DEA. O assassinato foi organizado por uma empresa de segurança com sede na Flórida. Os assassinos foram treinados pelo Exército dos EUA. Assim que o Presidente do Haiti foi assassinado, os EUA convocaram os fuzileiros navais e meio milhão de doses da vacina. Assim, esta pequena rebelião contra o império Covid foi esmagada... [ler mais]
Emmanuel Macron da França: a vanguarda de uma “ditadura corporativa global Covid”? (Gilbert Mercier) 08-2021
«Na era do presidente Emmanuel Macron, que é apenas um ator cínico, figura de proa e chefe de relações públicas da França passando por estadista, mas que realmente é um servidor leal do corporativismo global, os fundadores de nossa revolução, bem como as repúblicas subsequentes, como o da Quinta República de de Gaulle, foram insultados, esbofeteados e agredidos por uma espécie de ditadura insidiosa e frouxa, sob o manto de uma crise de saúde. Uma estratégia autoritária complexa com o pretexto de proteger os cidadãos franceses, muitas vezes contra sua vontade, nesta nova guerra conceitual lucrativa... [ler mais]
O Auto de Fé de Agamben (Isabela Figueiredo) 08-2021
«O que Agamben questiona é exatamente a deriva alucinada sobre morte e as suas consequências, nomeadamente a censura dos pares. A hipervigilância. Convinha lerem o seu livro sobre o tema, antes de se pronunciarem com base no diz-que-disse do Facebook. Seria sensato. Os estudos de Agamben sobre os estados de exceção e suas consequências antecederam a pandemia. Ele já pensara o tema, e o que escreveu antes pareceu lógico a todos. Chegada a pandemia, Agamben deixou de repente de ter razão, de ser capaz de pensar com acerto. Tornou-se burro... [ler mais]
Nossa guerra contra a natureza. A marcha da humanidade para a extinção? (David Skripac) 08-2021
«Ao abraçar esse paradigma econômico intolerável, deixamos de respeitar os limites ecológicos e éticos. Nosso modelo econômico orientado para o consumo, que projetamos e agora somos escravizados, causa deficiências perpétuas - esgotamento de recursos, perda de biodiversidade e contaminação por substâncias tóxicas, que causam destruição perpétua em todo o ecossistema e seu ambiente circundante. As megacorporações continuam a propagar a ideologia do crescimento econômico sem fim, que pretendem arrancar de um planeta de recursos finitos e do qual só elas se beneficiarão financeiramente. Seus objetivos egocêntricos se chocam com os motivos generosos das massas, que defendem o conceito de oportunidades iguais, incluindo o direito igual a todos os humanos de viver em um ambiente saudável. A busca incessante do conjunto bilionário por lucros às custas do bem-estar social de todos está alimentando a competição mundial por recursos e causando um eco-holocausto. Em suma, o que estamos testemunhando é uma nova forma de colonialismo que está sendo imposta pela classe predadora a toda a humanidade à medida que entramos no que é comumente referido como a sexta extinção em massa... [ler mais]
Histórico da Pfizer: apenas mais uma empresa americana “grande demais para falir” (Dr. Gary G. Kohls) 08-2021
«A Pfizer é uma das maiores empresas farmacêuticas multinacionais (medicamentos e vacinas) do planeta - e um dos cinco maiores fabricantes de vacinas (os cinco são Pfizer, Sanofi, Merck, GlaxoSmithKline e Johnson & Johnson. (AstraZeneca é o número 10). Pfizer enfrentou vários processos judiciais - apenas nos Estados Unidos - por marketing fraudulento e danos médicos causados por seus medicamentos mais lucrativos.
A Pfizer detém o recorde de maior multa paga por um processo de fraude de assistência médica movido pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos. A Pfizer pagou US $ 2,3 bilhões em multas, penalidades e acordos por reivindicações de marketing ilegal... [ler mais]
Centenas de organizações de base se opõem à Pré-Cimeira dos Sistemas Alimentares da ONU (Slow Food International) 08-2021
«A Resposta Autónoma do Povo ao UNFSS se junta a muitos outros no argumento de que a Cimeira é uma distração perigosa dos problemas reais que as pessoas e o planeta enfrentam neste momento crítico de múltiplas crises combinadas. Seus organizadores falharam em fornecer responsabilidade e transparência para garantir que as contribuições das pessoas fossem incorporadas aos resultados finais.
O resultado de uma parceria entre a ONU e o Fórum Econômico Mundial - um órgão que reúne as 1000 maiores corporações do mundo - é que a Cimeira é desproporcionalmente influenciada por atores corporativos. Ele está desviando energia, massa crítica e recursos financeiros das soluções reais necessárias para enfrentar a fome crescente, o clima e a crise de saúde... [ler mais]
Modernidade Líquida (Alastair Crooke) 07-2021
«A divisão entre o populista e o acordado foi o foco principal de Luntz (embora em uma definição de populismo que está faltando - definida como sendo simplesmente 'não-acordado'). Sua análise chamou a atenção. No entanto, entre as 3.000 entrevistas nas quais a pesquisa foi baseada, há um lado inferior relativamente menos notado; É tão importante - talvez até mais importante - do que sua tese de título.
Ele mostrou que os eleitores britânicos estão tão fartos de negócios quanto de políticos (a quem eles consideram mercenários egoístas). Eles rejeitam o etos centrado no dinheiro corporativo e em Wall Street; eles se ressentem da grande disparidade de riqueza, e os jovens consideram o capitalismo um palavrão: ser um capitalista é colocar um grande alvo vermelho 'X' em sua frente...
Apenas se concentre nessas três 'dicas' - elas são impressionantes: Primeiro, em resposta à afirmação: “quando eu olho para os líderes corporativos e como eles nos tratam, eu só penso 'f ** k todos eles'”, 77% dos entrevistados concordaram ou foram neutros - e apenas 23% discordaram. (...)
Pesquisa do Instituto de Assuntos Económicos (IEA) confirma as descobertas de Luntz de que os jovens são profundamente hostis ao capitalismo e têm opiniões positivas sobre as alternativas socialistas: 67% dizem que gostariam de viver sob um sistema econômico socialista; 75% concordam com a afirmação de que a mudança climática é um problema especificamente capitalista; 78% culpam o capitalismo também pela crise imobiliária na Grã-Bretanha... [ler mais]
França se levanta contra passaportes para vacinas da Macron (Winter Oaks) 07-2021
«“As pessoas acordaram - finalmente!” declarou a rebelde local de Gilet Jaune, Michelle, enquanto observava a grande multidão se reunindo na praça principal de Montpellier, no sul da França.
Ela está envolvida com o movimento Colete Amarelo desde o início da revolta popular contra o regime Macron em novembro de 2018.
Há dois anos, em abril de 2019, outro Gilet Jaune me disse no mesmo local, a Place de la Comédie, que a França estava testemunhando “uma virada na história”.
Apesar dos vastos níveis de repressão militarizada contra os Coletes Amarelos, para não falar da propaganda implacável nos meios de comunicação de massa, o movimento nunca abandonou a luta... [ler mais]
Adequado para 55 - Acordo Verde da UE e o Colapso Industrial da Europa (F. William Engdahl) 07-2021
«Uma das raras declarações honestas de Bill Gates foi sua observação no início de 2021 de que se você acha que medidas covideiras são ruins, espere até as medidas para o aquecimento global. A União Europeia está em vias de impor, de cima para baixo, as medidas mais draconianas até à data, que irão destruir efectivamente a indústria moderna nos 27 Estados da União Europeia. Sob nomes bonitos como “Fit for 55” e European Green Deal, medidas estão sendo finalizadas em Bruxelas por tecnocratas não eleitos que causarão o pior desemprego industrial e colapso económico desde a crise dos anos 1930. Indústrias como a automobilística ou de transporte, geração de energia e aço estão em queda livre, tudo por uma hipótese não comprovada chamada aquecimento global causado pelo homem... [ler mais]
Hasél denuncia as prisões que o governo "controla" (Redcom) 07-2021
«Pablo Hasél, sequestrado pelo Estado espanhol pelo conteúdo das suas cartas, através de um Comunicado do «Centre Penitenciari Ponent», denuncia as condições carcerárias, extorsão, sobreexploração, que vê e sofre na prisão do sistema prisional controlado pelo Governo catalão.
Coloca também em cima da mesa os negócios da empresa CIRE (Centro de Iniciativas de Reintegração), que supostamente é uma empresa pública dependente do Ministério Público e cujo objetivo era dar uma segunda chance a pessoas privadas de liberdade, por meio de treinamento e trabalho... [ler mais]
Pegasus Rides Again: The NSO Group, Spyware and Human Rights (Dr. Binoy Kampmark) 07-2021
«Eles continuam insistindo que não o fazem. Mas empresas como o grupo israelense NSO são fornecedores globais de regimes, qualquer faixa ou cor, para ferramentas de vigilância para espionar aqueles que consideram de interesse. As revelações de 2013 por Edward Snowden que expuseram o mundo sem garantia de vigilância em massa por entidades como a Agência de Segurança Nacional dos EUA e o GCHQ da Grã-Bretanha causaram uma corrida global para a criptografia. Os governos, deixados às apalpadelas no escuro, procuraram fornecedores privados de dispositivos de vigilância num mercado não regulamentado. Eles não apenas poderiam obter spyware eficaz; eles poderiam fazer isso a preços muito acessíveis... [ler mais]
“Nossa espécie está sendo modificada geneticamente”: a marcha da humanidade em direção à extinção? Análise do Microbioma e Viroma (David Skripac) 07-2021
«Este ano marca uma virada seminal na história da humanidade. Pela primeira vez desde o início da civilização humana, nossa espécie está sendo geneticamente modificada. Os fabricantes de vacinas possibilitaram que o genoma humano fosse permanentemente alterado - e a relação da humanidade com a natureza mudada para sempre - por meio de uma injeção farmacêutica experimental que está sendo falsamente chamada de "vacina".
À luz desse evento definidor, acredito que devemos olhar com seriedade para os motivos e atos que estão renovando a humanidade como a conhecemos. Simultaneamente, devemos examinar nosso tratamento cada vez mais destrutivo do mundo natural... [ler mais]
Se você cresceu com o bloqueio dos EUA como cubano, pode entender os protestos recentes de forma diferente (Manolo de los Santos - Vijay Prashad) 07-2021
«Durante a madrugada de 17 de julho, Johana Tablada juntou-se a dezenas de milhares de cubanos que se reuniam ao longo da avenida Malecón, em Havana, para apoiar a Revolução Cubana. “Somos seres humanos que vivem, trabalham, sofrem e lutam por uma Cuba melhor”, disse ela. “Não somos bots ou fazendas de trolls ou algo parecido.” Ela se referiu ao que tem sido chamado de  Bay of Tweets, uma campanha de mídia social desenvolvida em Miami, Flórida, que tentava transformar os problemas sociais de Cuba em uma crise política.
Os problemas sociais, disse-nos Tablada, derivam do bloqueio norte-americano a Cuba, iniciado na década de 1960, mas que foi agravado pelas 243 medidas coercitivas do ex-presidente Donald Trump. “Os Estados Unidos criminalizaram os serviços públicos cubanos”, disse ela, “incluindo nosso sistema de saúde pública e nosso sistema de educação pública”... [ler mais]
A reconversão capitalista em Portugal: milhões, vacinas, despedimentos e repressão 07-2021
A reconversão capitalista no nosso país vai ser feita através dos fundos agora aprovados pelo Ecofin, 16,6 mil milhões de euros, para sectores que interessam aos grandes países capitalistas da UE, principalmente a Alemanha, actividades de fraco valor acrescentado, exploração de matérias primas, com o lítio à cabeça, assente em salários miseráveis, e para corrupção de políticos e diversos lobistas. Reconversão que, em tempo de crise e incerteza prolongadas, é sempre acompanhada pela limitação das liberdades, direitos e garantias dos cidadãos; agora, justificada pela pandemia e por meio de instrumentos de pseudo-protecção sanitária, o certificado digital covid, pela censura da net e troca de informação de dados pessoais dos cidadãos entre os estados da União, e, se necessário, repressão aberta dos trabalhadores através das policias e tribunais. E com o PS, como agente de negócios e cabo de esquadra do grande capital, a não apenas abrir o caminho ao fascismo/populismo, mas a ser ele próprio o agente que aplica o fascismo... [ler mais]
A multicrise capitalista e as tendências de desdobramento após 18 meses de covid-19 (Narciso Isa Conde) 07-2021
«A manipulação da pandemia - como se fossem drásticos ajustes fundo-monetaristas - e a persistente autoproteção do coração megacapitalista nas sociedades que essas forças controlam, abriram novas modalidades de acumulação, expansão e concentração de capital para o grupo empresarial mais tecnologicamente líder das elites transnacionais e locais.
Para esses fins - apesar de toda a vulnerabilidade criada durante o desenrolar de meio século de neoliberalismo - as elites capitalistas endureceram esse modelo integral de dominação; acelerar os processos de privatização e gangsterização de Estados, governos, partidos, áreas sociais, bens públicos e riquezas naturais.
Mais dívidas.
Mais especulação.
Deficits fiscais mais altos.
Mais inflação.
Maior empobrecimento das bases da pirâmide social e setores intermediários
Menor crescimento com concentração acelerada de riqueza e poder económico, político, mediático e militar.
Falência em larga escala de médias, pequenas e micro empresas... [ler mais]
Unidade palestina dá o melhor resultado, expulsa o invasor e paralisa o colaborador (Ramón Pedregal Casanova) 07-2021
«O triunfo de Beita coincide com um ato de solidariedade justamente no antigo império que quer continuar sendo, o Reino Unido. Foi realizado no 4º aniversário do incêndio da Torre Grenfell em Londres. Na Torre Grenfell ocorreu um incêndio no qual centenas de emigrantes morreram por falta de interesse na governança da área, baixando o custo do produto com o qual a Torre foi coberta-pintada, produto denunciado como altamente perigoso devido à sua facilidade de queima. O fato é que a empresa que fabrica esse produto é a Arconic, a mesma empresa que fabrica componentes para helicópteros Boeing e aviões Lockheed-Martin F-35, com os quais os zionazis bombardearam Gaza na guerra de 11 de maio. Arconic foi ocupada e fechada por militantes da organização de solidariedade Palestine Actión.As acções de solidariedade desta organização têm-se seguido, conseguindo encerrar a empresa Vine Property Management, em Birmingham, devido à sua colaboração com a Elbit Systems, fornecedora de armas à entidade Sionazi. A Vine Property Management trabalha com a UAV Enginet LTD em Shenstone na manutenção dos motores de drones Hermes, com os quais eles monitoram e selecionam alvos civis para bombardear Gaza... [ler mais]
O sobre-aquecimento da 'moralocracia' da Europa: hora de levar a sério a guerra da cultura europeia (Alastair Crooke) 07-2021
«Um mundo globalista, para os poucos que aspiram a enriquecer nele, é entendido como uma verdadeira cornucópia de incontáveis satisfações materiais
No final do mês passado, a UE entrou em colapso emocional. Aconteceu quando Charles Michel, Presidente do Conselho, decidiu promover um debate na cúpula sobre LGBTQI e os valores da UE - em reação a uma carta de preocupação redigida por 17 membros do Conselho. O primeiro-ministro holandês, Rutte, aproveitou o momento 'para se tornar nuclear' (como havia prometido anteriormente), dizendo antes da cúpula que: “Meu objetivo é colocar a Hungria de joelhos nesta questão”. E, na própria cúpula, Rutte ameaçou que a Hungria “deve revogar” sua (supostamente) “lei anti-gay”, e respeitar os direitos humanos fundamentais, “que não são negociáveis - ou eles devem deixar [a União]”... [ler mais]
A privatização do Serviço Nacional de Saúde segue dentro de instantes (Movimento Enfermeiros) 07-2021
«Ao longo dos últimos 30 anos temos vindo a assistir ao desmantelamento gradual e paulatino do SNS, umas vezes mais em modo rápido, quando o PSD e associado estão no governo (partido que não aprovou a Lei do SNS em 1979), ou mais lento e disfarçado, quando se trata do PS. Só que nos tempos actuais, tempos de pandemia covid-19 (bastante oportuna), o desmanchamento foi apressado e passará em breve para a privatização tout court.
E qual será o sector a ser desmembrado do SNS e a passar directamente para o domínio dos negociantes da saúde? Exactamente o sector tido como primário, ou seja, os centros de saúde. Não foi por acaso que foram estes os primeiros a fechar logo nos primeiros dias da pandemia, com o abandono dos utentes e, após os desconfinamentos, ainda se mantêm em modo lento – são mais que muitos os testemunhos de que nos centros de saúde ninguém atende as chamadas de telefone, embora seja essa a indicação para o acesso aos cuidados que deveriam prestar... [ler mais]
Aquecimento global e C02: “O maior erro de direcionamento da história da ciência” (Dr. Rudolf Hänsel) 07-2021
«“A teoria da catástrofe climática politicamente iniciada é o maior escândalo pseudocientífico do século 21 até agora”, diz o meteorologista David Dilley, um funcionário de 20 anos da NOAA, a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos.
“Mudanças Climáticas: A Única e Maior Campanha de Desinformação da História Mundial” -  Stephen Moore , CNS News, maio de 2015
“O CO2 não é um problema. É provavelmente o maior equívoco da história da ciência.” “Você não consegue encontrar um registro de qualquer duração, de qualquer período de tempo na história da Terra onde o CO2 tenha causado o aumento da temperatura.” -  Dr. Timothy Ball , consultor ambiental e ex-professor de climatologia da Universidade de Winnipeg
“'Aquecimento global' é a maior e mais bem-sucedida fraude pseudocientífica que vi em minha longa vida como físico.”  -  Prof. Hal Lewis , Universidade da Califórnia, Santa Bárbara, EUA
“Não há como negar que também existe na ciência - com mais frequência do que nós, cientistas, gostaríamos - engano e fraude, não apenas desleixo negligente, mas fraude realmente deliberada.” ... [ler mais]
A vacina experimental de mRNA: “Uma conspiração para o assassinato”? (Paul Craig Roberts) 07-2021
«Há um grande número de casos de reações com risco de vida à vacina “segura”, especialmente entre os jovens. Mesmo assim, os “verificadores de fatos” das redes sociais, Facebook, Twitter e Google continuam a desplantar aqueles que dão o alarme. Aquela parte da profissão médica que cegamente sem pensar segue as “diretrizes” da Big Pharma emitidas pelo NIH, FDA, CDC e OMS são cúmplices de assassinato.
Os idiotas vencidos pelo medo orquestrado arruinaram a saúde de uma grande percentagem da população.
Neste vídeo de 25 minutos (ver original), o Dr. Ryan Cole explica o impacto adverso no corpo humano da proteína spike que é característica tanto do vírus Covid quanto da vacina. A maioria das pessoas não corre perigo grave com o vírus. Essas pessoas não devem se expor ao perigo da vacina... [ler mais]
Cúpula de Sistemas Alimentares ou a Cimeira dos Donos dos Alimentos 4.0 (Silvia Ribeiro) 07-2021
«Não podemos viver sem comer. Os alimentos e tudo o que os rodeia estão na base da vida de todos. Por isso, controlar esse mercado é um objetivo fundamental das empresas transnacionais. Até o momento, quatro ou cinco grandes empresas do agronegócio controlam mais da metade do mercado global em cada elo dessa cadeia industrial. Com a pandemia, a entrada do comércio online e dos gigantes da tecnologia aumentou de forma explosiva, o que mudou as estruturas de produção e quem controla produtores e consumidores. Para legitimar este ataque digital e biotecnológico aos nossos alimentos e estabelecer novos regulamentos internacionais (leia evitando regulamentos públicos e controle), foi concebida a chamada Cúpula de Sistemas Alimentares, a ser realizada em setembro de 2021 ... [ler mais]
"Mau para os agricultores africanos, ruim para o planeta”: como a Fundação Gates está conduzindo o sistema alimentar na direção errada (Grain) 07-2021
«A Fundação Bill e Melinda Gates gastou quase US $ 6 bilhões nos últimos 17 anos tentando melhorar a agricultura, principalmente na África. Isso é muito dinheiro para um setor subfinanciado e, como tal, tem um grande peso. Para entender melhor como a Fundação Gates está moldando a agenda da agricultura global, GRAIN analisou todos os subsídios para alimentos e agricultura que a fundação concedeu até 2020.
Descobrimos que, embora as doações da Fundação se concentrem em agricultores africanos, a grande maioria de seu financiamento vai para grupos na América do Norte e na Europa. As doações também são fortemente direcionadas a tecnologias desenvolvidas por centros de pesquisa e corporações do Norte para agricultores pobres do Sul, ignorando completamente o conhecimento, as tecnologias e a biodiversidade que esses agricultores já possuem.
Além disso, apesar do foco da Fundação em soluções tecnológicas, muitas de suas doações são dadas a grupos que fazem lobby em nome da agricultura industrial e minam alternativas. Isso é ruim para os agricultores africanos e ruim para o planeta. É hora de puxar o plugue da influência descomunal de Gates sobre a agricultura global... [ler mais]
A censura dos EUA é cada vez mais oficial (Alan MacLeod) 07-2021
«O governo Biden ganhou as manchetes na semana passada, ao tentar fechar os sites de 33 meios de comunicação estrangeiros, incluindo os baseados no Irã, Bahrein, Iêmen e Palestina. As autoridades justificaram a decisão alegando que as organizações eram agentes de "desinformação".
A mais notável delas é provavelmente a emissora estatal iraniana Press TV, em inglês. Os visitantes da PressTV.com agora recebem o selo do Departamento de Justiça e do FBI, e uma mensagem notificando-os de que o domínio “foi confiscado pelo governo dos Estados Unidos”. (Desde então, o site migrou para um domínio baseado no Irã, PressTV.ir.)
Isso está longe de ser a primeira vez que a Press TV foi alvo. Dezoito meses atrás, o Google  excluiu a conta do canal iraniano no YouTube; no início deste ano, o Facebook fez o mesmo, banindo sua página, que tinha mais de 4 milhões de seguidores. Em 2019, os EUA também prenderam a apresentadora da American Press TV Marzieh Hashemi, mantendo-a sem acusações por mais de uma semana. Hashemi, uma muçulmana, disse que seu lenço foi removido à força e que ela só recebeu carne de porco para comer.... [ler mais]
Testemunha-chave admite mentir sobre Julian Assange... (Ron Ridenour) 07-2021
«O ex-voluntário do WikiLeaks, que se tornou informante do FBI por US $ 5.000, diz que fabricou partes importantes das acusações no indiciamento dos EUA.
Provas conclusivas: Julian Assange não cometeu nenhum crime de pirataria ou de busca de acesso a gravações telefónicas de parlamentares islandeses. A revelação vem da testemunha que mentiu a respeito, para agradar à acusação dos Estados Unidos contra a editora no julgamento de extradição, em Londres, no verão passado. Testemunha principal no caso de Assange admite mentir na acusação - Stundin
Sigurdur Ingi Thordarson, cidadão islandês e ex-voluntário do WikiLeaks, que se tornou informante do FBI por US $ 5.000, disse ao jornal islandês Stundin que fabricou partes importantes das acusações no indiciamento dos EUA. Thordarson também admite que se apresentou erroneamente como representante oficial do WikiLeaks e que roubou documentos da equipe do WikiLeaks copiando seus discos rígidos... [ler mais]
Como a ciência real se tornou notícia falsa (Josh Mitteldorf) 07-2021
«Trinta anos atrás, o homem que me ensinou mecânica quântica em Harvard escreveu que a supressão do debate será a “morte da ciência”. Talvez ele tenha visto o que estava para vir.
Hoje, a ciência está sendo pervertida para fins políticos em uma extensão sem precedentes. Para procurar uma analogia apropriada, teríamos que voltar à autoridade da Igreja na Europa medieval.
“Os ataques contra mim, francamente, são ataques à ciência.” - Anthony Fauci
Então D'us fala pela boca do Papa, e talvez do Profeta Elijah e Charles Manson. Mas o Bom Doutor do NIAID é aquele que tem uma linha direta com a Ciência.
Meu ponto não é que Fauci cresceu muito para suas calças, mas que ciência não é religião. A única razão pela qual confiamos na ciência é que ela é uma sociedade de debate aberto. O Dr. Fauci aspira a ser o sumo sacerdote da epidemiologia. Mas se a ciência tem mais peso do que a Igreja, não é porque seus padres são mais inteligentes ou mais qualificados, é porque a ciência não tem padres... [ler mais]
O legado de tortura de Rumsfeld na história imperialista dos EUA (Ramona Wadi) 07-2021
Os elogios podem continuar a chover para Rumsfeld, mas a história continuará a julgar os estragos da violência imperialista dos EUA.
Outros criminosos de guerra dos EUA elogiaram o ex-secretário de Defesa Donald Rumsfeld com a notícia de sua morte. “Um fiel mordomo de nossas forças armadas”, declarou o ex-presidente dos Estados Unidos, George W. Bush . “Um período que trouxe desafios sem precedentes ao nosso país e aos nossos militares também trouxe à tona as melhores qualidades do secretário Rumsfeld.” Diga isso aos torturados, executados e deslocados iraquianos torturados sob as ordens de Rumsfeld, de acordo com a agenda da “Guerra ao Terror” pós 11 de setembro. (...)
O legado de Rumsfeld está principalmente ligado ao seu papel nas “técnicas aprimoradas de interrogatório” - o eufemismo dos EUA para tortura - contra prisioneiros iraquianos em Abu Ghraib. Embora de forma alguma o único lugar onde os detidos foram torturados - Guantánamo e Bagram são dois outros centros de detenção ligados à tortura generalizada e violações dos direitos humanos - o foco da mídia na tortura de Abu Ghraib forneceu uma visão sobre a tendência do governo dos EUA para a tortura, todos no nome da democracia... [ler mais]
Vento de Tempestade Atlântica no Mar Negro (Manlio Dinucci) 06-2021
«Foi iniciada ontem (28 Junho) a Sea Breeze, Briza Marítima, a grande manobra aeronaval oficialmente "organizada em conjunto, no Mar Negro, pelos Estados Unidos e pela Ucrânia". Os Estados Unidos, que a planeiam e comandam, são, portanto, os anfitriões neste mar próximo do território russo. A Sea Breeze, que ocorre de 28 de Junho a 10 de Julho, é dirigida pelas Forças Navais USA/Africa, da qual faz parte a Sexta Frota, com quartel general em Nápoles. Essa mesma manobra subentende exercícios de guerra naval, submarina, anfíbia, terrestre e aérea.
Desde quando, em 1997, teve início esta série de manobras anuais no Mar Negro, a edição de 2021 conta com o maior número de participantes: 32 países de seis continentes, com 5.000 militares, 18 equipas de forças especiais, 32 navios e 40 aviões de guerra. Participam não são só países membros da NATO - Itália, Grã-Bretanha, França, Espanha, Grécia, Noruega, Dinamarca, Polónia, Bulgária, Roménia, Albânia, as três repúblicas bálticas, Turquia e Canadá - mas também países parceiros, principalmente a Ucrânia, Geórgia, Moldávia, Suécia e Israel... [ler mais]
Macron e o submundo em movimento levam um primeiro abanão! (Brigitte Bouzonnie) 06-2021
«Com as eleições regionais, Macron e o submundo em marcha estão dando o primeiro tiro. A abstenção representa 30 milhões de eleitores, 7 milhões de não registados. A democracia parlamentar está em mil pedaços, como os velhos dois cavalos de Bourvil, marcados pela bela carruagem de Louis de Funes no filme “Le corniaud” de Gérard Oury (1965).
O fracasso eleitoral de Macron não deve, entretanto, ser analisado como um evento isolado. Assim, será mais fácil a chegada de um golpe militar, varrendo um Macronie sem legitimidade: 65% de abstenções em média. E uma falsa oposição (France Insoumise), da qual 75% dos eleitores preferiram se abster... [ler mais]
Vandana Shiva: uma nova onda de colonização, escravidão do carbono (entrevista por Dr. Joseph Mercola) 06-2021
«Vandana Shiva é uma mente brilhante que pede aos habitantes da Terra que se unam contra as forças que ameaçam destruir o planeta, em parte por meio de uma nova onda de colonização em nome da sustentabilidade.
Big Tech está impulsionando uma nova onda de colonização em nome da sustentabilidade e das emissões de carbono “zero”. O bilionário técnico Bill Gates, agora o maior proprietário de terras agrícolas nos Estados Unidos, está na raiz do problema, promovendo a tecnologia como o único mecanismo para salvar o mundo e, ao fazê-lo, negando soluções reais. Shiva chama de "lixo" o livro de Gates, "How to Avoid a Climate Disaster", que pressiona pela eliminação de antigas tradições agrícolas e pela adoção generalizada de carne falsa.
De acordo com Shiva, a fim de forçar o mundo a aceitar este novo sistema alimentar e agrícola, novas condicionalidades estão sendo criadas por meio de soluções "baseadas na natureza" líquidas zero, que só irão destruir ainda mais os povos indígenas e pequenos agricultores.
Zero líquido não significa emissões zero, diz Shiva; isso significa que os ricos poluidores continuarão a poluir e também a se apoderar da terra e dos recursos daqueles que não poluíram... [ler mais]
Lembre-se da “Falsa” pandemia de gripe suína H1N1 de 2009: manipulando os dados para justificar uma emergência mundial de saúde pública (Prof Michel Chossudovsky) 06-2021
«Déjà Vu: Lembre-se das circunstâncias incomuns em torno da pandemia de gripe suína H1N1 em abril de 2009. Desinformação da mídia. Uma atmosfera de medo e intimidação. Corrupção nos níveis mais altos. Os dados foram manipulados.
Em julho de 2009, o Diretor-Geral da OMS previu com autoridade que: “até 2 bilhões de pessoas podem ser infectadas nos próximos dois anos - quase um terço da população mundial.”(Organização Mundial da Saúde conforme relatado pela mídia ocidental, julho de 2009).
Foi uma bonança multibilionária para a Big Pharma, apoiada pela diretora-geral da OMS, Margaret Chan. 
Em junho de 2009, Margaret Chan fez a seguinte declaração: “Com base em… avaliações de especialistas das evidências, os critérios científicos para uma pandemia de influenza foram atendidos. Portanto, decidi aumentar o nível de alerta de pandemia de influenza da Fase 5 para a Fase 6. O mundo está agora no início da pandemia de influenza de 2009…  Margaret Chan, Diretora Geral, Organização Mundial da Saúde (OMS), Press Briefing   11 de junho de 2009)
Que “avaliações de especialistas”?
Em uma declaração subsequente, ela confirmou que: “Os fabricantes de vacinas poderiam produzir 4,9 bilhões de vacinas contra a gripe pandêmica por ano  na melhor das hipóteses”, Margaret Chan, diretora-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), citado pela Reuters, 21 de julho de 2009)... [ler mais]
Ganância, dívida e capitalismo parasitário (Nora Fernandez) 06-2021
«Michael Hudson identifica o capitalismo financeiro como o desafio; a degradação ambiental surgiu do consumismo, mas a “poluição da dívida”, diz ele, resulta dos gastos financiados por dívidas. A dívida não é riqueza, os pagamentos de juros e amortizações absorvem os ganhos futuros - e os ganhos não estão aumentando. O capitalismo industrial resulta em guerra de classes (trabalhadores x empregadores), mas o capitalismo financeiro é uma invasão parasita e divisão de corporações industriais, reduzindo e terceirizando sua força de trabalho enquanto cria desemprego, uma guerra também contra os trabalhadores. A sobrecarga da dívida da economia cresce mais rápido do que a economia real, aumentando a dívida pessoal, nacional e global... [ler mais]
Há mais no BlackRock do que você imagina (F. William Engdahl) 06-2021
«Uma empresa de investimento virtualmente não regulamentada exerce hoje mais influência política e financeira do que o Federal Reserve e a maioria dos governos neste planeta. A empresa, BlackRock Inc., a maior administradora de ativos do mundo, investe espantosos US$ 9 trilhões em fundos de clientes em todo o mundo, uma soma mais do que o dobro do PIB anual da República Federal da Alemanha. Este colosso fica no topo da pirâmide de propriedade corporativa mundial, inclusive na China, mais recentemente. Desde 1988, a empresa se colocou em posição de controlar de fato o Federal Reserve, a maioria dos megabancos de Wall Street, incluindo o Goldman Sachs, o Fórum Econômico Mundial de Davos, o Great Reset, a administração de Biden e, se não for controlado, o futuro econômico de nosso mundo. BlackRock é o epítome do que Mussolini chamou de corporativismo, onde uma elite corporativa não eleita dita de cima para baixo à população... [ler mais]
Depois do dia mais longo, a noite mais longa de terror ainda assombra a Europa (Finian Cunningham) 06-2021
«Entre as tropas regulares da Wehrmacht, havia esquadrões da morte da SS, cuja tarefa infernal atribuída pela liderança nazista era o extermínio de judeus, eslavos e bolcheviques. Nos dois anos e meio seguintes, antes de o Exército Vermelho repelir e finalmente derrotar a Alemanha nazista, até 27 milhões de cidadãos soviéticos morreriam de violência e privação.
Muitas das vítimas foram mortas em massacres em grande escala ou por serem forçadas a entrar em campos de extermínio, a maioria dos quais reunidos em território polonês. Os mais famosos foram Auschwitz, Treblinka, Belzec, Chelmno, Sobibor e Majdanek, onde câmaras de gás e crematórios eliminaram milhões de vidas... [ler mais]
Biden-Putin, mais uma Ialta 2 do que uma nova Berlim (Thierry Meyssan) 06-2021
«Os Estados Unidos, categoricamente vencidos na Síria, foram a Genebra aceitar as condições do vencedor, a Rússia. A Cimeira de 16 de Junho de 2021 deverá colocar um termo às hostilidades na condição de que a Administração Biden controle as suas tropas. Os Europeus Ocidentais deverão pagar a conta. A China vê-se confirmada na sua posição de parceira da Rússia.
Em Genebra, o Presidente Putin, vitorioso na Síria, impôs as suas condições ao Presidente Biden, líder dos vencidos. (...)
Desde logo, a nova ordem do mundo simplesmente não deve integrar a principal potência económica mundial, a China — que permaneceu neutra durante a guerra —, mas acima de tudo poupar os perdedores, e não os levar ao desespero. O que é tanto mais difícil quanto as opiniões públicas ocidentais não têm consciência da sua derrota militar e persistem em crer que são os vencedores... [ler mais]
A reorganização da burguesia e do capitalismo nacional 06-2021
O governo irá começar a receber em breve as verbas do PRR, Marcelo já disse que quer assegurar que os 16,6 mil milhões são bem usados, ou seja, irá ser também, para além da própria Comissão Europeia, fiscal da actividade do governo, não só no que concerne a esta questão, mas como em relação a todo o resto. E vai mais além, envia o recado a todos os partidos com assento na manjedoura de S. Bento: não quer orçamentos chumbados, nem eleições antecipadas nem vicissitudes de governação ou de relacionamento institucional – o Plano de Recuperação e de Resiliência irá acrescentar 22 mil milhões de euros à economia nacional até 2026.
Quem irá beneficiar de tal benesse? Não serão todos, com certeza, as grandes empresas vão-se chegar à frente e as pequenas e até médias empresas nacionais irão, em grande parte, para a falência. E a grande burguesia nem está a dormir nem perde tempo: “Nova associação empresarial quer equilibrar rigor académico com ‘pragmatismo do mundo dos negócios’”. A Associação Business Roundtable Portugal arranca, com os presidentes do grupo Mello, da Sonae e da Corticeira Amorim a dar a cara, reunindo os líderes de 42 das maiores empresas a actuar em Portugal e que se comprometem a contribuir de forma activa para o crescimento de Portugal. Melhor dizendo, para o aumento dos seus lucros e patrimónios... [ler mais]
Oitenta anos atrás: 22 de junho de 1941: a Alemanha nazista ataca a União Soviética (Jacques R. Pauwels) 06-2021
«A guerra contra a União Soviética era o que Hitler queria desde o início. Ele já havia deixado isso bem claro nas páginas de Mein Kampf, escrito em meados da década de 1920. Além disso, como um historiador alemão demonstrou recentemente de forma convincente, foi uma guerra contra a União Soviética, e não contra a Polônia, França ou Grã-Bretanha, que Hitler queria e planejava desencadear em 1939. Em 11 de agosto daquele ano, Hitler explicou a Carl J. Burckhardt, um oficial da Liga das Nações, que "tudo o que ele empreendeu foi dirigido contra a Rússia", e que "se o Ocidente [isto é, os franceses e os britânicos] é muito estúpido e muito cego para compreender isso, ele seria forçado a chegar a um entendimento com os russos, virar e derrotar o Ocidente, e então voltar com todas as suas forças para desferir um golpe contra a União Soviética.”... [ler mais]
O medo é contagioso e usado para controlar os cidadãos (Joseph Mercola) 06-2021
«Mas isso não é tudo. Conforme explicado pelo psiquiatra Dr. Peter Breggin, ao adicionar confusão e incerteza em cima do medo, você pode levar um indivíduo a um estado em que ele não consegue mais pensar racionalmente. Uma vez levados a um estado ilógico, eles são facilmente manipulados. Não tenho dúvidas de que levar as pessoas a um estado em que a lógica e a razão não são mais registadas é o ponto por trás de muitas das informações conflitantes que recebemos.(...)
Conforme explicado pelo jornalista James Corbett em seu relatório Corbett de 16 de outubro de 2020, 11 o Great Reset é um novo "contrato social" que vincula todas as pessoas por meio de uma identidade eletrónica vinculada à sua conta bancária e registros de saúde, e um crédito social Identidade que acabará ditando todas as facetas de sua vida.
É sobre se livrar do capitalismo e da livre empresa e substituí-los por “desenvolvimento sustentável” e “capitalismo de acionistas” - termos que desmentem suas nefastas intenções anti-humanas. Conforme observado no livro, “Tecnocracia: O difícil caminho para a ordem mundial... [ler mais]
Os grandes tecnocratas da reinicialização realmente pensaram nisso? Mal: Entre despopulação e Neuralink (Joaquin Flores) 06-2021
«A única coisa que resta para destruir em um mundo povoado apenas por elites, são outras elites. Parece que o desejo de dominar os outros não chega simplesmente ao fim por si mesmo.
Com o Programa Mundial de Alimentos da ONU anunciando que cerca de 270 milhões de pessoas em todo o mundo agora enfrentam a fome, o debate em curso sobre os reais objetivos da tecnocracia é profundo. A questão é se o seu objetivo tende mais para uma grande redução da população, ou mais para um novo tipo de escravidão.
Parece que as questões filosóficas e práticas de longo prazo permanecem um mistério. Argumentaremos que o mal, não simplesmente a influência da base sobre a superestrutura, está no centro desse empreendimento. Definimos o mal como infligir o mais alto grau de dor ao maior número de súditos resistentes. Em suma, definimos o mal como sadismo, infligir o mal porque traz satisfação a quem o inflige... [ler mais]
Julian Assange e o colapso do Estado de Direito (Chris Hedge) 06-2021
«A batalha pela liberdade de Julian nunca foi apenas por causa da perseguição de um editor. Esta é a batalha mais importante pela nossa liberdade de imprensa. E se vamos perder essa batalha, as consequências serão devastadoras, não apenas para Julian e sua família, mas para todos nós.
Tiranias invertem o estado de direito. Fazem da lei um instrumento de injustiça. Elas escondem os seus crimes por meio de uma falsa legalidade. Elas usam a dignidade de dois tribunais para esconder a sua criminalidade. Aqueles que, como Julian, expõem essa criminalidade ao público são pessoas perigosas, porque o pretexto dá legitimidade, mas a tirania perde credibilidade e só permanece por meio da coerção e violência.
Uma prolongada campanha contra Julian e o Wikileaks é uma janela para a demolição do Estado de Direito, mais um passo na direção do filósofo político Sheldon Wolin, que faz parte do nosso sistema de totalitarismo invertido, uma forma de totalitarismo que mantém um ficção da democracia capitalista, incluindo suas instituições, iconografia, símbolos patrióticos e retórica, mas internamente integra todos os meios de controle das corporações globais.... [ler mais]
Tupac Shakur assassinado há 25 anos (John Potash) 06-2021
«Em 16 de junho de 2021, o falecido ícone do rap Tupac Shakur teria completado 50 anos se tivesse sobrevivido a um tiroteio ainda não esclarecido em Las Vegas há 25 anos. Poucos sabiam que por detrás de sua fachada de “gangsta rap”, Tupac era um líder ativista que trabalhou para conter o tráfico de drogas da CIA por meio de gangues de rua. (...)
No início dos anos 1990, os ex-Panteras Negras e outros ativistas desenvolveram com sucesso uma trégua de gangues entre várias seções dos Bloods e dos Crips, que juraram combater o racismo policial em vez de uns contra os outros. Os ex-Panteras e ativistas dos direitos civis, como o cantor Harry Belafonte, ajudaram na trégua de paz e as conversões de ativistas se espalharam por Oakland, o que preocupou a comunidade de inteligência (serviços secretos)... [ler mais]
O vírus global da desigualdade COVID-19 (Thomas Klikauer e Nadine Campbell) 06-2021
«Durante a pandemia coronavírus, a riqueza dos bilionários aumentou em um escalonamento $ 3.9tr - uma gritante $ 3,900,000,000,000 - entre 18 th março 2020 e 21 st de dezembro de 2020. Em janeiro de 2021, a sua riqueza era de um inimagináveis dólares 12tr. Essa aspiração de riquezas semelhante a um tsunami - camuflada pela ideologia da economia em gotejamento - significou que, em setembro de 2020, o chefe da Amazon, Jeff Bezos, poderia ter pago a todos os seus 876.000 trabalhadores $ 105.000 como bônus e ainda ser tão rico quanto antes a pandemia.
Simultaneamente, estima-se que o número total de pessoas que vivem na pobreza poderia ter aumentado entre 200 e 500 milhões durante o primeiro ano da pandemia do coronavírus. Enquanto isso, para a maior parte da humanidade, nunca houve uma saída permanente da pobreza e da insegurança. A pandemia de coronavírus piorou as coisas... [ler mais]
A Nova Ordem do Mundo Toma Forma: Porquê uma Ialta 2? (Thierry Meyssan) 06-2021
«No seguimento do período de confusão dos anos 1991-2021, da «Tempestade do Deserto» à «Remodelagem do Médio-Oriente Alargado», a ambição dos Estados Unidos espatifou-se na Síria. Foram-lhe necessários vários anos para admitir a sua derrota. As Forças Armadas russas dispõem agora de armas muito mais avançadas e o Exército chinês de um pessoal muito mais qualificado. Para Washington é urgente tomar nota da realidade e aceitar um acordo, a mingua do qual perderá tudo. Já não se trata mais de calcular aquilo que é o melhor para si, mas de empreender tudo para sobreviver.
Os aliados dos Estados Unidos não perceberam a importância da catástrofe militar na Síria. Eles persistem em mentir a si próprios e em tratar este conflito major, implicando ainda mais Estados do que a Segunda Guerra Mundial, como uma guerra «civil» num pequeno país distante. Será, portanto, particularmente difícil para eles curvarem-se perante os recuos em catadupa de Washington.
Uma Ialta 2 é a última chance para o Reino Unido... [ler mais]
Visando a Rússia e a China em vez do inimigo real - Desigualdade capitalista (Finian Cunningham) 06-2021
«O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e seus aliados ocidentais estão tentando enquadrar os desafios globais de uma forma que, em última análise, evite lidar com o problema mais urgente que realmente importa - a explosão da desigualdade sob o sistema económico capitalista.
A pobreza, as dificuldades e a ladainha dos problemas sociais, incluindo o impacto da pandemia de Covid-19, que se originam da grotesca desigualdade que o capitalismo produz são - e deveriam ser - o desafio número um para todas as nações, especialmente aquelas no Ocidente, onde o problema é mais agudo.
No entanto, em vez de abordar o que deveria ser extremamente óbvio, Biden e outros supostos líderes ocidentais estão enquadrando os desafios de uma forma estúpida. Isso significa que o problema da desigualdade capitalista se acumula e fica pior... [ler mais]
A vacina contra o Coronavírus: o verdadeiro perigo é a “Agenda ID2020”. Vacinação como plataforma de “identidade digital” (Peter Koenig) 06-2021
Como previsão, este artigo de Peter Koenig foi escrito pela primeira vez em 12 de março de 2020, um dia após o confinamento de 11 de março. Foi um dos artigos de GR mais populares em 2020. Ele revela a agenda oculta por detrás da iniciativa de vacinação Covid-19, que agora está sendo aplicada.
«Outra hipótese, aqui apenas uma hipótese, mas realista, é que junto com a vacinação - senão com esta, então possivelmente com uma posterior, pode ser injetado um nano-chip (1 milhão de vezes menor que o milímetro), desconhecido do vacinado. O chip pode ser carregado remotamente com todos os seus dados pessoais, incluindo contas bancárias - dinheiro digital. Sim, dinheiro digital é o que “eles” estão almejando, então você realmente não tem mais controle sobre sua saúde e outros dados íntimos, mas também sobre seus ganhos e despesas. Seu dinheiro pode ser bloqueado ou levado embora - como uma 'sanção' por mau comportamento, por nadar contra a corrente. Você pode se tornar um mero escravo dos mestres. Comparativamente, o feudalismo pode parecer um passeio no parque. Não é à toa que o Dr. Tedros, DG da OMS, disse há poucos dias, devemos avançar para o dinheiro digital, porque o dinheiro físico e moedas podem espalhar doenças, especialmente doenças endêmicas, como o coronavírus. Um precursor para o que está por vir? - Ou para coisas que já estão aqui? - Em muitos países escandinavos, o dinheiro é em grande parte proibido e até mesmo uma barra de chocalate pode ser paga apenas eletronicamente... [ler mais]
Pity the Poor Billionaire (Klaus Marre e Donkey Hotey) 06-2021
«Foi uma semana mista para bilionários. Por um lado, a ProPublica revelou que muitos deles não pagam sua “parte justa” em impostos (a menos que você pense que a parte justa para alguém com um patrimônio líquido de $ 100.000.000.000 é pagar nada ou muito pouco). Por outro lado, legisladores heróicos como Mitt Romney (R-$ 280 milhões ) no Senado e Josh Gottheimer (D- $ 9 milhões) na Câmara indicaram que não têm interesse em mudar isso - certamente não por algo tão bobo como consertar a infraestrutura decadente do país e dando à economia um impulso muito necessário.
É bastante claro que os super-ricos estão recebendo um negócio injusto aqui. As pessoas deveriam simplesmente deixar esses capitães da indústria em paz para que possam se concentrar no que fazem de melhor: sentar e observar suas vastas fortunas crescerem aos trancos e barrancos. Afinal, é assim que nossa economia de fluxo contínuo foi projetada para funcionar... [ler mais]
Outro mandato de Guterres significa exploração da causa palestina (Ramona Wadi) 06-2021
«A declaração de visão de Guterres - uma visão geral de qual deve ser o papel da ONU nos próximos cinco anos - ilustra como a instituição existe para servir a si mesma, em vez de lidar com as injustiças globais arraigadas. A pandemia de coronavírus, que é um dos principais argumentos de Guterres em sua declaração, é um exemplo de como a ONU se apega às questões mais visíveis, enquanto normaliza décadas de outras situações que são varridas de vista com planos como os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável por exemplo - um conjunto de metas e objetivos que não levam em consideração os diferentes cenários e consequências políticas.
A Palestina é um exemplo. Ao longo do mandato de Guterres, a expansão colonial de Israel usurpou mais território palestino, com a ajuda das concessões da administração Trump. Em vez de se opor aos EUA em um momento em que parecia estar se desviando do consenso estabelecido, Guterres elevou sua retórica contra possíveis alternativas ao compromisso de dois estados, sabendo muito bem que os paradigmas estabelecidos internacionalmente contribuíram para a anexação de fato de Território Palestino... [ler mais]
A Cimeira de Copenhaga para a Democracia: Os Novos Nazis (Christopher Black) 06-2021
«Em 10-11 de Maio, uma conferência foi apresentada pela "Aliança das Democracias" em Copenhague que alegou "unir os povos livres" contra o autoritarismo, para promover o Estado de Direito, para avançar o "controle tecnológico da democracia", liberdade de expressão e Liderança dos EUA. Foi anunciado como um fórum para convidados ouvirem indivíduos proeminentes na "linha de frente da defesa da democracia".
Mas o verdadeiro propósito da Cimeira foi revelado pelo convite de abertura do 12º Secretário-Geral da OTAN (2009-2014) e 24º Primeiro-Ministro dinamarquês (2001-2009),  Anders Fogh Rasmussen, que celebrou o facto de a primeira Cimeira em 2018 ter sido aberto por Joe Biden e pelo facto de ser moderado por Ryan Heath do Politico e ex-correspondente da ABC e da CNN, Jeanne Meserve, que se não eram membros da CIA, agiam como se fossem... [ler mais]
Terapia de choque: como a austeridade e a privatização destroem as nações (Rod Driver) 06-2021
«A privatização no mundo em desenvolvimento geralmente significa um pequeno número de grandes empresas assumindo o controle de todo um setor. (Isso é conhecido como oligopólio). Essas empresas podem ser estrangeiras ou pertencentes a moradores ricos com conexões com o governo. O processo de transferência dessas indústrias é extremamente corrupto e tem sido chamado de “suborno”. O resultado final é que elas podem cobrar preços altos, mesmo para fornecer itens essenciais básicos.
Um bom exemplo das desvantagens da privatização pode ser visto na Bolívia no ano 2000. O abastecimento de água foi privatizado e os preços imediatamente triplicaram. Os moradores não tinham permissão nem para coletar água da chuva. Eles deveriam pagar por cada gota de água que usassem. A empresa americana responsável era a Bechtel, que tem conexões poderosas com o governo dos EUA, principalmente por meio do ex-secretário de Defesa dos EUA, Donald Rumsfeld. Um grande número de pessoas protestou porque não tinha dinheiro para comprar água. Eventualmente, a Bechtel e seus parceiros de negócios foram forçados a deixar o país... [ler mais]
Rebelião NoVaxx; Resista, recuse, rejeite (Mike Whitney) 06-2021
«É muito difícil olhar para os eventos dos últimos 15 meses e não suspeitar que há mais nesta história de Covid do que aparenta; que, embora a infecção, de fato, mate principalmente pessoas idosas com múltiplas doenças subjacentes, que, talvez, o vírus tenha sido usado para promover uma agenda política da qual sabemos muito pouco. Mesmo assim, há coisas das quais podemos estar razoavelmente certos, como, por exemplo, que todo o medo e histeria foram suspeitosamente manipulados para promover a vacinação universal. Isso parece bastante óbvio. Na verdade, os gerentes dessa operação da Covid declararam abertamente que seu objetivo é inocular “todos os 7 bilhões de pessoas” no planeta Terra. Uau. Não há muita área cinzenta nesse comentário, não é?
E, se for esse o caso, podemos presumir com segurança que grande parte da histeria foi exagerada para atingir o objetivo declarado. É uma fórmula muito simples: “Assuste todo mundo e depois os empurre para os depósitos de vacinação”. Pelo menos, essa parece ser a teoria operacional. E, certamente não estou sozinho em me sentir assim. Há também o Dr. Peter McCullough, que é Doutor em Medicina Interna e Cardiologista Certificado pelo Conselho. Veja como ele resumiu em uma entrevista recente no Rumble: “Acho que toda essa pandemia, desde o início, foi sobre a vacina. Todos os caminhos levam à vacina. Já existem lugares no sudeste da Ásia e na Europa onde estão lançando as bases para a vacinação obrigatória. Obrigatório! Isso significa que alguém o prende no chão e coloca uma agulha em você. É assim que as partes interessadas querem a vacinação”... [ler mais]
Desintegração Catastrófica da América (Paul Craig Roberts) 06-2021
«Os Estados Unidos não são mais uma nação. Eles são apenas uma pluralidade de povos que não têm mais um país. É uma unidade espiritual que faz um povo, e os Estados Unidos não têm mais esse espírito unitário. Martyanov observa que não há nada em comum entre um fazendeiro WASP (branco, anglo-saxão, protestante - Nota OsBs) do Iowa, um advogado judeu de Manhattan, e um rapper negro do Bronx. Eles não vêem o mundo, a América, e a sua própria situação da mesma forma, e essas visões são irreconciliáveis.
Martyanov escreve que "hoje, os Estados Unidos não são uma nação, certamente não no sentido tradicional segundo o qual um grupo étnico domina nacionalmente, enquanto a divisa e o mito americano fundador do "caldeirão de culturas", são apenas isso mesmo: um mito. Os muitos grupos étnicos americanos não se assimilaram a uma única nação, mas são mais precisamente percebidos como uma "tigela" de interesses divergentes. A América é uma Torre de Babel erguida sobre as areias movediças da "política de identidade". Um país com tamanha diversidade cultural não tem mais um interesse nacional comum porque não tem mais unidade. Uma casa dividida contra si mesma não se pode manter .. [ler mais]
Banana Kingdom Dinamarca exposta nua na cama com a agência de espionagem dos EUA: líderes vizinhos da Europa quebram o silêncio (Ron Ridenour) 06-2021
«Os chamados “sociais-democratas”, chamados de “socialistas” por gente como Bernie Sanders, são os cachorros de colo dos políticos dinamarqueses mais cativantes.
Novas revelações sobre a espionagem sistemática da Dinamarca sobre os líderes de seus vizinhos mais próximos - Alemanha, França, Noruega e Suécia - desde 2013 foram transmitidas e publicadas online pelo meio de serviço público Danmark Radio (DR), 30 de maio.
1. Os aliados da UE/OTAN foram espionados para os Estados Unidos pelo Serviço de Inteligência Dinamarquês (Forsvarets Efterretningstjeneste -FE), e sem conhecimento do parlamento e, talvez, mesmo de líderes governamentais.
2. Os líderes da França, Noruega e Suécia espionados apresentaram fortes críticas e demandas por uma investigação, por total clareza e pelo fim de tal comportamento “grotesco”. Eles apoiaram as declarações críticas da chanceler alemã, Angela Merkel, em 2014, quando Edward Snowden revelou que os EUA grampeavam suas ligações privadas de celular. Edward Snowden: Vazamentos que expuseram o programa de espionagem dos EUA - BBC News
3. Esta espionagem por FE tem o codinome de Operação Dunhammer... [ler mais]
Birds of a Fascist Feather: Por que Israel está ajudando na repressão colombiana contra os manifestantes (Alan MacLeod) 06-2021
«Há exatamente um mês, uma greve nacional paralisou a Colômbia e foi recebida com repressão mortal pelo governo de extrema direita de Ivan Duque. Enquanto os sindicatos fechavam grandes cidades, interrompendo o transporte público e trazendo um impasse econômico ao país, as forças do governo responderam com violência. De acordo com dados do governo, pelo menos 44 pessoas foram mortas em protestos que começaram em 28 de abril. Outras 500 pessoas foram "desaparecidas", mais de 100 disparadas com fogo real e pelo menos 28 foram feridas no olho pela polícia, o notório esquadrão anti-motim ESMAD, ou por organizações paramilitares ligadas ao Estado.
A repressão à dissidência está sendo estimulada pelo governo israelense, que por sua vez está lidando com uma revolta econômica, militar e social generalizada de sua população palestina cativa. Fora dos Estados Unidos, Israel é o principal fornecedor de armas dos militares e paramilitares colombianos, e a polícia e o exército colombianos têm colocado seu treinamento e armas israelenses em uso contra sua própria revolta doméstica ... [ler mais]
Covid, governos da UE e empresas farmacêuticas multinacionais... (Ángeles Maestro) 06-2021
«Por seu significado especial, reproduzo a seguir as palavras de Joan Ramón Laporte em entrevista recente: “Os sistemas de gestão de risco (são) uma série de estudos realizados com os primeiros consumidores de um novo medicamento para ver o que acontece e se funcionam da mesma forma que no ensaio clínico. Esses planos são confiados às próprias empresas farmacêuticas, e isso é colocar o lobo para guardar o rebanho! Porque isso não é falado. Com os sinais de tromboses, a AstraZeneca não forneceu dados, tudo o que se sabe é da notificação espontânea. Além disso, se você acessar o site da EMA e consultar o documento de autorização oficial de todas as vacinas cobiçadas, fica claro que o plano de monitoramento da segurança da vacina está nas mãos de cada empresa, mas não há uma lista dos estudos que cada um fará, ou protocolos: é algo secreto e opaco”. O seguinte ilustra a situação com um exemplo: “Esses estudos representam uma grande movimentação de dinheiro. Um relatório alemão disse que, em cinco anos, as empresas farmacêuticas pagaram mais de 200 milhões de euros aos médicos para participarem nestes estudos, sem produzir um único resultado que fosse para o sistema de farmacovigilância alemão. Eles usam a farmacovigilância para promover a prescrição do medicamento! Eles pagam a cada médico participante para cada paciente prescrito! A EMA sabe disso perfeitamente e não faz nada a respeito”... [ler mais]
Do Neoliberalismo dos anos 1980 ao "Novo Normal" Post Covid (Colin Todhunter) 06-2021
«Vendido sob o pretexto de uma busca pela otimização do bem-estar e da 'felicidade', o capitalismo prospera na exploração dos povos e do meio ambiente. O que realmente importa é o esforço para manter margens de lucro viáveis. O sistema econômico predominante exige níveis cada vez maiores de extração, produção e consumo e precisa de um certo nível de crescimento anual do PIB para que as grandes empresas tenham lucro suficiente.
Mas, em algum ponto, os mercados ficam saturados, as taxas de demanda caem e a superprodução e a superacumulação de capital se tornam um problema. Em resposta, vimos os mercados de crédito se expandirem e a dívida pessoal aumentar para manter a demanda do consumidor à medida que os salários dos trabalhadores foram pressionados, a especulação financeira e imobiliária aumentou (novos mercados de investimento), recompra de ações e massivos resgates e subsídios (dinheiro público para manter a viabilidade do capital privado) e uma expansão do militarismo (uma grande força motriz para muitos setores da economia).
Também testemunhamos sistemas de produção no exterior sendo substituídos por corporações globais para então capturar e expandir mercados em países estrangeiros ... [ler mais]
Eleição presidencial na República Árabe Síria (Thierry Meyssan) 06-2021
«A eleição presidencial síria foi uma celebração de vitória face às agressões externas. Ela confirmou a autoridade de Bashar al-Assad, não pelas suas ideias políticas, mas pela sua coragem e a sua tenacidade enquanto chefe de guerra. Os Ocidentais, que perderam esta guerra, não se conformam. Eles consideram, pois, esta eleição como sendo nula e sem validade. Persistem em apresentar as autoridades sírias como sendo torcionários, e são incapazes de reconhecer os seus próprios crimes... [ler mais]
A história sombria dos internatos indígenas no Canadá, onde milhares de crianças foram abusadas... (ou a acção civilizadora do Ocidente judaico-cristão) - Vladislav Fediushin 06-2021
«O internato indígena Kamloops não era o único, mas era a maior dessas 'escolas' estabelecidas no país no final do século XIX.
O sistema visava assimilar os indígenas e fazer com que perdessem sua cultura nativa. Segundo o historiador canadense John S. Milloy, os objetivos do programa eram semelhantes aos do americano Richard Henry Platt, organizador da Carlisle Indian Industrial School, na Pensilvânia: "Mate o índio para salvar o homem". Como resultado, os funcionários da 'escola' forçaram os discípulos a esquecer sua cultura, língua e até mesmo família. O relatório final da Comissão Canadense de Verdade e Reconciliação inclui: Uma vez nas escolas, os irmãos e irmãs foram mantidos separados, e o governo e as igrejas até arranjaram casamento para os alunos depois que terminaram seus estudos. [...] Funcionários do governo também insistiram que as crianças fossem desencorajadas, e muitas vezes proibidas, de falar sua própria língua.
O programa foi apoiado por várias congregações cristãs, incluindo a Igreja Católica, a Igreja Anglicana, a Igreja do Canadá Unida e a Igreja Presbiteriana, que em 1930-1931 administrou 44, 21, 13 e 2 internatos, respectivamente. “O acordo das igrejas deu um forte endosso moral a esta determinada posição”, indica Milloy.
No total, cerca de 150.000 menores pertencentes a minorias étnicas foram matriculados nesses internatos em todo o país. Em 1931, cerca de 37% dos menores de nativos estudavam nesses internatos... [ler mais]
Uma guerra civil em preparação 05-2021
«O governo continua na sua senda, está-lhe nos genes, “de respeitar os compromissos internacionais” (palavras do Costa), esquecendo-se, contudo, dos compromissos feitos com os trabalhadores e o povo português, e irá injectar mais 429 milhões de euros no Novo Banco, apesar dos protestos do BE e restante (falsa) oposição. O PCP nem pia porque com a sua abstenção (terá sido violenta como gostava de afirmar o palonço José Seguro no conluio com o governo de Passos Coelho/PSD/CDS?) viabilizou o OE que é, como todos, o orçamento do produto do saque extorquido ao povo que é explorado e paga impostos. Com a imprensa corporativa a funcionar como caixa de ressonância, o governo PS espalha, ou tenta, o seu optimismo quanto à recuperação da economia nacional (capitalista, é sempre bom lembrar!) com a vinda breve dos milhões do PRR e cujo princípio será marcado pela vinda em massa dos turistas ingleses, que até podem andar na rua sem máscara em amena bebedeira e em cima uns dos outros (e muito provavelmente em turismo sexual), coisas que são proibidas ao indígena que é quem, ao cabo e ao resto, sustenta toda esta cambada. Mas há uma realidade que é incontornável e que a propaganda paga a peso de ouro não consegue esconder: Portugal teve a maior queda do PIB (-5,4%) na Europa no primeiro trimestre, uma queda que é nada menos que mais do triplo da UE (1,7% e zona euro 1,8%). A luz teima em não aparecer ao fundo do túnel... [ler mais]
'Este é o preço da guerra': foto das 67 crianças palestinas mortas na investida em Gaza (Haaretz) 05-2021
«Defensores dos direitos humanos e jornalistas aplaudiram o jornal israelense Haaretz por sua reportagem de capa “sem precedentes” na quinta-feira - uma com as fotos e histórias de 67 crianças palestinas mortas na última campanha de bombardeio pelas Forças de Defesa de Israel. 
“Este é o preço da guerra”, dizia a manchete.
O artigo foi publicado um dia depois que o New York Times publicou seu próprio extenso relato sobre as vítimas mais jovens da mais recente ofensiva de 11 dias de Israel, na qual as FDI frequentemente visavam áreas residenciais de Gaza, conhecida como a maior prisão a céu aberto do mundo.
O foco do Haaretz nas crianças mortas em Gaza foi especialmente notável, disse o autor e professor do Brooklyn College Louis Fishman, considerando que os leitores do jornal “também enviam seus filhos para lutar nas guerras de Israel”.
“Isso é sem precedentes”, twittou Fishman.. [ler mais]
Eugenia, a quarta revolução industrial e o choque de dois sistemas (Matthew Ehret) 05-2021
«O mundo de hoje está dividido entre dois futuros possíveis: por um lado ,  uma aliança multipolar em defesa de Estados-nação soberanos organizou-se em torno de um paradigma de pensamento de longo prazo, otimismo científico e cooperação ganha-ganha, enquanto um paradigma unipolar de governo mundial , o despovoamento e o pensamento de soma zero impulsionam um programa de Grandes Reinicializações, pandemias controladas e guerra.
Obter insights sobre esses dois paradigmas opostos é mais importante agora do que nunca, e um lugar importante para começar é a mente perturbadora dos Grandes Arquitetos da Reinicialização, que hoje estão empurrando a sociedade para uma "Quarta Revolução Industrial", onde acredita-se que a automação e a Artificial Inteligência tornará a maior parte da humanidade obsoleta. Como o famoso filósofo do Forum Económico Mundial, Yuval Harari, descreveu repetidamente essa perspectiva: “A tecnologia pode perturbar a sociedade humana e o próprio significado da vida humana de várias maneiras, desde a criação de uma classe global inútil até o aumento do colonialismo de dados e ditaduras digitais”... [ler mais]
Colômbia: O número de assassinados já chega a 59 05-2021
«Segundo dados do Defend Freedom, desde o início das manifestações, foram registradas 5.320 violações de direitos humanos. 
De acordo com a campanha Defend Freedom, pelo menos 32 dos assassinatos foram cometidos pelas forças policiais e pela Esmad.
No final do primeiro mês de protestos e mobilizações contra o governo de Iván Duque, as organizações que fazem parte da campanha Defenda a Liberdade denunciaram que a violência sistemática no contexto da greve nacional deixou um saldo de 59 pessoas assassinadas.
De acordo com o relatório, pelo menos 32 dos assassinatos foram cometidos por elementos das forças policiais e do Esquadrão Móvel Anti-Motim (Esmad).
O Defend Freedom alertou que os demais homicídios foram perpetrados por "civis" sem identificação ou sem informações claras sobre o assunto.
Indicou também que 866 pessoas ficaram feridas pelas ações desproporcionais da Polícia Nacional e, em particular, da Esmad... [ler mais]
Taxas de acidentes alarmantes para vacinas de mRNA garantem ação urgente (F. William Engdahl) 05-2021
«Em 8 de Maio, a Agência Europeia de Medicamentos (EMA), uma agência da União Europeia (UE) responsável pela avaliação e supervisão de produtos médicos, usando o banco de dados EudraVigilance que coleta notificações de suspeitas de efeitos colaterais de medicamentos, incluindo vacinas, publicou um relatório que mal merecia menção na grande mídia. Até 8 de Maio de 2021, eles registraram 10.570 mortes e 405.259 feridos após injeções de quatro injeções  experimentais de COVID-19 : COVID-19 mRNA VACINA de MODERNA (CX-024414); VACINA DE ARNm COVID-19 de PFIZER-BIONTECH; COVID-19 VACCINE of ASTRAZENECA (CHADOX1 NCOV-19); e Janssen COVID-19 VACCINE da Johnson & Johnson (AD26.COV2.S). (Dados mais actuais: 12.184 Mortos 1.196.190 Lesões: Banco de Dados Europeu de Reações Adversas a Medicamentos para COVID-19 "Vacinas", 22 de Maio de 2021)
Uma análise detalhada de cada vacina fornece o seguinte: A vacina com o gene do mRNA da Pfizer-BioNTech editado resultou nas maiores fatalidades - 5.368 mortes e 170.528 feridos ou quase 50% do total para todos os quatro. A vacina de mRNA Moderna foi a segunda com 2.865 mortes e 22.985 feridos. Ou seja, as duas únicas vacinas experimentais de mRNA com manipulação genética, Pfizer-BioNTech e Moderna, foram responsáveis ​​por 8.233 mortes do total de 10.570 mortes registradas. Isso representa 78% de todas as mortes causadas pelas quatro vacinas atualmente em uso na UE ... [ler mais]
VIVA A COMUNA DE PARIS! (A Guerra Civil em França - Karl Marx) 05-2021
«A mente burguesa tingida de polícia imagina naturalmente, para si mesma, a Associação Internacional dos Trabalhadores a agir à maneira de uma conspiração secreta, com o seu corpo central a ordenar, de tempos a tempos, explosões em diferentes países. A nossa Associação não é, de facto, senão o elo internacional entre os operários mais avançados nos vários países do mundo civilizado. Onde quer que seja, sob que forma e sob que condições for que a luta de classe ganhe qualquer consistência, só é natural que membros da nossa Associação estejam na primeira linha. O solo a partir do qual ela cresce é a própria sociedade moderna. Ela não pode ser esmagada pela maior das carnificinas. Para a esmagarem, os governos teriam de esmagar o despotismo do capital sobre o trabalho — a condição da própria existência parasitária que é a deles.
A Paris operária com a sua Comuna será sempre celebrada como o arauto glorioso de uma nova sociedade. Os seus mártires estão guardados como relíquia no grande coração da classe operária. E aos seus exterminadores, já a história os amarrou àquele pelourinho eterno donde todas as orações dos seus padres os não conseguirão redimir... [ler mais]
Reconstrução de capital às custas de nossa destruição. O que fazer? (Ángeles Maestro) 05-2021
«Depois dos atentados sofridos na crise anterior, está sendo preparado um novo assalto de dimensões muito maiores, conscientemente gerado por meio de um cenário de terror generalizado projectado para minimizar nossas possibilidades de resposta.
À medida que o abismo da crise se aprofunda, o capitalismo mostra abertamente que os mercados livres e sua defesa da livre concorrência são mera propaganda. O bolo pelo qual as facções oligárquicas dominantes lutam ferozmente é o dinheiro público que o Estado, o seu Estado, o Estado ao serviço do capital, põe à sua disposição.
E essa enésima apropriação da nossa riqueza, aquela produzida pela classe trabalhadora, não é apenas a mais-valia, não é apenas os benefícios que geramos para ela com a compra de suas mercadorias, é também o roubo do dinheiro público que geramos com nossos impostos - que praticamente só paga os trabalhadores - e nossas contribuições para a previdência social... [ler mais]
Podemos confiar na OMS? (F. William Engdahl) 05-2021
«No último relatório financeiro disponível da OMS, para 31 de Dezembro de 2017, pouco mais da metade do Orçamento do Fundo Geral de $ 2 + bilhões da OMS era proveniente de doadores privados ou agências externas, como Banco Mundial ou UE. De longe, os maiores financiadores privados ou não governamentais da OMS são a Fundação Bill e Melinda Gates, juntamente com a GAVI Vaccine Alliance, o Fundo Global de Luta contra a AIDS, Tuberculose e Malária (GFATM), iniciado por Gates. Esses três forneceram mais de US $ 474 milhões à OMS. A Fundação Bill e Melinda Gates sozinha doou $ 324.654.317 à OMS. Em comparação, o maior doador estadual da OMS, o governo dos EUA, deu  US $ 401 milhões à OMS. (...)
Sob Tedros, a notória corrupção e conflitos de interesse na OMS continuaram, e até aumentaram. De acordo com um relatório recente da Australian Broadcasting Corporation, em 2018 e 2019 sob Tedros, o Programa de Emergências de Saúde da OMS, a secção responsável pela resposta global COVID-19, foi citada com a classificação de risco mais alta observando a “falha em financiar adequadamente o programa e operações de emergência [riscos] entrega inadequada de resultados a nível de país... [ler mais]
A última crise migratória em Ceuta: um retrato da Espanha (Luis Gonzalo Segura) 05-2021
«Espanha, um  Frankenstein  sem princípios nas questões migratórias, algo em que pouco ou nada difere do resto do Velho Continente, cujo comportamento em termos migratórios nas últimas duas décadas constitui não só um episódio infame que a História não esquecerá, mas provocará consequências que, certamente, até hoje não conseguimos nem mesmo vislumbrar. O Império Romano caiu devido a muitos problemas, entre os quais podemos destacar a sua incapacidade de assumir e integrar fluxos migratórios que pretendiam ser tão romanos quanto os atuais migrantes europeus. Uma incapacidade, intrinsecamente ligada ao egoísmo individual e social e à miopia geopolítica, que pode ser letal, se verá, mas que por ora tanto confere conforto, aquela que vem de transformar toneladas de gente em mercadoria no atacado, como fraqueza,aquele que deriva da transformação de duas ditaduras selvagens como Marrocos ou Turquia em polícia de fronteira e aliados estratégicos... [ler mais]
A agenda de despovoamento dos supercapitalistas (Peter Koenig) 05-2021
«Memorando 200 do Estudo de Segurança Nacional de  Henry Kissinger, de 1974  (NSSM200)- afirmando o crescimento populacional como uma ameaça à segurança nacional. O relatório continua válido, mais do que nunca - e sua implementação está a todo vapor. Embora o relatório não contenha uma citação direta de redução populacional ou de outra forma uma referência direta a uma agenda eugênica, ele é várias vezes insinuado ao se referir ao crescimento populacional como uma "Ameaça à Segurança Nacional", um jargão do Departamento de Estado para "controlar a superpopulação", ou seja, reduzindo a população. O próprio Kissinger costumava dizer de forma infame: “ Quem controla o abastecimento de alimentos controla  as pessoas; quem controla a energia pode controlar continentes inteiros; quem controla o dinheiro, controla o mundo.”
Bem, Bill Gates e muitos de seus camaradas bilionários estão trabalhando no controle de alimentos em todo o mundo, mas especialmente começando nos Estados Unidos, onde Gates se tornou o maior proprietário de terras privado dos Estados Unidos com pelo menos 242.000 acres (cerca de 980 quilômetros quadrados) de Terras agrícolas americanas, espalhadas por vários estados... [ler mais]
Dr. Fauci é finalmente desmascarado (Peter Barry Chowka) 05-2021
«O Dr. Anthony Fauci é o líder das respostas políticas do governo federal à Covid-19 desde o primeiro dia da pandemia. Diretor desde 1984 do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas, ele agora atua como o principal conselheiro do presidente Biden sobre o assunto. No ano passado, Fauci atacou repetidamente o presidente Trump quando ele trabalhava para o 45º presidente. E agora ele está com tudo para Joe Biden.
Nos últimos anos, pessoas de esquerda (partido democrata - Nota OsBs) que mentem e infringem a lei - das ruas às suítes - raramente foram responsabilizadas. Um deles, na opinião de muitos, é o Dr. Anthony Fauci. Fauci é mais responsável do que qualquer outra pessoa por promover bloqueios, ordens de máscara e vacinas experimentais, em vez de tratamentos eficazes e baratos para Covid-19. Embora a maioria dos conservadores tenha perdido a fé no "Dr. Doom", parecia que ele nunca seria responsabilizado pelo que fez ou que jamais seria compelido a abrir mão de sua posição burocrática ao longo da vida, incrivelmente influente e altamente remunerada.
Mas - mantenha os dedos cruzados - isso pode estar prestes a mudar... [ler mais]
COVID como uma arma biológica, perguntas difíceis de portas fechadas (Gordon Duff) 05-2021
«Os Estados Unidos lideram o desenvolvimento e a produção de armas bacteriológicas e químicas em escala mundial. Seu uso pelos militares dos EUA nas guerras na Coreia e no Vietnã está bem documentado por documentos do governo dos EUA e pela mídia. O que não está tão bem documentado é o uso de tais armas pelos EUA em operações secretas. (...)
Vários laboratórios, espalhados pela Europa Oriental, estão ligados como um cordão umbilicial ao programa de Prevenção da Proliferação de Armas Biológicas (BWPP) e vários projetos dentro dele. Este programa fornece uma cobertura para o que provavelmente é um programa ofensivo. Se as cepas que estão investigando se revelarem resistentes aos antibióticos, isso significa que estão conduzindo pesquisas em andamento sobre organismos especiais que podem comer bactérias e atacar infecções resistentes a antibióticos, que podem ser acessadas rapidamente. Quem tem a capacidade de liberar essas armas controla o campo de batalha das bioarmas... [ler mais]
O chefe da ONU contaminado, Guterres, certamente disputará o segundo mandato (Martin Jay) 05-2021
«Não há corrupção como a corrupção política. E nenhum campeão de Estados falidos como a própria ONU para provar isso. António Guterres, um ex-primeiro-ministro de Portugal atolado em uma série de escândalos de corrupção e encobrimentos, é quase certo que ganhará um segundo mandato como secretário-geral da ONU.
Apoiado pela maioria das grandes potências do Conselho de Segurança da ONU - e mais importante da China - Guterres está sentado confortavelmente para continuar um segundo mandato num processo eleitoral que fede a jogo sujo e "empregos para os boys". A sociedade civil, a única instituição que poderia ter desempenhado um papel na eleição de um chefe da ONU que pudesse realmente limpar a corrupção interna da organização, não foi permitida, de facto, apresentar candidatos, deixando os Estados membros sozinhos para apresentarem sozinhos.(...)
E você nem precisa olhar além da própria instituição para ver como as mulheres ainda são vítimas de exploração sexual numa escala nunca antes vista - tanto na linha de frente de estupros horríveis e agressões por capacetes azuis, mas também nos corredores da própria ONU... [ler mais]
O rosto e a morte (Giorgio Agamben) 05-2021
«Um país que decide renunciar à sua própria cara, para cobrir os rostos dos seus cidadãos com máscaras por toda a parte é, pois, um país que apagou de si todas as dimensões políticas. Nesse espaço vazio, sujeito a todo momento a um controle ilimitado, os indivíduos agora se movem isolados uns dos outros, que perderam o fundamento imediato e sensível de sua comunidade e só podem trocar mensagens dirigidas a um nome sem rosto. E sendo o homem um animal político, o desaparecimento da política significa também o afastamento da vida: uma criança que, ao nascer, já não vê o rosto da mãe, corre o risco de não poder conceber os sentimentos humanos.
Não menos importante do que a relação com o rosto, é para os homens a relação com os mortos. O homem, o animal que se reconhece na própria cara, é também o único animal que celebra o culto aos mortos. Não é surpreendente, então, que até os mortos tenham um rosto e que o apagamento do rosto ande de mãos dadas com a remoção da morte... [ler mais]
Por que Gates e Pentágono estão lançando mosquitos “Gene Edited” (GMO) em Florida Keys? (F. William Engdahl) 05-2021
«Apesar dos fortes protestos dos residentes, a Agência de Proteção Ambiental dos EUA e as agências da Flórida aprovaram a liberação polémica de milhões de mosquitos assassinos geneticamente modificados ou “editados por genes” nas Florida Keys. Ao mesmo tempo, o controverso assessor científico presidencial indicado de Biden está envolvido no desenvolvimento da tecnologia CRISPR, que está sendo usada para modificar geneticamente tudo, desde mosquitos até as “vacinas” de mRNA de coronavírus da Pfizer e Moderna a salmão editado por gene. A forma como Bill Gates, o Pentágono e o lobby da eugenia se unem agora é alarmante, para dizer o mínimo. (...)
O projecto, que soa positivo nas declarações à imprensa, é alarmante em muitos aspectos. Primeiro, a recusa em permitir que um cidadão vote sobre a polémica liberação de OGM. Em segundo lugar, não existe uma análise de custo-benefício dos riscos versus benefícios da libertação de milhões de mosquitos cujas características genéticas estão sofrendo mutações de maneiras muitas vezes imprevisíveis. Vale a pena correr o risco de que uma variedade cada vez mais robusta de mosquitos sofra uma mutação com o projecto?... [ler mais]
Melinda Gates exigiu o divórcio após relatórios de Epstein (Finian Cunningham) 05-2021
«O casamento de 27 anos agora está caminhando para o divórcio, que o casal filantrópico anunciou na semana passada ganhando as manchetes mundiais, mas sem explicar o motivo de sua falência. Acontece agora que Melinda contratou advogados para o divórcio há quase dois anos, depois que reportagens dos media revelaram extensas negociações entre Bill e o notório criminoso sexual Jeffrey Epstein.
Epstein morreu enquanto estava sob custódia em Nova York, enquanto aguardava um julgamento em uma promotoria federal por tráfico sexual de meninas menores. Sua morte em agosto de 2019 foi registrada como suicídio, embora os advogados de Epstein contestassem esse veredicto e haja muita especulação de que ele pode ter sido assassinado. Se Epstein, que já tinha uma condenação anterior de agressor sexual, fosse a julgamento, acredita-se que sua associação com muitas figuras importantes poderia ter produzido revelações chocantes. Esses números incluem os ex-presidentes dos EUA Bill Clinton e Donald Trump, o príncipe Andrew da Grã-Bretanha... e o fundador da Microsoft, Bill Gates... [ler mais]
Covid crise da Índia em contexto - uma atualização (Jo Nash) 05-2021
«O governo indiano está gastando milhões na aquisição de vacinas, o que desviou recursos de outros programas de saúde, incluindo programas de vacinação contra tuberculose. A tuberculose mata entre 450.000 e 500.000 pessoas por ano na Índia, em média. Dado que o sistema de saúde financiado pelo governo é frágil, na melhor das hipóteses, qualquer aumento repentino de doenças respiratórias virais irá sobrecarregar o sistema e, em grande parte da Índia, abril começa a temporada de vírus respiratórios antes da monção.
O que meu primeiro artigo estava defendendo é que, num país com um sistema de saúde frágil e precário, desviar recursos para obter e implementar vacinas em massa provavelmente desviará os gastos de outros problemas de saúde pública que são muito mais sérios e ameaçadores à vida do que o coronavírus que atinge a maioria da população jovem e saudável. Os programas de vacinação contra tuberculose, sarampo e poliomielite foram atrasados, o que significa que os casos vão aumentar... [ler mais]
Peru. Esterilizações forçadas: as cicatrizes da barbárie não desaparecem (Liz Tasa) 05-2021
«A candidata presidencial Keiko Fujimori declarou que as laqueações e vasectomias realizadas durante o regime autoritário de seu pai Alberto Fujimori são "erroneamente denominadas esterilizações forçadas" e que faziam parte do "planeamento familiar" daquele governo. Com essas declarações, a dirigente do Fuerza Popular ignora as vítimas e o atual processo penal que está em fase de denúncia contra o ex-presidente e três ex-ministros da Saúde, entre eles Alejandro Aguinaga, virtual deputado eleito por seu partido e médico do ex-presidente. (...)
Mais de 20 anos depois, essa história permanece impune. Neste momento, o ex-presidente Alberto Fujimori e seus ex-ministros da Saúde Eduardo Yong, Marino Costa Bauer e Alejandro Aguinaga, enfrentam uma denúncia formal do Ministério Público pelo caso de esterilizações forçadas. Todes eles são acusados de serem os autores mediadores dessa afetação contra mais de 1.300 mulheres, que foram esterilizadas, no âmbito do que aquele regime chamou de “Programa Nacional de Saúde Reprodutiva e Planeamento Familiar”. O médico Alejandro Aguinaga é atualmente congressista virtual e médico pessoal do ex-presidente Fujimori. Ele também é um dos profissionais vacinados irregularmente com as doses extras de Sinopharm no caso Vacunagate... [ler mais]
Puta que os pariu! 05-2021
Nos últimos dias vários acontecimentos marcaram a agenda política do país: A Cimeira Social do Porto, que seria realizada para uma eventual mudança social com o objectivo de recuperação da economia capitalista na Europa, mais emprego, melhores salários, um possível salário mínimo europeu,mais direitos e regalias sociais para o mundo trabalho, em suma: a tal Europa dos cidadãos de que alguém gosta muito de falar; a sentença do caso da morte do imigrante ucraniano Ihor Homemiuk às mãos de três inspectores da política das fronteiras SEF, entretanto reconfigurada, cujos homicidas foram condenados a penas de prisão entre os 7 e os 9 anos, penas brandas pela razão invocada pelos juízes de que não teria havido intenção de assassinar mas somente de torturar; a cerca sanitária a duas freguesias do concelho de Odemira, por haver mais casos dos que a conta oficial de PCR+, trouxe à tona, o que já era há muito público, a existência de trabalho escravo nas culturas intensivas existentes em zona protegida na orla litoral alentejana. 35 anos após a adesão à CEE (UE), Portugal é o país de trabalho escravo que promove uma cimeira social. É razão para desabafar, caso não fossemos pessoas bem educadas: e se fossem gozar com a puta que os pariu!... [ler mais]
A limpeza étnica de Jerusalém (Donald Monaco) 05-2021
«O roubo total de casas e propriedades palestinas por abutres sionistas predadores provocou protestos e violência generalizados na cidade reverenciada. Policiais israelitas fortemente armados intervieram para proteger os colonos. Centenas de palestinos foram feridos na vizinha Mesquita de Al-Aqsa . A necessidade de defender Jerusalém e um dos locais mais sagrados do Islão é uma convicção profundamente arreigada para muitos dos 1,9 mil milhões de muçulmanos do mundo.
Ao cercar Al-Aqsa lentamente e permitir expropriações de propriedades em Jerusalém Oriental, Israel está brincando com fogo. Deve-se lembrar que o notório assassino árabe Ariel Sharon invadiu Haram al Sharif cercado por centenas de policiais armados, dando início à segunda Intifada palestina em 28 de Setembro de 2000. A revolta ficou conhecida como Al-Aqsa Intifada... [ler mais]
A criminalização da dissidência. “Covid Deniers” e “Anti-Vaxxers” sob vigilância (CJ Hopkins) 05-2021
«Uma das marcas dos sistemas totalitários é a criminalização da dissidência. Não apenas a estigmatização da dissidência ou a demonização da dissidência, mas a criminalização formal da dissidência e qualquer outro tipo de oposição à ideologia oficial do sistema totalitário. O capitalismo global vem avançando lentamente em direção a esse passo há algum tempo e agora, aparentemente, está pronto para dar esse passo.
A Alemanha tem liderado o caminho. Por mais de um ano, qualquer pessoa questionando ou protestando contra as “medidas de emergência da Covid” ou a narrativa oficial da Covid-19 foi demonizada pelo governo e pelos media e, infelizmente, mas não de forma totalmente inesperada, pela maioria do público alemão. E agora tal dissidência é oficialmente “extremismo”... [ler mais]
Joe Biden reinventa o racismo (Thierry Meyssan) 05-2021
«Num Estado Federal, algures no mundo, o Ministério da Educação nacional decidiu ensinar nas escolas primárias e secundárias que a humanidade está dividida em raças distintas.
Embora estas raças sejam distintas, é possível acasalá-las e dar origem a crianças. No entanto estas serão estéreis como muares com origem num burro e numa égua. É por isso que as estatísticas do tal Estado Federal contam brancos, negros etc, mas não mestiços.
Como existe uma hierarquia implícita entre estas raças distintas e, infelizmente, os mestiços não são estéreis, eles são automaticamente contados como pertencendo à raça inferior. É preciso, com efeito, preservar a raça superior de qualquer contaminação.
Este Estado Federal era o Reich nazi, mas estes são também os princípios dos Estados Unidos de Joe Biden e do seu Secretário da Educação, Miguel Cardona... [ler mais]
Aldous Huxley previu nossos déspotas: Fauci, Gates e suas cruzadas pelas vacinas (Patricia McCarthy) 05-2021
«Huxley geralmente elogia o romance de Orwell, que para muitos parecia muito semelhante a Admirável Mundo Novo em sua visão distópica de um futuro possível. Huxley educadamente expressa sua opinião do que sua própria versão do que poderia acontecer seria mais verdadeira do que a de Orwell. Huxley observou que a filosofia da minoria governante em  Mil Novecentos e Oitenta e Quatro  é o sadismo, enquanto sua própria versão é mais provável, que controlar um público ignorante e desavisado seria menos árduo e menos esbanjador por outros meios. As massas de Huxley são seduzidas por uma droga entorpecente, as de Orwell pelo sadismo e pelo medo.
A citação mais poderosa na carta de Huxley a Orwell é esta:
Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento infantil e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos do governo, do que os clubes e as prisões, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito sugerindo às pessoas que amem sua servidão como açoitando e chutando-as à obediência... [ler mais]
Carta de Pablo Hasél da prisão: "Literalmente não tenho um euro e aqui sobrevivo graças à solidariedade" 05-2021
«- Assegurou em mais de uma ocasião que existe uma operação do Estado para neutralizá-lo e mantê-lo preso pelo maior tempo possível. Por que você acha que é considerado perigoso?
- Eles me consideram perigoso porque, como reconheceu o promotor em meu último julgamento no Tribunal Nacional: “É conhecido e incentiva a mobilização social”. Essa crueldade não existe apenas por causa da minha arte revolucionária que me empurra para a luta e revela inúmeras injustiças ao apontar os culpados, também porque sou militante há muitos anos. Se eu não me tivesse organizado por gastar tanto tempo e dedicação em tantas lutas, eles não me considerariam tão perigoso. Além de serem conhecidos, eles estão preparados porque não recuei de suas constantes ameaças e golpes repressivos.
- Você faria tudo pelo que foi condenado de novo?
-Sim, eu nunca vou me arrepender de ter lutado... [ler mais]
A Europa é um Estado vassalo? Joe Biden busca endosso da UE para a política de Washington com fobia à Rússia (Dr. Ludwig Watzal) 05-2021
«O objetivo da segunda visita de Blinken à Europa é dar apoio à política russo-fóbica americana. Em sua primeira visita a Bruxelas, Blinken pressionou a UE a não comprar a vacina russa Sputnik V. Não é surpreendente que a Agência Europeia de Medicamentos (EMA) protele a aprovação do Sputnik V. Além disso, o Brasil tem sido pressionado a não tomar a vacina, embora já 64 países em todo o mundo a utilizem. A eficiência é superior a 97 por cento. A taxa de mortalidade é quase nula. Pode-se perguntar por quanto tempo os Estados europeus querem se equilibrar na condição de vassalo? Eles deveriam se separar dos Estados Unidos, caso contrário, os Estados Unidos os conduzirão a outra guerra pela Ucrânia fascista.
Especialmente a Alemanha está na berlinda por causa do Nord Stream 2. Blinken anunciou que iria “convencer” o ministro das Relações Exteriores alemão, Heiko Maas, a desistir do acordo. Há uma grande “quinta coluna” de atlantistas na Alemanha que pedem a suspensão do projeto do gasoduto na Alemanha. A mais proeminente é Annalena Baerbock, do Partido Verde, que foi nomeada candidata a chanceler. Outros políticos alemães que trabalham contra os interesses nacionais alemães são Alexander Graf Lambsdorff (Partido Democrático Livre) e Norbert Röttgen (CDU), para citar apenas alguns... [ler mais]
Pesticidas agrícolas causam danos generalizados à saúde do solo e ameaçam a biodiversidade (Centro de Diversidade Biológica) 05-2021
«“Abaixo da superfície dos campos cobertos com monoculturas de milho e soja, os pesticidas estão destruindo as próprias bases da teia da vida”, disse o Dr. Nathan Donley, outro coautor e cientista do Centro. “Estudo após estudo indica que o uso não verificado de pesticidas em centenas de milhões de acres a cada ano está envenenando os organismos essenciais para a manutenção de solos saudáveis. Mas nossos reguladores têm ignorado os danos a esses importantes ecossistemas por décadas”.
Os invertebrados do solo fornecem uma variedade de benefícios essenciais para o ecossistema, como ciclagem de nutrientes de que as plantas precisam para crescer, decomposição de plantas e animais mortos para que possam nutrir uma nova vida e controle de pragas e doenças. Eles também são essenciais para o processo de conversão de carbono... [ler mais]
As mentiras de Boris Johnson não o prejudicam porque o sistema político do Reino Unido é mais corrupto do que ele (Jonathan Cook) 05-2021
«O problema não é que a maioria dos eleitores tenha falhado em entender que Johnson é corrupto, embora dada a natureza corrupta da mídia corporativa britânica - o Guardian em grande parte incluído - eles não estão bem posicionados para avaliar a extensão da corrupção de Johnson.
Não é mesmo que eles saibam que ele é corrupto, mas não se importam.
Em vez disso, o verdadeiro problema é que seções significativas do eleitorado corretamente chegaram à conclusão de que o sistema político mais amplo dentro do qual Johnson opera também é corrupto. Tão corrupto, na verdade, que pode ser impossível de consertar. Johnson é simplesmente mais aberto e honesto sobre como ele explora o sistema corrupto.
Nas últimas duas décadas, houve várias estações intermediárias, expondo a extensão da corrupção do sistema político do Reino Unido, seja qual for o partido no poder... [ler mais]
Monocultura da soja pode deixar o brasileiro sem arroz e feijão na mesa (Catarina Barbosa) 05-2021
«Nesta segunda-feira (26 de Abril), a Federação de Órgãos para Assistência Social e Educacional (Fase) lançou um dossiê, que analisa a cadeia da monocultura da soja, assim como sua logi?stica em diversas dimensões e um dos alertas do documento diz respeito ao risco de faltar arroz e feijão na mesa do brasileiro, já que a expansão acelerada da commodity compromete o abastecimento de alimentos básicos. 
Diana Aguiar, pesquisadora de Pós-Doutorado no Programa de Pós-Graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) lembra que a soja é o carro-chefe do agronegócio no Brasil e representou junto com o milho mais de 90% de toda a safra de grãos colhidos no país em 2020... [ler mais]
Maio proletário, internacionalista e de revolta 05-2021
Foi o medo da revolta social que levou o PR e o PM a recuar: o estado de emergência não foi renovado, após quase meio ano de estado de sítio e de quinze prorrogações contínuas. A pouca amistosa recepção ao PM Costa e do seu assessor-ministro das Infra-estruturas em Valença do Minho por parte de pequenos comerciantes e de trabalhadores assalariados, uma aliança que nunca deixa de ser perigosa para a burguesia, fez empalidecer-lhe a face e antecipar a abertura das fronteiras, objectivo tão reivindicado e há bastante tempo, pelas populações, por completamente injustificado.
O estado de emergência tem servido para justificar a crise, por um lado, e desresponsabilizar o governo pela crescente dificuldades e miséria sentidas pelo povo português e pelas medidas de mais e redobrada austeridade que se preparam para ser aplicadas em breve, sempre com a justificação do combate à pandemia. A crescente ruína das classes médias, a par da miséria endémica (esta sim pandémica) da classe operária, faz com que rapidamente se reúnam as condições da revolução dos explorados, como aconteceu há 150 anos na Comuna de Paris. É este perigo, sempre latente, que faz correr Costa e Marcelo, cuja qualidade principal não é exactamente a coragem, mas mais a poltronice, a que juntam a mentira, a manipulação e a intriga; todas qualidades da classe social que representam, a burguesia... [ler mais]
Colômbia. O povo volta às ruas: “O Governo é mais perigoso que o vírus” 04-2021
«Dezenas de milhares de pessoas vão às ruas para derrubar a reforma tributária que visa contornar a falência do país com mais impostos para as classes média e baixa.
A crise de saúde provocada pelo coronavírus foi um parêntese na onda de mobilizações que abalou a Colômbia no final de 2019. Um ano depois, com 20% de desemprego, altas taxas de pobreza, queda do PIB de 6,8% e a persistência do paramilitarismo e o avanço das multinacionais sobre os territórios devolveu os protestos contra o governo ultradireitista de Iván Duque. Em 28 de abril, dezenas de milhares de trabalhadores, estudantes, camponeses, indígenas, afro-colombianos tomaram as ruas em uma nova “greve nacional” contra a política económica do governo e sua gestão da pandemia.
O gatilho é uma reforma tributária com a qual o governo pretende enfrentar a crise. Poucos dias antes de lançar a proposta, o ministro da Fazenda, Alberto Carrasquilla, afirmou que “a Colômbia tem caixa por cerca de seis ou sete semanas”, situação comprometida por um grande déficit comercial, que obriga, segundo sua versão, a um novo endividamento e maior arrecadação de impostos para fazer frente às despesas correntes do Estado, mas, sobretudo, para pagar os juros da dívida externa... [ler mais]
Sete razões pelas quais um passaporte de vacina deve dar-nos uma pausa para reflectir (Nick Corbishley) 04-2021
«Em países que já têm um serviço nacional de saúde estabelecido, como o Reino Unido e Israel, o passaporte da vacina foi exigido a nível público. Nos Estados Unidos, as empresas de tecnologia e saúde estão firmemente no comando. Pelo menos 17 programas alternativos estão atualmente em desenvolvimento. Quanto à UE, propôs a emissão de "certificados verdes digitais" que permitiriam aos residentes da UE viajar livremente pelo bloco de 27 países até o verão, desde que tenham sido vacinados, testado negativo para COVID-19 ou recuperado da doença . É importante notar que a UE tem estudado a viabilidade de criar um cartão de vacinação comum da UE desde o início de 2019 (antes da pandemia - Nt dos B's). (...)
Outra iniciativa é o aplicativo de saúde digital CommonPass que está sendo desenvolvido pela Commons Project Foundation (CPJ), que foi fundada pela Fundação Rockefeller e é apoiada pelo Fórum Económico Mundial. O CommonPass é uma estrutura e um aplicativo que “permitirá que os indivíduos acessem seus resultados de laboratório e registos de vacinação, e consentirá que essas informações sejam usadas para validar seu status COVID sem revelar nenhuma outra informação de saúde pessoal subjacente”.
Depois, há a ID2020, uma organização não governamental que defende IDs digitais para bilhões de pessoas sem documentos em todo o mundo e grupos carentes como refugiados. Em 2019, o ID2020 lançou um novo programa de identidade digital em colaboração com o  governo de Bangladesh  e a Aliança Global para Vacinas e Imunização (GAVI). Agora está envolvida no Good Health Pass Collaborative , “uma iniciativa aberta, inclusiva e intersetorial que reúne empresas e organizações líderes dos setores de tecnologia, saúde e viagens”... [ler mais]
Capitalismo, pobreza, covid-19 e aumento das despesas militares (Lawrence Wittner) 04-2021
«A existência de pobreza generalizada nas potências militares mais poderosas do mundo levanta a questão do que poderia ter sido feito para aliviá-la ou eliminá-la, se durante 2020 eles não tivessem investido quase US $ 1,1 trilhão nos preparativos para a guerra.
O ano passado foi uma época terrível para um grande número de pessoas em todo o mundo, que experimentaram não apenas uma terrível pandemia de doenças, acompanhada por doenças e mortes generalizadas, mas também por severas dificuldades económicas.
Mesmo assim, os desastres de 2020 não foram chocantes o suficiente para sacudir as nações mais poderosas do mundo de sua preocupação tradicional em aumentar seu poderio armado, pois mais uma vez eles aumentaram os gastos militares a novos patamares.
Durante 2020,  os gastos militares mundiais  aumentaram para US $ 1.981.000.000.000 - ou quase US $ 2 trilhões - com os gastos das três principais potências militares desempenhando um papel importante no crescimento. O governo dos EUA aumentou seus gastos militares de  US $ 732 bilhões  em 2019 para  US $ 778 bilhões  em 2020, mantendo assim seu primeiro lugar entre os maiores financiadores dos preparativos de guerra. Enquanto isso, o governo chinês aumentou seus gastos militares para US $ 252 bilhões, enquanto o governo russo aumentou seus gastos militares para US $ 61,7 bilhões... [ler mais]
O Genocídio dos Velhos: Políticas Públicas de Saúde da Covid-19 Estão Matando Idosos, Deliberadamente (Alliance for Human Research Protection) 04-2021
«A pandemia expôs políticas de saúde pública subjacentes e desumanas, impulsionadas pela eugenia. A evidência chocante é que essas políticas de saúde pública foram implementadas nos países mais desenvolvidos e economicamente ricos. Aqueles com o mais alto padrão de vida negaram tratamento médico para idosos residentes em lares, essencialmente condenando-os à morte.
Metade de todas as mortes relacionadas ao COVID-19 na Europa ocorreram entre residentes em lares de idosos: um relatório da London School of Economics descobriu que na Itália, França, Irlanda, Espanha e Bélgica entre 42% e 57% das mortes causadas pelo vírus ocorridas em lares de idosos. Na Itália, as pessoas chamam de "massacre silencioso".
No Reino Unido, mais de 20.000 residentes de lares de idosos morreram de Covid-19 durante a primeira onda da pandemia. A decisão de dar alta a milhares de pacientes hospitalares em lares de idosos na primavera, a fim de liberar leitos hospitalares e proteger o Serviço Nacional de Saúde, foi provavelmente a responsável. Alguns parlamentares acusaram o governo de lançar lares de idosos 'aos lobos'.
Nos Estados Unidos, 2,1 milhões de pessoas vivem em lares de idosos e instalações de vida assistida. Eles constituem 0,6% da população. No entanto, mais de 174.000  idosos residentes e funcionários dos lares morreram em março de 2021. [5] As suas mortes representam 34% das mortes de Covid-19. Um relatório da American Association of Retired People (AARP) descobriu que muitas dessas mortes poderiam ter sido evitadas... [ler mais]
Um Círculo Apertado de Políticas de Substituição (Alastair Crooke) 04-2021
«Talvez o que estejamos testemunhando seja uma política externa enraizada em algo de natureza diferente dos interesses nacionais, como tradicionalmente entendidos. Estamos, talvez, lidando com uma "geopolítica da memória" que não é limitada por nenhum estado particular, mas ainda requer uma "legitimação moral" que é muito mais ampla geograficamente. O ‘interesse nacional’ aqui estaria mais centrado na gestão da revolução cultural do que na lógica das relações bilaterais.
Uma asa para este 'pássaro' é evidente em um monólogo poderoso e (controverso) entregue por Tucker Carlson, um importante comentarista político americano (conservador), que se dedica a explicar por que um partido dos EUA está importando um novo eleitorado para diluir, e substituir, o eleitorado dos EUA existente - e tem feito isso por décadas. É o impulso dominante dentro da política dos EUA, Carlson declara; É uma "política de substituição".
Carlson dá exemplos de onde os estados dos EUA (como a Califórnia) tiveram sua compleição política permanentemente alterada por meio da mecânica da imigração... [ler mais]
Os impactos destrutivos para a saúde humana e o meio ambiente do herbicida à base de glifosato... (Colin Todhunter) 04-2021
«Em 9 de Abril de 2021, a médica aposentada e a ativista de saúde e meio ambiente, Dra. Rosemary Mason, escreveu para a Agência de Proteção Ambiental Dinamarquesa (DEPA). Ela queria chamar a atenção da agência para as descobertas que indicam que o herbicida Roundup à base de glifosato causa altos níveis de mortalidade após a exposição por contato em abelhas (os herbicidas formulados com glifosato são os insecticidas mais amplamente usados na agricultura em todo o mundo. (...)
Mason também citou Robert F. Kennedy Jr, o renomado advogado ambiental, que em 2018 falou sobre :
“… Evidências científicas em cascata ligando o glifosato a uma constelação de outras lesões que se tornaram prevalentes desde sua introdução, incluindo obesidade, depressão, Alzheimer, TDAH, autismo, esclerose múltipla, Parkinson, doença renal e doença inflamatória intestinal, câncer do cérebro, mama e próstata, aborto espontâneo, defeitos congénitos e diminuição da contagem de espermatozoides. Ciência forte sugere que o glifosato é o culpado na explosão da epidemia de doença celíaca, colite, sensibilidade ao glúten, diabetes e câncer de fígado não alcoólico que, pela primeira vez, está atacando crianças de apenas 10 anos." ... [ler mais]
O tribunal declara "firme" a absolvição do "cono insubmisso" (Laicismo.Org) 04-2021
«O Tribunal Penal número dez de Sevilha declarou “final e exequível” a sua sentença que absolve as três mulheres julgadas em outubro de 2019, acusadas de, na manifestação realizada na capital de Sevilha em 1 de maio de 2014, terem desfilado pelas ruas do centro da cidade carregando uma grande vagina de látex sobre andor, como uma autodenominada “procissão da anarcofradia da sagrada vagina insubordinada e o santo enterro dos direitos sociais e trabalhistas”.
É o que afirma o despacho do referido tribunal, proferido no dia 24 de fevereiro e recolhido pela Europa Press, após a Primeira Secção do Tribunal de Sevilha ter negado provimento ao recurso da Associação dos Advogados Cristãos, no dia 15 daquele mês, da referida sentença. (...)
O juiz especifica que a estrutura transportada nos andores “vinha acompanhada de ornamentos que costumam distinguir as imagens de representação da Virgem Maria nas etapas que são da procissão na Semana Santa, sendo adornada por um manto semelhante aos normalmente utilizados, transportando flores no base e os portadores da mesma sendo vestidos, quer com os capuzes que costumam usar os nazarenos e na maneira como fazem os penitentes, quer com a mantilha que as mulheres que acompanham aquela igreja gostam de usar durante o dia da Quinta-feira Santa designada nas imagens” ... [ler mais]
Esquema de aquecimento global louco de Suécia Axes Gates (F. William Engdahl) 04-2021
«Por mais de uma década, Bill Gates canalizou milhões de dólares em um esquema cientificamente maluco, supostamente para estudar a possibilidade de "resfriamento global feito pelo homem". O projeto, liderado por um físico de Harvard, propõe enviar satélites à atmosfera para lançar toneladas de produtos químicos na tentativa de bloquear o sol. Agora, uma forte resistência dentro da Suécia forçou Gates & co. abandonar o planeado lançamento do satélite sueco. Esta última aventura em geoengenharia de Gates mostra que empreendimento não científico é a farsa do aquecimento global. Como Gates sem dúvida sabe muito bem, na verdade a Terra tem esfriado lentamente enquanto entramos no que alguns astrofísicos estimam ser várias décadas de resfriamento global causado por um grande ciclo do Mínimo Solar que entramos em 2020.
Em 2 de Abril, a Agência Espacial Sueca anunciou que o programa, o Experimento de Perturbação Controlada Estratosférica (SCoPEx), financiado por Bill Gates, “dividiu a comunidade científica” e, portanto, não será realizado. SCoPEx foi um esquema financiado por vários anos por fundos pessoais de Gates para testar a viabilidade de escurecer o sol por meio da geoengenharia feita pelo homem... [ler mais]
Testar em massa, menos os profissionais de saúde! (Movimento Enfermeiros) 04-2021
«PR Marcelo, Governo do senhor Costa do PS e todos os deputados da Nação são céleres e zelosos em defender os cidadãos no seu direito à saúde e à vida – é a bio-segurança na sua expressão máxima. Só que estes senhores esqueceram-se de uns poucos de cidadãos, que se encontram na primeira linha do combate à pandemia, aguentando, e sem se queixarem muito, turnos de 12 horas, retirada de folgas, não pagamento de horas extraordinárias e salários vergonhosos: os profissionais de Saúde.
Diz o Fernando Almeida, presidente do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA) e coordenador da nova task-force da resposta à pandemia, depois de perorar sobre a testagem em massa sobre toda a população portuguesa, em entrevista a um periódico, diz que nada sabe em relação aos profissionais de saúde, desconhecendo se testagem regular será obrigatória ou não, atirando para cima do grupo de trabalho que analisa aquelas questões. Mas nós respondemos: os profissionais do SNS não são testados. E mais: não só não são testados como os directores de serviço e os enfermeiros chefes têm directivas para que não sejam testados, excepto se manifestarem sintomas ou se for a pedido do próprio. E quando é a solicitação do próprio, o enfermeiro chefe, e estamos a falar de enfermeiros e de auxiliares operacionais, pergunta logo: mas você tem sintomas?... [ler mais]
Deverão os aliados morrer por Kiev? (Thierry Meyssan) 04-2021
«O Presidente Zelensky recebe o Presidente do Comité militar da OTAN, em 7 de Abril de 2021.
A população ucraniana está dividida entre uma parte de cultura europeia e uma outra de cultura russa. Esta singularidade oferece a Washington um terreno de manobra face a Moscovo. Desde há algumas semanas, os tambores ressoam soando a guerra. Ora, nenhum dos aliados deseja, nem morrer por Kiev, nem sacrificar-se face à Rússia. (...)
Travar três guerras ao mesmo tempo é extremamente difícil. O Pentágono busca actualmente a maneira de hierarquizar estas prioridades. Ele apresentará o seu relatório em Junho. Um sigilo absoluto envolve a comissão encarregada desta avaliação. Ninguém conhece sequer os seus membros. Ainda assim, sem esperar, a Administração Biden foca-se contra a Rússia... [ler mais]
A Grande Redefinição da Moralidade: Eutanásia dos Não-essenciais (Joaquin Flores) 04-2021
«Genocídio ou escravidão? O que as elites planeiam para nós?
Nas próximas parcelas, iremos abordar possíveis visões concorrentes para o golpe tecnocrático da Grande Restauração contra as normas republicanas constitucionais.
O presente debate deve levar em conta o status da cultura corporativa e da ideologia e dos ideais corporativos na transição das normas oligárquicas plutocráticas para as normas oligárquicas tecnocráticas.
Embora as elites corporativas dos institutos bancários centralizados em torno do FMI, Banco Mundial, Banco de Compensações Internacionais e expressas por meio do Fórum Económico Mundial tenham uma visão particular para a sociedade que desejam moldar, elas não o fazem no vácuo. Em vez disso, eles próprios são moldados e severamente limitados pelo paradigma do qual emergiram e pela ecosfera combinada de visões sociais dentro da qual nadam ... [ler mais]
A vida nua e a vacina (GIORGIO AGAMBEN) 04-2021
«Várias vezes em minhas intervenções anteriores evoquei a figura da vida nua. Na verdade, parece-me que a epidemia mostra, sem qualquer dúvida possível, que a humanidade não acredita mais em nada, excepto na mera existência a ser preservada como tal a qualquer preço. A religião cristã com suas obras de amor e misericórdia e com sua fé ao ponto do martírio, a ideologia política com sua solidariedade incondicional, mesmo a confiança no trabalho e no dinheiro parecem perder o lugar assim que a vida nua é ameaçada, ainda que no forma de um risco cuja entidade estatística é instável e deliberadamente indeterminada.
Chegou a hora de esclarecer o significado e a origem deste conceito. Para isso é preciso lembrar que o humano não é algo que se defina de uma vez por todas. É antes o lugar de uma decisão histórica incessantemente atualizada, que cada vez fixa a fronteira que separa o homem do animal, o que é humano no homem do que não é humano nele e fora dele. Quando Lineu busca uma nota característica para suas classificações que separa o homem dos primatas, ele deve confessar que não a conhece e acaba colocando ao lado do nome genérico homo apenas o velho adágio filosófico: nosce te ipsum, conheça a si mesmo... [ler mais]
Grande conglomerado farmacêutico com ficha criminal: a Pfizer “conquista” o mercado de vacinas da UE. 1,8 bilhões de doses (Prof Michel Chossudovsky) 04-2021
«Em 14 de abril de 2021, o Presidente da Comissão Europeia confirmou que Bruxelas está negociando um contrato com a Pfizer para a produção de 1,8 bilhões de doses de vacina de mRNA.
Este número astronómico representa 23 por cento da população mundial. É exatamente quatro vezes a população dos 27 estados membros da União Europeia (448 milhões, dados de 2020. 
Este é o maior projeto de vacina da história mundial, que é acompanhado pela imposição de uma “Linha do Tempo” diabólica ao povo da União Europeia, consistindo em inoculações recorrentes de mRNA durante “os próximos dois anos e além”.
Todo o processo será acoplado a uma campanha implacável do medo e ao passaporte da vacina ID incorporado, aprovado pelo Parlamento Europeu poucas semanas antes do anúncio da UE.
O EU Digital Vaccine Passport a ser implementado pela Pfizer BioNTech faz parte do  infame projeto ID2020 patrocinado pela Aliança Global para Vacinas e Imunizações de Bill Gates (GAVI) “que usa vacinação generalizada como uma plataforma para identidade digital“... [ler mais]
O Ocidente recusa-se resolutamente a enfrentar os factos na Crimeia (James O'Neill) 04-2021
«Um dos aspectos mais cansativos da grande mídia é a maneira como eles ignoram a história e tratam todos os sistemas modernos como se fossem destituídos de contexto histórico. Em nenhum lugar isso é mais obviamente o caso do que na apresentação da situação atual na Crimeia. Políticos e repórteres ocidentais parecem completamente desprovidos de contexto histórico quando discutem o atrito atual entre a Rússia e a Ucrânia sobre a situação da Crimeia.
Pior do que isso, eles consistentemente representam erroneamente a situação na Crimeia, referindo-se consistentemente à "anexação" do território pela Rússia. A grande mídia, que surpreendentemente parece ansiosa para ver uma guerra estourar entre a Rússia e a Ucrânia sobre a Crimeia (eles também representam erroneamente o apoio russo às duas regiões separatistas de língua russa, Donetsk e Lugansk... [ler mais]
Comuna de Paris: Declaração ao povo francês, 19 de abril de 1871 04-2021
«No doloroso e terrível conflito que novamente ameaça Paris com os horrores de um cerco e bombardeio; que faz correr sangue francês, não poupando nem nossos irmãos, nem nossas esposas, nem nossos filhos; esmagados sob balas de canhão e tiros de fuzil, é necessário que a opinião pública não seja dividida, que a consciência nacional seja perturbada.
Paris e a nação inteira devem conhecer a natureza, a razão e o objetivo da revolução que está sendo realizada. Finalmente, é justo que a responsabilidade pelas mortes, pelo sofrimento e pelas desgraças de que somos vítimas recaia sobre aqueles que, depois de ter traído a França e entregue Paris aos estrangeiros, perseguem com uma obstinação cega e cruel a ruína da grande cidade para enterrar, no desastre da república e da liberdade, o duplo testemunho de sua traição e de seu crime... [ler mais]
Capitalismo, corrupção e estado policial 04-2021
Na mesma proporção directa do enriquecimento de quem vende as vacinas, testes e equipamentos para o putativo combate à pandemia ou cuidados de saúde que o SNS está vedado em fornecer ao cidadão, por estar em encerramento parcial, o povo português está em empobrecimento acelerado. A acumulação e concentração da riqueza num pequeno e cada vez menor número de pessoas é mais que evidente. Ainda há pouco veio a público um dos tais estudos sobre realidade social que toda a gente conhece e muita gente farta de saber pelo facto que a vive e sente todos os dias: “O F e os 3 D da pobreza: família, desemprego, divórcio e doença - A pobreza em Portugal, trajectos e quotidianos". Assim, são identificados quatro perfis de pobres no país: reformados, precários, desempregados e trabalhadores. Já não era novidade para ninguém que a pobreza incide mais sobre estes quatro grupos sociais e que ter um emprego fixo, com o salário certo ao fim do mês, não é garantia nenhuma para não ser pobre – os próprios já o sabem desde há muito. Como o Governo sabe muito bem, embora tente ignorar a realidade, que uma pensão de fome é o seguro, certo e sabido, para que um trabalhador, após uma vida de exploração, tenha a certeza de um resto de vida de fome e miséria; sendo até melhor que morra para aliviar o orçamento da Segurança Social que este governo, ou outro que venha, prepara para entregar às grandes companhias de seguro ou fundos de investimento... [ler mais]
A verdade sobre o «sofagate» de Ancara (Thierry Meyssan) 04-2021
«As agências de imprensa difundiram amplamente imagens da Cimeira União Europeia/Turquia em Ancara, em 6 de Abril de 2021. Nelas vê-se o Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, receber o Presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, e a Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Layen. Há apenas dois cadeirões para três pessoas. A Srª von der Layen, após ter ficado um momento de pé vai sentar-se num sofá.
Os média europeus interpretaram estas imagens como um insulto dirigido pelo autocrata turco à União Europeia. Alguns viram nisso uma confirmação do seu machismo. Ora, isso é absolutamente falso e mascara um grave problema no seio da União Europeia.
A entrevista deveria ter tido lugar em Bruxelas, e o Presidente Erdogan fez tudo o qu era possível para que se realizasse em sua casa, em Ancara. Ela foi preparada telefonicamente pelos serviços do protocolo de ambas as partes. A disposição da sala de audiências estava em conformidade com as exigências da União Europeia. Não foi o Presidente Erdogan quem quis humilhar Ursula von der Layen.
Para compreender o que se passou, é preciso situar o acontecimento no contexto da evolução das instituições da União... [ler mais]
Protestos ao bloqueio aumentam em todo o mundo (Barbara Loe Fisher) 04-2021
«No final de 2020, houve grandes manifestações públicas contra severas restrições às liberdades civis, incluindo na Alemanha  e na Grã-Bretanha. Na Dinamarca, houve um protesto público contra a legislação proposta que tornaria obrigatória a vacinação com COVID-19.
Há uma crescente agitação civil em muitos países após um ano experimentando os efeitos colaterais das políticas de saúde pública do governo que restringiram a autonomia e a liberdade de reunião  e causaram desemprego em massa e destruição de pequenas empresas,  aumentos acentuados no abuso de substâncias, depressão e suicídio, e tratamento inadequado para outras doenças como o câncer.
Desde o início de 2021, manifestações pedindo o fim dos bloqueios da COVID e da vacinação voluntária se espalharam pelo mundo, do Canadá à Holanda e Líbano.  Fevereiro e Março de 2021 testemunharam protestos anti-lockdown na Dinamarca, Suécia, Suíça, Canadá, França, Alemanha, Holanda, Áustria, Bulgária, Sérvia, Polônia e outros países... [ler mais]
Declaração da Páscoa de 2021 de prisioneiros republicanos (1916: Éirí Amach na Cásca) 04-2021
«A declaração a seguir foi escrita por prisioneiros republicanos em Maghaberry, Portlaoise, Hydebank e Mountjoy.
Camaradas, nós, os homens e mulheres revolucionários presos de Hydebank, Maghaberry, Portlaoise e Mountjoy neste 105º aniversário do Levantamento (Revolta) da Páscoa, estendemos nossas saudações aos líderes e voluntários do Exército Republicano Irlandês. Saudamos a coragem, integridade e compromisso das mulheres e homens que continuam a resistir à ocupação ilegal em face do poder e do imperialismo e os apologistas contra-revolucionários, sua coragem, compromisso e dedicação são uma inspiração.
Também estendemos essas saudações aos nossos amigos e camaradas em todo o mundo, ao mesmo tempo que enviamos saudações revolucionárias a todos os anti-imperialistas do mundo.
Prestamos uma homenagem especial às famílias dos prisioneiros republicanos no que tem sido um ano particularmente difícil para aqueles com entes queridos na prisão neste momento... [ler mais]
Por que a Ucrânia quer a guerra? (Andrew Korybko) 04-2021
«A Ucrânia quer guerra com a Rússia devido a uma combinação de fatores domésticos e internacionais, mas tal cenário seria desastroso para o país do Leste Europeu e serviria apenas aos interesses de alguns membros da elite política e seus patronos estrangeiros.
O mundo inteiro está assistindo com a respiração suspensa para ver se a Ucrânia e a Rússia entrarão em guerra pelo Donbass, como muitos temem estar prestes a acontecer devido aos eventos recentes. Eu perguntei no início desta semana se “As vacinas são a verdadeira força motriz por trás da última desestabilização do Donbass”, apontando o grande interesse estratégico que os EUA têm em provocar uma crise que colocaria pressão política sem precedentes sobre a UE para não comprar o Sputnik V da Rússia como os principais membros do bloco estão supostamente considerando no momento, mas há mais do que apenas os níveis estratégicos comparativamente mais baixos... [ler mais]
10 anos de Troika - Não foram 80 mil milhões mas 78 mil milhões de euros a serem pagos ainda com língua de palmo pelo povo. Esta a posição d'Os Bárbaros em 2011, é bom relembrar: 04-2021
FMI, BCE e Comissão Europeia discutem a divisão do saque - Não deixa de ser irónico, embora não tenha piada nenhuma, que seja um governo de gestão, com a Assembleia da República dissolvida, que proceda às negociações com instâncias internacionais sobre um empréstimo vultuoso de muitas dezenas de milhares de milhões de euros (serão só 80?!) que, por sua vez, irá decidir sobre a vida do povo português para os próximos anos, senão décadas. Este facto patético revela-nos várias realidades: a Assembleia da República não passa de um verbo de encher; as conversações com o FMI, BCE e UE sobre a pretensa “ajuda externa” há muito que tiveram início, aliás, os 3 PECs aplicados são a prova de que o FMI já cá estava; os partidos do poder, PS, PSD e CDS/PP, porque não têm alternativa, estão de acordo (o PCP tem a porta aberta) e devem cumprir a missão de fazer o povo português amochar. Por outro lado, o governo de gestão, que antes de o ser até era “contra”, recorre ao FMI para salvamento do capitalismo nacional, vai abrir a porta a mais duras condições do que aquelas que incluíam o PEC4, desde mais desemprego, corte nos salários e nas reformas a aumento de impostos para quem trabalha. Perante esta situação, resta-nos: combater duramente este governo, até ao seu enterramento definitivo, e o governo que vier só fará o que os trabalhadores deixarem; exigir a saída de Portugal do euro, que deve passar pela realização de um referendo; bem como escrutinar o não pagamento da dívida, a exemplo do que acabou de fazer o povo islandês... [ler mais]
A “Crise do Coronavírus” e a Guerra dos “Super-ricos” contra os Cidadãos da Terra (Emanuel Pastreich) 04-2021
«Corporações, bancos de investimento multinacionais e os super-ricos que se escondem atrás deles lançaram neste ano a fase final de uma guerra implacável de uns poucos contra a grande maioria da humanidade.
Embora eles paguem seus fantoches na mídia para lançar contos felizes de alguma solução feliz para a terrível situação do momento, eles já sabem que a sorte está lançada, que estão comprometidos com uma estratégia de distração, semeando a divisão, minando o pensamento racional e usando uma combinação de intimidação flagrante com suborno aberto para lenta, sistematicamente, subjugar e reduzir à escravidão 99,98% da população da Terra.
Eles já sabem, de acordo com os cálculos de seus supercomputadores, o que vai acontecer se não tiverem sucesso nesse plano. Eles também sabem que as mudanças climáticas catastróficas e a perda da biodiversidade tornarão impossível para eles monopolizar a riqueza e os recursos por muito tempo... [ler mais]
Aumento de tropas nos Bálcãs: “Guerra psicológica” EUA-OTAN como sinal de alerta para a operação militar contra a Rússia (Rudolf Hänsel) 04-2021
«Duas guerras mundiais são suficientes!
No passado, a Alemanha se deixou ser arrastada para a Primeira Guerra Mundial e na Segunda Guerra Mundial infligiu um sofrimento incomensurável ao povo russo.
Não vamos permitir que isso aconteça de novo!
Se o governo vassalo alemão, em cumplicidade com os fomentadores de guerra na Grã-Bretanha e na França, sob a liderança dos EUA e da OTAN, está planeando uma nova guerra de agressão contra a Rússia, não o está fazendo em nosso nome!
Nós, cidadãos, temos a última palavra sobre a guerra e a paz!
Dizemos NÃO à guerra e à violência nas relações internacionais e condenamos a continuação da guerra, armamento e militarização!
Em anexo está o raciocínio da sentença do Tribunal Militar Internacional de Nuremberg 1946:
“O desencadeamento de uma guerra de agressão não é apenas um crime internacional. É o crime internacional mais grave, diferindo de outros crimes de guerra apenas por incluir e acumular dentro de si todos os horrores dos outros crimes”... [ler mais]
Carta de Pablo Hasel da prisão, em resposta ao Comité de Amnistia das Astúrias 04-2021
«Minha prisão foi um gatilho, mas muitos factores se juntam, como raiva pelo desemprego em massa, péssimas condições de trabalho, aumento da miséria e repressão, etc. Isso fez com que as mobilizações fossem bastante massivas, em muitos lugares e especialmente combativas na Catalunha devido à luta nacional dos últimos anos. Tudo isso tem mais valor num momento de desmobilização que aproveitaram para me prender, o tiro saiu pela culatra. Nem mesmo o constante bombardeio manipulador de sua repulsiva mídia mercenária conseguiu evitá-lo. Também graças ao bom trabalho de várias organizações que lutam todos os dias.
Nesse sentido, é fundamental lembrar que sem uma organização séria não é possível avançar, dar continuidade e conquistar.
Tempos difíceis, mas interessantes, estão chegando para desenvolver lutas e que ruas, centros de trabalho e de estudos são trincheiras de resistência após este tempo de relativa calma com honrosas excepções... [ler mais]
Lockdown um ano depois - não funciona, nunca funcionou e não era para funcionar (Kit Knightly) 04-2021
«Porque a verdade é que o governo (Grã-Bretanha e os outros) não está enganado, nem assustado, nem estúpido... eles são malignos. E desonesto. E cruel.
Todo o sofrimento do bloqueio era inteiramente previsível e imposto deliberadamente. Por razões que nada têm a ver com ajudar as pessoas e tudo a ver com controlá-las.
Durante a maior parte das últimas cinquenta e duas semanas, ficou mais do que aparente que a agenda do bloqueio não era a saúde pública, mas sim lançar as bases para o “novo normal” e “a grande reinicialização”.
Uma série de programas projetados para minar completamente as liberdades civis em todo o mundo, revertendo décadas (senão séculos) de progresso social. Uma re-feudalização da sociedade, com 99% alegremente vestindo seus aventais de camponeses “para proteger os vulneráveis”, enquanto a elite faz proselitismo sobre o valor das regras que eles admitem que não se aplicam a eles.
E todos nós tivemos vidas arruinadas e um ano de precioso tempo desperdiçado. Por nada. Você foi preso por duas semanas que duraram 365 dias... [ler mais]
Já se passaram 45 anos desde o massacre de 1976, e a terra palestina se chama Palestina (Ramón Pedregal Casanova) 03-2021
«Após a 2ª Guerra Mundial, o primeiro ataque neocolonial seria liderado pela nascente ONU. O colonialismo de ocupação física foi ferido e nos anos seguintes iria declinar para ser remodelado. As tropas invasoras deixariam muitos países, mas o regime invasor reconstruiria seu domínio, reservando e reorganizando suas forças sob o poder económico das colónias. Na Palestina, o neocolonialismo viria para invadir fisicamente e ser utilizado na matança do povo palestino nas pessoas em idade de resistir e na expulsão para os países vizinhos da grande maioria dos demais habitantes. Mas em 1976, em 30 de março, estourou uma greve geral contra a ocupação sionista. As famílias que permaneceram na Palestina ocupada viviam em condições de perseguição e escravidão, e seus filhos e os nascidos em 1948, ano do terrorismo invasor ao qual se somou outra guerra em 1967 para continuar avançando em seu roubo de terras, eram jovens pessoas de 24 anos e não viviam mais do que a exploração de suas terras e suas próprias energias. Naquele dia 30 a tensão alcançou unanimidade nacional contra o ocupante, e os protestos também foram dirigidos contra tanto abandono de autoridades internacionais por suas palavras não cumpridas. Os palestinos colocaram suas vidas e clamaram pelo compromisso internacional adquirido; No interior da Palestina se manifestava a Resistência Popular e o exército de ocupação, criado com o propósito de matar, perseguir e aprisionar, que atacou em 30 de março causando 7 mortos e inúmeros feridos. Todos os anos nessa data, em memória dos mártires e para dizer ao mundo que a Terra Palestina se chama Palestina... [ler mais]
Há 10 anos: Os EUA-OTAN-Israel patrocinaram a insurgência da Al Qaeda na Síria. Quem estava por trás do “movimento de protesto” de 2011? (Michel Chossudovsky) 03-2021
«Dez anos desde o início da guerra contra a Síria, em março de 2011, os chamados “progressistas” apoiaram a chamada “oposição”, composta em grande parte por mercenários afiliados à Al Qaeda. Uma guerra de agressão liderada pelos EUA-OTAN é retratada como uma “guerra civil”.
O presidente Bashar Al Assad é descrito casualmente como um ditador que está matando seu próprio povo. Os milhões de mortes resultantes de guerras lideradas pelos EUA-OTAN não são motivo de preocupação.
O movimento anti-guerra morreu na esteira da guerra do Iraque (abril de 2003). A responsabilidade de proteger (R2P) e o contraterrorismo prevalecem.
A guerra contra a Síria começou há dez anos em Daraa, no dia 17 de março de 2011.
Estive na Síria no início de 2011. Deixei o país no início de março, apenas duas semanas antes do surto em Daraa. 
O artigo a seguir, publicado pela primeira vez em maio de 2011, examina o início da insurgência terrorista jihadista.
Ele relata os acontecimentos de 17 a 18 de março de 2011 em Daraa, uma pequena cidade fronteiriça com a Jordânia. 
Reportagens da mídia finalmente reconheceram que o chamado “movimento de protesto” na Síria foi instigado por Washington... [ler mais]
Corrupção combina bem com repressão 03-2021
Os casos de corrupção, que a imprensa vem disfarçando de forma capciosa, são já mais que frequentes e de elevada dimensão, razão pela qual se já coloca em cima da mesa a remodelação do governo do Costa/PS, por em estado avançado de descredibilização. O governo está a prazo, irá durar o tempo que o PS conseguir aguentar o controlo dos trabalhadores e do povo, que, e apesar da ajuda da pandemia (ou por causa dela, o efeito poderá perverso), não será por muito tempo. Quando os instrumentos de repressão, reforçados e afinados pelo PS, fazendo jus ao seu papel de bombeiro da luta de classes, e quando a direita formal e sem disfarces tiver resolvido os seus problemas internos ou já reestruturada, o governo e o seu chefete serão descartados, como aconteceu na Grécia, e a burguesia, sem intermediários, irromperá na ribalta do poder para obrigar os trabalhadores a uma situação de sobre-exploração que eles, por vontade própria, não resolveram tomar. A reinicilaização capitalista também se irá fazer em Portugal, mas com mais desemprego, fome e miséria do povo português e, o que não deixará de ser irónico, de maior subjugação e dependência do capitalismo nacional, com uma burguesia mais rentista e subsidiária do capital europeu e internacional. O Costa ficará na História não só como o coveiro da democracia saída do golpe militar do 25 de Abril, bem acompanhado pelo monárquico Marcelo, como igualmente o cangalheiro do partido que foi criado na Alemanha com os marcos da social-democracia europeia... [ler mais]
Riqueza do bilionário: Quem são os 10 maiores lucradores da pandemia? (Chuck Collins) 03-2021
«Há um ano, o Institute for Policy Studies publicou “Billionaire Bonanza 2020: Riqueza inesperada, queda de impostos e pandêmicos de lucros”   e começou a monitorar os ganhos de riqueza de bilionários conforme o desemprego aumentava. Fizemos uma parceria com o Americans for Tax Fairness (ATF) para acompanhar o crescimento da riqueza dos bilionários da América no ano passado. Este relatório resume o extraordinário crescimento da riqueza daqueles agora 657 bilionários com base em dados em tempo real da Forbes em 18 de março de 2021.
Aqui estão os destaques dos últimos 12 meses de crescimento da riqueza bilionária:
A riqueza combinada dos 657 bilionários do país aumentou mais de US $ 1,3 trilhão, ou 44,6%, desde o início dos bloqueios da pandemia. Durante os mesmos 12 meses, mais de 29 milhões de americanos contraíram o vírus e mais de 535.000 morreram por causa dele. À medida que a riqueza dos bilionários disparava, quase 80 milhões perderam o trabalho entre 21 de março de 2020 e 20 de fevereiro de 2021, e 18 milhões estavam acumulando desemprego em 27 de fevereiro de 2021... [ler mais]
Não é covidismo. É fascismo mesmo (Elisabete Tavares) 03-2021
Os media – a par das forças policiais – têm sido um grande instrumento deste novo fascismo. Adotando uma postura de braços da OMS e da Direção-Geral da Saúde, muitos jornalistas portugueses tornaram-se autênticos polícias dos ‘bons costumes’. Todo e qualquer contraditório foi afastado ou denegrido. Os media ajudaram a perseguir na praça pública os opositores do regime ditatorial. Os jornalistas tornaram-se – muitos deles – nos mais fervorosos seguidores da nova ditadura. A polícia ajudou, ao cumprir e executar ordens que violavam as leis fundamentais e contra o seu próprio código de ética.
Estamos a um mês de comemorar o 25 de abril. Quero ver que políticos hipócritas – incluindo António Costa e Marcelo Rebelo de Sousa – o irão celebrar com discursos pomposos e falsos. Quero ver que comediantes, comentadores e  jornalistas terão o desplante de ‘cantar’ abril e espalhar cravos quando são acérrimos defensores deste regime que dura há um ano... [ler mais]
Argentina. Allen: chega o fracking, aparecem doenças (Martín Álvarez Mullally) 03-2021
«Analía Saldías tem 20 anos, nasceu na rua Ciega 10, então um espaço rural rodeado de ar puro. Seu bairro é um humilde conglomerado de casas construídas nas chamadas fazendas remanescentes, em Allen, onde famílias de trabalhadores rurais se estabeleceram há mais de cinquenta anos. Seu filho de cinco meses está doente, seu corpo está coberto de manchas e seu aparecimento coincide com a chegada de um equipamento da petroleira YPF, instalada a poucos metros de sua casa. A família Saldías juntamente com os demais moradores do bairro denunciam a empresa desde 2014 e apresentam uma proteção coletiva que se encontra na Justiça Federal, em fase de investigação.
Os profissionais de saúde que trataram do bebé de Analía não conseguiram determinar quais as doenças que ele tem, referem-se às bactérias, dizem que pode ser água, ar, mas ninguém cita as petroleiras. Em vez disso, para ela, é a fuligem e a fumaça dos gases em chamas que fazem os poços... [ler mais]
A humanidade não será salva por vacinas. “A fome é causada pela pobreza e pela desigualdade” (Stelios Elliniadis) 03-2021
«A fome é causada pela pobreza e desigualdade, não pela escassez. Nas últimas duas décadas, a taxa de produção global de alimentos aumentou mais rapidamente do que a taxa de crescimento da população global. De acordo com a Organização para a Alimentação e Agricultura (FAO) das Nações Unidas, o mundo produz mais de uma vez e meia o suficiente para alimentar todos no planeta. Isso já é o suficiente para alimentar 10 bilhões de pessoas, o pico da população mundial projetado para 2050. Mas as pessoas que ganham menos de dois dólares por dia - a maioria das quais são fazendeiros com poucos recursos, cultivando pequenos lotes de terra inviáveis - não têm dinheiro para comprar esses alimentos.
Na realidade, a maior parte das safras de grãos produzidos industrialmente vão para biocombustíveis e confinamento de animais, em vez de alimentar um bilhão de famintos. O apelo para dobrar a produção de alimentos até 2050 só se aplica se continuarmos a priorizar a crescente população de gado e automóveis sobre os famintos.... [ler mais]
“A grande restauração” está aqui: siga o dinheiro. “Insane Lockdown” da economia global, “The Green Agenda” (F. William Engdahl) 03-2021
«A reorganização de cima para baixo da economia mundial por uma conspiração de corporativistas tecnocráticos, liderados pelo grupo em torno do Fórum Económico Mundial de Davos - o chamado Grande Reinício ou Agenda 2030 da ONU - não é uma proposta futura. Está bem em atualização, pois o mundo permanece num bloqueio insano por um vírus. A área de investimento mais quente desde o início dos bloqueios globais do coronavírus é algo chamado de investimento em ESG. (...)
A agenda de “economia sustentável” da ONU está sendo realizada silenciosamente pelos mesmos bancos globais que criaram a crise financeira em 2008. Desta vez, eles estão preparando o Klaus Schwab WEF Great Reset, direcionando centenas de bilhões e em breve trilhões em investimentos para suas mãos - escolhidas empresas “acordadas”, e longe das “não acordadas”, como empresas de petróleo e gás ou carvão.
O que banqueiros e fundos de investimento gigantes como a BlackRock fizeram foi criar uma nova infraestrutura de investimento que escolhe “vencedores” ou “perdedores” para o investimento de acordo com a seriedade da empresa com relação a ESG - Meio Ambiente, Valores Sociais e Governança... [ler mais]
A Revolta da Vacina (1904) - Juliana Bezerra 03-2021
«Quando o presidente Rodrigues Alves assumiu o governo, em 1902, nas ruas da cidade do Rio de Janeiro acumulavam-se toneladas de lixo. (...)
Decidido a reurbanizar e sanear a cidade, Rodrigues Alves nomeou o engenheiro Pereira Passos para prefeito e o médico Oswaldo Cruz para Diretor da Saúde Pública. Com isso, iniciou a construção de grandes obras públicas, o alargamento de ruas, avenidas e o combate às doenças.
A reurbanização do Rio de Janeiro, no entanto, sacrificou as camadas mais pobres da cidade, que foram desalojadas, pois tiveram seus casebres e cortiços demolidos. A população foi obrigada a mudar para longe do trabalho e para os morros, incrementando a construção das favelas.
Como resultado das demolições, os aluguéis subiram de preço deixando a população cada vez mais indignada.... [ler mais]
Estudo descobre glifosato em mais da metade de todas as amostras de peixes-boi da Flórida (Centro de Diversidade Biológica) 03-2021
«Um estudo científico publicado esta semana conclui que os peixes-boi da Flórida são cronicamente expostos ao glifosato por causa da aplicação do pesticida na cana-de-açúcar e ervas daninhas aquáticas.
O estudo encontrou glifosato, o ingrediente ativo do Roundup e o pesticida mais usado no mundo, no plasma de 55,8% dos peixes-boi da Flórida amostrados. A concentração de glifosato no plasma aumentou de 2009 a 2019.
Além disso, os autores do estudo determinaram que as concentrações de glifosato nas áreas de tratamento de águas pluviais dos rios Caloosahatchee e St. Lucie e da Área Agrícola Everglades eram significativamente maiores antes e durante a colheita da cana-de-açúcar, quando o glifosato é mais provável de ser aplicado, do que após a colheita.
“Os peixes-boi são a prova A de que as águas da Flórida estão em crise e não deveriam enfrentar esse tipo de ameaça de pesticidas”, disse Jaclyn Lopez , diretora do Center for Biological Diversity na Flórida... [ler mais]
A razão pela qual a OTAN demoliu a Líbia (Manlio Dinucci) 03-2021
«Há dez anos, em 19 de março de 2011, as forças dos EUA / OTAN começaram o bombardeio aéreo-naval da Líbia.
Aquela agressão contra país soberano foi comandada pelos EUA, primeiro mediante o AFRICON (Comando das Forças dos EUA na África), depois mediante a OTAN, que trabalhava sob ordens do Pentágono.
Em sete meses, aviões dos EUA e dos países da OTAN implicados naquele ato de agressão cumpriram 30 mil missões à Líbia, dentre as quais 10 mil missões de ataque, nas quais lançaram mais de 40 mil bombas e mísseis contra o povo líbio. (...)
Assim destruíram esse estado africano que – como o demonstra a documentação do Banco Mundial correspondente ao ano de 2010, mantinha “altos níveis de crescimento económico”, com 7,5% de aumento anual do PIB, e registrava “altos indicadores de desenvolvimento humano”, como acesso universal à escola primária e à instrução secundária e com mais de 40% dos cidadãos incorporados aos estudos universitários... [ler mais]
Declaração do Conselho Geral da Associação Internacional dos Trabalhadores sobre a Guerra Civil em França em 1871 03-2021
«Na madrugada do 18 de Março, Paris acordou com o rebentamento do trovão de «Vive la Commune!».(23*) Que é a Comuna, essa esfinge que tanto atormenta o espírito burguês?
«Os proletários da capital» — dizia o Comité Central no seu manifesto do 18 de Março — «no meio dos desfalecimentos e das traições das classes governantes, compreenderam que para eles tinha chegado a hora de salvar a situação tomando em mãos a direcção dos negócios públicos... O proletariado... compreendeu que era seu dever imperioso e seu direito absoluto tomar em mãos os seus destinos e assegurar-lhes o triunfo conquistando o poder.» (...)
A Comuna foi formada por conselheiros municipais, eleitos por sufrágio universal nos vários bairros da cidade, responsáveis e revogáveis em qualquer momento. A maioria dos seus membros eram naturalmente operários ou representantes reconhecidos da classe operária. A Comuna havia de ser não um corpo parlamentar mas operante, executivo e legislativo ao mesmo tempo. Em vez de continuar a ser o instrumento do governo central, a polícia foi logo despojada dos seus atributos políticos e transformada no instrumento da Comuna, responsável e revogável em qualquer momento. O mesmo aconteceu com os funcionários de todos os outros ramos da administração. Desde os membros da Comuna para baixo, o serviço público tinha de ser feito em troca de salários de operários. Os direitos adquiridos e os subsídios de representação dos altos dignitários do Estado desapareceram com os próprios dignitários do Estado. As funções públicas deixaram de ser a propriedade privada dos testas-de-ferro do governo central. Não só a administração municipal mas toda a iniciativa até então exercida pelo Estado foram entregues nas mãos da Comuna.
Uma vez desembaraçada do exército permanente e da polícia... [ler mais]
Crimes de guerra: do Domingo Sangrento em Derry, Irlanda do Norte, Croácia, Kosovo e Iraque (Michel Chossudovsky) 03-2021
«Os crimes cometidos contra o povo da Irlanda, Iugoslávia e Oriente Médio. Existe um relacionamento? 
Hoje, dia de São Patrício, 17 de Março de 2021, comemoramos o “Domingo Sangrento” em Derry, Irlanda do Norte. 17 de Março também marca o décimo aniversário da guerra patrocinada pelos EUA contra a Síria, 17 de Março de 2011.
E na próxima semana comemoramos a guerra criminosa e ilegal da OTAN contra a Iugoslávia (24 de Março de 1999 e a invasão do Iraque pelos EUA-OTAN em 19 de Março de 2003).  (...)
O massacre do Domingo Sangrento foi liderado por dois comandantes do regimento de pára-quedas,  Tenente Coronel Derek Wilford e Capitão Michael Jackson. De acordo com suas ordens,  o regimento de pára-quedas abriu fogo.
Enquanto os dois oficiais comandantes (Wilford e Jackson) ordenaram que os soldados atirassem, eles estavam sob as ordens do General Sir Robert Ford. O Primeiro Batalhão do Regimento de Pára-quedas que liderou o massacre do Domingo Sangrento estava sob a jurisdição do General Ford. 
Wilford e Jackson foram recompensados em vez de processados por seu papel no massacre de 1972.
Wilford, que se aposentou das Forças Armadas, foi condecorado com a Ordem do Império Britânico por HM Government em Outubro de 1972, menos de um ano após o massacre de 30 de Janeiro de 1972.
O papel de Michael Jackson em Bloody Sunday não atrapalhou sua carreira militar. Na verdade, é exatamente o oposto. Ele ascendeu ao posto mais alto do exército britânico, antes de se aposentar em 2006 do posto de Comandante do Estado-Maior (CGS).... [ler mais]
O católico monárquico e a polícia corrupta 03-2021
Marcelo teve a sua 13ª convulsão fisiológica ao prolongar o estado de emergência após este ter sido aprovado mais uma vez pelos mesmos (PS, PSD, CDS, PAN e deputada dissidente), e tolerado pelos restantes partidos na Assembleia da República. Os partidos da ordem e do regime são unânimes quanto ao confinamento policial do povo e dos trabalhadores que não estão doentes com a covid-19 e com o cerceamento das liberdades dos cidadãos em geral – continua-se a governar por decreto. Marcelo já deu o lamiré de que irá prolongar o estado de excepção a partir 1 de Abril, depois de ir prestar vassalagem ao Papa e ao rei espanhol. Marcelo II, à semelhança do que fez há cinco anos, deixa bem claro que é histórica a subserviência das nossas elites perante o poder do Vaticano, bem como o desejo de protecção da monarquia espanhola, agora nas mãos dos Bourbons, considerados como os maiores ladrões da Europa. Marcelo faz questão em vincar que é monárquico e católico.
O hermafrodita rei/presidente, também pela plasticidade de carácter, no dia em que tomava posse e estando o país em confinamento, foi ao Norte para participar em cerimónias religiosas. E logo após a cerimónia, estando o povo limitado nas deslocações para fora do país, foi fazer o périplo da vassalagem. Desta vez, e contrariando o que tem feito, Marcelo II comunicou ao populacho o 13º estado de excepção de forma seca e peca, e foi tratar da vida. Deixou jornalistas e comentaristas a especular. E quanto às condições do desconfinamento, anunciado pelo lacaio-mor Costa, foi cauteloso e prudente, o que aumentou ainda mais a especulação, numa intencional manobra de aviso ao Governo. Logo que haja oportunidade, Costa e “sus muchachos” serão descartados... [ler mais]
A Guerra Civil em França - Karl Marx 03-2021
«A Comuna teve mesmo de reconhecer, desde logo, que a classe operária, uma vez chegada ao poder, não podia continuar a administrar com a velha máquina de Estado; que esta classe operária, para não perder de novo o seu próprio domínio, acabado de conquistar, tinha, por um lado, de eliminar a velha máquina de opressão até aí utilizada contra si própria, mas, por outro lado, de precaver-se contra os seus próprios deputados e funcionários, ao declarar estes, sem qualquer excepção, revogáveis a todo o momento. Em que consistia a qualidade característica do Estado, até então? A sociedade tinha criado originalmente os seus órgãos próprios, por simples divisão de trabalho, para cuidar dos seus interesses comuns. Mas estes órgãos, cuja cúpula é o poder de Estado, tinham-se transformado, com o tempo, ao serviço dos seus próprios interesses particulares, de servidores da sociedade em senhores dela. Como se pode ver, por exemplo, não meramente na monarquia hereditária mas igualmente na república democrática. Em parte alguma os «políticos» formam um destacamento da nação mais separado e mais poderoso do que precisamente na América do Norte. Ali, cada um dos dois grandes partidos aos quais cabe alternadamente a dominação é ele próprio governado por pessoas que fazem da política um negócio, que especulam com lugares nas assembleias legislativas da União e de cada um dos Estados, ou que vivem da agitação para o seu partido e são, após a vitória deste, recompensados com cargos... [ler mais]
A Câmara de Coimbra e o Glifosato 03-2021
As autarquias por esse país fora continuam a usar o herbicida glifosato, desde há muito conhecido como produto potencialmente cancerígeno, pelos espaços públicos, onde diariamente se encontram pessoas e animais. E em tempo de confinamento, a Câmara PS de Coimbra entendeu que era época de aspergir as ruas e os jardins da cidade com aquele veneno proibido em muitos países, mas que ainda é permito na União Europeia pelo facto de ser fabricado pela multinacional alemã Bayer/Monsanto.
Claro que se poderá argumentar que a dose do glifosato é baixa (31%), mas não deixa de ser um veneno e com efeito acumulativo e que já foi apontado como perigoso para a saúde de humanos e animais pela OMS. Em Portugal este produto é fabricado pela Ascenza/Rovensa, antiga Sapec Agro, que, depois de privatizada, foi entregue pela família Mello ao britânico Bridgepoint e ao suíço Partnres Group, ambos grupos de investimento especulativo ... [ler mais]
INHAMINGA, O ÚLTIMO MASSACRE (2) - por Jorge Ribeiro 03-2021
«Os pára-quedistas anunciaram em Inhamitanga ter alcançado "um grande sucesso" numa operação de "elevado risco" levada a cabo em Mazamba. Na sequência dessa acção decidiram expor, durante o dia de hoje, no seu acampamento-base, "cinco corpos de frelimos mortos por nós em combate". A PIDE/DGS, paralelamente, organizou para o fim da manhã "uma manifestação espontânea da população branca, cujos principais representantes" aceitaram pagar um "Almoço de Honra aos Vencedores", enquanto "sinal de gratidão pela Derrota do Terrorismo". Como complemento desta Homenagem à Valorosa Tropa Portuguesa, a PIDE/DGS trouxe desde os calabouços de Inhaminga o régulo da circunscrição onde alegadamente terão sido abatidos estes cinco homens ali em velório festivo. Esse régulo era Moisés Pangacha, o mesmo que a própria polícia política dera como morto há três semanas atrás. Sobrevivente aos azorragues da prisão, Pangacha é agora obrigado a novo teste, "Vais identificar os turras aí no chão, alinhados ao lado das armas que os páras recuperaram heroicamente". O régulo tinha a seus pés, dilacerados por balas, os corpos de Domingos Moisés Pangacha e de Marcos Moisés Pangacha, os seus dois filhos mais velhos. Respondeu "Não conheço, Não sei quem são". Os pides foram então buscar a uma das suas viaturas, onde mantinham escondida, Bastiana Moisés Pangacha, a filha do soba. Ao chegar à "zona da homenagem" aos páras, Bastiana caiu de joelhos a chorar sobre os restos dos seus irmãos, denunciando-os e involuntariamente sem dar conta da macabra encenação montada pela PIDE/DGS. Pangacha e Bastiana foram imediatamente levados e executados. Em Inhaminga, ao relatar mais tarde o espectáculo que os brancos aplaudiram, o chefe Gorgulho gabou-se de ter soterrado Pangacha "ainda vivo". A partir de hoje, a Base Aérea nº. 10, da Beira, estreou os seus bombardeiros em Inhaminga. Durante quatro dias, os Fiat despejaram quantidades incalculáveis de napalm sobre as aldeias do régulo Pangacha - Nhamatope, Massanza, Ntoto, Nhamabere, Nhaduwe e Mfepo. Cá em baixo, os colonos brindavam à Força Aérea... [ler mais]
As mulheres da Comuna de Paris 03-2021
«Neste, como em todos os feitos da humanidade, as mulheres tiveram um papel destacado na luta pela construção de uma nova sociedade. Sua participação na história muitas vezes encoberta, ocultada ou subestimada foi tão importante na Comuna de Paris que se tornou impossível não falar nela. Neste 18 de março damos Viva a todos os heróis communards que audaciosamente se levantaram contra a burguesia, especialmente as mulheres da Comuna de Paris, a quem muito devemos!
Destas mulheres, várias se tornaram famosas como Louise Michel, Nathalie Lemel ou Elisabeth Dmitrieff mas milhares permanecem desconhecidas. A maioria delas eram trabalhadores e todas eram de valor admirável, zelo e abnegação.
Em 18 de março, no primeiro dia da Comuna, foram elas que aclamavam para a insurreição. Louise Michel e muitas parisienses preveniram tropas enviadas pelo governo para recuperar os canhões de Montmartre e convencer os soldados a confraternizar com os insurgentes, colocando bitucas no ar... [ler mais]
COVID em Israel (Leonardo Mazzei) 03-2021
«A primeira coisa a lembrar é que se Israel está no topo da tabela na percentagem de vacinados, é apenas devido ao facto de que o governo de Netanyahu assinou um contrato especial (e amplamente confidencial) com a Pfizer. Sob este contrato, a multinacional americana deu a Israel a prioridade máxima no fornecimento de vacinas. Em troca, Netanyahu colocou todos os dados de saúde dos vacinados nas mãos da Pfizer. Uma violação aberta do direito à privacidade, um acto necessário para realizar o maior ensaio em massa (mesmo não consensual) de um medicamento sem os testes necessários para verificar sua eficácia e segurança.
Essa primeira questão nos leva a duas reflexões. A primeira: por motivos diversos, o escritor tende a não usar a expressão "ditadura da saúde", mas diante dessa aberração pode ser necessário mudar de opinião. A segunda: assim procede o maravilhoso mundo da ciência real, que está nas mãos dos gigantescos interesses privados que conhecemos. Nenhuma surpresa, claro, mas ai de olhar para outro lugar, como se o que está acontecendo fosse apenas um parêntese momentâneo.
A elevada percentagem de vacinados (cerca de um terço dos israelitas já receberam a segunda dose) não é fruto de uma adesão extraordinária e espontânea, mas sim consequência da pressão exercida também com violência e ameaças... [ler mais]
Libertação imediata e incondicional de Mumia Abu-Jamal! 03-2021
«No sábado (27 de Fevereiro), Mumia Abu-Jamal foi hospitalizado. Quando ele ligou para o hospital e foi atendido pela equipe médica do SCI Mahanoy, ele foi levado imediatamente para o hospital com dores no peito e falta de ar. Diagnosticado com insuficiência cardíaca congestiva, ele fez uma bateria de testes. Não está claro por quanto tempo Mumia ficou hospitalizado, mas na quarta-feira ele estava isolado na enfermaria da prisão. Este diagnóstico de coração enfraquecido requer monitorização e tratamento cuidadosos.
No hospital, o exame de sorologia de sangue deu positivo para Covid-19. Isso ocorreu após três testes COVID-19 negativos ou falso-negativos e um teste de antígeno negativo administrado recentemente pela equipe médica do SCI Mahanoy... [ler mais]
“Grande reinicialização” distópica: “Não possuir nada e ser feliz”, Ser humano em 2030 (Colin Todhunter) 03-2021
«A reunião anual do Fórum Econômico Mundial (WEF) no final de janeiro em Davos, Suíça, reúne negócios internacionais e líderes políticos, economistas e outros indivíduos de alto perfil para discutir questões globais. Impulsionado pela visão de seu influente CEO Klaus Schwab , o WEF é a principal força motriz para o 'grande reset' distópico , uma mudança tectônica que pretende mudar a forma como vivemos, trabalhamos e interagimos uns com os outros.
The Great Reset envolve uma transformação da sociedade, resultando em restrições permanentes às liberdades fundamentais e vigilância em massa, enquanto setores inteiros são sacrificados para impulsionar o monopólio e a hegemonia das corporações farmacêuticas, gigantes de alta tecnologia/big data, Amazon, Google, grandes cadeias globais setor de pagamentos digitais, questões de biotecnologia, etc.
Usando bloqueios e restrições da COVID-19 para levar a cabo essa transformação, a grande reinicialização está sendo implementada sob o pretexto de uma 'Quarta Revolução Industrial', na qual as empresas mais antigas serão levadas à falência ou absorvidas em monopólios, fechando efetivamente grandes seções da economia pré-COVID. As economias estão sendo 'reestruturadas' e muitos trabalhos serão realizados por máquinas movidas a IA... [ler mais]
Costa e Merkel, a mentira e o Passaporte de Vacinação Europeu 03-2021
Costa, desconfiando profundamente dos portugueses, sabe que pode mentir mas que não pode mentir sempre, inseguro da sua posição, encosta-se ao PR Marcelo, pensando que é o seu seguro de vida, mas no íntimo sente que esta segurança é igual à das cobras venenosas, e vira-se para o exterior, recorrendo à mãezinha Merkel, fazendo coro com ela na questão de não se comprar vacinas fora do esquema engendrado pela Comissão Europeia, que envolve muitos milhões enrolados em clausulas contratuais secretas, e na necessidade do miraculoso “passaporte de vacinação europeu” para o relançamento da economia e do turismo, em particular, e que deverá estar pronto lá para o Verão. Costa não tem pruridos nem escrúpulos em colaborar activamente no estabelecimento da “nova normalidade”, que é o fascismo brando pós-democracia parlamentar burguesa, atacando abertamente os direitos e as liberdades dos cidadãos. Que a iniciativa venha de uma Alemanha, cuja burguesia já comprovou que é geneticamente nazi, ou seja, imperialista, não é admiração nenhuma, agora que um triste lacaio, arvorado em “socialista”, se entusiasme com a ideia é, no mínimo, causa do mais vivo repúdio e repugnância – mas é o que temos. A ideia está a ser lançada e os media do regime falam e fazem inquéritos sobre a bondade e aceitação da medida por parte do cidadão, isto é, prepara-se a opinião pública enquanto se espera pela adesão à vacinação, que em alguns países, França por exemplo, não parece suscitar grande entusiasmo... [ler mais]
Texas 'Deep Freeze': Aviso urgente sobre o clima, mas “não o que você pensa” (F. William Engdahl) 02-2021
«No desenrolar da extrema tragédia do inverno no Texas, bem como em muitas outras regiões dos Estados Unidos não preparadas para o inverno rigoroso, um ponto notável é que grande parte das enormes baterias de eólicas em todo o estado, supostamente geram 25% da energia elétrica do estado, congelaram e são amplamente inúteis. O recente inverno severo não apenas nos EUA continentais, mas também em grandes partes da UE, e até mesmo no Médio Oriente, justifica um olhar mais atento sobre um assunto que foi ignorado por muito tempo pelos relatórios do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) da ONU, bem como por um novo grupo de académicos conhecido como Cientistas do Clima. Ou seja, a influência do nosso sol no clima global.
Em 14 de fevereiro de 2020, uma frente fria recorde do Ártico varreu do Canadá ao sul até as partes mais meridionais do Texas, na fronteira mexicana. O impacto imediato foi a queda de energia em até 15 milhões de texanos que em 17 de Fevereiro permaneciam sem aquecimento e eletricidade, já que quase metade das unidades eólicas estavam congeladas e inoperantes devido às tempestades de gelo, muitas permanentemente. O Texas, nos últimos cinco anos, dobrou sua parcela de geração eólica na rede na pressa de adoptar um perfil de energia verde. Com cerca de 25% da rede elétrica estadual de fontes eólicas, quase metade está desativada, parte permanentemente, por causa da tempestade... [ler mais]
A Economia Dos EUA Atolada Na Mais-Valia Absoluta (José Martins e Alice Teixeira) 02-2021
«Os governos e classes proprietárias do G7 (grupo das sete maiores economias do mundo) nunca estiveram tão preocupados com o desemprego da classe operária como na atual quadratura do ciclo.
Além dos fantasiosos discursos contra as desigualdades e a favor dos pobres desempregados, estão na verdade preocupados em como este desemprego pode ou não achatar os lucros dos capitalistas.
Não menos importante, os capitalistas estadunidenses e seu governo estão preocupados em como a perda de vitalidade da maior economia do mundo pode levar a conflitos sociais que ameaçam os próprios fundamentos da propriedade privada em geral e do capital.
Nos EUA, maior potência econômica mundial, essa preocupação com o futuro imediato da acumulação do capital aparece de forma mais dramática que nas demais economias dominantes do sistema... [ler mais]
Governo Draghi, por quem os sinos dobram (Manlio Dinucci) 02-2021
«O novo governo italiano é composto primeiro por tecnocratas e depois, por políticos. Ilustra um avanço na alta finança e da indústria militar, o qual se assiste em muitos países. Corresponde à modificação profunda das sociedades ocidentais, onde a riqueza já não é distribuída, mas incide sobre um pequeno grupo de multimilionários transnacionais. Esta evolução, se persistir, marcará o fim da democracia parlamentar. (...)
No novo governo, os "técnicos" têm mais poder do que os "políticos". Demonstra-o, antes de mais, o currículo de Mario Draghi: Director Executivo do Banco Mundial em Washington a Director do Tesouro em Roma, onde é o autor da privatização das principais empresas públicas italianas, de Vice Presidente do Banco Goldman Sachs americano (um dos maiores bancos de investimento do mundo) a governador do Banco de Itália e Presidente do Banco Central Europeu. Draghi é, ao mesmo tempo, um dos protagonistas do Grupo dos Trinta, uma poderosa organização internacional de financiadores, com sede em Washington, criada em 1978 pela Fundação Rockefeller... [ler mais]
INHAMINGA, O ÚLTIMO MASSACRE (1) - por Jorge Ribeiro 02-2021
«Dia 9 de Fevereiro de 1974, um sábado. O responsável pela Fábrica de Cimento de Nova Maceira, no Dondo, chega a Muanza, sul de Inhaminga. Acompanhado de um agente da PIDE/DGS, o engenheiro Góis vem visitar a pedreira de calcário que abastece aquela unidade industrial. Desloca-se às ordens do patrão, António Champalimaud, que pretende saber “O que se passa” neste lugar periférico da Gorongosa.
Na frente da pedreira, o director da Cimenteira depara-se com um cenário montado pelo seu gerente em Muanza, um branco de nome Jacinto. Doze corpos de nativos, passados pelas armas, jazem espostejados por terra “De forma a que todos vejam o que acontece a quem apoiar os terroristas”.
Jacinto orienta, no local, uma força de matança em série constituída por elementos da Organização Provincial de Voluntários e Defesa Civil de Moçambique - OPVDCM, acolitados por efectivos da 2.ª Companhia do Batalhão de Artilharia 6221, incumbidos de “montar segurança à pedreira”.
O engenheiro confere, num ápice, a informação que desliza pela cidade da Beira há já algum tempo e chegou agora de forma mais consistente aos ouvidos no Dondo. “Centenas e centenas de homens, arrebanhados em inúmeras aldeias de Manica, da Zambézia e, sobretudo, de Sofala, estão a ser sumariamente executados em Muanza”.
O proprietário da serração em Cheringoma mais próxima de Muanza está presente nesta visita ao complexo da pedreira. O seu nome é José Mendonça Teixeira e pede para falar. Garante ao administrador vindo de Nova Maceira que “Este sistema de limpeza já vigora há uns meses e é o mais eficaz para acabar com a guerra”. Acrescenta que “As valas, lá atrás, já têm à volta de uns três mil turras”. Um número redondo que o colaborador de Champalimaud já trazia na cabeça... [ler mais]
Um Novo Movimento Revolucionário de Massa (Klaus Madersbacher) 02-2021
«QUERDENKEN é um movimento revolucionário de massas dirigido contra o regime alemão controlado pelos Estados Unidos, similar em essência à revolução do povo iraniano em 1978 contra a ditadura do Xá dirigida pelos Estados Unidos no Irão. Deve ser enfatizado que a revolução iraniana foi uma revolução pacífica durante a qual as forças de segurança iranianas se recusaram a lutar contra seu próprio povo. O mesmo tipo de movimento revolucionário parece estar emergindo em países sob o domínio dos Estados Unidos da América.
Em vez de servir ao seu próprio povo, os regimes europeus servem aos interesses de Washington , que parece impulsionado a obter a supremacia no mundo por razões materiais e também como uma saída para a crise económica em que se encontra.
O teatro com e em torno do coronavírus é encenado com a intenção explícita de distração e de criar medo e um clima de insegurança geral que leva a medidas de controle que possibilitem o poder hegemônico, talvez resultando em um “reset global” que atenda aos interesses de poucos às custas de muitos... [ler mais]
Poema de Pablo Hasél da prisão 02-2021
Os motins mais violentos acontecem diariamente:
miséria, exploração, guerras imperialistas, repressão ...
E os hipócritas que não condenam essa violência criminosa opressora
furiosos e rápidos condenam a autodefesa.
Agora, da sua confortável falta de empatia
eles estão escandalizados com as altercações após o terrorismo da minha prisão,
mas não o fazem quando nos impedem de usar a palavra
para denunciar seus crimes e torturas.
Impediram o caminho pacífico e ainda por cima nos chamam de violentos
por não bater palmas quando nos atingiram.
Odiamos suas violentas injustiças com as quais enriquecem,
então nós somos a verdadeira polícia de choque...
Porque na luta conquistamos vidas dignas
seus distúrbios genocidas e os distúrbios que a eles respondem terminarão... [ler mais]
O G7 dá o poder a Bill Gates contra a Covid e relança a globalização (rede voltaire) 02-2021
«O G7 reuniu-se por videoconferência, em 19 de Fevereiro de 2021, a nível de chefes de Estado. O Presidente Biden participou nela pela primeira vez.
O comunicado final, num tom ultra-voluntarista, apenas contêm dois anúncios concretos:
 O G7 participará na “ COVAX facility ” para garantir a distribuição mundial equitativa de vacinas anti-covid;
 O G7 relança a globalização no seu melhor: agora ela será «equitativa».
Para compreender o que se esconde por trás deste dilúvio de boas intenções, é preciso saber:
A « COVAX facility » é a parte vacinas da ACT-A; uma iniciativa do G20 (24 de Abril de 2020). Trata-se de um grupo multilateral que coordena:
• governos
• A OMS, que é uma organização intergovernamental
• a Coligação para as Inovações em matéria de Preparação para Epidemias (CEPI), que é uma empresa privada;
• a Gavi – Aliança de Vacinas, que é uma parceria de sectores público e privado;
• finalmente a Fundação Bill e Melinda Gates, que é uma empresa privada... [ler mais]
Elgio, outro rapper condenado a seis meses de prisão por motivos semelhantes aos de Pablo Hasél 02-2021
«Nas manifestações pela liberdade de Pablo Hasél, a liberdade do rapper Elgio, artista de Sabadell, também foi condenada a cumprir pena de seis meses de prisão por exaltar o terrorismo.
O rapper Elgio, do Coletivo La Insurgencia, acaba de receber a homologação de sua sentença a seis meses de prisão pelo "crime" de "glorificar o terrorismo". Subindo no ranking do país com o maior número de artistas presos do mundo. (...)
No post do Instagram em que Elgio explica o resultado de seu processo judicial, o jovem mostra seu repúdio à condenação e processo de outros integrantes do grupo 'La Insurgencia', do qual faz parte, negando que o facto de “fazer canções» constitui crime.
“Não louvamos o terrorismo, nós o rejeitamos e condenamos nas nossas canções”, diz o rapper, que a seguir acusa os diferentes poderes do Estado: “Aqueles que agem impondo o seu terror são eles diariamente, através dos despejos, abusos e torturas policiais, roubos, penas de prisão, demissões e inúmeras ações que nos condenam à miséria”... [ler mais]
O PCE apoia a repressão policial nas manifestações pela liberdade de Pablo Hasél (Sergio Linares) 02-2021
«O secretário-geral do PCE e porta-voz do IU-Unidas Podemos no Congresso, Enrique Santiago, garante que a obrigação da Polícia é evitar que as manifestações terminem no caos. Ele se junta à campanha em andamento para criminalizar os protestos.
O secretário-geral do PCE e porta-voz do Izquierda Unida - Unidos Podemos no Congresso, Enrique Santiago, publicou um tweet que despertou as redes sociais. Depois de uma crítica formal e subtil à prisão de Hásel e ao apoio ao “protesto pacífico”, ele decidiu fazer eco à campanha lançada pela grande mídia, pela direita e por vários ministros do governo “progressista”, com Carmen Calvo à frente, de criminalização das mobilizações que percorrem todo o Estado nesta semana exigindo a liberdade do rapper Pablo Hásel. (...)
Para Santiago “A obrigação do FCSE - Forças e Órgãos de Segurança do Estado - é impedir que uma pequena manifestação termine no caos, que depois é aproveitado pela direita”. Portanto, coloca a responsabilidade total pelo que aconteceu nas ruas de Madrid, Barcelona, Valência, Vigo ou Granada, aos manifestantes que teriam causado tal caos... [ler mais]
Democracia portuguesa e o seu passado fascista 02-2021
Se, em Portugal, o fascismo caiu, os fascista ficaram – não foi por acaso que nem pides nem fascistas-mor foram julgados e condenados e o caso do julgamento dos assassinos de Humberto Delgado não passou de uma triste farsa – e os seus valores foram rapidamente recuperados, especialmente nos governos de Cavaco/PSD e em todos os da coligação PSD/CDS, principalmente no último Coelho/Portas; e nos restantes de marca PS, a recuperação não cessou em termos de reforço dos aparelhos policiais e judiciais, em suma, no que respeita à repressão e controlo social, como agora se bem constata nos estados de emergência e de confinamento de grande parte da população, uma verdadeira prisão domiciliária que nem no Idade Média se verificou, porque então só se imponha a quarentena às pessoas infectadas e não à sociedade em geral. Na mesma linha se tem vindo a recuperar a ideia da guerra de “defesa do Ultramar” e da “defesa da Pátria”, com a construção de monumentos e memoriais e cerimónias afins, e que culminou há pouco dias com a presença dos altos dignitários da Nação, incluindo o PR Marcelo (que fugiu à tropa), no funeral do maior criminoso da guerra colonial, tendo até merecido uma mensagem do “socialista” ministro da Defesa, idiota útil de serviço, Cravinho, no sentido de enaltecimento das qualidades do “militar mais condecorado de sempre do Exército”... [ler mais]
Boa sorte dr. Dr. Fuellmich! (Stephen Karganovic) 02-2021
«O virtual desaparecimento da gripe (pelo menos dos relatórios oficiais) pode corroborar a tese do Dr. Fuellmich de que seus pacientes simplesmente foram reclassificados como vítimas da Covid,
A ação coletiva da Covid 19 movida pelo escritório do advogado germano-americano de Göttingen, Dr. Reiner Fuellmich, precisa ser revisada. No Outono do ano passado, antes do bloqueio da maioria das plataformas de internet de dados e análises inconvenientes para a narrativa de pânico da Covid, houve uma discussão considerável e interesse na ação legal inovadora do Dr. Fuelmich. Deveria ser realizada contra a Organização Mundial de Saúde e vários outros jogadores importantes (incluindo o Dr. Christian Drosten, o virologista favorito do governo alemão da Universidade Charité de Berlim, associado ao hospital com o mesmo nome de Navalny) por envolvimento na encenação do crise mundial. A petição acusa os réus de uma panóplia de crimes amplamente concebidos contra a humanidade. Para os de espírito pedante, deve-se salientar que este é apenas o impulso geral do processo, claramente projetado para evocar sombras de Nuremberg. Mas, além da dimensão do direito penal, ele também apresenta elementos pronunciados de delito civil... [ler mais]
Liberdade para Pablo Hasél! (João L Maio - no blog Aventar) 02-2021
«Sessenta e quatro publicações no Twitter e uma música no Youtube. Foram estas as razões que levaram a justiça espanhola a condenar Pablo Hasél, em 2018, a uma pena de dois anos de prisão, posteriormente reduzida. Em 2020, o Supremo Tribunal de Espanha confirmou a decisão. Agora, em Fevereiro de 2021, Pablo Hasél é forçado a entregar-se às autoridades “de forma voluntária”.
Pablo Rivadulla Duro denunciou, em todas as suas músicas, a censura a que o Coroa espanhola submete o seu povo, os crimes económicos cometidos por Juan Carlos, o rei emérito, a hipocrisia da União Europeia colonizadora e imperialista, o ressurgimento dos fascismos um pouco por toda a Europa. Por isto, foi preso.
Convém recordar que há menos de um ano o Supremo Tribunal espanhol abriu uma investigação ao rei Juan Carlos I por suspeita de delitos de corrupção internacional, branqueamento de capitais e fraude fiscal, num esquema que lhe terá rendido, e à Coroa espanhola, cerca de 65 milhões de euros, em conluio com a Arábia Saudita. Como se não bastasse, Juan Carlos esteve também envolvido noutro escândalo: a caça ilegal de espécies ameaçadas em África, usando fundos públicos. Em Agosto de 2020 fugiu para os Emirados Árabes Unidos. Coincidências... [ler mais]
“Capitalismo sugador de sangue”: como grandes empresas extraem riqueza de todos os demais (Rod Driver) 02-2021
«Muitos escritores notaram que o capitalismo concentra riqueza e poder em um pequeno número de mãos. Até aproximadamente 1890, os economistas entendiam que uma parte fundamental do sistema econômico são os chamados aluguéis. Isso significa renda não auferida ou lucros excedentes. A teoria econômica recente não fala muito sobre aluguéis - presume-se que toda a renda é ganha. As pessoas e empresas que recebem o excesso de riqueza dos aluguéis são geralmente descritas pela mídia como criadoras de riqueza, mas isso é em parte propaganda. Muitos deles são 'buscadores de aluguel' (também conhecidos como rentistas) - pessoas que sabem como tirar dinheiro do sistema porque entendem como ele é manipulado.
Economistas críticos às vezes discutem as maneiras mais importantes pelas quais as grandes empresas podem extrair riqueza da sociedade. Isso inclui capitalismo de compadrio, onde grandes empresas recebem subsídios dos governos; monopólio e oligopólio, onde as empresas são tão dominantes em cada setor que podem limitar a concorrência, cobrar preços mais altos e obter lucros excessivos; e externalidades em que as empresas não pagam o verdadeiro custo de suas atividades, como poluição, aquecimento global e destruição do meio ambiente... [ler mais]
A conspiração do “Grande Carbono Zero” (F. William Engdahl) 02-2021
«O globalista Fórum Económico Mundial de Davos está proclamando a necessidade de atingir uma meta mundial de “carbono zero líquido” até 2050. Isso, para a maioria, soa como um futuro distante e, portanto, amplamente ignorado. No entanto, as transformações em curso da Alemanha aos Estados Unidos, a inúmeras outras economias, estão preparando o cenário para a criação do que nos anos 1970 foi chamado de Nova Ordem Económica Internacional.
Na realidade, é um projecto para um corporativismo totalitário tecnocrático global, que promete um enorme desemprego, desindustrialização e colapso econômico intencionalmente. Considere alguns antecedentes.
O Fórum Económico Mundial (WEF) de Klaus Schwab está promovendo seu tema favorito, a Grande Reinicialização da economia mundial. A chave para tudo isso é entender o que os globalistas querem dizer com Carbono Zero Líquido até 2050.
A UE está liderando a corrida, com um plano ousado para se tornar o primeiro continente “neutro em carbono” do mundo até 2050 e reduzir suas emissões de CO2 em pelo menos 55% até 2030... [ler mais]
Alerta vermelho sobre inoculações Pfizer e Moderna COVID (Stephen Lendman) 02-2021
«As inoculações de mRNA da Pfizer e Moderna não são como são promovidas.
Conforme definido clinicamente pelo CDC, as vacinas devem estimular o "sistema imunológico a produzir imunidade a uma doença específica".
A imunização é um “processo pelo qual uma pessoa fica protegida contra uma doença por meio da vacinação”.
O que foi dito acima não é para o que as inoculações de mRNA foram projetadas. Elas são algo totalmente diferente.
Elas são sistemas de entrega de modificação genética que não produzem imunidade - o que Moderna chama de "tecnologia de terapia genética".
Não foram concebidos para prevenir a doença covídea renomeada como gripe sazonal, no máximo elas podem reduzir um pouco os sintomas a curto prazo.
Promover a tecnologia de mRNA como proteção da vacina contra covid é parte de um esquema de fraude em massa de proliferação de mídia/aprovado pelo estado... [ler mais]
Manipulação em massa - Como funciona (Peter Koenig) 02-2021
«Você já se perguntou como um rebanho de ovelhas é levado ao “matadouro”?
A manipulação de mentes é uma ciência bem estudada, já aplicada há séculos, mas está se tornando cada vez mais sofisticada. Por exemplo, as muitas afirmações comoventes, Joseph Goebbels, Ministro da Propaganda de Hitler (1933 a 1945), incluído,
“Se você repete uma mentira com bastante frequência, ela se torna a verdade”; ou “Se você fizer as pessoas acreditarem na ameaça de um inimigo, elas cumprirão suas ordens” - e “Divida e polarize-os, destrua sua solidariedade e eles seguem seu comando”.
Hoje nos tornamos mais sofisticados. Embora o medo ainda seja a arma preferida - imagine um inimigo invisível de que todos tenham medo - temos os media digitalmente observadores, algoritmos e robôs que focam em seu pensamento, como você reage e lida com a comunicação social, cujos sites você consulta, e onde e o que você compra... [ler mais]
O que o exílio de Snowden diz sobre a América (Brian Berletic) 02-2021
«O vazamento de informações da Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos (NSA) de Edward Snowden em 2013 ajudou o mundo a ver mais claramente o que os EUA - em sua manifestação actual - realmente são. A sua extensa e abusiva rede de vigilância tinha como alvo amigos e inimigos em todo o mundo, mas também apontava para a própria população da América. Ele forneceu a imagem mais clara até ao momento dos métodos e meios usados pelo que muitos chamam de “Estado Profundo” para manter o poder internacional e também domesticamente.
Para a América, as consequências dos seus vazamentos deveriam ter iniciado um processo de intensa introspecção. Em vez disso, os EUA buscaram punir Snowden - que felizmente escapou para a Rússia.
Os Estados Unidos - que se orgulha de seu título autoproclamado de líder do que chama de “ordem internacional baseada em regras” - quebraram todas as regras... [ler mais]
A “democracia com falhas”, o governo de “salvação nacional” e o apelo aos militares 02-2021
Para que a reinicialização da economia nacional se faça, independentemente até das directivas do Fórum de Davos, terá de se fazer sob o domínio de um governo forte, que muita gente, incluindo do círculo íntimo de Marcelo, considera que não deve ser ainda de “salvação nacional”, pelo menos para já, mas de um “governo com músculo” para manter a estabilidade (a sacrossanta estabilidade tão querida ao PR) porque assim exige a “crise pandémica”, querendo-se continuar a ofuscar a crise económica com a crise provocada pela doença covid-19, a fim de justificar os meios e levar a aceitação por parte dos trabalhadores e do povo. Será que o governo PS/Costa tem músculo suficiente para manter o povo no sossego e na ordem quando as falinhas mansas deixarem de resultar? Não parece e há quem dê por terminado a sua frágil vida aí pelo próximo mês de Outubro. O que virá a seguir ninguém sabe e então é bom que a plebe se habitue à entrada em cena dos militares. Primeiro por razões humanitárias e de gestão da logística, daí as múltiplas explicações e loas tecidas às pretensas qualidades dos médicos e outros profissionais de saúde militares alemães, que vêm reforçar as unidades de cuidados intensivos, ao novo gestor da vacinação, marinheiro dos submarinos, e aos militares já no terreno a coordenar a distribuição das vacinas. O combate à covid e agora a vacinação são considerados uma guerra. Uma guerra que na verdade é uma guerra contra o povo, que mais dia menos dia irá levantar-se contra a fome, o desemprego e a falta de liberdade. E nesta guerra os militares terão de estar presentes, mas a reprimir o povo, porque as polícias não serão suficientes. E é bom que os alemães também cá estejam: primeiro foi o euro, agora serão os militares da saúde, depressa virá a Wehrmacht – só faltará o pretexto... [ler mais]
O 18 de Brumário de Louis Bonaparte (Karl Marx) 02-2021
«A tradição histórica originou nos camponeses franceses a crença no milagre de que um homem chamado Napoleão restituiria a eles toda a glória passada. E surgiu um indivíduo que se faz passar por esse homem porque carrega o nome de Napoleão, em virtude do Code Napoléon, que estabelece: La recherche de la paternité est interdite. Depois de 20 anos de vagabundagem e depois de uma série de aventuras grotescas, a lenda se consuma e o homem se torna imperador dos franceses. A idéia fixa do sobrinho realizou-se porque coincidia com a idéia fixa da classe mais numerosa do povo francês. (...)
É preciso que fique bem claro. A dinastia de Bonaparte representa não o camponês revolucionário, mas o conservador; não o camponês que luta para escapar às condições de sua existência social, a pequena propriedade, mas antes o camponês que quer consolidar sua propriedade; não a população rural que, ligada à das cidades, quer derrubar a velha ordem de coisas por meio de seus próprios esforços, mas, pelo contrário, aqueles que, presos por essa velha ordem em um isolamento embrutecedor, querem ver-se a si próprios e suas propriedades salvos e beneficiados pelo fantasma do Império. Bonaparte representa não o esclarecimento, mas a superstição do camponês; não o seu bom-senso, mas o seu preconceito; não o seu futuro, mas o seu passado; não a sua moderna Cevènnes, mas a sua moderna Vendée... [ler mais]
Duas falhas estratégicas face à Covid-19 (Thierry Meyssan) 02-2021
«Os países ocidentais sucumbiram ao pânico face à epidemia de Covid-19. Caindo no irracional, cometeram duas falhas estratégicas : confinar a sua população sã arriscando destruir a economia, e apostar tudo nas vacinas de ARN-m em detrimento dos cuidados, ou seja correndo o risco de provocar efeitos secundários particulares devidos a esta nova técnica de vacinação.
A Covid-19 é uma doença vírica que pode levar à morte, no pior dos casos, a 0,001 % da população. A idade média das mortes pela Covid-19 nos Estados desenvolvidos situa-se à volta dos 80 anos, sendo a idade média cerca de 83 anos.
Comparativamente, os países em guerra experimentam uma mortalidade extra, devida à guerra, 5 a 8 vezes superior, mas sobretudo atingindo os homens de 18 a 30 anos. Ao que se deve juntar uma emigração que pode ir até 50,00 % da população.
A epidemia da Covid e a guerra são pois duas situações de medida sem igual apesar da retórica apocalíptica que as confunde [1]. Além disso, a resposta dos que se aventuraram a esta comparação dramática nada foi buscar, em termos de mobilização, à das situações de guerra. No máximo requisitou-se um hospital militar móvel para tirar algumas fotos de uniformes em acção. O seu único efeito real foi o de provocar pânico na população e de a privar assim do seu espírito crítico... [ler mais]
The Lockdown O maior experimento em humanos já visto (Rob Slane) 02-2021
«Colocar doentes em quarentena e tomar precauções razoáveis para impedir que aqueles que são identificados como vulneráveis contraiam a doença. Tentar “controlar o vírus” evitando que milhões de pessoas saudáveis tenham contato com outras pessoas saudáveis.
Para qualquer sociedade anterior a 2020, teria sido óbvio que a primeira abordagem não é apenas lógica e proporcional, mas a menos provável de ter outras consequências não intencionais e altamente destrutivas. No entanto, para meu espanto contínuo, muitos em nossa sociedade não apenas acreditam que a resposta é a segunda, mas de alguma forma acreditam que ela se baseia na ciência estabelecida.
Agora eu entendo que muitos dos que apóiam Lockdown farão objeções à minha caracterização de sua posição. Eles dirão que é deliberadamente enganoso, visto que fala sobre pessoas saudáveis e não menciona os doentes. Tais objeções fundam, no entanto, neste fato inegável: Lockdowns são, por sua natureza, uma abordagem totalmente não direcionada e indiscriminada para uma questão de saúde, e a proibição por lei de milhões de pessoas saudáveis de terem contato com outras pessoas saudáveis é uma característica... [ler mais]
Após COVID, Davos avança para uma grande reinicialização (F. William Engdahl) 01-2021
«Com a Presidência Biden dos EUA, Washington voltou a integrar a agenda do Aquecimento Global dos Acordos de Paris. Com a China fazendo grandes promessas de atender aos rígidos padrões de emissão de CO2 até 2060, agora o Fórum Económico Mundial está prestes a revelar o que transformará a maneira como todos vivemos no que o chefe do WEF, Klaus Schwab, chama de Grande Reinicialização. Não cometa erros. Tudo isso se encaixa em uma agenda que foi planeada por décadas por famílias abastadas, como Rockefeller e Rothschild. Brzezinski chamou isso de fim do Estado-nação soberano. David Rockefeller o chamou de "um governo mundial". George H.W. Bush em 1990 chamou isso de Nova Ordem Mundial. Agora podemos ver melhor o que eles planeiam impor, se permitirmos.
A Grande Restauração do Fórum Económico Mundial é uma implementação do século 21 para uma nova forma de controle total global. “Temos apenas um planeta e sabemos que as mudanças climáticas podem ser o próximo desastre global com consequências ainda mais dramáticas para a humanidade. Temos que descarbonizar a economia na janela que ainda resta e trazer nosso pensamento e comportamento mais uma vez em harmonia com a natureza”, declarou o fundador do WEF, Schwab, sobre a agenda de janeiro de 2021. A última vez que esses atores fizeram algo semelhante em escopo foi em 1939, nas vésperas da Segunda Guerra Mundial... [ler mais]
O que discutem as elites no Foro de Davos? (Alhelí González Cáceres) 01-2021
«Entre as principais questões que foram discutidas estão: o design de sistemas econômicos sustentáveis e resilientes; o impulso da transformação e do crescimento responsável da indústria; a melhoria na administração dos recursos comuns; o aproveitamento das tecnologias da quarta Revolução Industrial e o avanço da cooperação global e regional. Sendo, sem dúvida, o meio ambiente e a recuperação econômica os dois eixos principais do Fórum neste 2021.
Reiniciar a economia?
Um capitalismo pós-pandêmico mais pacífico e próspero é possível, segundo a elite reunida em Davos, mas para isso haveria aquele “reinício da economia” e, nesse sentido, para o fundador do Fórum, a pandemia representa aquela oportunidade para refletir e reiniciar o mundo, forjando um futuro mais justo e promissor. Na mesma linha, o presidente chinês Xi Jinping pediu para evitar uma nova “Guerra Fria”, isto em relação ao governo Biden, cujo secretário de Estado, Anthony Blinken, há poucos dias comemorou as decisões do ex-presidente Trump em relação às sanções impostas à China. (...)
Mas é possível “reiniciar a economia”? Em que ponto? Existe na história do capitalismo um ponto de restauração em que não haja exploração de uma classe sobre a outra? Um ponto em que o desejo de acumulação não leva à mercantilização dos bens comuns, saúde ou educação e, consequentemente, à destruição do meio ambiente que nos cerca? ... [ler mais]
Espanha: Declaração de Pablo Hasel sobre sua iminente prisão 01-2021
«Dentro de 10 dias o braço armado do Estado virá me sequestrar à força para me prender porque não vou me apresentar voluntariamente na prisão. Eu nem sei para qual prisão eles vão me levar ou por quanto tempo. Entre todas as causas que acumulo de luta, algumas com condenações pendentes de recurso e outras pendentes de julgamento, posso passar quase 20 anos na prisão. Esse assédio constante que tenho sofrido por muitos anos e que se materializa além das sentenças de prisão, não se deve apenas às minhas canções revolucionárias, mas também à minha militância além da música e da escrita. A própria promotora reconheceu literalmente: “é perigoso ser tão conhecido e incitar a mobilização social”. Colocar em prática a luta de que falo nas minhas canções é o que me tem colocado especialmente em destaque, além de apoiar organizações que lutaram contra o Estado, sendo solidário com seus presos políticos e sensibilizando pela denúncia de injustiças apontando em voz alta e claro para seus culpados... [ler mais]
“Próxima missão do capitalismo é se livrar de metade da população do planeta” (Ailton Krenak) 01-2021
«Vivemos uma fase grotesca do capitalismo, mas não acho que estamos em uma crise que vai diminuir a potência dele. O capitalismo tem produzido uma mudança em si mesmo porque não fomos capazes de produzir uma mudança fora. Ele vai destruir o mundo do trabalho como conhecemos, e vai dispensar a ideia de população. Essa, para mim, é a próxima missão do capitalismo: se livrar de ao menos metade da população do planeta. O que a pandemia tem feito é um ensaio sobre a morte. É um programa do necrocapitalismo. A desigualdade deixa fora da proteção social 70% da população do planeta. E, no futuro, não precisará dela sequer como força de trabalho. Quem promete um mundo de pleno emprego é cínico ou doido. Não existe nenhuma possibilidade material de as coisas voltarem a funcionar assim... [ler mais]
Seja Trump ou Biden, os europeus ainda são vassalos do tio Sam (Finian Cunningham) 01-2021
«A presunção de Biden de dizer aos europeus que Nord Stream-2 é um mau negócio mostra que, em última análise, os europeus são considerados como não tendo soberania quando se trata de definir sua política energética. A União Europeia recebeu um memorando rude esta semana indicando que pode haver um novo presidente residindo em Washington, mas ainda é a mesma política americana de tratá-los como vassalos. O presidente democrata Joe Biden pode ter mais subtileza e sensibilidade transatlânticas quando comparado com o republicano Donald Trump. Mas o que importa é que Biden se sente tão habilitado quanto seu antecessor de mandar nos europeus como um bando de lacaios. Talvez não com a mesma retórica concisa, mas, ainda assim, com a mesma atitude autoritária. Isso ficou claro na declaração da administração Biden sobre o projeto de gás natural Nord Stream-2, que em breve será concluído entre a Rússia e a Europa. “O presidente Biden acha que este é um péssimo negócio para a Europa”, disse o porta-voz da Casa Branca, Jan Psaki, com ar de conclusão sobre o assunto. A nova administração está procurando maneiras de implementar as sanções formuladas pelo Trump anterior, que terão como alvo as empresas europeias envolvidas na construção do projeto de gás. Após um ano de trabalhos suspensos devido às sanções americanas, a construção do gasoduto Nord Stream-2 foi retomada esta semana. O projeto de € 10 bilhões envolvendo 12.000 quilómetros de tubulação sob o Mar Báltico da Rússia à Alemanha está 90 por cento concluído. Os poucos quilómetros finais de colocação de tubos foram retomados nas águas dinamarquesas em direção ao litoral alemão... [ler mais]
O Bonaparte e os três estarolas 01-2021
Como se esperava e vem sendo hábito, o inquilino do Palácio de Belém viu-se reconduzido no cargo. Vão ser cinco anos diferentes dos que passaram, o homem dos afectos e dos sorrisos vai finalmente mostrar o seu verdadeiro carácter e ao que realmente vem. A campanha, os apoios e os resultados mostram por si só que do ovo da serpente vai sair o Salvador da Pátria, o Bonaparte. Os assistentes e figurantes da encenação não passam de idiotas úteis, na dita “esquerda” e na extrema-direita; esta feita à medida do Bonaparte que agora até nem é de direita, mas do centro... e anti-fascista! Ou como se inicia um novo ciclo nesta democracia de opereta, que estará a finar-se para dar lugar a um presidencialismo, em versão democracia musculada ou fascismo em modo brando. Deve-se ter em conta que estas foram as primeiras eleições feitas numa situação de estado de excepção, a nova normalidade, isto é, com a democracia suspensa. (...)
Como já afirmáramos, os três candidatos da putativa “esquerda” fizeram o papel de flores de lapela da burguesia e, como na farsa terá de haver sempre figurantes ou actores menores para fazer brilhar a estrela da peça, não deixaram de fazer igualmente o papel de idiotas úteis do regime. E, atendendo ao ridículo das figuras, teremos de reconhecer que não passaram de três estarolas, no entanto, uma imitação fraca e sem talento do famoso trio de cómicos americanos dos anos trinta-quarenta do século passado. A mais convencida auto-intitula-se de “patriótica” quando defende a União Europeia, seria para rir senão fosse triste, e se não teve menos votos que o Ventas deveu-se ao apoio do padrinho Pinto da Costa e dos adeptos do FCP, o que é ainda mais patético; e quem quis apresentá-la como “A candidata” que iria unir a esquerda ou o campo mais abrangente dos democratas não deve ter, nas melhores das hipóteses, noção do delírio... [ler mais]
Cântico Negro 01-2021

"Vem por aqui" - dizem-me alguns com os olhos doces
Estendendo-me os braços, e seguros
De que seria bom que eu os ouvisse
Quando me dizem: "vem por aqui!"
Eu olho-os com olhos lassos,
(Há, nos olhos meus, ironias e cansaços)
E cruzo os braços,
E nunca vou por ali...

Ah, que ninguém me dê piedosas intenções!
Ninguém me peça definições!
Ninguém me diga: "vem por aqui"!
A minha vida é um vendaval que se soltou.
É uma onda que se alevantou.
É um átomo a mais que se animou...
Não sei por onde vou,
Não sei para onde vou
- Sei que não vou por aí!

... [ler mais]

Eleições presidenciais e o regime apodrece 01-2021
Estamos a pouco dias das eleições para a Presidência da República sabendo-se antecipadamente quem será o vencedor. Não haverá chapelada que escandalize, como parece ter acontecido nos Estados Unidos da América em Novembro passado, aqui, será o regime ainda a replicar-se, no entanto, sem conseguir ocultar os sinais mais que evidentes da decrepitude. O medo da abstenção é mais do que enorme por parte dos partidos do poder e das elites que ainda apostam neste cavalo cansado, e as medidas que foram tomadas quanto ao voto antecipado a fim de obviar a temida abstenção mostraram-se desastrosas. Os eleitores que temiam os ajuntamentos no dia 24 foram para as poucas mesas de voto provocar o que tanto temiam, mas para o ministro foi um “entusiasmo” e uma “alegria”, fazendo-lhe lembrar as primeiras eleições em 1975. Nestas aglomerações, pelo que parece, já não houve perigo de contaminação e de aumento da propagação do coronavírus, à semelhança do jantar do candidato oficial da extrema-direita, em Braga, que juntou cerca de 170 neo-nazis, que não tiveram pejo em fazer a saudação nazi, sem que as autoridades e a GNR, em particular, conhecedoras do evento, ali se tivessem deslocado para identificar os criminosos sem máscara e passar-lhes a respectiva multa. A RTP, depois de ter o carro vandalizado e os jornalistas apanhado uns empurrões, continua a levar o fascista ao colo, bem como os outros órgãos de comunicação presentes, mostrando que entre a RTP, a GNR, as autoridades de saúde local e o fascista a diferença não é de monta. (...)
Os candidatos da extrema-direita são dois, um mais soft e o outro mais hard, ambos aproveitam a ocasião para agitar as bandeiras queridas do sector mais ultramontano e ganancioso das nossas elites: privatização de todas as funções sociais do estado, desde a educação e segurança social à saúde, proibição dos sindicatos e da contratação colectiva, os trabalhadores deverão ser escravos e a bel-prazer dos patrões através da contratação individual. O mais trauliteiro destes dois candidatos possui a função acrescida de espantalho para assustar a pequena-burguesia que se não votar no candidato certo (Marcelo) virá aí o fascismo! Perante tantos candidatos mas que, em termos de sistema económico que domina a nossa sociedade, acabam por ser só um. E, mediante esta triste realidade, o voto dos trabalhadores portugueses e do povo em geral – repetimos, são quem sustenta a cáfila – não pode ser outro que não o VOTO NULO. A elevada abstenção esperada não deixará de ser manifestação iniludível do apodrecimento do regime democrático saído do 25 de Abril. A seguir será o bonapartismo à portuguesa que, por sua vez, irá despoletar a raiva e a revolta de todos os deserdados... [ler mais]
Depois da URSS, os EUA afundam-se (Thierry Meyssan) 01-2021
«Tudo tem um fim, os impérios também, o dos Estados Unidos como o da União Soviética. Washington escandalosamente favoreceu uma pequena camarilha de ultra-bilionários. Agora, tem de enfrentar os seus velhos demónios, preparar-se para as secessões e a Guerra Civil. (...)
A opacidade no apuramento do escrutínio presidencial desencadeou as paixões, já elevadas desde a crise financeira de 2007-10. A maioria da população não aceitava o plano de resgate bancário de 787 mil milhões (bilhões-br) US $ dólares do Presidente Barack Obama (juntando-se aos US $ 422 mil milhões de dólares de compras de empréstimos pelo Presidente George W. Bush). À época, milhões de cidadãos declarando estar «já suficientemente taxados» fundaram o TEA Party, em referência ao Boston Tea Party que abriu a porta à Guerra da Independência. Este movimento contra os pesados impostos visando exclusivamente salvar ultra-bilionários desenvolveu-se tanto à direita quanto à esquerda, como o evidenciam as campanhas da Governadora Sarah Palin (Republicana) e a do Senador Bernie Sanders (Democrata). O empobrecimento brutal da pequena burguesia imputável às consequências das deslocalizações leva agora 79% dos cidadãos dos EUA a afirmar que a «América se está a afundar» ; uma proporção de desiludidos sem equivalente na Europa, excepto entre os «Coletes Amarelos» franceses... [ler mais]
Joe Biden, o Senhor da Guerra (André Galindo da Costa) 01-2021
«Como presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado, em três ocasiões, entre 2001 e 2009, Joe Biden prestou importantes contribuições para as guerras do Afeganistão e Iraque no governo de Georg W. Bush. Em 2001, Biden apoiou abertamente a invasão proposta pelo Presidente George W. Bush ao Afeganistão em 2001. Em 2002, foi o responsável pela resolução do Senado que autorizou a invasão de Bush ao Iraque sob a acusação de Saddam Hussein manter armas de destruição em massa. As provas apresentadas pelos EUA sobre as armas iraquianas resultaram falsas.
Em 2007, Biden aprovou, no Senado, um plano que dividiu o Iraque em três regiões autônomas por grupos étnicos ou religiosos: curdos, xiitas e sunitas. O desmembramento do Iraque acirrou conflitos regionais internos, enfraquecendo a unidade e gerando um processo de balcanização. Como vice-presidente de Barack Obama (2009 – 2016), Biden foi um fervoroso apoiador das guerras na Líbia e Síria e incitou um confronto com a Rússia. As decisões sobre guerras tomadas pelo governo democrata de Obama sempre tiveram amplo apoio dos congressistas republicanos... [ler mais]
Estamos em guerra (Peter Koenig) 01-2021
«Estamos em guerra. Sim. E não me refiro ao Ocidente contra o Oriente, contra a Rússia e a China, nem o mundo inteiro contra um vírus corona invisível.
Não. Nós, o povo comum, estamos em guerra contra um sistema globalista elitista cada vez mais autoritário e tirânico, governado por um pequeno grupo de multimilionários, que planeava há décadas assumir o poder sobre o povo, controlá-lo, reduzi-lo ao que uma minúscula elite acredita ser um “número adequado” para habitar a Mãe Terra - e para digitalizar e robotizar o resto dos sobreviventes, como uma espécie de servos. É uma combinação de “1984” de George Orwell e “Admirável Mundo Novo” de Aldous Huxley.
Bem-vindo à era dos transumanos. Se permitirmos.
Vacinação
É por isso que a vacinação é necessária em alta velocidade, para nos injectar substâncias transgénicas que podem mudar nosso DNA, para que não possamos acordar, ou pelo menos uma massa crítica pode se tornar consciente - e mudar a dinâmica. Porque as dinâmicas não são previsíveis, especialmente no longo prazo.
A guerra é real e quanto mais cedo todos nós percebermos isso, quanto mais cedo aqueles com máscaras e aqueles em distanciamento social tomarem conhecimento das situações distópicas "anti-humanas" mundiais que permitimos que nossos governos nos concedessem, melhor nossa chance de retomar nossos egos soberanos.
Hoje somos confrontados com regras totalmente ilegais e opressoras, todas impostas sob o pretexto de “proteção da saúde”.
A não obediência é punível com multas pesadas; Regras militares e policiais aplicadas: uso de máscara, distanciamento social, manutenção do raio permitido de nossas “casas”, quarentena, afastamento de nossos amigos e familiares... [ler mais]
Biden e o Poder pela força (Thierry Meyssan) 01-2021
«Desta vez, a insurreição sobrevinda no Capitólio permite às agências de notícias dominantes acrescentar mais uma camada. O Presidente cessante, Donald Trump, é unanimemente acusado de ter destruído a democracia que o novo Presidente Joe Biden irá, bem entendido, restaurar. Estarão prontos a deixarem-se levar de novo aqueles que se lembram das eleições de George H. Bush, de Bill Clinton, de George W. Bush e de Barack Obama?
Sim, porque o choque causado pela tomada do Capitólio é tal que se acredita seja no que for. Se os Estados Unidos se dirigem inexoravelmente para a guerra civil, o que irá ser de nós, os Ocidentais?
Foi por isso que não quiseram ver chegar a crise que começa. Apenas alguns jornais gregos haviam recentemente exposto as razões da raiva, que nós abordamos já desde há cinco anos (quer dizer antes da eleição de Trump).
Foi também por não quererem encará-la de frente, e se satisfazerem com comentários cegos segundo os quais este episódio vergonhoso não terá consequências. Mas quem pode acreditar nisso? Claro, as coisas vão-se acalmar por um tempo e a máquina repressiva vai esmagar os manifestantes de 6 de Janeiro, mas isto não passará de um pequeno intervalo e a guerra civil não tardará.
Desde logo, os não-ocidentais compreenderam que os Estados Unidos têm tais problemas internos que já não se poderão apresentar mais como modelos para o mundo e ainda menos dar lições de democracia aqueles querem submeter... [ler mais]
Portugal: Salários baixos, PIB a cair e Estado cada vez mais endividado (Eugénio Rosa) 01-2021
«Antes da crise, o salário horário médio em Portugal era já menos de metade do salário horário médio nos países da União Europeia. Entre 2006 e 2018, a percentagem que o salário médio hora pago aos trabalhadores portugueses representava em relação ao salário médio hora na União Europeia diminuiu de 52,3% para apenas 48,9%. Portugal continua a ser um país de muito baixos salários, o que determina que a sua economia tenha uma baixa intensidade tecnológica e de conhecimento e seja extremamente frágil como a experiência tem estado e está a mostrar. E é com estes baixos salários que os trabalhadores portugueses estão a enfrentar as consequências dramáticas da crise, nomeadamente a perda de rendimentos. (...)
Em 2010, o PIB por habitante em Portugal correspondia a 66,6% do PIB médio por habitante dos países da União Europeia e, em 2019, tinha descido para 64,7%. Portugal ao invés de convergir para a média da UE estava a divergir. A riqueza criada por habitante no nosso país é cada vez mais insuficiente. (...)
Para apoiar as empresas e as famílias a divida pública tem aumentado assustadoramente. Segundo o Boletim Estatístico do Banco de Portugal de jan.2021, entre dez.2019 e out.2020, portanto em apenas 10 meses, a divida das Administrações Públicas aumentou de 310.466 milhões € para 330.000 milhões €, e a divida na ótica de Maastricht subiu de 249.985 milhões € para 268.143 milhões €. No fim de set.2020, a divida das Administrações Públicas já correspondia a 160,8% do valor do PIB e a de Maastricht a 130,8%... [ler mais]
Pela jornada semanal de 30 horas! 01-2021
«A pandemia mostrou que é a classe trabalhadora que sustenta tudo. São os trabalhadores, não os patrões ou os especuladores, que fazem as coisas funcionarem. Podemos encher a geladeira se não houver trabalhadores no campo? Sem operadoras? E sem os armazéns? Sem supermercados ou mercearias? Quem os faz funcionar? Embora agora seja mais evidente do que nunca que é o trabalho que cria riqueza, continuamos com um modelo em que dias intermináveis e horas extras estão na ordem do dia. Os trabalhadores e as trabalhadoras são tratados como máquinas que não se cansam, que não têm uma vida além do trabalho. Temos que superar esse modelo. Colocar a vida no centro não é um slogan vazio de conteúdo, mas uma necessidade urgente.
Além disso, a digitalização e automação de mais setores da economia significa que muitos dos trabalhos repetitivos estão sendo substituídos por máquinas, enquanto a emergência climática exige uma diminuição da mobilidade com veículos particulares. Mas não só existem essas tendências que terão um grande impacto no médio prazo, mas, no curto prazo, como resultado da pandemia, existe a ameaça de que as regulamentações de trabalho temporário se transformem em destruição de empregos. Portanto, além das medidas necessárias para conter o desemprego, como o fim dos despedimentos gratuitos, é preciso promover uma medida que sirva tanto para distribuir trabalho e riqueza, quanto para transformar muitos aspectos de nossa vida... [ler mais]
Estupro de mulheres negras e indígenas deixou marca no genoma d@s brasileir@s (Maria Clara Rossini) 01-2021
«Primeiros resultados do projeto de sequenciamento genético mais abrangente já realizado no Brasil mostram que genes herdados exclusivamente por via materna em geral são de negras e indígenas, e que genes transmitidos pelos pais são quase todos de colonizadores europeus.
Agora, aos resultados: 75% dos cromossomos Y na população são herança de homens europeus. 14,5% são de africanos, e apenas 0,5% são de indígenas. Os outros 10% são metade do leste e do sul asiáticos, e metade de outros locais da Ásia. Com o DNA mitocondrial foi o contrário: 36% desses genes são herança de mulheres africanas, e 34% de indígenas. Só 14% vêm de mulheres europeias, e 16% de mulheres asiáticas.  Somando as porcentagens femininas, temos que 70% das mães que deram origem à população brasileira são africanas e indígenas – mas 75% dos pais são europeus. A razão remonta aos anos da colonização portuguesa no Brasil. O estupro de mulheres negras e indígenas escravizadas era o padrão. A exploração violenta e extermínio em massa também fizeram com que os homens indígenas quase não deixassem descendentes – eles representam apenas 0,5% do genoma na população, enquanto as mulheres nativas somam 34%. “O que acontecia era matar ou subjugar os homens e estuprar as mulheres”, diz Tábita Hünemeier do Instituto de Biociências (IB) da USP, que estuda genética de populações e é uma das coordenadoras do projeto... [ler mais]
Momento de revelação dos EUA (Alastair Crooke) 01-2021
«Sim, muitos mitos norte-americanos (e, de modo geral, ocidentais) sobre a identidade e a política dos EUA jazem estraçalhados no chão. Muitos continuam em estado de choque. Imaginavam que as eleições fossem eventos sacrossantos nos EUA. Imaginaram que as cortes fossem árbitras. Jamais imaginaram ver um presidente dos EUA ridicularizado e humilhado como se vê hoje, por veículos de empresas da dita ‘comunicação’ de massa. E a realidade chegou como uma bofetada.
E sim – TINA acabou-se; o mercado de alternativas está aberto para negócios. As ondas do inesperado choque de uma epifania norte-americana dispararão borrifos para a União Europeia (apesar de os líderes europeus estarem atualmente fingindo que nada veem pelo telescópio), e o jornalismo-mídia-empresa Europeia é conivente com ignorar perfeitamente tudo, e assim salvar a Tech-narrativa da realidade.
Mas muito mais que isso, o pranto pelo opressivo funeral de TINA permite a outros estados civilizacionais rejeitarem assertivamente as críticas, ou políticas, que receberam armas contra seus valores-sistema. Se os EUA Republicanos podem rejeitar totalmente os valores acordados, e vice-versa, nesse caso por que outras civilizações não poderiam rejeitar os valores do Iluminismo ocidental... [ler mais]
A "nova normalidade” e a abstenção nas presidenciais 01-2021
Especialistas no direito e em assuntos constitucionais são arregimentados, à semelhança dos médicos, virologistas, epidemiologistas e outros “istas”, bem besuntados na Função e Pública e simultaneamente no sector privado, funcionando como outros vírus no hospedeiro SNS, e pelos grandes grupos farmacêuticos a pretexto de “estudos”, “experiências”, “ensaios” e “formação”, não desmerecendo dos políticos do sistema no que diz respeito à corrupção, vêm debitar a necessidade da revisão da Constituição para se poder adiar as eleições. Para que os nossos idosos possam votar no aconchego dos lares, muitos deles mais depósitos para espera da morte, e assim evitar novos contágios no inóspito exterior da rua e dos locais de voto, deverá bastar o estado de emergência com essa especificação. A preocupação pelos nossos velhos (há quem diga que “velhos são os trapos”, mas a “velhice nunca deixou de ser um posto”, com excepção do capitalismo gerido pelo PS em que são trapos descartáveis por onerosos e inúteis) não deixa de ser comovente sabendo-se que o PS recusou proposta de se estabelecer uma estratégia de protecção apresentada pelo especialista em saúde Pública Jorge Torgal e nunca ter desejado criar uma rede pública de lares para a terceira idade, mas se ter demitido de mais esta função social, deixando para o mercado da especulação de privados e da Igreja Católica (ICAR), uma forma manhosa de esta se ver financiada pelo Estado.
Fica bem à vista, e Marcelo já palpitou que poderá ser uma medida incluída no próximo estado de emergência, que a votação dos idosos nestas eleições deva ser nos locais onde estão institucionalizados, porque é uma excelente maneira de os manipular para votarem no candidato certo, mesmo que alguns estejam em estado demencial e com as faculdades mentais diminuídas (são 45 mil idosos só em instituições ligadas à CNIS, daí a importância de bajular o voto da ICAR!). O recadeiro mini MM já aplaudiu e o Costa algum tempo antes anunciara que novo confinamento, e mais restrições à semelhança do que foi aplicado em Abril e Maio, terá de ser instaurado. Os fins justificam sempre os meios, mesmo que estejam ocultos, assim se compreende o número crescente de “infectados” (PCR+, teste que nunca foi clínico, mas procedimento criado e utilizado para investigação em Paleoantropologia!) e de mortes “com covid” (não “por”, porque são as outras patologias exacerbadas que matam!). Até parece que surgem de propósito!... [ler mais]
Estados Unidos: Confronto entre “globalistas” e chauvinistas-neonazistas. O que esperar de Biden? (Narciso Isa Conde) 01-2021
«A questão vai além das diferenças tradicionais entre "democratas" e "republicanos". Também supera a ação de Trump-Biden pela cadeira presidencial. Na verdade, essa luta vai além da questão de quem está saindo e quem pode chegar à Casa Branca, e quão legítimos ou enganosos são os votos de um ou do outro lado.
Partidos e candidatos são instrumentos de duas facções de grande capital, de corporações mais permanentes e estruturas com maiores raízes económicas, sociais, militares e ideológicas.
Um gravita mais no Partido Democrata e outro no Republicano, mas ambos influenciam os dois partidos e atuam por conta própria nas instituições eleCtivas, no poder corporativo, no PENTÁGONO, na CIA e no Complexo Militar-Industrial-Financeiro.
O general francês Dominique Delawarde, com vasta experiência na OTAN e actualmente dedicado a analisar o processo americano, descreve este novo fenómeno da seguinte forma:
«Desde o fracasso de Hillary Clinton nas eleições presidenciais de 2016, os Estados Unidos foram profundamente divididos em 2 campos irreconciliáveis que se detestam e se engajaram numa luta até “à morte”
Ao contrário do que as pessoas na França ou na Europa acreditam, esses dois campos não são os campos republicano e democrata, que são apenas as partes visíveis do iceberg. Os dois campos aos quais me refiro têm duas concepções opostas do mundo: eles são os “soberanistas” e os “globalistas”. Os representantes dos “globalistas” encontram-se principalmente entre os democratas, mas também podemos encontrá-los, embora em menor medida, entre os republicanos... [ler mais]
Julian Assange: Por trás do veredicto de Londres (Manlio Dinucci) 01-2021
«O que é que, na realidade, determinou a não extradição de Julian Assange para os EUA, neste momento?
Por um lado, a campanha internacional pela sua libertação, que levou o caso Assange ao conhecimento da opinião pública. Por outro lado, o facto de que um julgamento público de Julian Assange nos EUA seria extremamente embaraçoso para o ‘establishment’ político-militar.
Como prova dos "crimes" de Assange, a acusação teria de mostrar os crimes de guerra dos EUA trazidos à luz pelo WikiLeaks. Por exemplo, quando em 2010 publicou mais de 250.000 documentos americanos, muitos deles rotulados como "confidenciais" ou "secretos", sobre as guerras no Iraque e no Afeganistão.
Ou quando, em 2016, Assange já estava retido na Embaixada do Equador, em Londres, o WikiLeaks publicou mais de 30.000 emails e documentos enviados e recebidos entre 2010 e 2014 por Hillary Clinton, Secretária de Estado da Administração Obama. Entre eles encontra-se um email de 2011, que revela o verdadeiro objectivo da guerra da NATO contra a Líbia, concretizado em particular pelos EUA e pela França: impedir Gaddafi de utilizar as reservas de ouro da Líbia para criar uma moeda pan-africana alternativa ao dólar e ao franco CFA, a moeda imposta pela França a 14 antigas colónias... [ler mais]
O começo do fim: a geopolítica da vacina (Katu Arkonada) 01-2021
«Se para o historiador marxista Eric Hobsbawm o século 20 foi um século curto que começou em 1914, com a Primeira Guerra Mundial, talvez pudéssemos nos aventurar a pensar que neste 2020 que acaba de terminar, está se iniciando o século 21, um século de pandemias e crises.
Há também quem diga que o ciclo que se iniciou com a crise económica de 2008 está a terminar, mas nesse caso, se a primeira grande crise do século XXI foi uma tragédia, esta é uma farsa em que, ao contrário de 2008, onde depois a crise foi resgatada para bancos privados com dinheiro público, desta vez financiando, antecipadamente, empresas farmacêuticas privadas com dinheiro público.
Em todo caso, este 2020, que já passou, deixou claro que a relação entre as pandemias que nos assolam e o sistema capitalista de produção é cada vez mais estreita. A acumulação por espoliação teorizada por outro marxista britânico, David Harvey, tornou-se mais presente do que nunca no ano passado. A privatização dos bens comuns e a especulação com a saúde (respiradores, testes, vacinas, etc.) têm sido uma constante durante esta pandemia que ainda não acabou. (...)
Recentemente, vimos a hipocrisia da mídia no caso da jornalista da oposição presa Zhang Zhan, de acordo com as empresas de mídia transnacionais do Ocidente, por relatar e cobrir a pandemia na China. A realidade é que Zhan fez o que era proibido em qualquer país do mundo durante a pandemia: entrar em necrotérios e registar os mortos e suas famílias e depois fazer o upload no YouTube sem seu consentimento, em uma clara violação de sua privacidade... [ler mais]
A Aliança Perigosa de Rothschild e o Vaticano de Francisco (F. William Engdahl) 01-2021
«Holy Moly! O papa mais globalista e intervencionista desde as Cruzadas do século XII formalizou uma aliança com as maiores figuras das finanças globais lideradas por ninguém menos que aquela nobre família de banqueiros, Rothschild. A nova aliança é uma joint venture que eles chamam de “Conselho para o Capitalismo Inclusivo com o Vaticano”. O empreendimento é um dos mais cínicos e, dados os atores, das fraudes mais perigosas, sendo promovidas desde que o guru do WEF de Davos e protegido de Henry Kissinger, Klaus Schwab, começou a promover a Grande Restauração da ordem capitalista mundial. O que está por trás desse chamado Conselho para o Capitalismo Inclusivo com o Vaticano? (...)
Ironicamente, ou talvez não, o Papa Francisco, o parceiro escolhido para dar ao grupo de mega-capitalistas de Rothschild credibilidade "moral", está ele próprio envolvido no que poderiam ser os maiores escândalos financeiros, fraude e mau uso de fundos da Igreja na história moderna do Vaticano. Que, apesar do Papa Francisco ter declarado como novo Papa em 2013, uma de suas principais tarefas seria limpar as finanças do Vaticano repletas de escândalos. Isso dificilmente aconteceu, mesmo depois de mais de seis anos. Alguns observadores do Vaticano até afirmam que a corrupção financeira piorou... [ler mais]
ONGs exigem que a Presidência Portuguesa da União Europeia coloque o interesse público no centro das atenções 01-2021
«O Governo português vai assumir, durante seis meses, a Presidência do Conselho da União Europeia a 1 de janeiro de 2021. Sessenta e quatro organizações da sociedade civil juntaram-se ao Corporate Europe Observatory e à Transparência e Integridade para escrever uma carta aberta ao Governo português, a fim de estabelecer uma série de exigências sobre o combate à influência empresarial e a promoção da transparência, responsabilidade e reforma democrática do lobby.
A carta aberta assinala que a Presidência Portuguesa do Conselho da União Europeia terá início durante um período de turbulência política, económica, social e ambiental sem precedentes. A pandemia do coronavírus continua a ter os seus efeitos na saúde pública, no emprego e na economia, enquanto a gravidade da emergência climática ainda não desencadeou a ação profunda e urgente exigida pela União Europeia. Dentro da própria União Europeia, o Estado de Direito encontra-se ameaçado em vários países e os valores democráticos básicos estão a ser comprometidos. É imperativo que a Presidência Portuguesa dê prioridade a uma ação firme e progressiva em todas estas três frentes... [ler mais]
Do recuo ao impulso: “Nós prevaleceremos” (Marcelo Bamonte) 01-2021
«A tarefa principal a se pensar no 2021 que se aproxima é o da reconstrução da luta. O processo, dificultado bruscamente com as condições sanitárias impostas, deve ser superado para a constituição de unidade de classe, no estabelecimento do valor de luta comum de toda a classe trabalhadora. Isso, claro, exige foco, organização e principalmente coordenação dos diversos movimentos sociais, partidos e da participação ativa da classe trabalhadora em si. Fugindo de ilusões, alusões à espontaneidade e movimentismo desmedido, observar a realidade concreta se mostra mais do que necessário para que, dentro de nossas contradições de classe, possamos transformar a teoria em práxis efetiva, alterando o campo do real, não das aparências. A labuta é exaustiva, exige tempo de coordenação, estudo, estabelecimento claro de uma estratégia que contemple a questão da correlação de classes, forças sociais e meios de organização, mas deve ser feita para nossa sobrevivência.
Repito, tivemos algumas poucas vitórias ao longo do ano. A citar o saudoso movimento feminista argentino, a provisória reversão do golpe na Bolívia e a crescente dos movimentos de unificação da esquerda dentro de nosso próprio país, devemos resgatar estes acontecimentos para pensarmos no que deve ser o nosso único foco: o Brasil. A tarefa urgente reside em nossas terras, bairros, sindicatos, empregos, corpos estudantis e braços de luta. Os esforços devem focar na manutenção da pequena parcela de direitos que ainda temos, assim como mirar a expansão dos mesmos. Devemos lutar por uma educação pública de qualidade, por um sistema de saúde não sucateado, pelo direito à moradia, lazer, cultura e saneamento básico. Pela popularização do que de fato é forjado pelo povo, mas que não tem o acesso a isso. Pelo fim do genocídio do povo preto, pobre, indígena e LGBTQ+. As lutas são incontáveis... [ler mais]